A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ATUAÇÃO MÉDICA Programa de Prevenção Dependência Química.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ATUAÇÃO MÉDICA Programa de Prevenção Dependência Química."— Transcrição da apresentação:

1 ATUAÇÃO MÉDICA Programa de Prevenção Dependência Química

2 Atuação Médica PACIENTE DEPENDENTE QUÍMICO AVALIAÇÃO MÉDICA NEGAÇÃO DA DOENÇA SENSIBILIZAÇÃOSENSIBILIZAÇÃO

3 SinaisSintomas Dependente Químico Sinais e Sintomas apresentados pelo Paciente Dependente Químico Avaliação Médica: Comprometimento Físico Comprometimento Psíquico Síndrome de Abstinência Avaliação Médica

4 ENCAMINHAMENTO Avaliação Diagnóstico Encaminhamento: Tratamento Ambulatorial Internação

5 DEFINIÇÕES (OMS) Droga: Qualquer substância (exceto alimentos) ou mistura que altera a função biológica e possivelmente a sua estrutura Droga Psicotrópica: Altera as funções psíquicas atuando no SNC e modificando o comportamento, o humor e a cognição, com propriedades reforçadoras, sendo passível de auto-administração

6 INTOXICAÇÃO Drogas instalam um quadro (periódico ou crônico) de intoxicação, dependendo de: Freqüência de uso Freqüência de uso Quantidade usada Quantidade usada Estado de higidez Estado de higidez Natureza da droga Natureza da droga Pureza da droga Pureza da droga

7 CONSUMO ABUSIVO X DEPENDENTE Consumo abusivo de drogas Situação de auto-administração que se desvia dos padrões socioculturais aceitos. Consumo dependente de drogas Situação de estado mental e/ou físico que resulta da interação entre o organismo e a(s) droga(s).

8 USO NOCIVO DE SUBSTÂNCIAS Falência para preencher obrigações no trabalho, na escola ou em casa.Falência para preencher obrigações no trabalho, na escola ou em casa. Situações fisicamente comprometedorasSituações fisicamente comprometedoras Problemas legais constantes relacionados com o uso da substância.Problemas legais constantes relacionados com o uso da substância. Problema social ou interpessoal persistente ou constante, ou que seria exacerbado pelos efeitos da substância.Problema social ou interpessoal persistente ou constante, ou que seria exacerbado pelos efeitos da substância.

9 DEPENDÊNCIA Adaptação à presença continuada da(s) droga(s) e cuja tentativa de supressão produz distúrbios fisiológicos e/ou psíquicos acentuados.Adaptação à presença continuada da(s) droga(s) e cuja tentativa de supressão produz distúrbios fisiológicos e/ou psíquicos acentuados. Consumo sem controle, geralmente associado a problemas sérios para o usuário.Consumo sem controle, geralmente associado a problemas sérios para o usuário.

10 ESTREITAMENTO DO REPERTÓRIO Conforme a dependência avança, os estímulos relacionam-se crescentemente com o alívio ou evitação da abstinência. Conforme a dependência avança, os estímulos relacionam-se crescentemente com o alívio ou evitação da abstinência. Repertório pessoal torna-se cada vez mais restritivo, com padrões cada vez mais fixos. Repertório pessoal torna-se cada vez mais restritivo, com padrões cada vez mais fixos. Indivíduo passa a ingerir a mesma droga, nos mesmos horários e nas mesmas condições. Indivíduo passa a ingerir a mesma droga, nos mesmos horários e nas mesmas condições.

11 SALIÊNCIA DO USO Indivíduo passa a priorizar a manutenção da ingestão da droga.Indivíduo passa a priorizar a manutenção da ingestão da droga. Consumo vai se tornando mais importante que a família, o trabalho, a casa, a saúde.Consumo vai se tornando mais importante que a família, o trabalho, a casa, a saúde. Sujeito passa a centrar seu comportamento e suas atividades em função da droga.Sujeito passa a centrar seu comportamento e suas atividades em função da droga.

