A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

II CURSO DE ANTIMICROBIANOS NAS DOENÇAS INFECCIOSAS CEFALOSPORINAS 3 a e 4 a GERAÇÃO Vanessa Cardoso Hospital Regional da Asa Sul www.paulomargotto.com.br.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "II CURSO DE ANTIMICROBIANOS NAS DOENÇAS INFECCIOSAS CEFALOSPORINAS 3 a e 4 a GERAÇÃO Vanessa Cardoso Hospital Regional da Asa Sul www.paulomargotto.com.br."— Transcrição da apresentação:

1 II CURSO DE ANTIMICROBIANOS NAS DOENÇAS INFECCIOSAS CEFALOSPORINAS 3 a e 4 a GERAÇÃO Vanessa Cardoso Hospital Regional da Asa Sul 24/5/2009

2 CEFALOSPORINAS Cocos gram-negativos H.Infuenzae, M. catarrhalis Enterobactérias Gram positivos Gram negativos 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração 4ª Geração Ceftazidima P. aeruginosa Cocos gram-negativos H.Infuenzae, M. catarrhalis(produtoras de btalactamases) Enterobactérias (resistentes blactamases)

3 CEFALOSPORINAS CEFALOSPORINAS 3ª GERAÇÃO 3ª GERAÇÃO

4 CEFALOSPORINAS 3 A GERAÇÃO Bactericida Intensa atividade contra germes gram-negativos Mais estáveis à inativação pelas β-lactamases produzidas por gram (-). Alguns são indutores de produção de β-lactamases Alguns representantes tem ação contra Pseudomonas CARACTERÍSTICAS GERAIS

5 CEFALOSPORINAS Menos ativas contra algumas gram + ( Streptococcus e Staphylococcus), mais eficazes contra enterobactérias ( inclusive as resistentes às cefalosporinas de 1a e 2a geração) Atividade sobre PseudomonasAeruginosa ( ceftazidima, cefperazona) ESPECTRO DE AÇÃO

6 CEFALOSPORINAS Ação contra H.Influenzae, M.catarrhalis, Neisseria spp produtoras de betalactamase Ação contra pneumococo resistentes à penicilina (resistência intermediária)(ceftriaxona, cefotaxima e cefpodozima) ESPECTRO DE AÇÃO

7 CEFALOSPORINAS Não atuam contra Enterococo S.aureus oxacilino-resistente S.epidermidis Listeria Acinetobacter Bacterioides fragilis ESPECTRO DE AÇÃO

8 CEFALOSPORINAS Formação de complexos cefalosporina-betalactamase, impedindo a ação do antibiótico por não atingir os receptores na PBP Serratia, Enterobacter, Pseudomonas RESISTÊNCIA

9 CEFALOSPORINAS Antibiótico indutor de produção de β-lactamases: origem cromossômica; desrepressão genética ou mutação no locus regulador da produção enzimática. A quantidade de betalactamase produzida aumenta com a duração da exposição do germe ao antibiótico indutor. Altos níveis das enzimas são elaborados somente após um período da exposição e a resistência pode expressar-se tardiamente no curso da terapêutica RESISTÊNCIA

10 CEFALOSPORINAS Produção de β-lactamases de espectro expandido: E.coli, Klebsiella Origem plasmidial; transferíveis Inativamcefalosporinas de 1ª,2ª, 3ª geração e aztreonam. RESISTÊNCIA

11 CEFALOSPORINAS CEFALOSPORINAS DE 3ª GERAÇÃO DE USO ORAL

12 CEFALOSPORINAS Infecções respiratórias (faringoamigdalite, otite média aguda, sinusite aguda, pneumonia comunitária) – 2a escolha Infecções de pele e subcutâneo (celulite sem porta de entrada- alternativa à amoxicilina-clavulanato) Casos refratários pneumococo penicilino-resistente Cefpodoxima Infecção urinária INDICAÇÕES CLÍNICAS

13 CEFALOSPORINAS CEFIXIMA X CEFPODOXIMA X CEFETAMET PROXETIL PIVOXIL ®® (Orelox) ® (Globocef) ® Baixa potência contra S.aureus e pneumococo Alta atividade para S pyogenes H.influenzae, M.catarrhalis, enterobactérias e gonococos 8 mg/kg/dia 12 a 24 hs Espectro semelhante à Cefixima maior para S.aureus e Pneumococo resistente(interm) Melhor absorção com alimentos, com antiácidos 10 mg/kg/dia 12/12hs Baixa ação contra S.aureus e pneumococo, limita seu uso (S.pyogenes) Melhor absorção com alimentos 20 mg/kg/dia 12/12 hs

