A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO Profa. Dra. Luciana Leomil.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO Profa. Dra. Luciana Leomil."— Transcrição da apresentação:

1 CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO Profa. Dra. Luciana Leomil

2 TAXONOMIA BACTERIANA Definição: Definição: È a área da Microbiologia que estuda: È a área da Microbiologia que estuda: Nomenclatura; Nomenclatura; Classificação; Classificação; Identificação bacteriana. Identificação bacteriana.

3 NOMENCLATURA Conj de regras p/ designação correta de uma bact. Conj de regras p/ designação correta de uma bact. Código Internacional p/ nomenclatura de bacts estabelece o q deve ser feito p/ descrição de uma nova unidade de classificação Código Internacional p/ nomenclatura de bacts estabelece o q deve ser feito p/ descrição de uma nova unidade de classificação

4 CLASSIFICAÇÃO A classificação é organização das bactérias em grupos tendo por base as semelhanças existentes entre os diferentes grupos. A classificação é organização das bactérias em grupos tendo por base as semelhanças existentes entre os diferentes grupos. Na classificação bacteriológica a Espécie é o grupo fundamental: Na classificação bacteriológica a Espécie é o grupo fundamental: As espécies estão reunidas em gêneros; As espécies estão reunidas em gêneros; Os gêneros em famílias; Os gêneros em famílias; As famílias em ordens; As famílias em ordens; As ordens em classes. As ordens em classes.

5 CARACTERÍSTICAS USADAS NA CLASSIFICAÇÃO 1) Genotípicas: 1) Genotípicas: Tem o objetivo de determinar o grau de parentesco entre as moléculas de DNA das amostras em classificação. Tem o objetivo de determinar o grau de parentesco entre as moléculas de DNA das amostras em classificação. São estudos da proporção citosina-guanina na molécula de DNA e o grau de homologia através do teste de hibridização. São estudos da proporção citosina-guanina na molécula de DNA e o grau de homologia através do teste de hibridização.

6 CARACTERÍSTICAS USADAS NA CLASSIFICAÇÃO 2) Fenotípicas: Inclui características: 2) Fenotípicas: Inclui características: Morfológicas (externa e interna), Morfológicas (externa e interna), Coloração; Coloração; Estruturais; Estruturais; Nutritivas; Nutritivas; Metabólicas; Metabólicas; Sensibilidade a antibióticos. Sensibilidade a antibióticos.

7 CLASSIFICAÇÃO Linnaeus (séc. XVIII): reinos Animal e Vegetal Linnaeus (séc. XVIII): reinos Animal e Vegetal Haeckel (1866): introdução do reino Protista Haeckel (1866): introdução do reino Protista Whittaker (1969): 5 reinos, divididos principalmente pelas características morfológicas (eucarioto / procarioto; presença ou ausência da PC); fisiológicas (fotossíntese, absorção e ingestão) Whittaker (1969): 5 reinos, divididos principalmente pelas características morfológicas (eucarioto / procarioto; presença ou ausência da PC); fisiológicas (fotossíntese, absorção e ingestão)

8 Reino Monera: seres procariotos, parede celular peptidoglicano - todas as bactérias; Reino Monera: seres procariotos, parede celular peptidoglicano - todas as bactérias; Reino Protista: eucariotos, unicelulares, diverso com relação ao modo de nutrição, sem parede celular (Protozoários, algas vermelhas e marrons, fungos limosos); Reino Protista: eucariotos, unicelulares, diverso com relação ao modo de nutrição, sem parede celular (Protozoários, algas vermelhas e marrons, fungos limosos); Reino Plantae: eucariotos, fotossíntese, parede cel. celulósica (Plantas e algas filamentosas - verdes); Reino Plantae: eucariotos, fotossíntese, parede cel. celulósica (Plantas e algas filamentosas - verdes); Reino Animalia: eucariotos, ingestão, sem parede - Animais; Reino Animalia: eucariotos, ingestão, sem parede - Animais; Reino Fungi: eucariotos, absorção, com parede celular de quitina e beta-glucana – Fungos verdadeiros Reino Fungi: eucariotos, absorção, com parede celular de quitina e beta-glucana – Fungos verdadeiros CLASSIFICAÇÃO