12 TOLERÂNCIA Diminuição da sensibilidade aos efeitos da droga, que ocorre como resultado da prévia exposição a ela.Diminuição da sensibilidade aos efeitos da droga, que ocorre como resultado da prévia exposição a ela. Necessidade de quantidades aumentadas da substância para atingir intoxicação ou o efeito desejado.Necessidade de quantidades aumentadas da substância para atingir intoxicação ou o efeito desejado.

13 Abstinência Sintomas de abstinência resultam de adaptações feitas pelo cérebro à interrupção ou redução do uso das substâncias;Sintomas de abstinência resultam de adaptações feitas pelo cérebro à interrupção ou redução do uso das substâncias; Manifestações clínicas da abstinência variam conforme a droga ingerida;Manifestações clínicas da abstinência variam conforme a droga ingerida; Mesma substância (ou outra bastante parecida) é usada para aliviar ou evitar sintomas de abstinência;Mesma substância (ou outra bastante parecida) é usada para aliviar ou evitar sintomas de abstinência;

14 COMPULSÃO PARA O USO Percepção subjetiva que o indivíduo tem de sua falta de controle.Percepção subjetiva que o indivíduo tem de sua falta de controle. Sensação de estar nas garras de algo indesejado, como fissura, craving, desejo intenso.Sensação de estar nas garras de algo indesejado, como fissura, craving, desejo intenso. Ato executado contra a vontade ativa do sujeito e apesar do reconhecimento de seu caráter absurdo.Ato executado contra a vontade ativa do sujeito e apesar do reconhecimento de seu caráter absurdo.

15 REISNTALAÇÃO APÓS A ABSTINÊNCIA Processo através do qual uma síndrome que levou anos para se desenvolver pode se reinstalar dentro de 72 horas de ingestão. Processo através do qual uma síndrome que levou anos para se desenvolver pode se reinstalar dentro de 72 horas de ingestão. Dependência reemerge como se houvesse uma memória irreversível instalada. Dependência reemerge como se houvesse uma memória irreversível instalada.

16 Quantidade de Álcool Puro nas Diversas Bebidas Alcoólicas Tipo de Bebida Porcentagem de Álcool (%) Gramas de Álcool Unidades de Álcool Cerveja-350ml (lata) 5171,7 Cerveja-600ml (garrafa) 5303 Chopp-200ml5101 Chopp-300ml5151,5 Vinho-200ml (copo) 12242,4 Vinho-750ml (garrafa) Destilados-50ml (1 dose) aguardente, whisky, vodka Destilados-750ml

17 Riscos de Consumo Alcoólico em Homens e Mulheres RiscosMulheresHomens Baixo Menos de 14 unidades/semana (menos de 2 unidades por dia) Menos de 21unidades/semana (menos de 3 unidades por dia) Moderado De 15 a 35 unidades/semana (de 2 a 5 unidades por dia) De 22 a 50 unidades/semana (de 3 a 7 unidades por dia) Alto Mais de 36 unidades/semana (mais de 5 unidades por dia) Mais de 51 unidades/ semana (mais de 7 unidades por dia)

18 Sintomas de Abstinência Alcoólica Tremores: podem variar de tremores finos de extremidades até tremores grosseiros pelo corpo inteiroTremores: podem variar de tremores finos de extremidades até tremores grosseiros pelo corpo inteiro NáuseasNáuseas Sudorese: desde uma sensação de pele úmida até acordar completamente molhado pela manhãSudorese: desde uma sensação de pele úmida até acordar completamente molhado pela manhã Perturbação do humor: desde uma irritabilidade aumentada até um estado de agitação, depressão e ansiedadePerturbação do humor: desde uma irritabilidade aumentada até um estado de agitação, depressão e ansiedade

19 Tratamento da Abstinência Alcoólica – 4 objetivos 1. Aliviar os sintomas e o desconforto do paciente 2. Prevenir complicações associadas ao quadro (alucinações e convulsões) 3. Favorecer o vínculo do paciente com o tratamento da dependência 4. Possibilitar síndromes de abstinência menos graves no futuro 1. Aliviar os sintomas e o desconforto do paciente 2. Prevenir complicações associadas ao quadro (alucinações e convulsões) 3. Favorecer o vínculo do paciente com o tratamento da dependência 4. Possibilitar síndromes de abstinência menos graves no futuro

