A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

NOÇÕES DE PSICOPATOLOGIA. PROF. ELIO LUIZ MAUER UFPR.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "NOÇÕES DE PSICOPATOLOGIA. PROF. ELIO LUIZ MAUER UFPR."— Transcrição da apresentação:

1 NOÇÕES DE PSICOPATOLOGIA. PROF. ELIO LUIZ MAUER UFPR

2 1. ELEMENTOS DA AVALIAÇÃO PSIQUIÁTRICA. SUBJETIVOS SUBJETIVOS QUEIXA PRINCIPAL QUEIXA PRINCIPAL HISTÓRIA DA DOENÇA ATUAL HISTÓRIA DA DOENÇA ATUAL HISTÓRIA MÉDICA E PSIQUIÁTRICA PASSADA HISTÓRIA MÉDICA E PSIQUIÁTRICA PASSADA

3 AVALIAÇÃO PSIQUIÁTRICA - 2 ELEMENTOS SUBJETIVOS - 2 ELEMENTOS SUBJETIVOS - 2 HISTÓRIA SOCIAL HISTÓRIA SOCIAL HISTÓRIA FAMILIAR HISTÓRIA FAMILIAR REVISÃO DOS SISTEMAS REVISÃO DOS SISTEMAS

4 AVALIAÇÃO PSIQUIÁTRICA - 3 OBJETIVOS OBJETIVOS –EXAME FÍSICO – –EXAME DO ESTADO MENTAL – –EXAMES LABORATORIAIS – –EXAMES RADIOLÓGICOS E OUTROS

5 AVALIAÇÃO PSIQUIÁTRICA -4 ELABORAÇÃO – –DISCUSSÃO DO CASO – –DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

6 AVALIAÇÃO PSIQUIÁTRICA -5 PLANEJAMENTO TERAPÊUTICO. – –AVALIAÇÃO CONTINUADA – –TESTES – –PLANO DE TRATAMENTO

7 PSICOPATOLOGIA. O EXAME DO ESTADO MENTAL.

8 EXAME DO ESTADO MENTAL. –CONCEITUAÇÃO E IMPORTÂNCIA EM MEDICINA. –DIFICULDADES DA FENOMENOLOGIA PSIQUIÁTRICA SUBJETIVIDADE. SUBJETIVIDADE. AUSÊNCIA DE VALIDAÇÃO EXTERNA. AUSÊNCIA DE VALIDAÇÃO EXTERNA. IMPRECISÃO DE TERMOS E CONCEITOS. IMPRECISÃO DE TERMOS E CONCEITOS.

9 EXAME DO ESTADO MENTAL. REGRA BÁSICA: –DIFERENCIAR OS DADOS OBTIDOS POR ANAMNESE OBSERVAÇÃO DIRETA RELATO DO PACIENTE –DE INFERÊNCIAS A PARTIR DESTES DADOS.

10 EXAME DO ESTADO MENTAL. ELEMENTOS DO EXAME DO ESTADO MENTAL. 1. APARÊNCIA E COMPORTAMENTO. 2. ATITUDE COM O ENTREVISTADOR. 3. PSICOMOTRICIDADE. 4. AFETO E HUMOR. 5. PENSAMENTO E FALA.

11 EXAME DO ESTADO MENTAL. 6. PERCEPÇÃO. 7. ORIENTAÇÃO. 8. ATENÇÃO. 9. INTELIGÊNCIA. 10. CONFIABILIDADE, JULGAMENTO e JULGAMENTO e INSIGHT. INSIGHT.

12 EXAME DO ESTADO MEN TAL 1. APARÊNCIA. APARÊNCIA: diz respeito às características físicas do paciente.

13 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA APARÊNCIA - ITENS A SEREM CONSIDE- RADOS: NÍVEL DE CONSCIÊNCIA. NÍVEL DE CONSCIÊNCIA. VESTIMENTA. VESTIMENTA. ASSEIO. ASSEIO. IDADE APARENTE x CRONOLÓGICA. IDADE APARENTE x CRONOLÓGICA. POSIÇÃO E POSTURA. POSIÇÃO E POSTURA. continua...

