A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Instrumentação de Sistemas - INS Prof. Cesar da Costa 3.a Aula – Processos Industriais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Instrumentação de Sistemas - INS Prof. Cesar da Costa 3.a Aula – Processos Industriais."— Transcrição da apresentação:

1 Instrumentação de Sistemas - INS Prof. Cesar da Costa 3.a Aula – Processos Industriais

2 Um processo industrial pode envolver uma operação mecânica, um circuito elétrico, uma reação química ou uma combinação desses. Sob o ponto de vista do tempo e do tipo de operação envolvido, um processo industrial pode ser classificado em: Processo contínuo; Processo em batelada; Processo discreto.

3 Processo Contínuo Um processo industrial é contínuo quando a matéria prima entra num lado do sistema e o produto final sai do outro, contínuamente. Neste processo o termo contínuo significa um período de tempo relativamente longo, medido em horas, em dias e até em meses dependendo do processo.

4 Processo Contínuo As indústrias petroquímicas, cimenteiras, siderurgicas, papel e celulose são exemplos de processos contínuos. As paradas totais dos processos contínuos se realizam em intervalos de um ano ou mais.

5 Processo Contínuo Um processo contínuo pode levar até vários dias para entrar em regime estável e permanente de produção. Processo Contínuo Matéria primaProduto final

6 Exemplo de Industria com Processo Contínuo Refinaria de Petróleo

7 Exemplo de Industria com Processo Contínuo Fabricação de Cimento

8 Exemplo de Industria com Processo Contínuo Industria Química

9 Exemplo de Industria com Processo Contínuo

10 Processo Contínuo As seguintes empresas possuem processos contínuos: CVRD; USIMINAS; Suzano; Votorantim; Ultrafertil; Citrosuco; Petrobras; CSN; etc.

11 Processo em Batelada No processo em batelada, uma dada quantidade de material é processada através de passos unitários, cada passo sendo completado antes de passar para o seguinte. A entrada do processo em batelada é feita por quantidades discretas de modo descontínuo.

12 Processo em Batelada O processo é alimentado, a operação é executada, o produto é descarregado e reinicia-se outro ciclo. Cada operação do processo em batelada pode ser considerada como um processo contínuo, porém o tempo envolvido é relativamente pequeno, medido em minutos ou horas.

13 Características de um Processo em Batelada Uma batelada tem características específicas, tais como seu tamanho, peso, cor, matérias primas, aditivos, catalisadores,etc. A informação, tal como a condição sob a qual a batelada foi produzida, ou o equipamento da planta industrial usado para produzi-la, pode ser necessária para determinar as propriedades do produto ou satisfazer as exigências legais.

14 Processo em Batelada As indústrias de bebidas, alimentícias, farmacêuticas e cosméticos, são alguns exemplos de processos em bateladas. Como a maioria dos problemas de controle ocorre durante os transientes da partida, o processo tipo batelada é mais difícil de ser controlado, pois ele realiza muitas partidas e fica parado durante intervalos de tempo.

15 Exemplo de Processo em Batelada Industria Alimentícia

16 Processo em Batelada As seguintes empresas possuem processos em bateladas: Brahma; Kaiser; Skincariol; Nestlé; Avon; Natura; Garoto; etc.

17 Processo Discreto No processo discreto, cada item a ser fabricado é processado em uma etapa, como um item separado e individual. As montadoras de automóveis, fábricas de auto peças e industrias eletro-eletrônicas são exemplos de processos discretos. Neste tipo de processo, atualmente, usam-se células de manufatura com robos, máquinas de comando numérico computadorizado (CNC) para executar certas operações repetitivas.

18 Processo Discreto Exemplo de processo discreto – Célula de Manufatura

19 Processo Discreto Exemplo de processo discreto – Célula de Manufatura

20 Processo Discreto Exemplo de processo discreto – Célula de Manufatura

21 Processo Discreto As seguintes empresas possuem processos discretos: Volkswagen; Fiat; GM; Ford; Renault; Citroen; Bosch; WEG; Etc.

22 Processos Industriais Para todos processos industriais, aplicam-se certos princípios universais de medição e controle, por meio de equipamentos e técnicas que podem ser muito diferentes. Este curso focaliza a instrumentação usada na industria, principalmente na industria de processo contínuo e batelada, que incluem a química, petroquímica, siderurgia, mineração, alimentícia e farmacêutica.

23 Processo de Fabricação de Cerveja

24 Etapas do Processo de Fabricação de Cerveja Recebimento e Armazenagem do Malte (1) e (2). Moagem do Malte (3).

25 Etapas do Processo de Fabricação de Cerveja Mosturação (4). Filtração (5).

26 Etapas do Processo de Fabricação de Cerveja Fervura (7) e adição de lúpulo (6). Resfriamento (8).

27 Etapas do Processo de Fabricação de Cerveja Fermentação (9)

28 Etapas do Processo de Fabricação de Cerveja Maturação (10). Segunda Filtração (12) e adição de terra diatomácea (11).

29 Etapas do Processo de Fabricação de Cerveja Acabamento (13) e (14). Engarrafamento (15) e (16).

30 Processo de Pasteurização de Cerveja Pasteurização (17) e Paletização (18).


Carregar ppt "Instrumentação de Sistemas - INS Prof. Cesar da Costa 3.a Aula – Processos Industriais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google