A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

30/12/20131 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÉTODO DIRETO E INDIRETO Professor: José Raymundo Sobrinho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "30/12/20131 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÉTODO DIRETO E INDIRETO Professor: José Raymundo Sobrinho."— Transcrição da apresentação:

1 30/12/20131 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÉTODO DIRETO E INDIRETO Professor: José Raymundo Sobrinho

2 30/12/20132 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÉTODO DIRETO Corresponde a uma descrição do fluxo de entradas e saídas no Disponível durante o exercício.

3 30/12/20133 DFC – DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA I - Balanço em 19X0 (Empresa constituída em dezembro e ainda não em operação) ATIVOPASSIVO CIRCULANTE Caixa 300 Fornecedores Estoques NÃO CIRCULANTE PATRIMÔNIO LÍQUIDO Imobilizado Capital

4 30/12/20134 II – FATOS CONTÁBEIS DURANTE 19X1 R$ 1Compra a prazo de mercadorias Venda a prazo de mercadorias Custo das mercadorias vendidas Pagamento a fornecedores no ano Recebimento de clientes no ano Aumento de capital em dinheiro500 7 Compra do imobilizado com 20% de entrada à vista e o restante financiado a longo prazo Compra de investimentos à vista300 9Depósitos Judiciais de longo prazo250 10Seguro contra incêndio constituído em em janeiro de 19x1 com prazo de 2 anos200 continua

5 30/12/ Despesas operacionais, exceto Depreciação e Seguros, sendo que 10% do valor será pago em 19x2, logo 90% pago em 19x Apropriação das Despesas de Seguros em 19x Despesas de Depreciação Variação monetária do financiamento de longo prazo60 15Ganho na Equivalência100 16Provisão para CSLL70 17Provisão para o Imposto de Renda Transferência do saldo Apuração Resultado para Lucros Acumulados 680 continuação

6 30/12/20136 III- CONTABILIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES 19X1 CAIXA (4) (7) (5)500300(8) (6) 250(9) 200(10) 360(11) ESTOQUES (3) (1)

7 30/12/20137 CLIENTES (2) (5) 300 SEGUROS A VENCER (10)200100(12) 100 IMOBILIZADO (7) DEPÓSITOS JUDICIAIS (9)250

8 30/12/20138 INVESTIMENTOS (8)300 (15) FORNECEDORES (4) (1) CONTAS A PAGAR 40(11) EMPRÉSTIMOS A LONGO PRAZO 1.200(7) 60(14) 1.260

9 30/12/20139 PROVISÃO CSLL 70(16) PROVISÃO IRPJ 150(17) CAPITAL (6) 2.500

10 30/12/ APURAÇÃO D0 RESULTADO (3) (2) (11)400100(15) (12)100 (13)140 (14)60 (16)70 (17) (18)680

11 30/12/ LUCROS ACUMULADOS 680(18)

12 30/12/ DFLC - MÉTODO DIRETO 1. INGRESSOS DE RECURSOS 1.1 Derivados das operações 1.2. Dos sócios Integralização do capital 1.3. De Terceiros Total 2. DESTINAÇÃO DOS RECURSOS 3. VARIAÇÃO DO DISPONÍVEL (1-2) 4. SALDO DISPONÍVEL INICIO PERÍODO 5. SALDO DISPONÍVEL FINAL PERÍODO (3+4)

13 30/12/ DFC - MÉTODO DIRETO ( após os lançamentos 19X1) R$ 1. INGRESSOS DE RECURSOS 1.1 Derivados das operações Recebimento de clientes (-) Pagamento a fornecedores (-) Pagamento de despesas -360 (-) Pagamento de despesas antecipadas Dos sócios Integralização do capital De Terceiros Empréstimo de longo prazo Total continua

14 30/12/ DESTINAÇÃO DOS RECURSOS Compra do imobilizado Compra de investimentos 300 Depósitos judiciais Variação do Disponível (1-2) Saldo do disponível em X Saldo do disponível em X1(3 +4) 490 continuação

15 30/12/ IV- DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO 19X1 Vendas3.000 (-) CMV = Lucro bruto1.500 (-) Despesas, exceto Depreciação e seguros-400 (-) Despesas de Depreciação-140 (-) Despesas Seguros-100 (-) Variação Monetária Empréstimos LP-60 (+) Ganho na Equivalência100 = Lucro Operacional Líquido900 (-) Contribuição Social sobre o Lucro Líquido-70 (-) Imposto de Renda-150 (=) Lucro Líquido do Exercício680

16 30/12/ V - BALANÇO PATRIMONIAL - 19X1 ATIVO PASSIVO Circulante Caixa490 Fornecedores600 Clientes300 Contas a Pagar40 Estoques1.400 CSLL a recolher70 Despesas Antec IRPJ a recolher NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo NÃO CIRCULANTE Depósito Judicial250 Empréstimos Imobilizado PATRIMÔNIO LIQUIDO Investimentos400 Capital2.500 Imobilizado2.500 Reservas de Lucros (-) Deprec. Acum Total 5.300Total 5.300

17 30/12/ DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÉTODO INDIRETO A DFC, pelo método indireto, é muito similar à DOAR, com a diferença que as variações do Ativo Circulante (exceto do Disponível) e do Passivo Circulante passam a integrar as origens e aplicações de recursos da demonstração. Aumentos do Ativo Circulante representam aplicações e diminuições, origens. O inverso ocorre com as contas do PC. A SEGUIR VAMOS ELABORAR A DOAR- DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS, PARA FAZER A D F C – MÉTODO INDIRETO.