20 abstinência leves Indicado para pacientes com sintomas de abstinência leves Esclarecimentos Esclarecimentos sobre os sintomas da síndrome de abstinência Dieta Dieta leve e restrita Hidratação Hidratação adequada Ambiente Ambiente calmo e com pouca estimulação visual Supervisão Supervisão de familiares abstinência leves Indicado para pacientes com sintomas de abstinência leves Esclarecimentos Esclarecimentos sobre os sintomas da síndrome de abstinência Dieta Dieta leve e restrita Hidratação Hidratação adequada Ambiente Ambiente calmo e com pouca estimulação visual Supervisão Supervisão de familiares ÁLCOOL TRATAMENTO AMBULATORIAL

21 ÁLCOOL REPOSIÇÃO VITAMÍNICA Recomendada Recomendada tanto para o tratamento ambulatorial como para o tratamento hospitalar Tiamina intramuscular Tiamina intramuscular, nos primeiros dias tiamina oral Síndrome de Wernicke Após este período, doses de 300 mg/dia de tiamina oral são recomendadas para evitar a Síndrome de Wernicke Recomendada Recomendada tanto para o tratamento ambulatorial como para o tratamento hospitalar Tiamina intramuscular Tiamina intramuscular, nos primeiros dias tiamina oral Síndrome de Wernicke Após este período, doses de 300 mg/dia de tiamina oral são recomendadas para evitar a Síndrome de Wernicke

22 Álcool Benzodiazepínicos Prescrição dos mesmos deve ser baseada em sintomasPrescrição dos mesmos deve ser baseada em sintomas Dose certa é aquela que diminui os sintomas de abstinênciaDose certa é aquela que diminui os sintomas de abstinência Utilizar a maior dosagem à noiteUtilizar a maior dosagem à noite A qualquer sinal de dosagem excessiva, deve-se proceder à interrupção da medicaçãoA qualquer sinal de dosagem excessiva, deve-se proceder à interrupção da medicação Diazepam, Clordiazepóxido, LorazepamDiazepam, Clordiazepóxido, Lorazepam Retirada gradual em uma semanaRetirada gradual em uma semana

23 abstinência moderados a graves;Indicado para pacientes com sintomas de abstinência moderados a graves; RepousoRepouso absoluto; DietaDieta leve ou jejum; MonitoraçãoMonitoração dos níveis glicêmicos; Eletrólitos e hidratação. TRATAMENTO COM INTERNAÇÃO HOSPITALAR

24 Quando houver um histórico anterior de epilepsia, devem ser mantidos os medicamentos já utilizados pelo paciente;Quando houver um histórico anterior de epilepsia, devem ser mantidos os medicamentos já utilizados pelo paciente; Diazepam é a medicação de escolha, na dose de 10 ou 20 mg, via oral;Diazepam é a medicação de escolha, na dose de 10 ou 20 mg, via oral; Uso endovenoso é especialmente indicado durante os episódios convulsivos;Uso endovenoso é especialmente indicado durante os episódios convulsivos; Não há consenso para indicação de Carbamazepina, nem de Fenitoína.Não há consenso para indicação de Carbamazepina, nem de Fenitoína. ÁLCOOLCONVULSÕESÁLCOOLCONVULSÕES

25 benzodiazepínicosDoses elevadas de benzodiazepínicos são necessárias; neurolépticosUso associado de neurolépticos é geralmente indicado; Diazepam Lorazepam60 mg/dia de Diazepam (ou até 12 mg/dia de Lorazepam, para casos de hepatopatias graves); Haloperidol.5 mg de Haloperidol. benzodiazepínicosDoses elevadas de benzodiazepínicos são necessárias; neurolépticosUso associado de neurolépticos é geralmente indicado; Diazepam Lorazepam60 mg/dia de Diazepam (ou até 12 mg/dia de Lorazepam, para casos de hepatopatias graves); Haloperidol.5 mg de Haloperidol. DELIRIUM TREMENS