14 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA....continuação EXPRESSÃO FACIAL. EXPRESSÃO FACIAL. CONTATO DOS OLHOS. CONTATO DOS OLHOS. ANOMALIAS FÍSICAS EVIDENTES. ANOMALIAS FÍSICAS EVIDENTES. OUTROS ASPECTOS CHAMATIVOS OU BIZARROS. OUTROS ASPECTOS CHAMATIVOS OU BIZARROS.

15 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA. NÍVEL DE CONSCIÊNCIA. NÍVEL DE CONSCIÊNCIA. – –ALERTA: acordado, vigilante, atento ao examinador, respondendo a estímulos.

16 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA NÍVEL DE CONSCIÊNCIA-II NÍVEL DE CONSCIÊNCIA-II – –HIPERVIGILANTE: ansiosamente atento, não relaxa, perscruta o ambiente, e se sobressalta com facilidade. CAUSAS: mania ansiedade paranóia hipertiroidismo uso de anfetamínicos

17 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA NÍVEL DE CONSCIÊNCIA-III NÍVEL DE CONSCIÊNCIA-III HIPOVIGILANTE: estados variáveis em que há diminuição de resposta ao ambiente. – –TIPOS: SONOLÊNCIA LETARGIA OBNUBILAÇÃO ESTUPOR COMA

18 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA NÍVEL DE CONSCIÊNCIA-III NÍVEL DE CONSCIÊNCIA-III(cont) – –CAUSAS: privação do sono intoxicação por droga(álcool) edema cerebral estado pos-ictal concussão cerebral infecção do SNC grandes ou agudas lesões do SNC delirium

19 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA. VESTIMENTA E ASSEIO = estes aspectos refletem: STATUS SOCIOECONÔMICO OCUPAÇÃO AUTO-ESTIMA INTERESSE NA VIDA SOCIALIZAÇÃO MOTIVAÇÃO E CAPACIDADE DE SE APRE- SENTAR ADEQUADAMENTE.

20 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA. VESTIMENTA E ASSEIO - II – –ÍTENS: PENTEADO LIMPEZA UNHAS BARBA VESTIMENTA HIGIENE ORAL ODORES CORPORAIS

21 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA IDADE APARENTE: parecer mais velho pode indicar saúde física comprometida por: DOENÇA MÉDICA ABUSO DE ÁLCOOL DEPRESSÃO SITUAÇÃO DE VIDA DIFÍCIL

22 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA POSIÇÃO E POSTURA. – –POSIÇÃO = localização do corpo do paciente no espaço. DE PÉ, DEITADO, etc – –POSTURA= situação das partes do corpo INCLINADO, PERNAS CRUZADAS, etc

23 EXAME DO ESTADO MENTAL APARÊNCIA. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS: – –TATUAGENS – –SINAL DE AGULHAS – –CICATRIZES (tentativas de sc, automutilação) – –SUDORESE – –RAÇA – –COR DA PELE – –SEXO

24 EXAME DO ESTADO MENTAL EXAME DO ESTADO MENTAL 2. ATITUDE COM O ENTREVISTADOR é avaliada na relação entre o paciente e o examinador, e nas reações do paciente ao próprio processo de entrevista. é avaliada na relação entre o paciente e o examinador, e nas reações do paciente ao próprio processo de entrevista.