9 CLASSIFICAÇÃO Whittaker (1969) 1) Monera: Procariotos 2) Protista: Eucariotos unicelulares - Protozoários (sem parede celular) e Algas (com parede celular) 3) Fungi: Eucariotos aclorofilados 4) Plantae: Vegetais 5) Animalia: Animais

10 O Sistema de Classificação de Whittaker sofreu profundas transformações com as descobertas de Carl Woese Woese O Sistema de Classificação de Whittaker sofreu profundas transformações com as descobertas de Carl Woese Woese Os procariotos e eucariotos evoluíram por vias completamente diferentes a partir de um ancestral Os procariotos e eucariotos evoluíram por vias completamente diferentes a partir de um ancestral Baseia-se principalmente na comparação da seqüência dos genes ribossomais Baseia-se principalmente na comparação da seqüência dos genes ribossomais CLASSIFICAÇÃO

11 Woese desenvolveu a idéia que o gene 16S rRNA Woese desenvolveu a idéia que o gene 16S rRNA - está presente em todos os seres vivos - é essencial para a vida - é conservado do ponto de vista evolutivo CLASSIFICAÇÃO

12 CLASSIFICAÇÃO Woese (1977) Seqüências de rRNA: 3 domínios e 5 reinos Archaea: Procariotos Bacteria: Procariotos Eukarya: Eucariotos

13 Divisões seriam categorias hierárquicas equivalentes aos filos da taxonomia de animais e plantas. Divisões seriam categorias hierárquicas equivalentes aos filos da taxonomia de animais e plantas. Proteobacteria é o maior grupo, com mais de espécies, divididas em 5 classes: alpha, beta, gamma, delta e epsilon. Proteobacteria é o maior grupo, com mais de espécies, divididas em 5 classes: alpha, beta, gamma, delta e epsilon. CLASSIFICAÇÃO

14 Eubacteria

15 Haeckel (1894) Três reinos Whittaker (1959) Cinco reinos Woese (1977) Seis reinos Woese (1990) Três domínios ProtistaMoneraEubacteriaBacteria ArchaebacteriaArchaea ProtistaProtistaEukarya PlantaeFungiFungi PlantaePlantae AnimaliaAnimaliaAnimalia

16 IMPORTÂNCIA Básica: estudos fisiológicos, bioquímicos e moleculares (modelo comparativo para seres superiores) => Microbiologia Molecular Básica: estudos fisiológicos, bioquímicos e moleculares (modelo comparativo para seres superiores) => Microbiologia Molecular Aplicada: processos industriais, controle de doenças, de pragas, produção de alimentos, etc. Aplicada: processos industriais, controle de doenças, de pragas, produção de alimentos, etc. ÁREAS DE ESTUDO: ÁREAS DE ESTUDO: Odontologia: Microrg. associados à placa dental, cárie dental e doenças periodontais. Estudos com abordagem preventiva. Odontologia: Microrg. associados à placa dental, cárie dental e doenças periodontais. Estudos com abordagem preventiva. Medicina e Enfermagem: Doenças infecciosas e infecções hospitalares. Medicina e Enfermagem: Doenças infecciosas e infecções hospitalares. Nutrição: Doenças transmitidas por alimentos, Controle de qualidade de alimentos, Produção de alimentos (queijos, bebidas). Nutrição: Doenças transmitidas por alimentos, Controle de qualidade de alimentos, Produção de alimentos (queijos, bebidas). Biologia: Aspectos básicos e biotecnológicos. Produção de antibióticos, hormônios (insulina, GH), enzimas (lipases, celulases), insumos (ácidos, álcool), Despoluição (Herbicidas - Pseudomonas, Petróleo), Biofilme (Acinetobacter), etc. Biologia: Aspectos básicos e biotecnológicos. Produção de antibióticos, hormônios (insulina, GH), enzimas (lipases, celulases), insumos (ácidos, álcool), Despoluição (Herbicidas - Pseudomonas, Petróleo), Biofilme (Acinetobacter), etc. Biotecnologia: Uso de microrg. com finalidades industriais, como agentes de biodegradação, de limpeza ambiental, etc. Biotecnologia: Uso de microrg. com finalidades industriais, como agentes de biodegradação, de limpeza ambiental, etc.