26 Álcool O que não se deve fazer 1) Administrar glicose indiscriminadamente, o que aumentaria os riscos da síndrome de Wernicke 2) O uso rotineiro de Fenitoína parenteral, uma vez que o uso desse anticonvulsivante não parece ser eficaz 3) Administrar Clorpromazina para controlar a agitação, uma vez que poderiam induzir convulsões 4) Conter o paciente fisicamente de forma inadequada e indiscriminada 1) Administrar glicose indiscriminadamente, o que aumentaria os riscos da síndrome de Wernicke 2) O uso rotineiro de Fenitoína parenteral, uma vez que o uso desse anticonvulsivante não parece ser eficaz 3) Administrar Clorpromazina para controlar a agitação, uma vez que poderiam induzir convulsões 4) Conter o paciente fisicamente de forma inadequada e indiscriminada

27 Álcool Dissulfiram (Antietanol) Reduz o consumo alcoólico mas não reduz o desejo pelo álcoolReduz o consumo alcoólico mas não reduz o desejo pelo álcool Enrubescimento facial, hipotensão, tonturas, fraqueza, sonolência, turvação da visão, náuseas, vômitos, palpitação, taquicardia, dores pulmonares e cefaléiaEnrubescimento facial, hipotensão, tonturas, fraqueza, sonolência, turvação da visão, náuseas, vômitos, palpitação, taquicardia, dores pulmonares e cefaléia É importante que o paciente seja informado sobre a necessidade de evitar qualquer ingestão alcoólicaÉ importante que o paciente seja informado sobre a necessidade de evitar qualquer ingestão alcoólica O objetivo do uso não é, obviamente, provocar o desconforto no paciente, e sim agir como um freio psicológicoO objetivo do uso não é, obviamente, provocar o desconforto no paciente, e sim agir como um freio psicológico Reduz o consumo alcoólico mas não reduz o desejo pelo álcoolReduz o consumo alcoólico mas não reduz o desejo pelo álcool Enrubescimento facial, hipotensão, tonturas, fraqueza, sonolência, turvação da visão, náuseas, vômitos, palpitação, taquicardia, dores pulmonares e cefaléiaEnrubescimento facial, hipotensão, tonturas, fraqueza, sonolência, turvação da visão, náuseas, vômitos, palpitação, taquicardia, dores pulmonares e cefaléia É importante que o paciente seja informado sobre a necessidade de evitar qualquer ingestão alcoólicaÉ importante que o paciente seja informado sobre a necessidade de evitar qualquer ingestão alcoólica O objetivo do uso não é, obviamente, provocar o desconforto no paciente, e sim agir como um freio psicológicoO objetivo do uso não é, obviamente, provocar o desconforto no paciente, e sim agir como um freio psicológico

28 Álcool receptores opióidesÁlcool parece aumentar a atividade dos receptores opióides e o efeito desta estimulação está associado à sensação de euforia produzida pelo álcool Naltrexoneantagonista opióideNaltrexone é um antagonista opióide que atua inibindo esses receptores e reduzindo o desejo por álcool seguro:Tem perfil seguro: não foi constatado potencial de abuso ou dependência Álcool receptores opióidesÁlcool parece aumentar a atividade dos receptores opióides e o efeito desta estimulação está associado à sensação de euforia produzida pelo álcool Naltrexoneantagonista opióideNaltrexone é um antagonista opióide que atua inibindo esses receptores e reduzindo o desejo por álcool seguro:Tem perfil seguro: não foi constatado potencial de abuso ou dependência ÁLCOOL NALTREXONA (REVIA)

29 Parece agir inibindo a atividade excitatória (glutamatérgica) e aumentando a atividade inibitória (gabaérgica) do cérebroParece agir inibindo a atividade excitatória (glutamatérgica) e aumentando a atividade inibitória (gabaérgica) do cérebro Parece restituir o balanço excitação/inibição cerebral e, reduz a ingestão voluntária de álcoolParece restituir o balanço excitação/inibição cerebral e, reduz a ingestão voluntária de álcool É uma medicação segura, com poucos efeitos colaterais e não parece produzir dependênciaÉ uma medicação segura, com poucos efeitos colaterais e não parece produzir dependência ACAMPROSATO (CAMPRAL)

