A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SEXO E DROGAS Dr. Danilo Antonio Baltieri Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SEXO E DROGAS Dr. Danilo Antonio Baltieri Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da."— Transcrição da apresentação:

1 SEXO E DROGAS Dr. Danilo Antonio Baltieri Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (GREA-IPqHCFMUSP) Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (GREA-IPqHCFMUSP) Ambulatório de Transtornos da Sexualidade das Disciplinas de Psiquiatria e Psicologia Médica da Faculdade de Medicina do ABC (ABSex - FMABC) Ambulatório de Transtornos da Sexualidade das Disciplinas de Psiquiatria e Psicologia Médica da Faculdade de Medicina do ABC (ABSex - FMABC)

2 SEXO E DROGAS 1. Introdução – Consumo precoce de drogas está associado à atividade / comportamento sexual precoce; Consumo precoce de drogas está associado à atividade / comportamento sexual precoce; Consumo regular / intenso de drogas tem sido associado a comportamentos sexuais de risco; Consumo regular / intenso de drogas tem sido associado a comportamentos sexuais de risco; O início da atividade sexual é influenciado: O início da atividade sexual é influenciado: a)Percepção da maturidade física; b)Expectativas de autonomia; c)Uso de drogas lícitas e ilícitas Sexo e Drogas – uma Ligação Perigosa ? (Donnely et al, 2001)

3 SEXO E DROGAS 2. Objetivos – Uso de Substâncias Psicoativas e Comportamentos Sexuais; Uso de Substâncias Psicoativas e Comportamentos Sexuais; Consumo de Substâncias Psicoativas e Atividades Sexuais Criminosas; Consumo de Substâncias Psicoativas e Atividades Sexuais Criminosas; Trading Sex; Trading Sex; Transtornos da Sexualidade e o Consumo de Substâncias Psicoativas Transtornos da Sexualidade e o Consumo de Substâncias Psicoativas

4 SEXO E DROGAS 2.1 Uso de Substâncias Psicoativas e Comportamentos Sexuais – Adolescentes usuários de MDMA: Adolescentes usuários de MDMA: Múltiplos parceiros sexuais; Múltiplos parceiros sexuais; Maior tempo com amigos; Maior tempo com amigos; Menor tempo com estudos (Strote et al, 2002) Menor tempo com estudos (Strote et al, 2002) 22% dos adolescentes usuários de Club Drugs atribuíram o uso à expectativa de melhor apreciar o sexo (Fendrich et al, 2003); 22% dos adolescentes usuários de Club Drugs atribuíram o uso à expectativa de melhor apreciar o sexo (Fendrich et al, 2003); O abuso de drogas e a procura por drogas podem apresentar o mesmo substrato neurobiológico: BUSCA DE SENSAÇÕES (vias dopaminérgicas) (Ross et al, 2003); O abuso de drogas e a procura por drogas podem apresentar o mesmo substrato neurobiológico: BUSCA DE SENSAÇÕES (vias dopaminérgicas) (Ross et al, 2003); Barebacking tem sido associado ao uso das Club Drugs (Halkitis et al, 2003) Barebacking tem sido associado ao uso das Club Drugs (Halkitis et al, 2003)

5 SEXO E DROGAS Uso de Substâncias Psicoativas e Comportamentos Sexuais – Expectativas Expectativas Efeitos Farmacológicos

6 SEXO E DROGAS Fases do Galanteio (K. Freund, 1998) - 1.Fase da Busca (visualizar alguém interessante em uma festa); 2.Fase da Conquista / Sedução (Troca de olhares, exibição); 3.Fase do Toque (cumprimentos, beijos, abraços) 4.Fase Copulatória (atos sexuais)

7 SEXO E DROGAS Expectativas e Efeitos das Bebidas Alcóolicas - (Gross et al, 2001)

8 SEXO E DROGAS 2. Objetivos – Uso de Substâncias Psicoativas e Comportamentos Sexuais; Uso de Substâncias Psicoativas e Comportamentos Sexuais; Consumo de Substâncias Psicoativas e Atividades Sexuais Criminosas; Consumo de Substâncias Psicoativas e Atividades Sexuais Criminosas; Trading Sex Trading Sex Transtornos da Sexualidade e o Consumo de Substâncias Psicoativas Transtornos da Sexualidade e o Consumo de Substâncias Psicoativas