17 INTRODUÇÃO Mikros (pequeno) + Bio (vida) + logos (ciência) Mikros (pequeno) + Bio (vida) + logos (ciência) Procariotos (bactérias, archaeas) Procariotos (bactérias, archaeas) Eucariotos inferiores (algas, protozoários, fungos) Eucariotos inferiores (algas, protozoários, fungos) Vírus Vírus

18 MORFOLOGIA BACTERIANA

19 ESTRUTURAS EXTERNAS

20 MORFOLOGIA Há vários tamanhos e formas Há vários tamanhos e formas As menores com 0,3 µm (ex: Mycoplasma) As menores com 0,3 µm (ex: Mycoplasma) Nanobactérias ou ultramicrobactérias com 0,2 a 0,05 µm de diâmetro Nanobactérias ou ultramicrobactérias com 0,2 a 0,05 µm de diâmetro Maioria com 2 a 6 µm de comprimento, por 1 a 2 µm de largura Maioria com 2 a 6 µm de comprimento, por 1 a 2 µm de largura Mas temos bacts até 500 ou 800 µm, como no caso de Epulopiscium ou Thiomargarita. Mas temos bacts até 500 ou 800 µm, como no caso de Epulopiscium ou Thiomargarita. Em relação às formas: 3 tipos morfológicos Em relação às formas: 3 tipos morfológicos cocos, bacilos e espiralados. cocos, bacilos e espiralados.

21 COCOS São células arredondadas, podem se dividir sem um plano de orientação definido, o que leva a um grande número de arranjos diferentes. São células arredondadas, podem se dividir sem um plano de orientação definido, o que leva a um grande número de arranjos diferentes. Assim temos os cocos isolados, diplococos (Neisseria, pneumococos), tetracocos, sarcinas (cubos contendo 8 células), estreptococos (cocos em cadeia) e estafilococos (cocos formando massas irregulares). Assim temos os cocos isolados, diplococos (Neisseria, pneumococos), tetracocos, sarcinas (cubos contendo 8 células), estreptococos (cocos em cadeia) e estafilococos (cocos formando massas irregulares).

22 COCOS MO, método de Gram, cocos-estafilococos ME varredura MO, método de Gram, de cocos-estreptococos ME varredura

23 BACILOS Forma de bastonetes Forma de bastonetes Pode ter extremidades retas (Bacillus anthracis), arredondadas (Salmonella, E. coli), ou afiladas (Fusobacterium) Pode ter extremidades retas (Bacillus anthracis), arredondadas (Salmonella, E. coli), ou afiladas (Fusobacterium) Pouca variedade: diplobacilos ou estreptobacilos. Pouca variedade: diplobacilos ou estreptobacilos. em paliçada (letras chinesas): gênero Corynebacterium em paliçada (letras chinesas): gênero Corynebacterium pequenas vírgulas (Vibrio cholerae) pequenas vírgulas (Vibrio cholerae) meia lua (Selenomonas) meia lua (Selenomonas)

24 BACILOS

25 ESPIRALADOS Nomenclatura mto controvertida. 2 grupos: Nomenclatura mto controvertida. 2 grupos: Espiroquetas (espiral flexível c/ flagelos periplasmáticos) Espiroquetas (espiral flexível c/ flagelos periplasmáticos) Espirilos (espiral incompleta e rígidos) Espirilos (espiral incompleta e rígidos) Espiralados são afilados, de difícil observação por microscopia de campo claro, sendo analisados por microscopia de campo escuro, ou de técnicas de coloração com impregnação por sais de prata. Espiralados são afilados, de difícil observação por microscopia de campo claro, sendo analisados por microscopia de campo escuro, ou de técnicas de coloração com impregnação por sais de prata. MO fluoresc Treponema pallidum - sífilis

26

27 ESTRUTURAS EXTERNAS Parede Celular Parede Celular Presente nas bactérias, menos micoplasmas e Archaea não a possuem Presente nas bactérias, menos micoplasmas e Archaea não a possuem + importantes; estão na porção mais externa + importantes; estão na porção mais externa Responsável pela manutenção da forma do microrganismo; atua como barreira de proteção contra determinados agentes físicos e químicos externos (choque osmótico) Responsável pela manutenção da forma do microrganismo; atua como barreira de proteção contra determinados agentes físicos e químicos externos (choque osmótico) Microrg. Patogênicos: antígenos ou moléculas envolvidas na patogenicidade Microrg. Patogênicos: antígenos ou moléculas envolvidas na patogenicidade 1884, Christian Gram: método de coloração; 1884, Christian Gram: método de coloração; 2 grupos distintos: Gram positivas e negativas 2 grupos distintos: Gram positivas e negativas

