A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GENUS - PESQUISA, ASSESSORIA E ESTUDOS DE GÊNERO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GENUS - PESQUISA, ASSESSORIA E ESTUDOS DE GÊNERO."— Transcrição da apresentação:

1 GENUS - PESQUISA, ASSESSORIA E ESTUDOS DE GÊNERO

2 PROJETO Gênero e Etnia no mercado de trabalho latino-americano: análise dos setores representados pela ICEM Equipe responsável da Genus Ari José Sartori Ízide Fregnani Vilênia Porto Aguiar Equipe apoio pesquisa da Genus ClaudeteBonetto Cristina Bueno Martins Viviane Ribeiro GENUS – Pesquisa, Assessoria e Estudos de Gênero

3 A presente proposta pretende realizar um estudo das condições sociais, econômicas e políticas dos (as) trabalhadores (as) que compõem a base dos sindicatos representados pela ICEM no Brasil, bem como um diagnóstico da sua organização sindical, para contribuir de forma mais incisiva na elaboração de novas reivindicações. Pretende-se, com o resultado deste trabalho, apontar as potencialidades, os impasses e os desafios da organização sindical na incorporação das questões de gênero e etnia, bem como indicar temas e reflexões que, eventualmente, venham a aperfeiçoar a implantação das ações objetivadas pela ICEM. INTRODUÇÃO

4 OBJETIVOS GERAIS Realizar pesquisa sobre a composição e perfil do mercado de trabalho e das conquistas sociais e econômicas garantidos pelas convenções da OIT na legislação de alguns países da América Latina e Caribe nos quais a ICEM tem entidades filiadas, para subsidiar a Campanha pela Igualdade de Oportunidade e de Salários entre Homens e Mulheres no Trabalho. Elaborar, desenvolver e orientar a execução do projeto de pesquisa sobre a organização sindical e nos locais de trabalho de algumas empresas, relativos as condições sociais, econômicas e políticas dos(as) trabalhadores(as) de suas bases sindicais, representados pela ICEM no Brasil.

5 PROJETO DE PESQUISA I A REALIDADE¸ AS CONQUISTAS SOCIAIS E ECONÔMICAS E OS DADOS INTERNACIONAIS DAS MULHERES E HOMENS NOS PAÍSES PESQUISADOS

6 N º 1 N º 1 : Perfil Sócio-econômico da PEA OBJETIVOS: Organizar um banco de dado sobre o perfil dos(as) trabalhadores(as) de alguns países da A. Latina e Caribe, com base nos últimos dados disponíveis (2000). N º 2 N º 2 : Convenções da OIT OBJETIVOS: Pesquisar e sistematizar as conquistas sociais e econômicas garantidos pelas convenções da OIT, quais países ratificaram e também a existência de legislação sobre as convenções ratificadas. N º 3 N º 3 : Conquistas garantidas nas Legislações OBJETIVOS: Sistematizar o que já existe de conquistas na legislação de alguns países da América Latina e Caribe; EIXO DE PESQUISA

7 PROJETO DE PESQUISA II A ORGANIZAÇÃO SINDICAL E NOS LOCAIS DE TRABALHO

8 EIXO DE PESQUISA II N º 4 N º 4 - Sobre a Organização Sindical Objetivo: Reunir elementos para a elaboração de um diagnostico da situação atual da organização sindical dos (as) trabalhadores (as) representados(as) pela ICEM na América Latina y Caribe (ALyC), afim de identificar o espaço ocupado pelas mulheres e a incorporação das questões de gênero e etnia na prática sindical das entidades por ela representadas. N º 5 N º 5 - Nos locais de trabalho Objetivo: Investigar a realidade vivenciada pelas mulheres no seu local de trabalho, ressaltando as discriminações existentes e as formas de sua manifestação, bem como as aspirações, os desejos e as necessidades das mulheres trabalhadoras de setores da ICEM no Brasil.

9 DADOS PRELIMINARES E PARCIAIS DO PROJETO DE PESQUISA I

10 DADOS PARCIAIS DO PROJETO DE PESQUISA I A REALIDADE¸ AS CONQUISTAS SOCIAIS E ECONÔMICAS E OS DADOS INTERNACIONAIS DAS MULHERES E HOMENS NOS PAÍSES PESQUISADOS EIXO PESQUISA N º 1 : Perfil Sócio-econômico da PEA EIXO PESQUISA N º 2 : Convenções da OIT EIXO PESQUISA N º 3 : Conquistas garantidas nas Legislações