30 Tabaco - Considerar o Momento do Paciente Cautela ao recomendar a cessação do uso da nicotina a um paciente, cujo quadro psiquiátrico esteja instável ou quando modificações em seu tratamento estão sendo tomadasCautela ao recomendar a cessação do uso da nicotina a um paciente, cujo quadro psiquiátrico esteja instável ou quando modificações em seu tratamento estão sendo tomadas Por outro lado, deve ser fortemente encorajada em casos nos quais exista algum sofrimento por alguma doença relacionada ao fumoPor outro lado, deve ser fortemente encorajada em casos nos quais exista algum sofrimento por alguma doença relacionada ao fumo Cautela ao recomendar a cessação do uso da nicotina a um paciente, cujo quadro psiquiátrico esteja instável ou quando modificações em seu tratamento estão sendo tomadasCautela ao recomendar a cessação do uso da nicotina a um paciente, cujo quadro psiquiátrico esteja instável ou quando modificações em seu tratamento estão sendo tomadas Por outro lado, deve ser fortemente encorajada em casos nos quais exista algum sofrimento por alguma doença relacionada ao fumoPor outro lado, deve ser fortemente encorajada em casos nos quais exista algum sofrimento por alguma doença relacionada ao fumo

31 Tabaco - Cessação abrupta X cessação gradual Maioria dos profissionais recomenda a cessação abruptaMaioria dos profissionais recomenda a cessação abrupta Cessação gradual tem menos possibilidade de sucesso porque os pacientes têm dificuldade em reduzir o número de cigarros diários para menos de 5 a 10Cessação gradual tem menos possibilidade de sucesso porque os pacientes têm dificuldade em reduzir o número de cigarros diários para menos de 5 a 10 Se o paciente preferir parar gradualmente, é importante determinar uma data em que parará completamenteSe o paciente preferir parar gradualmente, é importante determinar uma data em que parará completamente

32 Tabaco - Lidar com o Medo de Ganhar Peso Medo de ganhar peso parece ser o maior fator impeditivo da tentativa de parar de fumar, principalmente entre as mulheresMedo de ganhar peso parece ser o maior fator impeditivo da tentativa de parar de fumar, principalmente entre as mulheres Fumantes pesam, em média, se 2 a 3kg menos que as pessoas que nunca fumaramFumantes pesam, em média, se 2 a 3kg menos que as pessoas que nunca fumaram Ao parar, recuperam esse peso perdidoAo parar, recuperam esse peso perdido Benefícios de parar de fumar superam o ganho de pesoBenefícios de parar de fumar superam o ganho de peso

33 Tabaco Uso de Álcool e Cafeína Uso de álcool é um fator de risco para a recaídaUso de álcool é um fator de risco para a recaída Diminuição da ingestão alcoólica ou mesmo abstinência devem ser recomendadasDiminuição da ingestão alcoólica ou mesmo abstinência devem ser recomendadas Cafeína como fator de risco de recaída é incertaCafeína como fator de risco de recaída é incerta Fumar aumenta o metabolismo da cafeínaFumar aumenta o metabolismo da cafeína

34 Recompensas ao Abandonar o Uso do Tabaco Melhoria da saúde Melhoria da saúde Paladar e olfato mais aguçados Paladar e olfato mais aguçados Economia Economia Casa, roupas, carro e hálito terão melhor odor Casa, roupas, carro e hálito terão melhor odor Bom exemplo para os filhos Bom exemplo para os filhos Melhor performance em atividades físicas Melhor performance em atividades físicas Redução do envelhecimento da pele e diminuição das rugas Redução do envelhecimento da pele e diminuição das rugas

35 Terapia de Reposição de Nicotina Objetivo é o alívio dos sintomas de abstinênciaObjetivo é o alívio dos sintomas de abstinência Consomem mais de 10 cigarros por diaConsomem mais de 10 cigarros por dia Considerado método seguro e mais popularConsiderado método seguro e mais popular Adesivo e goma de mascarAdesivo e goma de mascar Restrições: grávidas, adolescentes com menos de 18 anos e portadores de doenças cardiovasculares instáveisRestrições: grávidas, adolescentes com menos de 18 anos e portadores de doenças cardiovasculares instáveis

