A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIDADE I AS DROGAS NA ATUALIDADE Drogas : Retorno??? Ida: Uma opção...

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIDADE I AS DROGAS NA ATUALIDADE Drogas : Retorno??? Ida: Uma opção..."— Transcrição da apresentação:

1

2 UNIDADE I AS DROGAS NA ATUALIDADE

3 Drogas : Retorno??? Ida: Uma opção...

4 Drogas A MEDICINA DEFINE COMO SENDO QUALQUER SUBSTÂNCIA QUE É CAPAZ DE MODIFICAR A FUNÇÃO DOS ORGANISMOS VIVOS, RESULTANDO EM MUDANÇAS FISIOLÓGICAS OU DE COMPORTAMENTO.

5 Tipos de Drogas L ícitas: Álcool, Cigarros de Tabaco, Medicamentos, Inalantes (Como por exemplo a Cola de Sapateiro). Ilícitas: Maconha, Cocaína, Crack, Alucionógenos e derivados do Ópio (Que vem da papoula) como a Heroína.

6 Tipos de Drogas Na definição famacológica, é qualquer substância capaz de produzir uma modificação no funcionamento do organismo e tanto as Drogas Lícitas como Ilícitas tem essa substância que pode ser chamada de SUBSTÂNCIA PSICOATIVA. A OMS define essa SUBSTÂNCIA PSICOATIVA como sendo todas aquelas de origem natural ou sintética incluindo o álcool que uma vez utilizadas modificam as percepções sensoriais. (SNC)

7 OMS - Drogas A Organização Mundial da Saúde tem um Código Internacional de Doenças para classificá-las. Dentro desta classificação, designou o código CID-10 e preconiza que a Dependência Química é uma enfermidade Incurável e Progressiva, apesar de poder ser Estacionada pela Abstinência.

8 Aspectos da Dependência è Compulsão Forte desejo de consumir uma substância. Necessidade de doses cada vez maiores da substância para alcançar efeitos inicialmente conseguidos com doses menores. è Tolerância è Síndrome de abstinência É o aparecimento de sintomas desagradáveis quando se pára o uso de uma substância.

9 Motivações para o uso de Drogas Alívio da dor Busca do prazer Busca da transcendência

10 CLASSIFICAÇAO DAS DROGAS Depressoras da Atividade do SNC Estimulantes da Atividade do SNC Perturbadoras da Atividade do SNC Cientistas Franceses

11 As drogas depressoras da atividade do sistema nervoso central são as substâncias que diminuem a atividade do cérebro, ou seja, deprimem o seu funcionamento, fazendo com que a pessoa fique "desligada", "devagar", com os reflexos e o raciocínio consideravelmente comprometidos. Essas substâncias também são chamadas de psicolépticos. (substância que determinam decréscimos bruscos, intensos e, geralmente, fugaz da tensão mental ou estado de humor, raiando a depressão). As principais drogas depressoras existentes: Depressoras da Atividade do SNC

12 Álcool Inalantes e solventes (cola, thinner, removedores, éter, lança-perfume). Barbitúricos (soníferos ou hipnóticos) Opiáceos (ou narcóticos) Drogas Estimulantes da Atividade SNC Os estimulantes da atividade do sistema nervoso central são as substâncias que aumentam a atividade do cérebro, ou seja, estimulam o seu funcionamento. O usuário fica mais "ligado" e agitado.

13 As principais Drogas estimulantes existentes: Cocaína; Anorexígenos; (diminuem a fome. Principais drogas pertencentes são as anfetaminas ex: dieltilpropriona, femproporex. Ecstasy; Nicotina; e, Cafeína.

14 Drogas Perturbadoras da Atividade do SNC Os perturbadores da atividade do sistema nervoso central são as substâncias que modificam os mecanismos de funcionamento do cérebro, ou seja, perturbam e distorcem o seu funcionamento, alterando o estado de consciência do usuário e fazendo com que ele passe a perceber a realidade deformada, parecida com as imagens dos sonhos. As substâncias desse grupo também são chamadas de alucinógenos, alucinantes, etc. As principais drogas perturbadoras existentes: Maconha; LSD; Cogumelos.

15 O dependente é um escravo da falta de opção, fica nas mãos da ignorância. A falta de opção é a negação do livre-arbítrio.

16 Escalada Quantitativa Uso ocasional uso contínuo Qualitativa Produtos leves produtos pesados

17 Tipos de usuários de Drogas Experimentador: experimenta um ou várias substâncias sem dar continuidade ao uso; Usuário casual: utiliza uma ou várias substâncias sem rupturas nas relações afetivas, sociais ou profissionais; Usuário habitual ou funcional: já apresenta sinais de ruptura; Usuário dependente ou disfuncional (dependente químico, toxicômano, drogadito): vive da droga e para a droga com rupturas de seus vínculos sociais.