28 COMPOSIÇÃO DA PC Peptideoglicano (mureína ou mucopeptídeo): Peptideoglicano (mureína ou mucopeptídeo): exclusivo no domínio Bacteria, responsável pela rigidez da parede. exclusivo no domínio Bacteria, responsável pela rigidez da parede. sua presença confere > resistência mtas peptidases. sua presença confere > resistência mtas peptidases. confere rigidez à parede, embora exiba certo grau de elasticidade e também porosidade. confere rigidez à parede, embora exiba certo grau de elasticidade e também porosidade. Ácidos Teicóicos: Ácidos Teicóicos: + peptideoglicano, compõem a PC das Gram-positivas. + peptideoglicano, compõem a PC das Gram-positivas. Devido à sua carga negativa, os ácidos teicóicos contribuem com o caráter negativo da superfície celular de Gram-positivas. Devido à sua carga negativa, os ácidos teicóicos contribuem com o caráter negativo da superfície celular de Gram-positivas. Função desconhecida, mas pode participar nos processos de passagem de íons pela parede, ou ligar- se a prótons, mantendo um pH celular relativamente baixo. Função desconhecida, mas pode participar nos processos de passagem de íons pela parede, ou ligar- se a prótons, mantendo um pH celular relativamente baixo.

29 PAREDE CELULAR

30 GRAM-POSITIVA GRAM-NEGATIVA Citoplasma Citoplasma Ácido lipoteicóico Ácido Peptideoglicano-teicoico Membrana citoplasmática Membrana Interna (citoplasmática) Lipopolissacarideo Porina Braun lipoprotein Espaço periplasmatico Membrana Externa

31

32 Gram +: parede espessa (20-80 nm), aspecto homogêneo e c/ superfície mais lisa e homogênea. Gram +: parede espessa (20-80 nm), aspecto homogêneo e c/ superfície mais lisa e homogênea. 90% peptideoglicano (20 camadas) e resto de ácido teicóico. 90% peptideoglicano (20 camadas) e resto de ácido teicóico. Gram -: parede mais delgada (9-20 nm) e aspecto bastante complexo. Gram -: parede mais delgada (9-20 nm) e aspecto bastante complexo. 10% peptideoglicano (camada única ou dupla). 10% peptideoglicano (camada única ou dupla).

33 GRAM NEGATIVOS Membrana Externa (ME): Membrana Externa (ME): Presente apenas nas bactérias Gram negativas. Presente apenas nas bactérias Gram negativas. É a segunda bicamada lipídica; fosfolipídeos, lipoproteínas, proteínas e também lipopolissacarídeos. É a segunda bicamada lipídica; fosfolipídeos, lipoproteínas, proteínas e também lipopolissacarídeos. Maior permeabilidade a pequenas moléculas, tais como glicose ou outros monossacarídeos. Maior permeabilidade a pequenas moléculas, tais como glicose ou outros monossacarídeos. Contato em algumas discretas regiões celulares da ME e a MC - sítios de adesão ou junções de Bayer Contato em algumas discretas regiões celulares da ME e a MC - sítios de adesão ou junções de Bayer Esta junção pode conferir maior rigidez à parede celular das Gram negativas, além de fixar a membrana externa, não deixando-a frouxa. Esta junção pode conferir maior rigidez à parede celular das Gram negativas, além de fixar a membrana externa, não deixando-a frouxa.

34 LPS A face externa da membrana externa é rica em lipopolissacarídeos (LPS), inexistentes na membrana citoplasmática. A face externa da membrana externa é rica em lipopolissacarídeos (LPS), inexistentes na membrana citoplasmática. Estes componentes são também denominados de endotoxina, uma vez que provocam febre, choque e eventualmente morte, quando injetados em animais. Estes componentes são também denominados de endotoxina, uma vez que provocam febre, choque e eventualmente morte, quando injetados em animais. LPS é uma molécula complexa, composta por 3 regiões distintas: lipídeo A, polissacarídeo central e cadeia polissacarídica lateral O, ou Antígeno O. LPS é uma molécula complexa, composta por 3 regiões distintas: lipídeo A, polissacarídeo central e cadeia polissacarídica lateral O, ou Antígeno O.

