A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Níveis de leitura Teoria Semiótica do Texto Profa. Dra. Rosana Helena Nunes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Níveis de leitura Teoria Semiótica do Texto Profa. Dra. Rosana Helena Nunes."— Transcrição da apresentação:

1

2 Níveis de leitura Teoria Semiótica do Texto Profa. Dra. Rosana Helena Nunes

3 Noção de texto A semiótica tem por objeto o texto, buscando descrever e explicar o que o texto diz e como ele faz para dizer o que diz. O texto define-se de duas formas: objeto de significação e objeto de comunicação.

4 Texto: significação e comunicação Objeto de significação: organização ou estruturação que faz do texto um todo de sentido. Objeto de comunicação: a interação que se estabelece entre destinador e destinatário. Em síntese, o texto encontra seu lugar entre os objetos culturais, inserido numa sociedade e determinado por formações ideológicas, sendo de fundamental importância examiná-lo em relação ao contexto sócio-histórico que o envolve e que lhe atribui sentido.

5 Níveis de análise de um texto Para construir o sentido do texto, há três níveis de leitura (discursivo, narrativo e fundamental). Estrutura (ou nível) superficial: corresponde aos significados mais concretos e diversificados. Trata-se do nível do discurso ou das estruturas discursivas em que a narrativa é assumida pelo sujeito da enunciação.

6 Nível narrativo e fundamental Nível intermediário (ou narrativo): corresponde aos valores com que os diferentes sujeitos entram em acordo ou desacordo (noção de narratividade – pôr ordem no caos). Nível profundo (ou fundamental): corresponde aos significados mais abstratos e mais simples. É nesse nível que há as polaridades semânticas para garantir a unidade de sentido do texto.

7 Percurso gerativo de sentido e gênero textual (1) Nível discursivo (ou superficial): corresponde aos significados mais concretos e diversificados. (2) Nível narrativo (ou intermediário): corresponde aos valores com que os diferentes sujeitos entram em acordo ou desacordo (noção de narratividade, pôr ordem no caos). (3) Nível profundo (ou fundamental): corresponde aos significados mais abstratos e mais simples. É o nível das polaridades semânticas. (1) Forma de composição: marcas linguísticas de cada gênero. (2) Estilo: linguagem utilizada pelo ator do discurso. (3) Tema: relacionado à visão de mundo do enunciador, é a própria enunciação dentro de uma situação histórica determinada.

8 Níveis de análise do texto verbo- visual (sincrético) As características que determinam a leitura de imagem são: Plano sonoro; Focalização; Cromático; Espacialização; Pessoas do discurso; Intertextualidade e interdiscursividade; Estratégias argumentativas (persuasão e convencimento); Efeitos de subjetividade (aproximação vs distanciamento); Efeitos de verdade (jogos do ser vs parecer); Análise de mídias impressa e/ou televisiva, tela de pintor, tirinha, capa de revista, música etc.

9

10

11 Semiótica e o semi-simbolismo Floch (1985) apresenta três formantes que correspondem às categorias plásticas associadas às semânticas: Cromático – os efeitos de sentido que as cores engendram. Eidético – as linhas que também compreendem os efeitos de sentidos, ou seja, as linhas que representam, desde o tipo de fonte utilizada, até o contorno das faces e outras imagens presentes. Topológico – compreende a própria diagramação, espacialização que estabelece os efeitos de sentido da posição vertical e horizontal.

12 vida não-morte morte não-vida

13 Quadrado semiótico: polaridades semânticas As setas representam os possíveis percursos. Os termos que apresentam uma dupla negação são chamados contrários. Por exemplo, quando vida e morte se opõem, ocorre um terceiro termo que não é nenhum dos dois. São chamados de termos contraditórios, por apresentarem apenas uma negação. Quando, porém se opõem vida e não-vida, não existe a possibilidade de um terceiro termo, ou se trata de um termo ou de outro. Juntamente ao lado das relações de contrariedade entre vida e morte e contraditoriedade entre vida e não-vida e morte e não-morte existem as relações de implicação entre vida e não-morte e morte e não-vida, portanto, afirmar vida implica em negar a morte e vice- versa.

14 Tela: Retirantes Durante a estadia em Nova Iorque, Portinari vê uma obra que muito o impressiona, Guernica. A guerra vista por Picasso, duma forma cubista e sem a utilização das cores. Fica impressionado com o quadro. Na Alemanha os nazis estão no poder. Da Europa não param de chegar os relatos dramáticos. É o mundo que está em guerra e enquanto isso o povo é o que mais sofre. A morte está presente em todo o lado. No Brasil, o sofrimento é provocado pela natureza. O Nordeste é atingido por grandes secas que trazem consequências gravosas para os camponeses. Muitos são aqueles que utilizam as suas artes para falar do que os rodeia - Jorge Amado, Érico Veríssimo, Graciliano Ramos. Também Portinari a nada disto fica alheio. Exprime-o com a sua pintura, reflete-o. É a cor que se apaga, um drama que se observa. São os Retirantes, expressos em algumas das suas obras. Os despojados de tudo a morte, como o expressa em Criança morta. Em 1944 Portinari inicia o Mural para igreja de Pampulha, primeiro S. Francisco, depois a Via Crucis. As pinturas têm um caráter fortemente e expressionista.

15 REFERÊNCIAS BARROS, Diana Luz P.Teoria do discurso – fundamentos semióticos. São Paulo: Humanitas, _____, Diana Luz P. Teoria semiótica do texto.São Paulo: Ática, BAKHTIN, Mikhail (1979). Os gêneros do discurso. In M. Bakhtin (1979). Estética da Criação Verbal. SP: Martins Fontes, 1992, pp BERTRAND. Denis. Caminhos da semiótica literária. São Paulo: EDUSC, FLOCH, J. M. (1985). Petites mythologie de loeil et de lesprit. Paris : PUF, ____ (1995). Sémiotique, marketing et communication. Paris, PUF, ____ (1995*). Identités visuelles. Paris, PUF, GREIMAS & COURTÉS, Joseph (1979). Dicionário de semiótica. São Paulo: Cultrix, LANDOWSKI, Eric. (1997). Presenças do Outro. São Paulo: Perspectiva, NUNES, Rosana Helena (2006). Construção da identidade política – discursos de Luiz Inácio Lula da Silva. Tese de Doutorado. Língua Portuguesa/PUC-SP. NUNES, Rosana Helena. Semiótica: (res)significação do saber via imagem. Sorocaba: CREARTE, LOPES, Ivã Carlos & HERNANDES, Nilton (orgs.). Semiótica – objetos e práticas. São Paulo: Contexto, Parâmetros Curriculares Nacionais. Língua Portuguesa, 1998, pp. 57; 78, 79. PIETROFORTE, Antonio Vicente. Semiótica visual – os percursos do olhar. São Paulo: Contexto, SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas – São Paulo: Mercado de Letras, Disponível: Acesso em: 30/03/2012.http://blog.planalto.gov.br/obras-de-portinari-ilustrarao-o-programa-brasil-sem-miseria Disponível: Acesso em: 18/05/2012.http://www.vidaslusofonas.pt/candido_portinari.htm


Carregar ppt "Níveis de leitura Teoria Semiótica do Texto Profa. Dra. Rosana Helena Nunes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google