18 Tolerância O organismo reage cada vez menos ao produto... Aumento da dose... Overdose

19 Ei, prova aí... Tá com medo, é? Fofinho da mamãe! É só uma vez...

20 ELA DEPENDE INDIVÍDUO SOCIEDADE MOMENTO HISTÓRICO DROGAS A DEPENDÊNCIA TEM CARACTERÍSTICA MULTIDIMENSIONAL??? Os parâmetros que definem estes elementos ou subsistemas são diferentes para cada situação, motivo pelo qual é necessário conhecer quais são esses parâmetros em cada caso especial...

21 Acabe com a Arrogância Tenha a atitude de aprender sempre A arrogância de achar que sabe tudo, que é o bom, que não precisa acatar criticas, não tem mais vez. Cuidado ! A arrogância é o começo do fim de uma pessoa e de uma Instituição. Pratique a humildade. Procure não perder nenhuma oportunidade de crescer, aperfeiçoar-se com a experiência alheia, troque idéias, e procuremos aprender a cada momento de nossas vidas.

22 É uma Doença Crônica, tratável, como as demais doenças e muito comum que se caracteriza pelo uso descontrolado do álcool trazendo uma série de prejuízos para a vida da pessoa. ÁLCOOL

23 Algumas Características do Álcool É uma Droga. É uma substância que age no cérebro e modifica o estado mental.

24

25 Algumas Características do Álcool Pode levar a Dependência. Síndrome de Abstinência.

26 A cada ano, o uso abusivo de Drogas, como álcool, maconha, anfetaminas, calmantes e cocaína custam ao Brasil, 8% do PIB – em tratamento médico, perda de produtividade e acidentes, isso significa 48 BILHÕES DE DÓLARES. 10% de qualquer contingente populacional esta envolvido com a problemática da Dependência Química. Neste percentual não esta incluído o uso eventual visto que não há registro. Em considerando o Tabaco, esse numero sobe para 20%.

27 O Tabaco Coquetel de aproximadamente 4000 substâncias - quase todas nocivas, 40 a 60 têm efeito cancerígeno - é mais consumido por causa da dor que causa na ausência do que pelo prazer que proporciona na freqüência. As primeiras tragadas são, em geral, acompanhadas de náusea, tontura e ânsia de vômito (o mesmo ocorre na crise de abstinência).

28 Instalado o vício, nenhum fumante jura sentir-se mais vivaz, diligente, tranqüilo ou moderado à mesa, por obra do cigarro. Mas se não fumar, o dependente fica zonzo, ansioso, negligente e glutão. Para manter o equilíbrio emocional, o fumante se intoxica com substâncias como o monóxido de carbono, mesma substância presente no escapamento dos carros e na fumaça do cigarro.

29 A nicotina estreita os vasos sangüíneos e libera hormônios que aumentam a pressão arterial - uma das causas do infarto. O alcatrão se acumula nos pulmões e causa enfisema, uma doença grave e incurável.

30 A nicotina produz taquicardia e elevação da pressão sanguínea através de sua ação no sistema nervoso simpático ou no sistema de luta e fuga.

31 Por suas ações nos músculos esqueléticos e diafragma, a nicotina produz paralisia e asfixia.

32 Malefícios do Cigarro 75% dos casos de bronquite; 25% dos casos de infarto do miocárdio; 100 a 800% de risco de aumento de contrair infecções respiratórias - bacterianas e virais; Câncer da boca, faringe, laringe, esôfago, pâncreas, pulmão, rins, bexiga e colo do útero; Arteriosclerose, aneurisma da aorta, problemas vasculares cerebrais; Aumento de rugas e celulite; Dificuldade de cicatrização; Cigarro + anticoncepcional = 8X mais chance de infarto.

33 PARE DE FUMAR ANTES DE SER FUMADO

34 Derivados da coca Coca Cocaína Crack Merla

35 Cocaína Pó branco obtido do arbusto de coca – Erythroxylon coca – ou epadu, uma planta cultivada em certas regiões da Bolívia e do Peru. Entre os viciados, a cocaína é inalada, injetada na veia, fumada com tabaco ou ingerida na bebida alcoólica. Provoca forte dependência psíquica.

36 Após a Inalação: Mais energia; Agitação; Euforia; Grande força muscular; Vivacidade mental; Desaparece o cansaço;

37 Efeitos Fisiológicos Vasoconstrição; Diminui a circulação da mucosa local; Irritação da mucosa, pode perfurar o septo; Dores no peito; Aumento da freqüência respiratória; Taquicardia; Falta de ar; Hipertensão arterial; Inchaço pulmonar e hemorragia nos alvéolos; Eliminação de sangue pela tosse.

38 Consumo Habitual Perturbações de memória; Perda da capacidade mental; Apatia; Delírios de perseguição e alucinações; Agressividade; Atos anti-sociais graves.

39 Crack É a cocaína transformada com o uso de soda cáustica ou bicarbonato de sódio para se tornar própria para o fumo, cocaína solidificada e fumada na forma de cristais ou pedras. É cinco vezes mais potente do que a cocaína. Vicia rapidamente e mata de forma fulminante.