11 METODOLOGIA RECURSO METODOLÓGICO: Internet TÉCNICA DE INVESTIGAÇÃO: Pesquisa virtual de dados estatísticos internacionais oficiais. JUSTIFICATIVA: O Tempo disponibilizado para conclusão da pesquisa inviabilizou o desenvolvimento de uma metodologia comparativa a partir dos dados fornecidos pelos institutos de pesquisa de cada país pesquisado. FONTES DE DADOS: Fontes Principais: Base de dados estatísticos da OIT e da CEPAL. Fontes Secundárias: INDEC (Argentina), IBGE, DIEESE, INSPIR (Brasil), DANE (Colômbia), INE (CHILE), Banco Central de Nicarágua (NICARÁGUA), INEI (PERÚ), Dirección General de Estadísticas, Encuestas y Censos (PARAGUAI), INE (URUGUAI), ONU. PROCEDIMENTOS: Coleta de dados na Internet, estrutura e alimentação de dados, seleção de variáveis, filtragem, construção de tabelas, gráficos e análise.

12 PERÍODO DE REALIZAÇÃO DA PESQUISA Início: Setembro de Término: fevereiro de 2003

13 Argentina Brasil Chile Colômbia Nicarágua Peru Paraguai Trinidad e Tobago Uruguai PAÍSES PESQUISADOS

14 Falta de Informações Homogêneas: Segundo o IBGE, somente a partir de 1997, os países do MERCOSUL começaram a trabalhar para contar com um núcleo comum de informações básicas. Incoerência de algumas informações: Por exemplo: PEA apresentada no site da OIT, na base de dados Laborsta, muito maior. Informações nas pesquisas: com recorte de gênero, gênero e etnia/raça e geração, aparecem como um adendo, mas não inclusa como um todo; este foi um dos objetivos da criação do banco de dados, para cruzar informações. Publicação e atualização dos dados: A publicação é recente, mas os dados estão desatualizados em alguns países. Existe também a dificuldade que alguns países não informam os dados. DIFICULDADES ENCONTRADAS

15 A PESQUISA A REALIDADE¸ AS CONQUISTAS SOCIAIS E ECONÔMICAS E OS DADOS INTERNACIONAIS DAS MULHERES E HOMENS NOS PAÍSES PESQUISADOS 1) 1) Perfil Sócio-Econômico-Político da População dos nove países pesquisados 2) 2) Instrumentos legais: Legislação Internacional (OIT – ONU) e Legislação Nacionais (dos nove países) 3) 3) Considerações preliminares e parciais (como se pode utilizar esses instrumentos)

16 A PESQUISA 1 - Perfil social, político e econômico da População dos nove países pesquisados

17 A PESQUISA POPULAÇÃO

18 Fonte: ECLAC/INSPIR nota 1: considerados os negros, pardos, amarelos, indígenas e cor não declarada. MulheresHomens PaísesBrancos% Não brancos (1)%Total%Brancos% Não Brancos (1)%Total% Total H/M Brasil , , , Argentina Chile , , Colômbia , , Paraguai , ,45496 Peru , , Nicarágua , ,75074 Trinidad e Tobago 65550, ,71301 Uruguai , ,53337 Total 9 países , , América Latina , , População Absoluta e Relativa 2000, segundo Gênero e Etnia (por mil) T1. POPULAÇÃO ABSOLUTA E RELATIVA

19 Na América Latina éramos no ano de 2000, um pouco mais de meio milhão de pessoas, enquanto que nos nove países pesquisados éramos um pouco mais de 305 milhões de pessoas. Somente o Paraguai tem menos mulheres que homens. A média dos nove países se aproxima da média da América Latina, que é um pouco mais de 50%. A Argentina e o Uruguai, tem o maior percentual de mulheres que de homens, 51 e 51,5%, respectivamente, seguido do Brasil, com 50,8%. Com relação ao recorte de etnia, os dados obtidos se referem apenas ao Brasil. As mulheres que se auto- declararam de cor branca são 54,5%, enquanto que as não-brancas são 45%. Os homens brancos também são em maior número, mas aproximadamente 3% a menos que as mulheres ANÁLISE

20 POPULAÇÃO 2000 ( EM %) MULHERES HOMENS segundo o sexo nos países pesquisados

21 I.PERFIL ECONÔMICO I.1. I.1. PEA – POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA OIT/CELADE: Em geral se considera PEA o conjunto de pessoas, de um ou outro sexo, que está disposta a disponibilizar o seu trabalho para a produção de bens e serviços econômicos (tradução livre). IBGE: PEA, é a parcela da População de 10 anos ou mais (PIA), que está ocupada ou desempregada. CONCEITO :