36 Tabaco Bupropiona (Zyban) Altera os mecanismos de dependência e abstinência da nicotinaAltera os mecanismos de dependência e abstinência da nicotina Embora seja um antidepressivo, sua ação antinicotínica parece ser independenteEmbora seja um antidepressivo, sua ação antinicotínica parece ser independente Primeiro medicamento não derivado de nicotina aprovado pelo FDAPrimeiro medicamento não derivado de nicotina aprovado pelo FDA Indicado para adultos que consomem 15 ou mais cigarros por diaIndicado para adultos que consomem 15 ou mais cigarros por dia

37 Tabaco Nortriptilina (Pamelor) Antidepressivo que parece ajudar os fumantes a pararem de fumarAntidepressivo que parece ajudar os fumantes a pararem de fumar Ainda não recebeu aprovação do FDA e é considerada como farmacoterapia de segunda linhaAinda não recebeu aprovação do FDA e é considerada como farmacoterapia de segunda linha A grande vantagem é o preço: por ser uma droga já existente no mercado há muito tempo, é um dos antidepressivos mais baratosA grande vantagem é o preço: por ser uma droga já existente no mercado há muito tempo, é um dos antidepressivos mais baratos Antidepressivo que parece ajudar os fumantes a pararem de fumarAntidepressivo que parece ajudar os fumantes a pararem de fumar Ainda não recebeu aprovação do FDA e é considerada como farmacoterapia de segunda linhaAinda não recebeu aprovação do FDA e é considerada como farmacoterapia de segunda linha A grande vantagem é o preço: por ser uma droga já existente no mercado há muito tempo, é um dos antidepressivos mais baratosA grande vantagem é o preço: por ser uma droga já existente no mercado há muito tempo, é um dos antidepressivos mais baratos

38 São mais úteis em melhorar os sintomas de abstinência imediatos, após o uso intenso de cocaínaSão mais úteis em melhorar os sintomas de abstinência imediatos, após o uso intenso de cocaína O objetivo é reverter o estado de desequilíbrio provocado no sistema dopaminérgicoO objetivo é reverter o estado de desequilíbrio provocado no sistema dopaminérgico A vantagem é o efeito de ação imediataA vantagem é o efeito de ação imediata A droga padrão é a BromocriptinaA droga padrão é a Bromocriptina AGENTES DOPAMINÉRGICOS

39 Cocaína Agentes Antidepressivos A primeira indicação é a presença de quadro depressivoA primeira indicação é a presença de quadro depressivo Indicação ainda mais precisa quando os sintomas depressivos e ansiosos persistem, após um prazo mínimo de duas semanas depois da abstinênciaIndicação ainda mais precisa quando os sintomas depressivos e ansiosos persistem, após um prazo mínimo de duas semanas depois da abstinência Inconveniente é que sua ação tem início lento (2 a 3 semanas após)Inconveniente é que sua ação tem início lento (2 a 3 semanas após) O medicamento padrão é a FluoxetinaO medicamento padrão é a Fluoxetina

40 Cocaína Agentes Antipsicóticos Atuam em determinadas regiões cerebrais, as quais apresentam importantes desequilíbrios durante o consumo de cocaínaAtuam em determinadas regiões cerebrais, as quais apresentam importantes desequilíbrios durante o consumo de cocaína Em dependentes, atuam reduzindo a euforia durante a intoxicação pela cocaínaEm dependentes, atuam reduzindo a euforia durante a intoxicação pela cocaína No entanto, devido ao risco de toxicidade, eles se tornam incompatíveis com a reabilitação do paciente dependenteNo entanto, devido ao risco de toxicidade, eles se tornam incompatíveis com a reabilitação do paciente dependente

41 Cocaína Agentes Antiepilépticos Carbamazepina é um anticonvulsivante, utilizado na psiquiatria como um estabilizador do humorCarbamazepina é um anticonvulsivante, utilizado na psiquiatria como um estabilizador do humor Pode reduzir a supersensibilidade dos receptores dopaminérgicosPode reduzir a supersensibilidade dos receptores dopaminérgicos Precisaria ser administrada logo ao primeiro contato do usuário com a substânciaPrecisaria ser administrada logo ao primeiro contato do usuário com a substância