40 Mecanismo 1g de cocaína – 8 pedras de crack. Em 8s seu efeito destruidor já é aparente. Promove acúmulo de dopamina nos feixes nervosos. Bloqueia o mecanismo de recaptura de dopamina na fenda sináptica, superestimando os receptores moleculares.

41 Conseqüências do uso de Crack Euforia; Desinibição; Agitação psicomotora; Taquicardia; Dilatação da pupila; Aumento da transpiração; Alucinações visuais ou táteis; Diminui a fome; Altera os centros límbicos relacionados ao prazer.

42 A euforia dura pouco Logo induz à escalada quantitativa; Ao perceber que há demasiados receptores na sinapse, estes são reduzidos; Assim, as sinapses tornam-se lentas; Depressão após a euforia; Sensação de medo e de paranóia (nóia), o que torna os usuários agressivos.

43 Merla Derivada da cocaína. Esta é tratada com álcalis, solvente orgânico como querosene, gasolina ou ácido sulfúrico.

44 Dependência Vem em dias, traduzida por um sintoma conhecido como craving ou fissura: vontade incontrolável de fumar mais. A merla é altamente tóxica; É absorvida rapidamente pelos pulmões; Chega ao sangue, atinge o cérebro, promovendo excitação do SNC.

45 Após o uso da Merla Semanas após o uso contínuo da merla, há perda de apetite, de peso, sonolência e cansaço constante, porém há incapacidade de conciliar o sono. O uso contínuo induz a graves danos cerebrais que podem ser irreversíveis. Perda progressiva do desejo sexual que conduz à impotência e à frigidez. Incapacidade de concentração.

46 Dependência Ocorre dependência psíquica. Dependência física ainda em estudo. O uso prolongado leva à depressão, podendo levar ao suicídio. Pode causar fibrose pulmonar e, devido aos solventes, perda dos dentes. O usuário torna-se agressivo e violento.

47 Anfetaminas ou Bolinhas Drogas sintéticas que agem de maneira ampla. A primeira foi a anfetamina (dextroanfetamina) – Entrou no mercado em Outras fabricadas em laboratório: dietilpropina, metanfetamina (já tirada do mercado brasileiro), preludim, mazindol. Muito usadas durante a II Guerra Mundial a fim de fazer os soldados resistirem à fadiga e à fome.

48 Via de administração e mecanismo de ação São tomadas como comprimidos ou injetadas na veia. Aumentam a atividade motora; Provocam inapetência, euforia e cortam a sonolência. O organismo fica em estado de estresse, com freqüência cardíaca e PA aumentadas. Promovem dilatação das pupilas (midríase).

49 Anfetaminas : Riscos São usados em moderadores de apetite. Devido ao risco de tolerância e de dependência só podem ser vendidos sob receita médica. São usadas ilegalmente para obter excitação ou reduzir a fadiga e o sono antes das provas ou de competições atléticas (dopping).

50 Mais Conseqüências Com o aumento das doses, surgem sintomas como a esquizofrenia (a pessoa fica irritadiça, agressiva, começa a suspeitar que outros estão tramando contra ela, tem alucinações); Pode levar à insônia, perda de peso danos ao fígado e aos rins, suicídio ou morte por intoxicação.

51 Anabolizantes Esteróides anabolizantes são derivados síntéticos da testosterona. Não há estudos que comprovem aumento da força física e potência musculares. Não há estudos que confirmem que há dependência, embora usuários desta droga experimentem crises de depressão.

52 Efeitos colaterais dos anabolizantes em ambos os sexos CÉREBRO: 1. D ores de cabeça 2. T onturas 3. A umento da agressividade 4. I rritação 5. A lteração do humor 6. C omportamento anti-social 7. P aranóia 8. D epressão 9. E xcitação e insônia

53 CORAÇÃO : Aumento do músculo cardíaco, que pode levar a infarto em jovens FÍGADO E SISTEMA DIGESTIVO : 1. Aumento da produção da enzima transaminase, responsável pelo metabolismo das substâncias. O órgão passa a trabalhar demais. Foram registrados casos de tumor, cirrose, icterícia, tumor e peliosis hepatis (cistos cheios de sangue que podem levar a hemorragias). 2. Náuseas e vômitos.

54 Em Homens I rritabilidade na bexiga. Ginicomastia (desenvolvimento excessivo da glândula mamária do homem). A umento da freqüência de ereções. A trofia testicular. Oligospermia (baixa de espermatozóides), podendo levar à esterilidade (são necessários de seis a 30 meses para que o homem volte à produção normal de espermatozóides).

55 Em Mulheres: Hipertrofia do clitóris Engrossamento da voz Irregularidade menstrual Aumento de pêlos faciais e no corpo Virilização

56 DÚVIDAS ?

57


Carregar ppt "UNIDADE I AS DROGAS NA ATUALIDADE Drogas : Retorno??? Ida: Uma opção..."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google