A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Importância da Reforma do Edifício São Vito / Mercúrio Constituição de Comissão Especial no CMH para retomada da reforma.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Importância da Reforma do Edifício São Vito / Mercúrio Constituição de Comissão Especial no CMH para retomada da reforma."— Transcrição da apresentação:

1 Importância da Reforma do Edifício São Vito / Mercúrio Constituição de Comissão Especial no CMH para retomada da reforma

2 EDIFÍCIO SÃO VITO SÃO VITO ED. MERCÚRIO

3 ONDE ESTÁ O SÃO VITO / Mercúrio AVENIDA DO ESTADO VIADUTO DIÁRIO POPULAR PALÁCIO DAS INDÚSTRIAS MERCADO MUNICIPAL AVENIDA MERCÚRIO ED. SÃO VITO ED. MERCÚRIO USO RESIDENCIAL ZONA CEREALISTA

4 Sobre o edifício São Vito e Mercúrio Construídos em 1959, pela Construtora Zarzur & Kogan Ltda. Áreas do terrenos: São Vito = 784 m² e Mercúrio – 300 m², áreas construídas m² e m². Térreo e sobre loja são de uso comercial. Unidades habitacionais: São Vito = 600 uh (25 a 30 m²) e Mercúrio = 138 uh (média 36 m²)

5 Laudo da estrutura do São Vito Conforme o laudo datado de 1º de março de 2004, contratado pela COHAB-SP, elaborado pela Concremat Engenharia e Tecnologia S.A., assinado pelos seus engenheiros Rosana C. Tiba, Gerente Operacional, e José Eduardo V. Zúñiga, Diretor de Divisão Patologia e Monitoramento, nas suas folhas de 72 a 76, afirma que: Em relação às fundações: Após o exame detalhado da estrutura, podemos dizer que não observamos qualquer sinal de fissura ou trinca. Logo, pela não observância de qualquer indício de comportamento anômalo, pode-se afiançar que as fundações deste prédio são consideradas adequadas

6 Laudo da estrutura do São Vito Em relação aos pilares: Há necessidade de reforço de praticamente todos os pilares no sentido de dotá-los de maior capacidade resistente, visando atender às exigências de segurança estabelecidas pelas normas atuais. Em relação às lajes: A maioria das lajes apresenta resistência compatível com os esforços, e em certa consonância com os critérios de resistência atuais. Na análise das lajes não foram detectadas armaduras insuficientes em grau preocupante, tendo sido detectadas pequenas diferenças entre valores resistentes e atuantes, não necessitando assim de reforço estrutural.

7 Laudo da estrutura do São Vito Em relação às vigas: A análise feita para as vigas indicou insuficiência de armadura de flexão em cerca 40% das seções estudadas, tanto nas solicitações a momentos fletores positivos, quanto a momentos fletores negativos. Nos casos de tramos de pequenas dimensões, típicos dos vãos dos corredores, e das vigas de extremidade do edifício, paralelas à fachada, observa-se suficiência da armadura na grande maioria dos casos. Nas vigas isostáticas internas, também não foi observada insuficiência de armadura. Resumindo, constata-se uma insuficiência das armaduras principalmente nas vigas internas, com vãos contínuos.

8 Laudo da estrutura do São Vito E conclui que: Deve-se ressaltar que a recomendação dessas intervenções [reforço estrutural] decorre mais da necessidade de se adaptar as condições de segurança da estrutura às condições impostas pelas normas vigentes, do que de eventuais riscos de se atingir o estado limite último ou de serviço. Tal afirmação é confirmada tanto pela observação visual das condições da estrutura, que não apresenta sinais de comportamento indesejável, quanto pelos resultados da prova de carga realizada no local. Portanto: a reforma do edifício São Vito permite reforma sem grande investimentos na estrutura.

9 Alternativas de soluções Projeto de reforma, contratado pela Cohab/FMH, coordenado pelos arquitetos Roberto Loeb e Luiz Capote para o edifício São Vito prevê a transformação de 600 quitinetes em 375 aptos, sendo: 175 conjugados, 150 de 1 dormitório e 50 de 2 dormitórios, formando 02 condomínios. Além de áreas para uso comercial e equipamentos sociais. Custo previsto para reforma: R$ ,00, próximo ao limite do PAR, sem a desapropriação. Custo da desapropriação R$ ,00.

10 PROPOSTA DE REQUALIFICAÇÃO DO EDIFÍCIO TÉRREO CAPEL A SANITÁRIOS

11 Porque reformar? O custo da demolição de cerca de m² (estimado R$ ), considerando que a implosão no local é inviável. Geraria um caos na região de pelo menos 7 meses, e um entulho de m3 (sem vazios) ou T. (custo ?) Com déficit habitacional em São Paulo, não podemos destruir 738 unidades habitacionais. Custo social – concentração de emprego no centro da cidade, que mora no centro quase na sua totalidade trabalham no centro, evitando assim despesas com transporte e perda de tempo na locomoção

12 Porque reformar? Custo urbano – Caos do transporte e seus custos. Custo ambiental – Esvaziamento populacional do centro e inchaço das periferias, com ocupação de áreas de mananciais. Dificuldade de viabilizar habitação no centro e o custo para produzir novas unidades habitacionais no centro (734 x ,00 = ,00).

13 Porque reformar? Política higienista; Se transformado em praça teríamos a praça com o metro quadrado mais caro, próximo de R$ ,00. Moradia popular, praça e renovação urbana são compatíveis e complementam para a sustentabilidade social, ambiental e urbana.

14 Papel da comissão especial para avaliar a retomada da reforma do São Vito Sehab, Cohab e Conselho Municipal de Habitação com papel de encaminhamento das decisões.


Carregar ppt "Importância da Reforma do Edifício São Vito / Mercúrio Constituição de Comissão Especial no CMH para retomada da reforma."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google