35

36 Coloração de Gram

37 OUTROS Cápsula e Glicocálix: Cápsula e Glicocálix: Cápsula - camada externa à parede celular, como um material viscoso, de natureza polissacarídica e raramente protéica. Cápsula - camada externa à parede celular, como um material viscoso, de natureza polissacarídica e raramente protéica. Vantagens às bactérias, pois suas principais funções incluem: ligação às células do hospedeiro, Vantagens às bactérias, pois suas principais funções incluem: ligação às células do hospedeiro, fator de virulência por dificultar a fagocitose e proteção (resistência ao dessecamento, uma vez que armazena grandes quantidades de água, fonte de nutrientes e proteção contra a infecção por bacteriófagos, ou interação com anticorpos). Exs: S. mutans, S. pneumoniae e B. anthracis fator de virulência por dificultar a fagocitose e proteção (resistência ao dessecamento, uma vez que armazena grandes quantidades de água, fonte de nutrientes e proteção contra a infecção por bacteriófagos, ou interação com anticorpos). Exs: S. mutans, S. pneumoniae e B. anthracis

38 Fímbrias: apêndices finos em Gram negativas (3-10 nm), retos e curtos; visualizadas pela microscopia eletrônica. Fímbrias: apêndices finos em Gram negativas (3-10 nm), retos e curtos; visualizadas pela microscopia eletrônica. Muito numerosas (1000 ou mais por célula). Muito numerosas (1000 ou mais por célula). São de natureza protéica, com subunidades repetitivas de uma proteína (pilina) e proteínas distintas em sua extremidade ou ao longo da estrutura (adesinas). São de natureza protéica, com subunidades repetitivas de uma proteína (pilina) e proteínas distintas em sua extremidade ou ao longo da estrutura (adesinas). Pilus F ou fímbria sexual: semelhanças estruturais com as fímbrias; em menor número nas células (1 a 10). Pilus F ou fímbria sexual: semelhanças estruturais com as fímbrias; em menor número nas células (1 a 10). estrutura bastante longa e menos rígida estando envolvido no processo de transferência de genes denominado conjugação. estrutura bastante longa e menos rígida estando envolvido no processo de transferência de genes denominado conjugação. diferentes fímbrias descritas estão relacionadas à adesão, ou à virulência. diferentes fímbrias descritas estão relacionadas à adesão, ou à virulência. Gram positivas podem ter estruturas diferentes de fímbrias em sua superfície - envolvidas na adesão. Gram positivas podem ter estruturas diferentes de fímbrias em sua superfície - envolvidas na adesão. FÍMBRIAS E PILI

39 ESPOROS Endósporos (esporos): Estruturas de latência com altíssima resistência, a agentes físicos e químicos. Endósporos (esporos): Estruturas de latência com altíssima resistência, a agentes físicos e químicos. Gram positivos: Clostridium, Bacillus e Sporosarcina. Gram positivos: Clostridium, Bacillus e Sporosarcina. Resistência ao calor, às radiações, aos desinfetantes e à desidratação. Resistência ao calor, às radiações, aos desinfetantes e à desidratação. Ambientes c/ condições inadequadas p/ manter seu material genético. Ambientes c/ condições inadequadas p/ manter seu material genético. Estrutura em ME: Estrutura em ME: exosporium - fina e delicada, mais externa. exosporium - fina e delicada, mais externa. capa do esporo - abaixo do exosporium, 1 ou + camadas protéicas. capa do esporo - abaixo do exosporium, 1 ou + camadas protéicas. córtex - camadas de peptideoglicano ligadas frouxamente entre si, mais interna. córtex - camadas de peptideoglicano ligadas frouxamente entre si, mais interna.

40 Fimbria sexual (pilus F) Cápsula Fímbrias

41 FLAGELOS Estruturas longas, delgadas e relativamente rígidas, apresentando cerca de 20 nm de espessura e 15 a 20 µm de comprimento Estruturas longas, delgadas e relativamente rígidas, apresentando cerca de 20 nm de espessura e 15 a 20 µm de comprimento Responsáveis pela locomoção das bactérias. Responsáveis pela locomoção das bactérias. Podem ser visualizados por meio de colorações específicas, microscopia de campo escuro, ou por microscopia eletrônica. Podem ser visualizados por meio de colorações específicas, microscopia de campo escuro, ou por microscopia eletrônica. Podem ser classificadas como: atríquias (sem flagelos), entre outras. Podem ser classificadas como: atríquias (sem flagelos), entre outras.