25 EXAME DO ESTADO MENTAL 2. ATITUDE COM O ENTREVISTADOR TERMOS DESCRITIVOS: – – cooperativo – – não cooperativo – – hostil – – reservado – – desconfiado – – regredido

26 EXAME DO ESTADO MENTAL 3. ATIVIDADE PSICOMOTORA (psicomotricidade) AGITAÇÃO PSICOMOTORA - hiperatividade RETARDO PSICOMOTOR -bradicinesia NEGATIVISMO ECOPRAXIA CATALEPSIA - flexibilidade cérea

27 EXAME DO ESTADO MENTAL 3. ATIVIDADE PSICOMOTORA (psicomotricidade) ATIVIDADE MOTORA (cont.) – –TREMORES – –MOVIMENTOS ANÔMALOS - acinesia, movimentos coreoatetóides, discinesia tardia. – –DISTONIAS – –TICS: ecolalia, coprolalia, estereotipias – –COMPULSÕES (obsessões)

28 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. = estado emocional estado emocional

29 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. DEFINIÇÕES: HUMOR: É O SENTIMENTO INTERNO PREDOMINANTE EM UMA PESSOA. (Este conceito implica num estado emocional sustentado no tempo, e consistente)

30 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. – –AFETIVIDADE ou AFETO: É A MANIFESTAÇÃO EXTERNA E DINÂMICA DO ESTADO EMOCIONAL DE UMA PESSOA. (Este conceito implica na expressão momento-a-momento de emoções)

31 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. QUADROS CLÍNICOS LIGADOS AO HUMOR E AFETO: DEPRESSÃO MANIA ANSIEDADE.

32 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. DEFINIÇÕES: DEFINIÇÕES: DEPRESSÃO: sindrome caracterizada bàsicamente por um afeto disfórico (em geral triste) ou uma incacidade de sentir prazer e outros sintomas secundários. DEPRESSÃO: sindrome caracterizada bàsicamente por um afeto disfórico (em geral triste) ou uma incacidade de sentir prazer e outros sintomas secundários.

33 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. MANIA: MANIA: –sindrome, freqüentemente oposta à depressão, caracterizada por afeto eufórico ou irritável e por um generalizado estado de aumento de atividade.

34 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. ANSIEDADE: ANSIEDADE: –estado afetivo desagradável carac- terizado psicológicamente por uma sensação de perigo iminente, e por sintomas físicos como alteração dos ritmos respiratório e cardíaco, alterações vasomotoras, sudorese, tremores, etc.

35 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. EUTIMIA EUTIMIA RAIVA RAIVA EUFORIA EUFORIA APATIA APATIA DISFORIA DISFORIA APREENSÃO APREENSÃO

36 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. AVALIAÇÃO DO AFETO (HUMOR): –– –– PARÂMETROS: TIPO ADEQUAÇÃO INTENSIDADE MOBILIDADE EXTENSÃO REATIVIDADE

37 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. TIPOS BÁSICOS DE HUMOR(AFETO) e termos usados para descrevê-los EUTÍMICO (normal) = CALMO CONFORTÁVEL AMIGÁVEL SEM ALTERAÇÃO

38 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. RAIVA: – –BRABO – –BELICOSO – –BELIGERANTE – –CONFRONTANTE – –HOSTIL –IRASCÍVEL –IRADO –IRRITÁVEL –FRUSTRADO

39 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. EUFÓRICO. – –ALEGRE – –EXTÁTICO – –JOVIAL APÁTICO. –EMBOTADO –ACHATADO –POBRE

40 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. DISFÓRICO: – –DESESPERANÇA- DO – –ENLUTADO – –LÚGUBRE – –TRISTE... APREENSIVO: –ANSIOSO –TEMEROSO –ASSUSTADO –NERVOSO –TENSO –PREOCUPADO...

41 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. TIPO: – –Um dos seis tipos já estudados ADEQUAÇÃO: –ADEQUADO/ CONGRUENTE –INADEQUADO/ INCONGRUEN- TE

42 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. INTENSIDADE – –NORMAL –EMBOTADO –EXAGERADO –ACHATADO –AUMENTADO –DRAMÁTICO MOBILIDADE. –MÓVEL –DIMINUIDA –FIXA –IMÓVEL –LÁBIL

