A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CENTRO ESPÍRITA ANDRÉ LUIZ (CEAL) A MEDIUNIDADE NO ANTIGO E NO NOVO TESTAMENTO BRUNO ROCHA/FRANCISCO CHAVES Brasília, Setembro de 2008.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CENTRO ESPÍRITA ANDRÉ LUIZ (CEAL) A MEDIUNIDADE NO ANTIGO E NO NOVO TESTAMENTO BRUNO ROCHA/FRANCISCO CHAVES Brasília, Setembro de 2008."— Transcrição da apresentação:

1

2 CENTRO ESPÍRITA ANDRÉ LUIZ (CEAL) A MEDIUNIDADE NO ANTIGO E NO NOVO TESTAMENTO BRUNO ROCHA/FRANCISCO CHAVES Brasília, Setembro de 2008

3 A MEDIUNIDADE NO ANTIGO E NO NOVO TESTAMENTO ??

4 A MEDIUNIDADE NO ANTIGO E NO NOVO TESTAMENTO OBJETIVOS

5 A MEDIUNIDADE NO ANTIGO E NO NOVO TESTAMENTO Pré-requisitos

6 JESUS: MODELO DE EXERCÍCIO DA MEDIUNIDADE

7 Ponte entre o mundo físico e o mundo extra- físico; Ferramenta para o exercício da caridade; Instrumento para o crescimento moral; Faculdade fisiológica que permite o exercício de atividades paranormais. 1. O que é mediunidade? Alguns conceitos populares:

8 A mediunidade não é uma arte, nem um talento pessoal, pelo que não pode tornar-se uma profissão. Ela não existe sem o concurso dos Espíritos; faltando estes, já não há mediunidade. (O Evangelho Segundo o Espiritismo- pág. 311, FEB, 48ª edição). 1. O que é mediunidade?

9 Mediunidade é talento do céu para serviço de renovação do mundo. É lâmpada que nos cabe acender, aproveitando o óleo da humildade e o combustível da boa vontade; é indispensável nutrir com ela a sublime lua do amor fraterno, a irradiar-se em caridade e compreensão para com todos os que nos cercam. (Emmanuel) 1. O que é mediunidade?

10 2. Breve Histórico da Mediunidade A relação entre os mundos material e espiritual tem sido registrada em todas as épocas da humanidade. Exemplos: Código dos Vedas Epopéia de Gilgamesh Códices babilônicos Livros Sagrados Pré-Colombianos Livros Sagrados Egípcios

11 2.1. A Mediunidade no Hinduismo Código dos Vedas (o mais antigo código religioso que se tem notícia): "Os espíritos dos antepassados, no estado invisível, acompanham certos brâmanes, convidados para cerimônia em comemoração dos mortos, sob uma forma aérea; seguem-nos e tomam lugar ao seu lado quando eles se assentam. Faquires: fenômenos mediúnicos, tais como a levitação, o estado sonambúlico até o nível de êxtase, a insensibilidade hipnótica à dor, dentre outros.

12 2.2. A Mediunidade no Antigo Egito Os magos dos faraós evocavam os mortos e muitos comercializavam os dons de comunicabilidade com os mundos invisíveis para proveito próprio ou dos seus clientes, fato esse comprovado pela proibição de Moisés aos hebreus: "Que entre nós ninguém use de sortilégio e de encantamentos, nem interrogue os mortos para saber a verdade." (Deuteronômio)

13 2.2. A Mediunidade no Antigo Egito As faculdades mediúnicas no Egito foram desenvolvidas e praticadas no silêncio dos templos sagrados, sob o mais profundo mistério e rigorosamente vedadas à população leiga. Conheciam o magnetismo, o sonambulismo, curavam pelo sono provocado, praticavam largamente a sugestão, usavam a clarividência com fins terapêuticos e eram célebres pelas práticas de curas hipnóticas.

14 2.3. A Mediunidade na Grécia Antiga e os Oráculos Gregos e Romanos Na Grécia, a crença nas evocações era geral. Todos os templos possuíam as chamadas "pitonisas", encarregadas de proferir oráculos evocando os deuses. Adivinhação: no mundo greco-romano, um dos meios mais difundidos foram os oráculos, que eram as respostas dadas pelos deuses a perguntas formuladas, de acordo com determinados rituais executados por uma pessoa que atuava como médium ou pitonisa.

15 2.3. A Mediunidade na Grécia Antiga e os Oráculos Gregos e Romanos Os oráculos eram núcleos de intercâmbio medianímico onde trabalhavam sibilas, pítons e pitonisas. Os romanos também tiveram os seus oráculos, chamados arúspices, que interpretavam as disposições dos deuses pelo exame das vísceras de animais sacrificados ou pelos fenômenos da natureza, como raios, trovões e eclipses. A expansão do cristianismo pôs fim à atividade dos oráculos.

16 Síntese do conteúdo Programático

17 3. Fenômenos Mediúnicos observados no Antigo Testamento Voz direta: Êxodo, 20:18: "Todo o povo, porém, ouvia as vozes e via os relâmpagos, e o sonido da buzina, e o monte fumegando: e amedrontado e abalado com o pavor parou longe. Materialização: O contato de Jacob com um Espírito só poderia realizar-se, na condição do relato bíblico, se o Espírito se encontrasse materializado (Gen. 32:25-32).