22 (1) Relação PEA 00/90 (%) PaísesM%H%Total Relação H/MM%H%Total Relação H/MMH Argentina470135, , , , ,2 Brasil (2) , , , , ,1-9,9 Chile134528, , ,3-5,8 Colômbia403625, , , , ,7-14,8 Nicarágua40532,783367, , , ,2-4 Paraguai35120, , , , ,7-7,8 Peru268433, , ,9-4,3 Uruguai52638,882961, ,5-0,3 Média 8 países , , , , ,5-9,2 América Latina (3) , , PEA TOTAL E RELATIVA, SEGUNDO O SEXO – 1990 / 2000/01 PEA por Sexo Fonte: OIT - CELADE - nota 1: Brasil dados de 2001 e demais países – 2000 nota 2: fonte IBGE nota 3: dados percentuais da América Latina e Caribe, fonte LABORSTA

23 A PEA total feminina em 2000, representava nos 8 países analisados, um pouco mais de 54 milhões de pessoas e a masculina aproximadamente 137 milhões. Em 10 anos a PEA feminina cresceu 18,5%, enquanto que a masculina decresceu 9,2%. Ou seja, enquanto que em 1990, a PEA masculina representava 66,6%, em 2000, ficou em 60,5%. Já a PEA feminina, que em 1990 era 33,4%, em 2000 chegou próximo dos 40%. Em 1990 a PEA masculina dos oito países representavam o dobro da PEA feminina, já em 2000 a PEA masculina era 53% da feminina, enquanto que na América Latina, a proporção da PEA dos homens era em 2000 de 86% da feminina. A Colômbia (43,7%) e o Paraguai (29,7%), foram os países que tiveram o maior crescimento da PEA feminina e conseqüentemente o maior decréscimo da masculina. Mas, são justamente estes dois países que tinham o menor percentual da PEA feminina dos oito países analisados: Paraguai (20,7%) e Colômbia (25,3%). ANÁLISE

24 MULHERES HOMENS PEA RELATIVA, SEGUNDO O SEXO 2000/01

25 I.1.2. I.1.2. PEA DA POPULAÇÃO DE 15 ANOS OU MAIS SEGUNDO O SEXO EM 2000

26 PEA DA POPULAÇÃO DE 15 ANOS OU MAIS, SEGUNDO O SEXO EM 2000 Mulheres (POR em %)% Países % % %Demais%Total15-29 Argentina4838, , Brasil (2) , , ,8 Chile1095, , , ,9 Colombia4618, , , ,3 Nicarágua ,735955,964144,1 Paraguai ,929755,553544,5 Peru3278, , , ,6 Uruguai427, ,737764,958135,1 Total 8 países50428, , , ,1 América Latina (3) , ,6 Homens (POR e em %)% Países % % %Demais%Total15-29 Argentina7507, , , ,8 Brasil (2)518510, , , ,6 Chile , , ,7 Colombia8228, , , ,7 Nicarágua15212, ,564054, ,3 Paraguai17211, , ,6 Peru6068, , , ,1 Uruguai636, ,659665,790734,3 Total 8 países79488, , ,6 América Latina (3)141259, , , ,8 Fonte: OIT – CELADE nota 1: Brasil dados de 2001 e demais países – 2000 nota 2: fonte IBGE nota 3: dados percentuais da América Latina e Caribe, fonte LABORSTA

27 I.1.2. I.1.2. PEA DA POPULAÇÃO DE 15 ANOS OU MAIS, SEGUNDO O SEXO EM 2000 As mulheres, na faixa etária de 15 a 29 anos, correspondem nos oito países analisados a 38,1%, enquanto que os homens representam, nesta mesma faixa, 35,6% da PEA. Este percentual fica um pouco abaixo do total de países da América Latina, que é de 41,6% das mulheres (contra os 38,1 dos 8 países ) e de 38,8 % dos homens (contra 35,6% dos 8 países). A partir dos 30 anos, a PEA masculina é maior que a feminina, correspondendo a 61,2% e 58,4%, respectivamente. ANÁLISE