43 EXAME DO ESTADO MENTAL 4. AFETO E HUMOR. EXTENSÃO. –COMPLETA –INCOMPLETA REATIVIDADE. –REATIVA –NÃO REATIVA

44 EXAME DO ESTADO MENTAL 5. FALA E LINGUAGEM. ASPECTOS: – –a- SEMÂNTICOS àrea temporal esquerda – –b- MOTORES ou expressivos lobo temporal esquerdo lobo temporal esquerdo – –C- EMOCIONAL: hemisfério direito

45 EXAME DO ESTADO MENTAL 5. FALA E LINGUAGEM. AFASIAS. São distúrbios fundamentais da fala e linguagem. Define-se com perda ou deterioração da capacidade de compreender e expressar idéias através da linguagem, incluindo- se aqui escrita, leitura, fala e compreensão.

46 EXAME DO ESTADO MENTAL 5. FALA E LINGUAGEM. IMPORTÂNCIA: IMPORTÂNCIA: – – Descartar alterações da fala na avaliação dos distúrbios do pensamento.

47 EXAME DO ESTADO MENTAL 5. FALA E LINGUAGEM. ELEMENTOS DA 1. FLUÊNCIA 2. REPETIÇÃO 3. COM PREEN- SÃO 4. NOMEAÇÃO AVALIAÇÃO: 5. ESCRITA 6. LEITURA 7. PROSÓDIA 8. QUALIDADE DA FALA

48 PSICOPATOLOGIA 5. FALA E LINGUAGEM. FLUÊNCIA. – –É avaliada pela FALA EXPONTÂNEA – –NORMAL: palavras/minuto

49 PSICOPATOLOGIA 5. FALA E LINGUAGEM. REPETIÇÃO:capacidade de repetir palavras e frases. AVALIAÇÃO: a partir de palavras simples até frases complexas ALTERAÇÕES: PERSEVERAÇÃO ECOLALIA VERBIGERAÇÃO PALILALIA

50 PSICOPATOLOGIA 5. FALA E LINGUAGEM. COMPREENSÃO: é a capacidade de entender o dito, avaliada pela resposta motora a instruções verbais, de complexidade crescente em um, dois ou tres estágios. Exs: Um = aponte para o seu nariz Dois = encoste sua mão esquerda no ouvido direito Tres = pegue o lápis, coloque-o no bolso e cruze as pernas

51 PSICOPATOLOGIA 5. FALA E LINGUAGEM. NOMEAR: é a capacidade de designar os nomes de objetos. AVALIAÇÃO: avalia-se pedindo ao paciente que de nomes a objetos do ambiente ou utilizando cartelas apropriadas (com desenhos de obje- tos ou cenas complexas). Níveis de ajuda: A) PISTA SEMÂNTICA: para que serve... B) PISTA FONÊMICA:começa com a letra.. C) MÚLTIPLA ESCOLHA:qual destas...

52 PSICOPATOLOGIA 5. FALA E LINGUAGEM. ESCRITA: normalmente erros de escrita espelham alterações da fala, podendo ser causados por AFASIAS, DISLEXIA etc. POSSÍVEIS ACHADOS: – –MICROGRAFIA = Parkinson – –HIPERGRAFIA = Estado interictal na epilepsia de lobo temporal

53 PSICOPATOLOGIA 5. FALA E LINGUAGEM. LEITURA: a capacidade de ler alto não significa necessàriamente compreensão. DISLEXIA: incapacidade de ler por defeito no desenvolvimento ALEXIA: incapacidade adquirida que frequentemente acompanha as AFASIAS.

54 PSICOPATOLOGIA 5. FALA E LINGUAGEM. PROSÓDIA: é avaliada na musicalidade e entonação das palavras e frases e na relação das entonações com o sentido das frases. ALTERAÇÃO: FALA MONÓTONA CAUSAS: disfunção do hemisfério direito depressão alexitimia

55 PSICOPATOLOGIA 5. FALA E LINGUAGEM. QUALIDADE DA FALA: diz respeito a compreensibilidade desta. ELEMENTOS DA AVALIAÇÃO: A) FACIES B) SITUAÇÃO DENTÁRIA C) RESPIRAÇÃO D) RIQUEZA, TOM etc.