18 30/12/ I - ORIGENS DOS RECURSOS 1º) Das Operações (±) Resultado Líquido do Exercício (±) Ajustes itens não monetários (=) Resultado Líquido Ajustado (+) Aumentos Líquidos nas contas do Passivo Circulante (-) Aumentos Líquidos nas contas do Ativo Circulante 2º) Dos Proprietários (igual DOAR) 3º) De Terceiros II- Aplicações dos Recursos III- Variação Líquida do Disponível ( I-II ) IV- Saldo Inicial do Disponível V- Saldo Final do Disponível (III + IV)

19 30/12/ BALANÇO PATRIMONIAL – ATIVO preparado CIRCULANTE19X019X1Variação XI / X0 Caixa Clientes0300 Estoques Despesa Antecipada NÃO CIRCULANTE Realizável a longo prazo Depósito Judicial0250 Investimentos0400 Imobilizado (-) Dep. Acumulada Total

20 30/12/ V - BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO preparado CIRCULANTE19X019X1Variação XI x XO Fornecedores Contas a Pagar040 CSLL a Recolher070 IRPJ a Recolher NÃO CIRCULANTE Empréstimo PATRIMÔNIO LIQ Capital Reservas de Lucros Total

21 30/12/ ADIÇÕES E EXCLUSÕES PARA AJUSTAR O LUCRO FINS ELABORAR A DOAR + Despesas de depreciação140,00 + Variação monetária empréstimo (LP) 60,00 (-) Ganho na Equivalência 100,00

22 30/12/ ORIGENS 1.1 Das operações Resultado líquido exercício 680 (+) Despesas de Depreciação140 (+) Variação monetária de empréstimo (LP)60 (-) Ganho na Equivalência = Resultado ajustado Dos Proprietários Integralização de capital em dinheiro De Terceiros Novos empréstimos de longo prazo1.200 Total das origens DOAR – A SER UTILIZADA NO DFC – Método Indireto EFEITOS ILUSTRATIVOS

23 30/12/ APLICAÇÕES Aquisição do imobilizado Aquisição de investimentos 300 Aplicação em Depósitos Judiciais – VARIAÇÃO DO C C L ( 1-2 ) 430 DOAR – A SER UTILIZADA NO DFC – Método Indireto EFEITOS ILUSTRATIVOS

24 30/12/ Elementos X X1Variações Ativo Circulante (-) Passivo Circulante (140) (-) Capital Circulante Líquido DOAR – A SER UTILIZADA NO DFC – Método Indireto 4 – DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES DO CCL

25 30/12/ D FC - MÉTODO INDIRETO É muito similar à DOAR, com a diferença que as variações do Ativo Circulante (exceto do Disponível) e do Passivo Circulante passam a integrar as origens e aplicações de recursos da demonstração. Aumentos do Ativo Circulante representam aplicações; Diminuições do Ativo Circulante representam origens. Aumentos do Passivo Circulante representam origens; Diminuições do Passivo Circulante representam aplicações.

26 30/12/ ORIGENS 1.1 Das operações Resultado líquido exercício 680 (+) Despesas de Depreciação140 (+) Variação monetária de empréstimo (LP)60 (-) Ganho na Equivalência = Resultado ajustado (igual) ao do DOAR 780 (+) Aumentos do Passivo Circulante Contas a Pagar40 CSLL a recolher70 IR a recolher continua1.040

27 30/12/ CONTINUAÇÃO (+) Diminuições do Ativo Circulante Estoques 300 (-) Aumentos do Ativo Circulante Clientes300 Despesas antecipadas100(400) (-) Diminuições do Passivo circulante Fornecedores(400) = Subtotal Integralização de capital Empréstimos de longo prazo Aplicações 2.1 Aquisição do Imobilizado Aquisição de Investimentos300 continua

28 30/12/ CONTINUAÇÃO Aumento de depósitos Judiciais250 (2.050) 3. Variação do Disponível (1- 2) Saldo do Disponível em X Saldo do Disponível em X1 ( 3+ 4)490


Carregar ppt "30/12/20131 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÉTODO DIRETO E INDIRETO Professor: José Raymundo Sobrinho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google