42 Bactéria Monotríquia (um único flagelo) Bactéria Anfitríquia (um flagelo em cada extremidade) Bactéria Lofotríquia (um tufo de flagelos em uma, ou ambas as extremidades) Bactéria Lofotríquia Bactéria Peritríquia (apresentando flagelos ao longo de todo o corpo bacteriano) Bactéria Peritríquia

43 MOVIMENTO Tipos de movimentação de células monotríquias Esquema ilustrando a movimentação de bactérias peritríquias

44 Esporos C. tetani, aumento de X. © Alfred Pasieka, Peter Arnold, Inc.

45 Figura Endósporos. (a) Esporogênese, processo de formação de endósporos. (b) Fotografía de ME de um endósporo de Bacillus sp. (c) Esq.: Endósporo central de B. megateríum (40.500x); Centro: endósporos subterminal de B. antrhacis (38.000x); Dir: endósporo terminal, redondo, extremo de uma célula de C. tetani (14.000x aproximadamente).

46 ESTRUTURAS INTERNAS

47 Periplasma (gel periplasmático): é um espaço situado entre a ME e MC em Gram negativas. Periplasma (gel periplasmático): é um espaço situado entre a ME e MC em Gram negativas. Consistência de gel, provavelmente devido ao grande número de proteínas presentes nesta região. Consistência de gel, provavelmente devido ao grande número de proteínas presentes nesta região. Pode corresponder até 40% do volume total da célula. Pode corresponder até 40% do volume total da célula. Em Gram negativas, tem grande importância, pois várias enzimas e outras proteínas estão localizadas, incluindo hidrolases, proteínas de ligação envolvidas no transporte e quimiorreceptores. Em Gram negativas, tem grande importância, pois várias enzimas e outras proteínas estão localizadas, incluindo hidrolases, proteínas de ligação envolvidas no transporte e quimiorreceptores. Bactérias quimiolitotróficas e denitrifcantes apresentam muitas vezes proteínas transportadoras de elétrons no periplasma, outras apresentam enzimas envolvidas na síntese de peptideoglicano. Bactérias quimiolitotróficas e denitrifcantes apresentam muitas vezes proteínas transportadoras de elétrons no periplasma, outras apresentam enzimas envolvidas na síntese de peptideoglicano.

48 Membrana Citoplasmática: Estrutura delgada, composta por uma bicamada fosfolipídica, entremeada de proteínas Membrana Citoplasmática: Estrutura delgada, composta por uma bicamada fosfolipídica, entremeada de proteínas Atua como importante barreira osmótica, altamente seletiva. Atua como importante barreira osmótica, altamente seletiva. As membranas de procariotos têm maiores concentrações de proteínas que as membranas eucarióticas, devido a ausência de organelas citoplasmáticas. As membranas de procariotos têm maiores concentrações de proteínas que as membranas eucarióticas, devido a ausência de organelas citoplasmáticas.

49 Mesossomos: extensas invaginações da membrana citoplasmática, em forma de vesículas, lamelas ou túbulos. Mesossomos: extensas invaginações da membrana citoplasmática, em forma de vesículas, lamelas ou túbulos. São encontrados com maior abundância em Gram +, mas podem estar presentes em Gram -. São encontrados com maior abundância em Gram +, mas podem estar presentes em Gram -. Ainda não se sabe as funções, mas podem: Ainda não se sabe as funções, mas podem: Participar na segregação dos cromossomos durante a divisão, papel respiratório, papel na esporulação, ou até mesmo como sendo um mero artefato decorrente dos procedimentos utilizados para a preparação microscópica dos espécimes. Participar na segregação dos cromossomos durante a divisão, papel respiratório, papel na esporulação, ou até mesmo como sendo um mero artefato decorrente dos procedimentos utilizados para a preparação microscópica dos espécimes. Matriz Citoplasmática: É composta por cerca de 70% de água, além dos demais compostos celulares, tais como o DNA, inclusões e plasmídeos. Matriz Citoplasmática: É composta por cerca de 70% de água, além dos demais compostos celulares, tais como o DNA, inclusões e plasmídeos. O citoplasma celular apresenta grande concentração de ribossomos e proteínas. O citoplasma celular apresenta grande concentração de ribossomos e proteínas.