28 MULHERESHOMENS PAÍSES SETORES MineradoresIndustriáriosEletricitários Outras CatMineradoresIndustriáriosEletricitários Outras Cat Brasil0,110,4... (2)89,60,517,7... (2)82,5 Argentina...10,00,289,80,317,60,881,3 Colômbia0,116,60,382,80,716,20,882,4 Chile0,111,20,188,42,617,31,378,9 Nicarágua0,110,40,389,30,813,91,383,8 Paraguai...12,10,387,60,117,51,282,4 Uruguai...12,90,786,50,218,21,280,4 Média0,111,90,387,70,716,90,981,7 PAÍSES % Mulheres com relação aos homens MineradoresIndustriáriosEletricitáriosOutras Cat Brasil Argentina Colômbia Chile Nicarágua Paraguai Uruguai Média Fonte:CEPAL 1999 Nota (1): Outros Categorias refere-se a agricultura, construção, comércio e hotelaria, transporte e comunicação, serv. financeiros imobiliário, serv. Social e comunais. Nota (2): No Brasil os eletricitários estão computados no setor industrial. PEA ASSALARIADA POR SETOR E SEXO (%)

29 As mulheres participam muito pouco no setor de mineração e setor elétrico (8% e 29%), na média dos sete países analisados. Já no setor industriário, as mulheres representam 71% do total dos homens, na média, sendo que na Colômbia elas superam os homens. No setor classificado como outras categorias, que abarcam a maior parte dos serviços, as mulheres superam os homens, 7% em média. ANÁLISE

30 OUTRAS CATEGORIASELETRICITÁRIO INDUSTRIÁRIOSMINERADORES PEA ASSALARIADA POR SETOR E SEXO MULHERES HOMENS

31 I. 2 I. 2 - Horas Trabalhadas de homens e mulheres

32 Médias de Horas trabalhadas por semana de Homens e Mulheres nos setores formal, informal e total dos setores não agrícolas SETOR FORMALSETOR INFORMALTOTAL SETORES PaísesMulheresHomensRel M/HMulheresHomensRel M/HMulheresHomensRel M/H Argentina ,146,47636,247,377 Brasil3844,38638,746,58338,445,385 Colômbia45,452,48742,952, ,484 Chile4751,39247, ,891 Nicarágua48, ,347,49845,647,596 Paraguai41,148,58543,251,28448,45097 Peru45,552,88645,355,58238,64782 Uruguai37,346, ,78036,847,178 Média42,4349,238641,749,58441,87548,5586 Fonte: OIT, com base nas tabulações das Pesquisas de Domicílios dos Países Nota: Argentina, Colômbia, Peru: ano Brasil, Nicaragua e Uruguai: ano Paraguai e Chile: ano 1998.

33 A média de horas trabalhadas calculadas pela OIT, referem-se a média ponderada de 15 países latioamericanos, que incluem além dos 8 abaixo relacionados, a Costa Rica, Equador, El Salvador, Honduras, México, Panamá e Venezuela, representado 92% do total da PEA não agrícola da região. Comparando a média de horas trabalhadas dos oito países, dos três setores analisados, observa-se que a proporção de horas trabalhadas das mulheres em ambos os setores é equivalente (em torno de 42 h semanais), enquanto que os homens trabalham 49 h semanais, em média. As mulheres nos oito países analisados, trabalham em média 86% da jornada de trabalho dos homens, i.é, enquanto os homens têm uma jornada média de 48,5h semanais as mulheres tem uma jornada de 41,9h. É este também o percentual médio das horas trabalhadas das mulheres com relação aos homens no Brasil. Chile e Nicarágua são os países que tem uma jornada mais igualitária entre homens e mulheres, mas todos com uma jornada de 45 h ou mais semanais de trabalho. Argentina, Brasil e Uruguai são os países que as mulheres trabalham menos horas semanais que os homens (entre 35 a 38 h) no total dos setores, ou seja, trabalham menos que os homens entre 20 a 25%. A pergunta que devemos fazer, que estes dados não mostram, é o porquê as mulheres trabalham nos setores considerados produtivos, menos que os homens. Onde estão elas? Todos(as) sabemos que existe a dupla (ou tripla) jornada de trabalho que as estatísticas econômicos não medem, que é o trabalho na esfera da reprodução (trabalho doméstico, cuidado com os filhos(as), pessoas idosas e dos(as) doentes, etc.) Segundo publicação de 2001, do Servicio Nacional de la Mujer (pg.31), do Chile, 98% do total de pessoas que no ano de 2000 declararam dedicar-se exclusivamente aos fazeres domésticos, eram mulheres e apenas 2% homens. Ou seja, são as mulheres que dedicam uma boa parcela de horas ao trabalho não remunerado. ANÁLISE

34 Médias de Horas trabalhadas por semana de Homens e Mulheres nos setores formal, informal e total dos setores não agrícolas MULHERES HOMENS

35 I. 3. I. 3. Relação entre o Nível de ingressos da População feminina e a masculina CONCEITO: CEPAL: Se calcula fazendo a divisão entre o ingresso médio feminino sobre o masculino. Os ingressos médios se obtém, para cada sexo, mediante o total da remuneração por trabalho assalariado ou independente, dividido pelo total de trabalhadores.