42 Opióides Desintoxicação A) Redução progressiva das doses da própria droga B) Outras drogas que produzem tolerância cruzada com a droga utilizada C) Medicações que aliviem sintomas de retirada da droga D) Medicações que alteram os mecanismos responsáveis pelos sintomas de abstinência

43 Heroína Tratamento Bem-sucedido Parar de usar a droga Parar de usar a droga Não mais se associar a outros usuários Não mais se associar a outros usuários Evitar atividades associadas ao uso Evitar atividades associadas ao uso Melhorar seu status profissional Melhorar seu status profissional For capaz de se engajar em relacionamentos sociais e familiares normais For capaz de se engajar em relacionamentos sociais e familiares normais Parar de usar a droga Parar de usar a droga Não mais se associar a outros usuários Não mais se associar a outros usuários Evitar atividades associadas ao uso Evitar atividades associadas ao uso Melhorar seu status profissional Melhorar seu status profissional For capaz de se engajar em relacionamentos sociais e familiares normais For capaz de se engajar em relacionamentos sociais e familiares normais

44 Opióides Metadona Opióide sintético com meia-vida longa Pode ser utilizada apenas uma vez ao dia Reduz o uso de opióides não prescritos Reduz comportamentos anti-sociais Suprime os efeitos de abstinência Não interfere nas atividades cotidianas dos pacientes Baixo custo

45 Alcoolismo em Mulheres Mulheres têm maior quantidade de gordura que os homens Mulheres têm maior quantidade de gordura que os homens Consumo de álcool pode trazer prejuízos ao feto de uma mulher grávida Consumo de álcool pode trazer prejuízos ao feto de uma mulher grávida Resposta normal das mulheres a eventos traumáticos pode desencadear um padrão de ingestão problemático Resposta normal das mulheres a eventos traumáticos pode desencadear um padrão de ingestão problemático Devido à sua maior vulnerabilidade aos efeitos do álcool, as mulheres alcoolistas apresentam mais problemas de saúde Devido à sua maior vulnerabilidade aos efeitos do álcool, as mulheres alcoolistas apresentam mais problemas de saúde Mulheres têm maior quantidade de gordura que os homens Mulheres têm maior quantidade de gordura que os homens Consumo de álcool pode trazer prejuízos ao feto de uma mulher grávida Consumo de álcool pode trazer prejuízos ao feto de uma mulher grávida Resposta normal das mulheres a eventos traumáticos pode desencadear um padrão de ingestão problemático Resposta normal das mulheres a eventos traumáticos pode desencadear um padrão de ingestão problemático Devido à sua maior vulnerabilidade aos efeitos do álcool, as mulheres alcoolistas apresentam mais problemas de saúde Devido à sua maior vulnerabilidade aos efeitos do álcool, as mulheres alcoolistas apresentam mais problemas de saúde

46 Prevenção contra a Infecção pelo HIV AbstinênciaAbstinência Manutenção de relacionamentos com pessoas não portadoras de HIVManutenção de relacionamentos com pessoas não portadoras de HIV Prática de sexo seguro (uso de camisinha e evitação de contato entre fluidos corporais e sexo anal)Prática de sexo seguro (uso de camisinha e evitação de contato entre fluidos corporais e sexo anal) Interrupção do uso de drogas injetáveis ou, pelo menos, do compartilhamento de seringas e agulhasInterrupção do uso de drogas injetáveis ou, pelo menos, do compartilhamento de seringas e agulhas Evitação do uso de substâncias quando isso implicar risco para sexo não seguroEvitação do uso de substâncias quando isso implicar risco para sexo não seguro AbstinênciaAbstinência Manutenção de relacionamentos com pessoas não portadoras de HIVManutenção de relacionamentos com pessoas não portadoras de HIV Prática de sexo seguro (uso de camisinha e evitação de contato entre fluidos corporais e sexo anal)Prática de sexo seguro (uso de camisinha e evitação de contato entre fluidos corporais e sexo anal) Interrupção do uso de drogas injetáveis ou, pelo menos, do compartilhamento de seringas e agulhasInterrupção do uso de drogas injetáveis ou, pelo menos, do compartilhamento de seringas e agulhas Evitação do uso de substâncias quando isso implicar risco para sexo não seguroEvitação do uso de substâncias quando isso implicar risco para sexo não seguro