9 SEXO E DROGAS 2.2 Consumo de Substâncias Psicoativas e Atividades Sexuais Criminosas – Sexo Drogas Dinheiro CRIME

10 SEXO E DROGAS Consumo de Substâncias Psicoativas e Atividades Sexuais Criminosas - 25% das mulheres que procuram o Centro Canadense de Abuso Sexual anualmente apontam o uso de drogas como importante fator associado à agressão sexual (Weir, 2001); 25% das mulheres que procuram o Centro Canadense de Abuso Sexual anualmente apontam o uso de drogas como importante fator associado à agressão sexual (Weir, 2001); Drogas do estupro GHB, Ketamina, Flunitrazepam, Álcool (Smith et al, 2002); Drogas do estupro GHB, Ketamina, Flunitrazepam, Álcool (Smith et al, 2002); Toxicologia de Vítimas de Estupro (urina): Toxicologia de Vítimas de Estupro (urina): 63% álcool etílico; 30% cannabinóides; 3% GHB (Slaughter, 2000)

11 SEXO E DROGAS Estudos de associação – Apenados por crimes sexuais têm maiores taxas de abuso/dependência de substâncias psicoativas do que a população geral (35 % dos estupradores dependentes de álcool); Apenados por crimes sexuais apresentam maiores problemas com o consumo de álcool do que apenados por outros crimes violentos; Homens com comportamento sexualmente agressivo (não apenados) mostram maiores taxas de dependência de álcool e drogas e transtornos de conduta do que homens sem este comportamento; A severidade do consumo de álcool tem sido significativamente relacionada a comportamentos sexuais violentos (Testa, 2002)

12 SEXO E DROGAS Estudos baseados em eventos – Estudos avaliam a prevalência do uso de álcool no momento do ato agressivo; 35 a 55% das vítimas de estupro consumiram bebidas alcóolicas ao tempo da ação; 60 a 65% dos agressores consumiram bebidas alcóolicas no tempo da ação; A prevalência do consumo de álcool por perpetradores E vítimas é maior do que entre pessoas envolvidas em atos sexuais consentidos

13 SEXO E DROGAS Álcool e Agressão Sexual - Agressor Uso/Abuso de álcool Álcool Álcool Agressão Álcool Álcool Agressão Diferenças Individuais: Contextos no evento Sexual Expectativas diante do consumo Hipermasculinidade Atitudes frente à violência Atividade sexual prévia Comportamento Anti-Social Impulsividade Fatores Distais Fatores Proximais

14 SEXO E DROGAS 2. Objetivos – Uso de Substâncias Psicoativas e Comportamentos Sexuais; Uso de Substâncias Psicoativas e Comportamentos Sexuais; Consumo de Substâncias Psicoativas e Atividades Sexuais Criminosas; Consumo de Substâncias Psicoativas e Atividades Sexuais Criminosas; Trading Sex Trading Sex Transtornos da Sexualidade e o Consumo de Substâncias Psicoativas Transtornos da Sexualidade e o Consumo de Substâncias Psicoativas

15 SEXO E DROGAS 2.3 Trading Sex – Dependências graves; Dependências graves; Cocaína / Crack, Opióides; Cocaína / Crack, Opióides; Impulsividade e Sintomas Depressivos; Impulsividade e Sintomas Depressivos; Moradores de rua; Moradores de rua; Desemprego; Desemprego; DSTs (Latkin et al, 2003) DSTs (Latkin et al, 2003)

16 SEXO E DROGAS 2. Objetivos – Uso de Substâncias Psicoativas e Comportamentos Sexuais; Uso de Substâncias Psicoativas e Comportamentos Sexuais; Consumo de Substâncias Psicoativas e Atividades Sexuais Criminosas; Consumo de Substâncias Psicoativas e Atividades Sexuais Criminosas; Trading Sex Trading Sex Transtornos da Sexualidade e o Consumo de Substâncias Psicoativas Transtornos da Sexualidade e o Consumo de Substâncias Psicoativas