18 3. Fenômenos Mediúnicos observados no Antigo Testamento Transporte ou Materialização: O profeta Elias alimentou-se, graças a um anjo que lhe depositava, ao lado, pão cozido debaixo de cinza (Reis III, 19:5,6). Contudo, o caso mais significativo de materialização foi de Moisés, que, mediante este fenômeno, recebeu do alto a Tábua dos Dez Mandamentos, manifestação de uma vontade superior visando o despertar moral dos povos.

19 3. Fenômenos Mediúnicos observados no Antigo Testamento Levitação: Em Ezequiel, 3:14: Também o Espírito me levantou e me levou consigo; e eu me fui cheio de amargura, na indignação do meu Espírito; porém a mão do Senhor estava comigo, confortando-me. Mediunidade auditiva: Moisés, no monte Sinai, ouve a voz dos Espíritos, julgando ser a do próprio Deus. (Êxodo, 19:29,20).

20 3. Fenômenos Mediúnicos observados no Antigo Testamento Transe: No capítulo 15:12 e 13, Gênese: "Ao pôr do sol, vem um profundo sono sobre Abraão, e um horror grande e tenebroso o acometeu, e lhe foi dito: saiba desde agora que tua posteridade será peregrina numa terra estrangeira, e será reduzida à escravidão, e aflita por quatrocentos anos. Daniel também cai em transe e tem visão (Daniel 8:18).

21 3. Fenômenos Mediúnicos observados no Antigo Testamento Vidência: Daniel (10:5) afirma: "Levantei os olhos e olhei, vi um homem vestido de linho, o seu rosto como um relâmpago. Só eu, Daniel, tive aquela visão; os homens que estavam comigo nada viram, não obstante, caiu sobre eles grande temor, fugiram e se esconderam, contudo ouvi a voz das suas palavras, e ouvindo-a, caí sem sentido, com o rosto em terra".

22 4. Fenômenos Mediúnicos observados no Novo Testamento Os fatos narrados no Evangelho e que foram até aqui considerados como miraculosos, pertencem, na maioria, à ordem dos fenômenos psíquicos, quer dizer, daqueles que têm por causa primeira as faculdades e os atributos da alma. (A Gênese, pág. 269, IDE, 14ª ed.)

23 4. Fenômenos Mediúnicos observados no Novo Testamento Sonhos mediúnicos: José foi advertido por um anjo, que lhe apareceu em sonho, e lhe disse para fugir para o Egito com o Menino. Mateus (2:19-23)

24 5. Fenômenos Mediúnicos observados no Novo Testamento Dupla Vista: Quando cessou de falar, disse a Simão: Avançai em plena água e lançai as vossas redes para pescar. – Simão lhe respondeu: Mestre, trabalhamos toda a noite sem nada pegar, mas, apesar disso, sobre a vossa palavra eu lançarei a rede. – E, tendo, pois, lançado, pegaram tão grande quantidade de peixes, que a sua rede se rompeu. Lucas (5:1-7)

25 4. Fenômenos Mediúnicos observados no Novo Testamento Curas: E, descendo ele do monte, seguiu-o uma grande multidão. E, eis que veio um leproso, e o adorou, dizendo: Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo. E Jesus, estendendo a mão, tocou-o, dizendo: Quero; sê limpo. E logo ficou purificado da lepra. Disse-lhe então Jesus: Olha, não o digas a alguém, mas vai, mostra-te ao sacerdote, e apresenta a oferta que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho. Mateus (8:1-4)

26 5. Fenômenos Mediúnicos observados no Novo Testamento Curas e Desobsessões: E, chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados, e ele com a sua palavra expulsou deles os espíritos, e curou todos os que estavam enfermos. Para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta Isaías, que diz: Ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e levou as nossas doenças. Mateus (8:16-17)

27 4. Fenômenos Mediúnicos observados no Novo Testamento Curas e Desobsessões: E, ao pôr do sol, todos os que tinham enfermos de várias doenças lhos traziam; e, pondo as mãos sobre cada um deles, os curava. E também de muitos saíam demônios, clamando e dizendo: Tu és o Cristo, o Filho de Deus. E ele, repreendendo-os, não os deixava falar, pois sabiam que ele era o Cristo. Lucas (4:40-41)

28 4. Fenômenos Mediúnicos observados no Novo Testamento Jesus caminha sobre as águas: Pedro lhe respondeu: Senhor, se sois vós, mandai que eu vá a vós caminhando sobre as águas. Jesus lhe disse: Vinde. E Pedro, descendo do barco, caminhava sobre as águas para ir até Jesus. Mateus (14:22-33)

29 OBRIGADO!

30 6. Referências Principais A Bíblia de Jerusalém; A Reencarnação (Gabriel Delane); O Fenômeno Espírita (Gabriel Delane); Mecanismos da Mediunidade (Francisco Cândido Xavier e André Luiz); Pelos Caminhos de Jesus (Divaldo Franco); Revista Cristã de Espiritismo nº 12, páginas 20-24;

31 6. Referências Principais O Evangelho Segundo o Espiritismo (Allan Kardec); O Livro dos Espíritos (Allan Kardec); O Livro dos Médiuns (Allan Kardec); A Gênese – Os Milagres e Predições segundo o Espiritismo (Allan Kardec).


Carregar ppt "CENTRO ESPÍRITA ANDRÉ LUIZ (CEAL) A MEDIUNIDADE NO ANTIGO E NO NOVO TESTAMENTO BRUNO ROCHA/FRANCISCO CHAVES Brasília, Setembro de 2008."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google