50 Nucleóide: Os procariotos são organismos haplóides, com 1 único cromossomo não envolto por carioteca. Nucleóide: Os procariotos são organismos haplóides, com 1 único cromossomo não envolto por carioteca. Algumas podem apresentar 2 ou 3 cromossomos. Algumas podem apresentar 2 ou 3 cromossomos. O cromossomo circular e enovelado, em uma região celular denominada nucleóide. O cromossomo circular e enovelado, em uma região celular denominada nucleóide. DNA cromossomal é uma molécula mto grande (1000 vezes maior que a própria célula). DNA cromossomal é uma molécula mto grande (1000 vezes maior que a própria célula). E. coli - DNA com 4,7 Mb (1 mm de comprimento qdo linearizado). E. coli - DNA com 4,7 Mb (1 mm de comprimento qdo linearizado). Plasmídeos: moléculas de DNA extracromossomal, são circulares, contendo muitas vezes genes que conferem características adaptativas vantajosas ao microrganismo. Plasmídeos: moléculas de DNA extracromossomal, são circulares, contendo muitas vezes genes que conferem características adaptativas vantajosas ao microrganismo. Seu número e dimensões são bastante variáveis. Seu número e dimensões são bastante variáveis.

51 Corpúsculos de inclusão: São grânulos de armazenagem, de diferentes naturezas Corpúsculos de inclusão: São grânulos de armazenagem, de diferentes naturezas Podem ser utilizados como fonte de material de reserva ou energia, muitas vezes insolúveis. Podem ser utilizados como fonte de material de reserva ou energia, muitas vezes insolúveis. Estes podem apresentar-se sem qualquer envoltório ou envoltos por uma única camada lipídica delgada (diferente de uma membrana), ou por proteínas. Estes podem apresentar-se sem qualquer envoltório ou envoltos por uma única camada lipídica delgada (diferente de uma membrana), ou por proteínas. Dentre os compostos orgânicos armazenados temos o glicogênio, o amido e polihidroxibutirato. Dentre os compostos orgânicos armazenados temos o glicogênio, o amido e polihidroxibutirato. Já dentre os inorgânicos temos polifosfatos (volutina ou metacromáticos) e enxofre. Já dentre os inorgânicos temos polifosfatos (volutina ou metacromáticos) e enxofre.

52 Ribossomos: Estes são extremamente abundantes, encontrando-se livres no citoplasma ou associados à face interna da membrana citoplasmática. Ribossomos: Estes são extremamente abundantes, encontrando-se livres no citoplasma ou associados à face interna da membrana citoplasmática. São partículas compostas por proteínas e rRNA. São partículas compostas por proteínas e rRNA. Embora sua composição seja similar a dos ribossomos eucarióticos, exibem várias diferenças: apresentam coeficiente de sedimentação 70 S (50 e 30 S). Embora sua composição seja similar a dos ribossomos eucarióticos, exibem várias diferenças: apresentam coeficiente de sedimentação 70 S (50 e 30 S). A subunidade 30 S é constituída por 21 proteínas e por um rRNA 16 S (1542 nt), enquanto a 50 S, apresenta 32 proteínas e os rRNAs 23 S (2904 nt) e 5 S (120 nt). A subunidade 30 S é constituída por 21 proteínas e por um rRNA 16 S (1542 nt), enquanto a 50 S, apresenta 32 proteínas e os rRNAs 23 S (2904 nt) e 5 S (120 nt). Já nos eucariotos, na 40 S temos 33 proteínas e o 18 S (1874 nt) e na 60 S, 49 proteínas e os 28 S, 5.85 S ( nt) e o 5 S (120 nt). Já nos eucariotos, na 40 S temos 33 proteínas e o 18 S (1874 nt) e na 60 S, 49 proteínas e os 28 S, 5.85 S ( nt) e o 5 S (120 nt).