36 RELAÇÃO ENTRE O NÍVEL DE INGRESSO DE REMUNERAÇÃO DA POPULAÇÃO FEMININA E A MASCULINA - ÁREA URBANA Países Relação 99/90 Argentina64,5 65,0 0,8 Brasil55,7 64,0 14,9 Chile (1)60,8 66,3 9,0 Colômbia (2)68,3 75,0 9,8 Nicarágua(3)76,8 65,1 -15,2 Paraguai55,4 71,0 28,2 Uruguai44,5 67,0 50,6 Soma ,4 11,1 Média 7 países60,967,611,1 Fonte: CEPAL Nota (1) Ano 1998 Nota (2) Ano: 1991 Nota (3) Anos: 1993 e 1998

37 O ingresso médio de remuneração, da população masculina e feminina nos 7 países indicados, teve um crescimento médio de 11%. O Uruguai foi o país que apresentou o maior índice (50,6%), seguido do Paraguai de 28,2% e depois vem o Brasil, com 15%. A Nicarágua, cujos dados se referem aos anos 93 e 98, teve, neste período analisado um decréscimo de 15% no nível de ingressos. ANÁLISE

38 RELAÇÃO ENTRE O NÍVEL DE INGRESSOS DA POPULAÇÃO FEMININA E A MASCULINA, ÁREA URBANA MULHERES HOMENS

39 I.3 I.3 - TAXA DE DESEMPREGO CONCEITO: Taxa de desemprego aberto se calcula fazendo a divisão entre a população desocupada e a população economicamente ativa. CEPAL, Boletim demográfico, nº 70, 2002 DESEMPREGADOS: Segundo DIEESE/SEADE, 1999: São os indivíduos que se encontram em uma das seguintes situações: Desemprego aberto: Calculado pelo número de pessoas que procuraram trabalho de maneira efetiva nos 30 dias anteriores ao da entrevista e não exerceram nenhum tipo de atividade nos últimos 7 dias. Desemprego Oculto pelo Trabalho Precário: pessoas que para sobreviver, exerceram algum trabalho, de auto-ocupação, de forma descontínua e irregular, ainda que não remunerado em negócios de parentes e, além disso, tomaram providências concretas, nos 30 dias anteriores ao da entrevista ou até 12 meses atrás, para conseguir um trabalho diferente deste. Desemprego oculto pelo Desalento e Outros: pessoas que não possuem trabalho e nem procuraram nos últimos 30 dias, por desestímulo do mercado de trabalho ou por circunstâncias fortuitas, mas apresentaram procura efetiva de trabalho nos últimos 12 meses.

40 Taxa de Desemprego por Sexo e Etnia zonas urbanas Taxa de variação Relação Total (1) Negros (2) Não Negros (2) Total (1) de 90 e 99 M/H PaísesMHTotalMH MH MH MH 9099 Argentina Brasil Chile Colômbia Nicarágua (3) Paraguai Peru (4) Trinidad e Tobago (4) Uruguai Média 9 países Nota (1) - Fonte ECLAC/CEPAL Nota (2) - Fonte DIEESE/SEADE - entidades regionais PED, referentes a regiões metropolitanas/1998 Nota (3) - Dados totais iniciais 1994 Nota (4) – Fonte ITEM – Instituto del Tercer Mundo

41 Comparando-se as taxas de desemprego do início da década de 90 e do final da década elas tiveram um acréscimo de mais de 50%, para ambos os sexos. No entanto, nos dois anos analisados, independente da taxa de desemprego mais baixa ou mais alta, as mulheres, na média destes nove países analisados, são as mais afetadas pelo desemprego. Com relação a raça, os dados obtidos são apenas das seis regiões metropolitanas do Brasil (SP, Salvador, Recife, DF, BH e POA), e referem-se a população negra. A média de desemprego das mulheres negras, em todas as regiões, são as mais altas (24%), no entanto o efeito discriminatório da cor se verifica também na comparação entre as taxas de desemprego entre os homens negros e os não negros (20 e 14%, respectivamente), ou seja, as taxas de desemprego são maiores entre os homens e mulheres negros que entre as mulheres não negras. Segundo os dados do DIEESE, a cor discrimina mais no desemprego que sexo do trabalhador. Nota: os dados dos países, sobre cor, não estão desagregados por sexo. ANÁLISE

42 II. ASPECTOS SOCIAIS E POLÍTICOS

43 II. 1 II. 1 CHEFES DE FAMÍLIA CONCEITOS: Número de domicílios encabeçados por mulheres e por homens, dividido pelo total de domicílios, por cem. CEPAL, División de Estadística y Proyecciones Económicas.

