A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Plaquetas, plasma fresco e crioprecipitado: Qual a evidencia clínica para seu uso em UTIN? Apresentação:Rafael Andrade R4 UCIP Coordenação: Josileide G.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Plaquetas, plasma fresco e crioprecipitado: Qual a evidencia clínica para seu uso em UTIN? Apresentação:Rafael Andrade R4 UCIP Coordenação: Josileide G."— Transcrição da apresentação:

1 Plaquetas, plasma fresco e crioprecipitado: Qual a evidencia clínica para seu uso em UTIN? Apresentação:Rafael Andrade R4 UCIP Coordenação: Josileide G Castro 1/09/2009 Platelets, Frozen Plasma, and Cryoprecipitate: What is the Clinical Evidence for Their Use in the Neonatal Intensive Care Unit? Brandon S. Poterjoy and Cassandra D. Josephson, M Semin Perinatol 33:66-74 © 2009

2 Introdução A transfusão de plaquetas, plasma fresco, e criopreciptado é uma prática comum nas unidades de terapia intensiva neonatal. Estudos mostraram que neonatos tem níveis mais baixos de anticoagulantes naturais, dentre eles antitrombina III, proteína C e S e co-fator II.

3 Introdução Dentro de 6 semanas de vida ocorre a maturação do sistema de coagulação e todos os fatores com exceção da proteína C aproximam dos valores de adultos.

4 Introdução A proposta desse artigo é revisar os tipos de plaquetas, plasma fresco, e crioprecipitado e as bases atuais para seu uso na pratica clínica de prematuros e crianças a termos.

5 Plaquetas Na prática clínica nos EUA nas plaquetas estão disponíveis em duas formas (concentrado de plaquetas e aférese de plaquetas. Concentrado de plaquetas advém de um doador único ou de uma unidade de sangue total. Na aférese de plaquetas utiliza-se uma máquina que separa as plaquetas e devolve o restante do conteúdos sanguíneo para o doador.

6 Plaquetas O que diferencia o concentrado de plaquetas da aférese é a leucofiltração. A contaminação com células vermelhas, Rh sensibilização ocorrem mais no concentrado de plaquetas. Os dois tipos de plaquetas devem ser estocados em temperaturas constantes, agitação suave, sua vida útil é de 5 dias.

7 Plaquetas Trombocitopenia é uma alteração comum em neonatos doentes, afetando de 20-30% de todos admitidos em UTIN. 75% dos neonatos tem um grau moderado de trombocitopenia ( ). 25% tem plaquetas < As indicações de transfusão podem ser divididas em profilática e terapêuticas.

8 Plaquetas Indicações terapêuticas estão claras naquelas crianças com sangramentos. A maioria das transfusões profiláticas visam prevenir a hemorragia intraventricular. Nesses casos o limiar para transfusão e a dose do concentrado é muito controverso.

9 Plaquetas Hemorragiua intraventricular (IVH) é a causa de maior morbidade em prematuros com uma incidência de 25-31% (RN de muito muito baixo peso). Um total de 74% das IVH ocorre nas primeiras 48h de vida.

10 Plaquetas Estudos concluíram que prematuros sem sangramento com plaquetas > não devem receber concentrado de plaquetas como profilaxia. Todos os neonatos com plaquetas < são transfundidos.

11 Plaquetas Murray transfunde todos neonatos com níveis de plaquetas de < principalmente na primeira semana de vida. E 10% das crianças transfundidas com plaquetas entre tinham instabilidade ou IVH prévia.

12 Plaquetas

13 Dose 5-10mL/Kg mostra um aumento nas plaquetas de a

14 Plaquetas A decisão entre transfundir ou não transfundir crianças com plaquetas permanece incerto principalmente no contexto do risco de IVH.

15 Plaquetas O que se sabe: contagem de plaquetas > parece ser seguro na maioria dos EUA e Canadá e pode ser usado como um nível consensual para crianças criticamente doentes na primeira semana de vida.

16 Plaquetas Crianças estáveis e fora no período de IVH se transfunde com um valor de

17 Plasma fresco O Plasma contém inúmeras proteínas dentre elas a albumina é a mais abundante, complemento, sistema de transporte, gama globulinas, fatores de coagulação (fibrinogênio Fator XIII, vWF, fator VIII e fatores vit K dependente).

18 Plasma fresco Produtos plasmáticos advém do sangue total ou da plasmaferese. O tempo após a coleta ao tempo antes do congelamento determinará os produtos plasmático(fresh frozen plasma ou F24).

19 Plasma fresco Indicações: A pratica de transfusão de plasma em UTIN não está bem definida. Indicações controversas: prevenção da IVH, suporte hemodinâmico, reconstituição sanguínea devido bypass cardíaco, no tratamento da infecções suporte imunológico)

20 Plasma

21 Plasma fresco O Northern Neonatal Nursing Initiative (NNNI) testou a resposta à expansão precoce com plasma fresco congelado na tentativa de reduzir a mortalidade e morbidade em crianças com baixo peso e prematuros(<32sem). Concluiu-se que não se obtiveram diferenças significativas relatadas nos sobreviventes.

22 Plasma fresco Osborn: meta analise usando precocemente expansão com diferentes volumes dentre eles o plasma fresco. Conclusão: Não havia benefício associado com a expansão precoce com plasma fresco congelado para pré-termos (não provou melhora na pressão arterial, IVH, e diminuição da mortalidade, não resultou em melhora no neurodesenvolvimento)

23 Plasma

24 Plasma fresco Dose: 1mL de plasma contém uma unidade internacional de fatores de coagulação. Utiliza-se a dose de 10-20mL/kg de plasma. Essa quantidade é suficiente pra corrigir um déficit de fatores de coagulação em 30%

25 Crioprecipitado É um precipitado insolúvel formado à partir do descongelamento do plasma fresco congelado e é recongelado em plasma em 1 hora. O crio contém altos níveis de Fator VIII, FVW, Fibrinogênio, Fator WIII e fibrinonectina.

26 Crioprecipitado Indicação: 1 está indicado em uma segunda linha terapêutica na vWD, na deficiência do fator VIII. 2 Outras indicações: deficiência de fator XIII, controle do sangramento em pacientes com deficiência congênita ou disfunção do fibrinogênio.

27 Crioprecipitado Indicações: Doença cardíaca complicada por sepse. Deficiência congênita de proteína C Hemofilia A/B Pré-termos com ruptura da artéria umbilical.

28 Crioprecipitado 1 unidade tem cerca de 15-20mLé capaz de aumentar o fibrinogênio plasmático em mg/dL Dose para crianças e adultos é de 1U/10Kg Em neonatos 1unidade aumenta o fibrinogênio em mais de 100mg/dL Dose para neonatos 2mL/kg ou 1U/7Kg. Administração a cada 8 ou 12h por diversos dias.

29 Transfusão Relacionada a Morbimortalidade Vários estudos relatam a associação entre transfusão de plaquetas e aumento da mortalidade em neonatos. Não se dispõe de explicações clara para explicar esse aumento na morbimortalidade.

30 Complicações associado à transfusão

31


Carregar ppt "Plaquetas, plasma fresco e crioprecipitado: Qual a evidencia clínica para seu uso em UTIN? Apresentação:Rafael Andrade R4 UCIP Coordenação: Josileide G."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google