56 PSICOPATOLOGIA PSICOPATOLOGIA.PSICOPATOLOGIA PSICOPATOLOGIA. SINTOMA POSITIVO: acrescenta alguma característica ou comportamento normalmente inexistente. Exs: delírios, alucinações, labilidade afetiva, etc. SINTOMA NEGATIVO: perda de alguma característica ou habilidade. Exs:afeto embotado, isolamento social, etc.

57 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. Não é possível avaliar o PENSAMENTO de forma direta. O fazemos através da FALA, da ESCRITA, ou da LINGUAGEM SIMBÓLICA

58 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. LINGUAGEM AFASIA DISARTRIA

59 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. TIPOS DE PENSAMENTO NORMAL: TIPOS DE PENSAMENTO NORMAL: – –PENSAMENTO FANTASIOSO NÃO DIRIGIDO - autista ou dereístico – –PENSAMENTO IMAGINATIVO – –PENSAMENTO RACIONAL ou CONCEITUAL

60 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. CARACTERÍSTICAS DO PENSAMENTO NORMAL CARACTERÍSTICAS DO PENSAMENTO NORMAL – –PERSISTÊNCIA – –ORGANIZAÇÃO – –CONTINUIDADE

61 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. – –DEFINIÇÃO: fluxo de idéias, símbolos e associações dirigidos, desencadeados por um problema e levando a uma conclusão dentro da realidade. – –LOCALIZAÇÃO: não tem localização, dependendo provàvelmente de uma série de àreas, principalmente dos córtex associativos

62 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. CONSIDERAMOS 3 ASPECTOS: 1. CURSO=fluxo 2. CONTEÚDO=produto 3. FORMA=organização

63 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. CURSO DO PENSAMENTO POBREZA DO PENSAMENTO SALADA DE PALAVRAS LOGORRÉIA PRESSÃO DO PENSAMENTO PERSEVERAÇÃO ASSOCIAÇÕES FROUXAS

64 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. FUGA DE IDÉIAS BLOQUEIO DO PENSAMENTO ASSOCIAÇÕES SONORAS CIRCUNSTANCIALIDADE TANGENCIALIDADE DESCARRILHAMENTO

65 PSICOPATOLOGIA PENSAMENTO. CONTEÚDO DO PENSAMENTO. CONTEÚDO DO PENSAMENTO.

66 PSICOPATOLOGIA PENSAMENTO. DELÍRIOS DELÍRIOS IDEAÇÃO AGRESSIVA IDEAÇÃO AGRESSIVA OBSESSÕES OBSESSÕES PARANÓIA PARANÓIA SUSPEIÇÃO SUSPEIÇÃO FOBIA FOBIA POBREZA DO PENSAMENTO POBREZA DO PENSAMENTO

67 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. DELÍRIOS. DELÍRIOS. Definição: Definição: falsa e inabalável crença, não determinada culturalmente ou compartilhada por um grupo e que não podem ser modificadas pelas evidências contrárias.

68 PSICOPATOLOGIA PENSAMENTO. TIPOS. TIPOS. –EROTOMANIA –DE CIÚMES –SOMÁTICOS –NIHILÍSTICOS –DE REFERÊNCIA (Idéias) –QUASI-DELÍRIOS: IDÉIAS SUPERVALORIZADAS IDÉIAS SUPERVALORIZADAS PENSAMENTO MÁGICO PENSAMENTO MÁGICO

69 PSICOPATOLOGIA PENSAMENTO. FOBIAS. FOBIAS. Definição: é o pavor de um objeto ou situação que, na realidade, não representa uma ameaça. Definição: é o pavor de um objeto ou situação que, na realidade, não representa uma ameaça.