14 CEFALOSPORINAS CEFALOSPORINAS DE 3ª GERAÇÃO DE USO PARENTERAL

15 CEFALOSPORINAS Tratamento empírico de meningite no período neonatal (cefotaximaassociado ou não a aminoglicosídeo+ ampicilina) Tratamento empírico de meningite em criança até 5 anos (ceftriaxona) Infecções intra-hospitalares por enterobactérias (Klebsiella, Serratia, Enterobacter, Proteus, Morganela ou Providentia(ceftriaxonaou cefotaxima+ aminoglicosídeo) INDICAÇÕES CLÍNICAS

16 CEFALOSPORINAS Infecções intra-hospitalares por Pseudomonasaeruginosa(ceftazidima+ aminoglicosídeo) Sepse, infecções respiratórias (pneumonia), de pele (celulite), urinárias e intra-abdominais INDICAÇÕES CLÍNICAS

17 CEFALOSPORINAS CEFOTAXIMA X CEFTRIAXONA (Rocefin) (Claforan) Resistente à várias betalactamases Atividade para anaeróbios (+/-) Meningite neonatal Menigoencefalitesmeningococo, Pneumococo (resinterm), hemófilo, enterobactéria Abscessos cerebrais Meia vida 1 hora mg/kg/dia 6 a 8 horas Atividade similar à cefotaxima Meningoencefalites por bacilos gram- Meningites meningococo e pneumococo Infecções graves bacilos gram- entéricos urinária, intra-abdominal Doença gonocócica Profilaxia de doença meningocócica Otite média refratária Febre tifóide Meia vida prolongada: 8 horas e elevada ligação proteica Excreção renal e biliar mg/kg/dia 12 ou 24 hs.\

18 CEFALOSPORINAS CEFOPERAZONA X CEFTAZIDIMA (Fortaz) Menos ativa para gram +/ –, mais para Pseudomonas (

19 CEFALOSPORINAS CEFALOSPORINAS 4ª GERAÇÃO 4ª GERAÇÃO

20 CEFALOSPORINAS CARACTERÍSTICAS Maior estabilidade frente às betalactamases(ativa contra muitas enterobactérias resistentes a outras cefalosporinas) Ação contra germes gram-negativos, incluindo Pseudomonas (tão ativa quanto à ceftazidimaem relação à P aeuruginosa, menos ativa para outras espécies) Elevada potência contra gram-positivos, especialmente estafilococos sensíveis à oxacilina.

21 CEFALOSPORINAS Enterobactérias Pseudomonas aeruginosa H. influenzae Menigococo Estreptococo Pneumococo Estafilococo sensível à oxacilina ESPECTRO DE AÇÃO

22 CEFALOSPORINAS Não é ativa contra S.aureus meticilinorresistentes Pneumococo penicilinorresistente Enterococos B.fragilis L.monocytogenes ESPECTRO DE AÇÃO

23 CEFALOSPORINAS Infecções intra-hospitalares severas ou refratárias com a suspeita ou presença de enterobactérias do gênero Klebsiella, Serratia, enterobacter, Proteus, Morganela e P. aeruginosa. Meningite, sepse, infecções respiratórias, urinárias, de pele e tecido subcutâneo e intra-abdominais Monoterapia no neutropênico febril ESPECTRO DE AÇÃO

24 CEFALOSPORINAS CEFALOSPORINAS

25 CEFALOSPORINAS Meningite além do período neonatal (Ceftriaxona) /(+vancomicina- pneumococo resistente) Meningite e infecções graves por Pseudomonas (Ceftazidima + aminoglicosídeo/cefepime) Infecções graves com isolamento de Klebsiella, Enterobacter, Proteus, Providencia ou Serratia Neutropênico febril PRIMEIRA ESCOLHA

26 CEFALOSPORINAS Faringoamigdalite estreptocócica do grupo A Otite média aguda (refratários por produção de betalactamases) Pneumonias Celulites da face sem porta de entrada < 5 anos (cefaclor/ cefuroxima/cefpodoxima /ceftriaxona!!?) Celulites com porta de entrada (cefazolina/cefepime !!?) Meningite neonatal (cefotaxima + ampicilina) SEGUNDA ESCOLHA

27 CEFALOSPORINAS RESTRIÇÃO Streptococospneumoniaepenicilinorresistente Staphylococcusaureusmetilinorresistente Estafilococos coagulase negativo Enterococos Listeriamonocytogenes Legionellapneumophila Bacterioidesfragilis Clostridiumdifficile Campylobacterjejuni Acinetobacter

28 CEFALOSPORINAS Gram positivos Gram negativos 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração 4ª Geração

29 Fim


Carregar ppt "II CURSO DE ANTIMICROBIANOS NAS DOENÇAS INFECCIOSAS CEFALOSPORINAS 3 a e 4 a GERAÇÃO Vanessa Cardoso Hospital Regional da Asa Sul www.paulomargotto.com.br."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google