47 Alcoolismo no Idoso Concentrações sangüíneas de álcool são elevadas em relação aos jovens adultos, devido à diminuição da atividade da enzima álcool desidrogenase gástrica e do volume de distribuiçãoConcentrações sangüíneas de álcool são elevadas em relação aos jovens adultos, devido à diminuição da atividade da enzima álcool desidrogenase gástrica e do volume de distribuição Aumento da sensibilidade ao álcool, particularmente no SNCAumento da sensibilidade ao álcool, particularmente no SNC 90% dos idosos usam medicações que podem interagir de forma adversa com o álcool90% dos idosos usam medicações que podem interagir de forma adversa com o álcool Concentrações sangüíneas de álcool são elevadas em relação aos jovens adultos, devido à diminuição da atividade da enzima álcool desidrogenase gástrica e do volume de distribuiçãoConcentrações sangüíneas de álcool são elevadas em relação aos jovens adultos, devido à diminuição da atividade da enzima álcool desidrogenase gástrica e do volume de distribuição Aumento da sensibilidade ao álcool, particularmente no SNCAumento da sensibilidade ao álcool, particularmente no SNC 90% dos idosos usam medicações que podem interagir de forma adversa com o álcool90% dos idosos usam medicações que podem interagir de forma adversa com o álcool

48 Prescrição Excessiva de Benzodiazepínicos Medicação excessiva: tendência de se prescrever medicamentos controlados ou não, quando os pacientes persistem com suas queixas clínicasMedicação excessiva: tendência de se prescrever medicamentos controlados ou não, quando os pacientes persistem com suas queixas clínicas Onipotência hipertrofiada: tendência do médico fazer tudo para melhorar a qualidade de vida dos pacientesOnipotência hipertrofiada: tendência do médico fazer tudo para melhorar a qualidade de vida dos pacientes Fobia de confrontação: quando o médico se depara com situações clínicas caracterizadas pelo confronto interpessoalFobia de confrontação: quando o médico se depara com situações clínicas caracterizadas pelo confronto interpessoal

49 Famílias de Dependentes Químicos - Estágios 1º estágio: deixam de falar o que realmente pensam e sentem1º estágio: deixam de falar o que realmente pensam e sentem 2º estágio: mentiras e cumplicidades relativas ao uso abusivo de álcool e drogas instauram um clima de segredo2º estágio: mentiras e cumplicidades relativas ao uso abusivo de álcool e drogas instauram um clima de segredo 3º estágio: assumem responsabilidades de atos que não são seus3º estágio: assumem responsabilidades de atos que não são seus 4º estágio: afastamento entre os membros, gerando grave desestruturação familiar4º estágio: afastamento entre os membros, gerando grave desestruturação familiar 1º estágio: deixam de falar o que realmente pensam e sentem1º estágio: deixam de falar o que realmente pensam e sentem 2º estágio: mentiras e cumplicidades relativas ao uso abusivo de álcool e drogas instauram um clima de segredo2º estágio: mentiras e cumplicidades relativas ao uso abusivo de álcool e drogas instauram um clima de segredo 3º estágio: assumem responsabilidades de atos que não são seus3º estágio: assumem responsabilidades de atos que não são seus 4º estágio: afastamento entre os membros, gerando grave desestruturação familiar4º estágio: afastamento entre os membros, gerando grave desestruturação familiar

50 Fatores de Proteção para o Uso de Drogas Fortes laços com a famíliaFortes laços com a família Pais presentes, que acompanham a vida dos filhos, oferecendo a eles regras claras de educaçãoPais presentes, que acompanham a vida dos filhos, oferecendo a eles regras claras de educação Sucesso escolarSucesso escolar Fortes laços com instituições sociais como a família, a escola e organizações religiosasFortes laços com instituições sociais como a família, a escola e organizações religiosas Adoção de normas convencionais claras e únicas sobre o uso de drogasAdoção de normas convencionais claras e únicas sobre o uso de drogas


Carregar ppt "ATUAÇÃO MÉDICA Programa de Prevenção Dependência Química."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google