44 Tendência de Chefes Família Sexo (em%) Início década 90 (1) Final década 90 (2) Taxa rel Países MulheresHomensMulheresHomensMulheres (2/1)Homens (2/1) Argentina Brasil Chile Colômbia Nicarágua Paraguai Uruguai Média FONTE: CEPAL Nota (1): Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai: ano Colômbia: ano 1991 Nota(2): Argentina, Brasil, Colômbia, Paraguai e Uruguai: ano Chile e Nicarágua: ano 1998

45 Entre o início dos anos 90 e o final da década, registrou-se um acréscimo de 30% das mulheres chefes de família, nos seis países analisados. O Paraguai e a Argentina, foram os países que tiveram um maior crescimento (37% e 31%), respectivamente, seguido do Brasil (31%). Nicarágua e Uruguai, são os países que no final dos anos 90 tinham o maior percentual de mulheres chefes de famílias (35 e 31%, respectivamente). ANÁLISE

46 TENDÊNCIA DE CHEFES FAMÍLIA POR SEXO MULHERES HOMENS

47 II.2. II.2. ESCOLARIDADE CONCEITOS: População alfabetizada: CEPAL, División de Estadística y Proyecciones Económicas (Fonte: UNESCO, Anuario Estadístico 1999). A população alfabetizada está definida como aquela que é capaz de ler e escrever um relato simples e breve relativo a sua vida cotidiana. Alfabetismo: Guia de las mujeres (Fonte: El Estado Mundial de la Infancia,UNICEF,2000). Indica a percentagem estimada de pessoas (total, homens e mulheres) maiores de quinze anos que sabem ler e escrever.

48 PORCENTAGEM DA POPULAÇÃO ALFABETIZADA DE 15 ANOS OU MAIS POR SEXO - PAÍSES SELECIONADOS / Taxa Escolaridade M/HTotal PaísMHTotalMH /1990 Argentina95,697,996,896, Brasil81,282,181,785,485,185,304 Chile93,694,49495,595,995,702 Colômbia88,489,188,891,8 03 Nicarágua61,261,461,364,464,264,3005 Paraguai88,392,390,392,294,493, Peru79,492,185,885,494,790, Trinidad e Tobago95,69896,897,59998,3-2 1 Uruguai9796,196,698,297,497,8111 Média 9 países86,789,2787,9889,791,0490,37-33

49 MULHERES HOMENS PORCENTAGEM DA POPULAÇÃO ALFABETIZADA DE 15 ANOS OU MAIS POR SEXO PAÍSES SELECIONADOS

50 Se comparada a média da última década, nota-se que houve um acréscimo de 3% na taxa de escolarização de toda a população nos nove países analisados. Nicarágua, Peru e Brasil, foram os países que tiveram um maior acréscimo na escolarização de sua população (cresceram 5% e 4%, respectivamente), mas são justamente esses países que apresentam também a menor taxa de escolarização de sua população, ficando a Nicarágua com a menor taxa em 1990 (61,4%), seguido do Brasil (com 81,7%) e do Peru (com 85,8%). Mesmo com crescimento na taxa de escolarização no ano 2000, os três países apresentam ainda as menores taxas. O Peru, mesmo com esse acréscimo na escolarização de toda a sua população é o país que tem a maior disparidade na escolarização entre homens e mulheres. Em 90 as mulheres tinham 14% a menos de escolaridade que os homens. Cai em 2000, mas mesmo assim se mantém alta (10%), sendo seguido pelas mulheres paraguaias que tinham em noventa, 4% a menos de escolaridade. Os dados mostram que no ano 2000 houve uma certa eqüidade de gênero, com relação a diferença na taxa de escolarização da maioria dos países. O Uruguai é o único país no qual as mulheres tem maior escolaridade que os homens (98,2, contra 97,4%) e é também o país que tem a maior taxa de escolaridade das mulheres de todos os nove países analisados. Trinidad e Tobago tem a maior taxa de escolarização de toda a população (97,8%). A média de escolarização de toda a população dos nove países é de 90,37%, sendo que 89,7% é a taxa de escolarização das mulheres e 91,4% é a dos homens. ANÁLISE

51 II. 3. II. 3. PARTICIPAÇÃO DAS MULHERES NO PODER LEGISLATIVO FEDERAL CONCEITO: Membros no poder legislativo: CEPAL, Participación y Liderazgo en América Latina y el Caribe: Indicadores de Gênero. Número de parlamentares em ambas câmaras ou na câmara única, segundo o país, dividido pelo total de parlamentares, por cem.