70 PSICOPATOLOGIA PENSAMENTO. TIPOS: TIPOS: –AGORAFOBIA –FOBIA SOCIAL –FOBIAS SIMPLES

71 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. OBSESSÕES. OBSESSÕES. –Definição: são pensamentos indesejáveis, desagradáveis e intrusivos, que não podem ser eliminados pela própria vontade. são pensamentos indesejáveis, desagradáveis e intrusivos, que não podem ser eliminados pela própria vontade.

72 PSICOPATOLOGIA 6. PENSAMENTO. IDEAÇÃO VIOLENTA: IDEAÇÃO VIOLENTA: –IDÉIAS DE SUICÍDIO DESEJO PASSIVO DESEJO PASSIVO PENSAMENTO SUICIDA PENSAMENTO SUICIDA PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO TENTATIVA TENTATIVA – IDÉIAS AGRESSIVAS

73 PSICOPATOLOGIA 7. PERCEPÇÃO. PERCEPÇÃO: diz respeito à captação dos estímulos pelos órgão dos sentidos sensopercepção, por outro lado, se refere à elaboração destes elementos.

74 PSICOPATOLOGIA 7. PERCEPÇÃO. – –DISTÚRBIOS BÁSICOS DA PERCEPÇÃO ILUSÕES ALUCINAÇÕES ALUCINAÇÕES DESPERSONALIZAÇÃO DESPERSONALIZAÇÃO DESREALIZAÇÃO DESREALIZAÇÃO DÉJÀ/JAMAIS VU DÉJÀ/JAMAIS VU

75 PSICOPATOLOGIA 7. PERCEPÇÃO. ILUSÕES: são interpretações erroneas de estímulos reais. CAUSAS: – –exaustão – –ansiedade – –alterações de consciência – –delirium

76 PSICOPATOLOGIA 7. PERCEPÇÃO. ALUCINAÇÕES: DEFINIÇÃO: percepção sem objeto/estímulo (Esquirol)

77 PSICOPATOLOGIA 7.PERCEPÇÃO. TIPOS: segundo o orgão dos sentidos afetado. – –AUDITIVAS – –VISUAIS – –OLFATIVAS – –HAPTICAS ou tácteis

78 PSICOPATOLOGIA 7. PERCEPÇÃO. AUDITIVAS. AUDITIVAS. –são as alucinações mais comuns, especialmente importantes nos quadros psiquiátricos TIPOS: TIPOS: –ECO DE PENSAMENTO –ALUCINAÇÕES DE COMANDO

79 PSICOPATOLOGIA 7. PERCEPÇÃO. VISUAIS: VISUAIS: –mais comuns em quadros orgâni cos: DEMÊNCIA, DELIRIUM, ESTADOS DE ABSTINÊNCIA ou INTOXICAÇÃO, EPILEPSIA TEMPORAL, ENXAQUECA. DEMÊNCIA, DELIRIUM, ESTADOS DE ABSTINÊNCIA ou INTOXICAÇÃO, EPILEPSIA TEMPORAL, ENXAQUECA.

80 PSICOPATOLOGIA 7. PERCEPÇÃO. OLFATIVAS e GUSTATIVAS: - como as visuais, mais comum em quadros orgânicos como descargas epileptiformes do lobo temporal OLFATIVAS e GUSTATIVAS: - como as visuais, mais comum em quadros orgânicos como descargas epileptiformes do lobo temporal TACTEIS ou HÁPTICAS: TACTEIS ou HÁPTICAS: –tipo formigamento, ocorre em delirium.

81 PSICOPATOLOGIA 7. PERCEPÇÃO. DESPERSONALIZAÇÃO: DESPERSONALIZAÇÃO: –sensação de que o eu ou o corpo é irreal ou não familiar DESREALIZAÇÃO: DESREALIZAÇÃO: –sensação de que o meio não é real ou conhecido Ocorre em quadros epiléticos, Ocorre em quadros epiléticos, distúrbios histéricos distúrbios histéricos adolescência normal adolescência normal