53 MICROBIOTA NORMAL HUMANA

54 Conj. microrg. eucariotos e procariotos associados ao nosso organismo ( 100 trilhões) Conj. microrg. eucariotos e procariotos associados ao nosso organismo ( 100 trilhões) Bem específica, variando o local, idade e condições físicas do hospedeiro. Bem específica, variando o local, idade e condições físicas do hospedeiro. Localizados nos locais mais quentes e úmidos: pele, conjuntiva, mucosa nasal, mucosa oral, intestino grosso, vagina, reto, uretra. Localizados nos locais mais quentes e úmidos: pele, conjuntiva, mucosa nasal, mucosa oral, intestino grosso, vagina, reto, uretra. Locais livres: fluido cerebrospinal, sangue, bexiga, útero, trompas de falópio, ouvido médio, seios paranasais e rins. Locais livres: fluido cerebrospinal, sangue, bexiga, útero, trompas de falópio, ouvido médio, seios paranasais e rins. Pode ser dividida em: Pode ser dividida em: residente – inofensiva e benéfica ao hospedeiro. residente – inofensiva e benéfica ao hospedeiro. transitória – composta por microrg. inofensivos ou potencialmente patogênicos. transitória – composta por microrg. inofensivos ou potencialmente patogênicos. Gram-positivas – Lactobacillus, Staphylococcus aureus, Enterococcus faecalis, Actinomyces, Eubacterium, Streptococcus agalactiae Gram-positivas – Lactobacillus, Staphylococcus aureus, Enterococcus faecalis, Actinomyces, Eubacterium, Streptococcus agalactiae Gam-negativas – Bacterióides, Escherichia coli, Enterobacter, Pseudomonas,Neisseria Gam-negativas – Bacterióides, Escherichia coli, Enterobacter, Pseudomonas,Neisseria

55 PELE: PELE: Staphylococcus epidermidis (90%) Staphylococcus epidermidis (90%) Staphylococcus aureus (10-40%) Staphylococcus aureus (10-40%) Neisserias Neisserias Propionibacterium acnes Propionibacterium acnes Corynebacterium xerosis, Corynebacterium xerosis, Pityrosporum spp (fungo) Pityrosporum spp (fungo) Candida spp. (levedura) Candida spp. (levedura) OLHOS - CONJUNTIVA: OLHOS - CONJUNTIVA: Staphylococcus epidermidis Staphylococcus epidermidis Staphylococcus aureus Staphylococcus aureus Corynebacterium sp Corynebacterium sp NARIZ: NARIZ: Staphylococcus epidermidis Staphylococcus epidermidis Staphylococcus aureus Staphylococcus aureus Corynebacterium sp Corynebacterium sp Neisserias Neisserias BOCA: BOCA: Staphylococcus epidermidis Staphylococcus epidermidis Staphylococcus aureus Staphylococcus aureus Streptococcus Streptococcus Corynebacterium sp Corynebacterium sp Lactobacillus Lactobacillus Actinomyces Actinomyces Treponema sp Treponema sp Candida sp Candida sp NASOFARINGE: NASOFARINGE: Semelhante a boca, mas pode ter ainda Semelhante a boca, mas pode ter ainda Haemophylus sp Haemophylus sp Neisserias Neisserias Streptococcus pneumoniae Streptococcus pneumoniae BOCA – DENTES: BOCA – DENTES: Streptococcus mutans Streptococcus mutans Streptococcus salivarius Streptococcus salivarius

56 INTESTINO: INTESTINO: Duodeno-jejuno (103 bact/ml) Duodeno-jejuno (103 bact/ml) Staphylococcus sp Staphylococcus sp Lactobacillus sp Lactobacillus sp Jejuno inferior e íleo ( bact/ml) Jejuno inferior e íleo ( bact/ml) Cólon e ceco (108 a 1011bact/g fezes) Cólon e ceco (108 a 1011bact/g fezes) Streptococcus Streptococcus Peptostreptococcus Peptostreptococcus Peptococcus Peptococcus Staphylococcus Staphylococcus Lactobacillus Lactobacillus Bifidobacterium Bifidobacterium Proteus Proteus Pseudomonas Pseudomonas Candida Candida Bacterioides Bacterioides coliformes coliformes UROGENITAL: UROGENITAL: Corynebactyerium Corynebactyerium Staphylococcus epidermidis Staphylococcus epidermidis Enterococcus Enterococcus Lactobacillus Lactobacillus Bacterioides Bacterioides Neisserias não patogênicas Neisserias não patogênicas Ureaplasma urealyticum Ureaplasma urealyticum Gardnerella vaginalis Gardnerella vaginalis Candida albicans Candida albicans


Carregar ppt "CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO Profa. Dra. Luciana Leomil."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google