52 Membros do Poder Legislativo por Sexo (1) Números AbsolutosPercentuais PaísesAnoMulheresHomensTotalMulheresHomensTotal Argentina Brasil (2) Chile Colômbia Nicarágua Paraguai Peru Trinidad e Tobago Uruguai Fonte: CEPAL - Participación y Liderazgo em A. L. y C. Nota 1: Senado incluso Nota 2: Fonte CFEMEA

53 A participação das mulheres no poder legislativo a nível federal, nos nove países analisados, indicam ainda um baixo número de mulheres nestes cargos. Destacam-se a Argentina e Trinidad e Tobago (no ano de 1995), que tiveram o maior percentual de mulheres (23% e 19%, respectivamente). Em seguida vem Colômbia (12%), Peru (11%) e Nicarágua (10%). Os demais países, incluindo o Brasil já com os resultados da última eleição, tem menos de 10% de mulheres deputadas federais ou senadoras. ANÁLISE

54 Fonte: IBGE, PNAD Elaboração: DIEESE Trabalhadores Sindicalizados Países Mulheres%Homens%Total% Brasil , Argentina Chile Colômbia Nicarágua Paraguai Peru Trinidad e Tobago Uruguai

55 TRABALHADORES SINDICALIZADOS BRASIL MULHERES HOMENS

56 CONCLUSÃO CONTRIBUIÇÃO DAS MULHERES As mulheres contribuem, em média, com 51 % população total; com 40% da PEA; 90% da taxa de alfabetização, com 42 horas semanais trabalhadas; com 35 % da chefia das famílias. PARTICIPAÇÃO DAS MULHERES E as mulheres, são poucas representantes no parlamento; recebem apenas 68% do salário dos homens, e ficam com 15% da taxa de desemprego, contra 10% dos homens. A SEGUIR APRESENTAREMOS ALGUNS DOS MECANISMOS LEGAIS QUE PODEM SER UTILIZADOS PARA ROMPER COM ESTAS DESIGUALDADES.

57 CONTRIBUIÇÃO DAS MULHERES POPULAÇÃO 2000 ( EM %) MULHERES HOMENS segundo o sexo nos países pesquisados PEA RELATIVA, SEGUNDO O SEXO 2000/01 Médias de Horas trabalhadas por semana de Homens e Mulheres setores: formal, informal e total dos setores não agrícolas

58 CONTRIBUIÇÕES TRABALHADORES SINDICALIZADOS BRASIL MULHERES HOMENS PORCENTAGEM DA POPULAÇÃO ALFABETIZADA DE 15 ANOS OU MAIS POR SEXO - PAÍSES SELECIONADOS

59 PARTICIPAÇÃO Contra partida RELAÇÃO ENTRE O NÍVEL DE INGRESSOS DA POPULAÇÃO FEMININA E A MASCULINA, ÁREA URBANA MULHERES HOMENS PORCENTAGEM DA POPULAÇÃO ALFABETIZADA DE 15 ANOS OU MAIS POR SEXO TENDÊNCIA DE CHEFES FAMÍLIA POR SEXO

60 ONU

61 PESQUISA 2) 2) Instrumentos legais: Legislação Internacional (OIT – ONU) e Legislação Nacionais

62 A PESQUISA ONU - Organização das Nações Unidas Organismo internacional, criado através de um tratado internacional, chamado Carta das Nações Unidas. Surgiu após a 2 a guerra mundial, tendo por objetivo: Contribuir para desenvolver relações entre as nações, baseadas no respeito ao princípio da igualdade de direitos e da autodeterminação dos povos; Tomar medidas para fortalecer a paz universal; Conseguir a cooperação internacional para resolver os problemas internacionais de caráter econômico, social, cultural ou humanitário, e para promover e estimular o respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais para todos, sem distinção de raça, sexo, língua, religião ou outra.

63 Órgãos que compõem as Nações Unidas As Nações Unidas tem seis órgãos principais: Assembléia Geral Conselho Econômico e Social (ECOSOC): Conselho de Seguridade Conselho de Tutela Secretariado Tribunal Internacional de Justiça Compõe ainda a estrutura organizativa das Nações Unidas: Organismos especializados, oficinas, programas e fundos das Nações Unidas Comitês

64 CONCEITOS: Organismos especializados: Organizações independentes vinculadas as Nações Unidas ou criados mediantes acordos intergovernamentais de cooperação, que tem a responsabilidades de amplo alcance a nível internacional nas esferas econômica, social, cultural, educativa, de saúde e esferas conexas.. Comitês: Os comitês são órgãos de monitoramento. Acompanham o modo pelo qual os Estados cumprem e observam as obrigações assumidas perante as Nações Unidas.