82 PSICOPATOLOGIA 7. PERCEPÇÃO. DÉJÀ VU: sensação de já ter visto ou vivido uma situação nova DÉJÀ VU: sensação de já ter visto ou vivido uma situação nova JAMAIS VU: sensação de estranheza em relação a uma situação conhecida JAMAIS VU: sensação de estranheza em relação a uma situação conhecida –OCORRÊNCIA: epilepsia e outros quadros neurológicos ou psiquiátricos, e epilepsia e outros quadros neurológicos ou psiquiátricos, e normalmente normalmente

83 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. DEFINIÇÃO: é a capacidade de saber e pensar, usando o intelecto, a lógica, raciocínio, memória e todas as funções corticais superiores. Preservada, a cognição permite ao indivíduo avaliar o seu mundo interior e exterior, interagir com outros e administrar sua vida diária DEFINIÇÃO: é a capacidade de saber e pensar, usando o intelecto, a lógica, raciocínio, memória e todas as funções corticais superiores. Preservada, a cognição permite ao indivíduo avaliar o seu mundo interior e exterior, interagir com outros e administrar sua vida diária

84 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. ÍTENS DA AVALIAÇÃO COGNITIVA. ÍTENS DA AVALIAÇÃO COGNITIVA. ORIENTAÇÃO ORIENTAÇÃO ATENÇÃO/CONCENTRAÇÃO ATENÇÃO/CONCENTRAÇÃO MEMÓRIA MEMÓRIA INTELIGÊNCIA INTELIGÊNCIA ABSTRAÇÃO e CONCEITUALIZAÇÃO ABSTRAÇÃO e CONCEITUALIZAÇÃO

85 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. Diferente dos outros ítens do E.E.M., a cognição deve ser, também, avaliada de forma estruturada Diferente dos outros ítens do E.E.M., a cognição deve ser, também, avaliada de forma estruturada O MINI-EXAME DO ESTADO MENTAL. O MINI-EXAME DO ESTADO MENTAL.

86 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. FATORES DE RISCO PARA DISFUNÇÃO COGNITIVA: FATORES DE RISCO PARA DISFUNÇÃO COGNITIVA: –IDADE AVANÇADA –TRAUMATISMOS –DOENÇAS MÉDICAS E NEUROLÓ- GICAS QUE AFETAM O CÉREBRO –DROGAS –FEBRE/INFECÇÃO DO SNC

87 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. ORIENTAÇÃO - o paciente deve saber quem é, onde está e quando ( hora e data) ORIENTAÇÃO - o paciente deve saber quem é, onde está e quando ( hora e data) –TEMPO –LUGAR –PESSOA A gravidade da perda destas funções se avalia também nesta ordem. A gravidade da perda destas funções se avalia também nesta ordem.

88 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. CAUSAS DE DESORIENTAÇÃO. CAUSAS DE DESORIENTAÇÃO. –ESTADOS CONFUSIONAIS –LESÃO DIFUSA DO CÓRTEX PRÉFRONTAL (bilateral) –SINDROMES AMNÉSTICAS –SEDAÇÃO

89 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. ATENÇÃO e CONCENTRAÇÃO. ATENÇÃO e CONCENTRAÇÃO. ATENÇÃO: é a capacidade de enfocar e dirigir os processos cognitivos ATENÇÃO: é a capacidade de enfocar e dirigir os processos cognitivos CONCENTRAÇÃO ou atenção sustentada: é a capacidade de enfocar e sustentar a atenção por um período de tempo. CONCENTRAÇÃO ou atenção sustentada: é a capacidade de enfocar e sustentar a atenção por um período de tempo.

90 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO. AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO. –EXTENSÃO NUMÉRICA: pede-se ao paciente que repita uma série progressivamente maior de números. NORMAL= repetição de séries com 5 a 7 números. –SÉRIES INVERSAS: números em ordem inversa. –PATOLOGIAS: DELIRIUM, DEMÊNCIA MODERADA....