17 SEXO E DROGAS 2.4 Transtornos da Sexualidade e o Consumo de Substâncias Psicoativas – Fases da Resposta Sexual Normal: Excitação Ach NO Platô Orgasmo NE Resolução Desejo DA GABA (??) (Stahl, 2000)

18 SEXO E DROGAS Consumo de Substâncias Psicoativas – Aumenta a resposta sexual Aumenta a resposta sexual Prejudica a resposta sexual Prejudica a resposta sexual (Clayton e Shen, 1998)

19 SEXO E DROGAS Transtornos da Sexualidade e Consumo de Substâncias Psicoativas - Disfunção Erétil – 12,1% associado ao abuso álcool / drogas (Sánchez de la Vega et al, 2003); Disfunção Erétil – 12,1% associado ao abuso álcool / drogas (Sánchez de la Vega et al, 2003); MDMA: 90% desejo MDMA: 90% desejo 40% ereção 40% ereção 90% retardo ejaculatório (Zemishlany et al, 2001) 90% retardo ejaculatório (Zemishlany et al, 2001) Orientação Homossexual MDMA associado a intercurso sexual e sexo desprotegido (Klitzman et al, 2000); Orientação Homossexual MDMA associado a intercurso sexual e sexo desprotegido (Klitzman et al, 2000); Uso de Nitritos Voláteis (Poppers) e cocaína são associados com atividades sexuais de risco e múltiplos parceiros sexuais (homoerotismo) (Ostrow et al, 1995) Uso de Nitritos Voláteis (Poppers) e cocaína são associados com atividades sexuais de risco e múltiplos parceiros sexuais (homoerotismo) (Ostrow et al, 1995)

20 SEXO E DROGAS Transtornos da Sexualidade e Consumo de Substâncias Psicoativas – Coping Burnout conduz ao escape sexual (McKirnan et al, 2001); Coping Burnout conduz ao escape sexual (McKirnan et al, 2001); Dependência de Sexo 37% comorbidade com abuso / dependência de álcool / drogas (Kafka e Hennen, 2002); Dependência de Sexo 37% comorbidade com abuso / dependência de álcool / drogas (Kafka e Hennen, 2002); Transtornos da Preferência Sexual 30% comorbidade com abuso / dependência de álcool / drogas (Alnutt et al, 1996); Transtornos da Preferência Sexual 30% comorbidade com abuso / dependência de álcool / drogas (Alnutt et al, 1996); Hipoxifilia tem sido associada ao consumo de Ketamina (Breitmeier et al, 2003) Hipoxifilia tem sido associada ao consumo de Ketamina (Breitmeier et al, 2003)

21 SEXO E DROGAS 3. Conclusões – O consumo de substâncias psicoativas pode ser: O consumo de substâncias psicoativas pode ser: Promotor de determinados comportamentos sexuais; Promotor de determinados comportamentos sexuais; Facilitador de comportamentos sexuais; Facilitador de comportamentos sexuais; Aliciador de comportamentos sexuais criminosos (autor e vítima) Aliciador de comportamentos sexuais criminosos (autor e vítima) A expectativa diante dos efeitos do consumo de álcool / drogas exerce importante influência no comportamento sexual; A expectativa diante dos efeitos do consumo de álcool / drogas exerce importante influência no comportamento sexual; Profissionais envolvidos no tratamento de dependentes químicos devem também investigar comportamentos sexuais, tendo em vista as várias repercussões deste uso na sexualidade, bem como as comorbidades existentes. Profissionais envolvidos no tratamento de dependentes químicos devem também investigar comportamentos sexuais, tendo em vista as várias repercussões deste uso na sexualidade, bem como as comorbidades existentes.

22 SEXO E DROGAS Dr. Danilo Antonio Baltieri GREA – IPqHCFMUSP GREA – IPqHCFMUSP ABSex - FMABC ABSex -


Carregar ppt "SEXO E DROGAS Dr. Danilo Antonio Baltieri Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google