91 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO. AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO. –CONTAR EM ORDEM DECRESCENTE DE X a Y: por exemplo, de 78 a 49. –SUBTRAIR EM SÉRIE DE 7: a partir de 100 –DIZER NOMES DOS DIAS DA SEMANA OU MESES DO ANO AO CONTRÁRIO.

92 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. MEMÓRIA. MEMÓRIA. ATENÇÃO ATENÇÃOREGISTRO MEMÓRIA DE CURTO PRAZO MEMÓRIA DE CURTO PRAZO MEMÓRIA DE LONGO PRAZO MEMÓRIA DE LONGO PRAZOEVOCAÇÃO

93 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. DEFINIÇÕES: DEFINIÇÕES: –REGISTRO: capacidade imediata de lembrar novos dados - duração de SEGUNDOS. –MEMÓRIA DE CURTO PRAZO (recente) : precede a consolidação de memória de longo prazo. É TEMPORÁRIA - segundos a minutos. É TEMPORÁRIA - segundos a minutos.

94 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. –MEMÓRIA DE LONGO PRAZO (remota): representa a consolidação da memória, tendo duração variável. –AMNÉSIA RETRÓGRADA –AMNÉSIA ANTERÓGRADA

95 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. INTELIGÊNCIA: só uma impressão geral pode ser realizada no E.E.M. INTELIGÊNCIA: só uma impressão geral pode ser realizada no E.E.M. CAPACIDADE DE ABSTRAÇÃO CAPACIDADE DE ABSTRAÇÃO VOCABULÁRIO VOCABULÁRIO IMPRESSÃO CLÍNICA DO Q.I. IMPRESSÃO CLÍNICA DO Q.I.

96 PSICOPATOLOGIA 8. COGNIÇÃO. ABSTRAÇÃO E CONCEITUAÇÃO ABSTRAÇÃO E CONCEITUAÇÃO –ABSTRAÇÃO: capacidade de pensamento em nível superior, envolvendo conceituação de idéias além dos conceitos óbvios, concretos. –AVALIAÇÃO: interpretação de provérbios

97 PSICOPATOLOGIA 9. INSIGHT E JULGAMENTO DEFINIÇÕES. DEFINIÇÕES. INSIGHT: capacidade de perceber os significados sutís de pensamentos, idéias e sentimentos, principalmente no que diz respeito a si mêsmo. O insight é função de maturi- dade. INSIGHT: capacidade de perceber os significados sutís de pensamentos, idéias e sentimentos, principalmente no que diz respeito a si mêsmo. O insight é função de maturi- dade.

98 PSICOPATOLOGIA 9. INSIGHT E JULGAMENTO JULGAMENTO: processo de for- mar uma opinião ou conclusão baseado em informação e que leva a uma conclusão que adequadamente pesa e avalia os elementos importantes de uma questão. Capacidade de diferenciar entre o bem e o mal JULGAMENTO: processo de for- mar uma opinião ou conclusão baseado em informação e que leva a uma conclusão que adequadamente pesa e avalia os elementos importantes de uma questão. Capacidade de diferenciar entre o bem e o mal

99 PSICOPATOLOGIA 9. INSIGHT E JULGAMENTO insightjulgamento DECISÃO AÇÃO

100 PSICOPATOLOGIA 10. CONFIABILIDADE. DEFINIÇÃO: DEFINIÇÃO: – medida da sensação transmitida pelo paciente, durante a entrevista, quanto à fidelidade dos dados transmitidos. O quanto foi convincente e verdadeiro, por qualquer motivo.

101 PSICOPATOLOGIA - SENSIBILIDADE DO SINTOMA: a medida em que a presença de sinais e sintomas, isoladamente tem força diagnóstica. OS SINAIS E SINTOMAS PSIQUIÁTRICOS TÊM SENSIBILIDADE BAIXA. OS SINAIS E SINTOMAS PSIQUIÁTRICOS TÊM SENSIBILIDADE BAIXA.


Carregar ppt "NOÇÕES DE PSICOPATOLOGIA. PROF. ELIO LUIZ MAUER UFPR."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google