65 Organismos especializados que compõem o Sistema ONU Sistema ONU OIT (Organização Internacional do Trabalho) FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação) UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) WOMS (Organização Mundial da Saúde) Grupo do Banco Mundial FMI (Fundo Monetário Internacional) OACI (Organização de Aviação Civil Internacional) UPU (União Postal Universal) UIT (União Internacional de Telecomunicações) OMM (Organização Meteorológica Mundial) OMI (Organização Marítima Internacional) OMPI (Organização Mundial da Propriedade Intelectual) FIDA (Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola) ONUDI (Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial) OIEA (Organismo Internacional de Energia Atômica)

66 A ONU e a Legislação Internacional Existem seis tratados internacionais de Direitos Humanos: 1966: Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos 1966: Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. 1965: Convenção internacional sobre a eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial 1979: Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher 1984: Convenção contra a Tortura e outros Tratos ou Penas Cruéis, Desumanas ou Degradantes. 1989: Convenção sobre os Direitos da Criança CONCEITO: Tratado: O termo tratado é regularmente utilizado em um sentido genérico para designar todos os instrumentos obrigatórios do ponto de vista do direito internacional que são firmados ( por escrito) entre Estados e/ou entidades internacionais qualquer que seja a apelação formal do instrumento, seja ela uma convenção, pacto ou protocolo.

67 CONCEITOS: Convenção: documento de cumprimento obrigatório que entra em vigor tão logo conte com a ratificação de determinado número de Estados. Atualmente a palavra convenção de um modo geral é empregado para os tratados multilaterais formais cujas partes são numerosas. Pacto: acordo internacional estabelecido entre os Estados- parte da ONU, cuja disposições apresentam um caráter politicamente obrigatório.

68 Principais instrumentos de Direitos Humanos da ONU Carta Internacional de Direitos A Carta Internacional de Direitos consiste na Declaração Universal dos Direitos Humanos, no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e seus dois protocolos facultativos, e no Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. A Declaração Universal foi aprovada pela Assembléia Geral e, por conseguinte, não exige ratificação. Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos Reconhece a homens e mulheres a igualdade no gozo de todos os direitos civis e políticos enunciados no Pacto. Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Reconhece a cada um o direito de gozar de seus direitos econômicos, sociais e culturais comprometem-se a assegurar a homens e mulheres igualdade no gozo dos direitos econômicos, sociais e culturais enumerados no Pacto. Protocolo Facultativo referente ao Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos Permite o recebimento e exame das comunicações provenientes de particulares que se considerem vítimas de uma violação dos direitos enunciados no Pacto.

69 CONCEITO: Protocolo facultativo: É um acordo que complementa outro acordo, pacto ou convenção internacionais e que tem a mesma força legal do documento original. É chamado de Facultativo porque os Estados não estão obrigados a ratificá-lo, mesmo que tenham ratificado o documento original.

70 Convenções da ONU sobre os direitos da Mulher Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as Formas de Descriminação contra a Mulher Garante a mulher à igualdade de gozo de todos os direitos econômicos, sociais, culturais, civis e políticos. Representa o primeiro instrumento internacional abrangente e legalmente vinculativo que proíbe a discriminação contra as mulheres e obriga os governos a tomarem medidas a favor das mulheres, tendo em vista promover a igualdade entre os sexos.

71 Convenção sobre os direitos políticos da mulher Garante a mulher o direito de tomar parte na direção dos assuntos públicos de seu país, seja diretamente, seja por intermédio de representantes livremente escolhidos; e de ter acesso em condições de igualdade à funções públicas de seu país.

72 Protocolo Facultativo da Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher. É um tratado internacional de proteção aos direitos humanos, aberto à assinatura e ratificação pelos Estados que já sejam partes na Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher. O Protocolo não cria nenhum novo direito substantivo, apenas amplia a sistemática de monitoramento internacional do Comitê da CEDAW em relação à implementação da Convenção, estabelecendo outros dois procedimentos: o de comunicações e o de investigação. Procedimento de Comunicações: permite que pessoas ou grupos de pessoas de um Estado Parte do Protocolo Facultativo encaminhem diretamente ao Comitê da CEDAW denúncias de violações a qualquer dos direitos da Convenção, provendo o acesso à justiça para as mulheres na esfera internacional. Procedimento de Investigação: estabelece a possibilidade de que um Estado venha a sofrer uma investigação confidencial pelo Comitê, caso haja informação confiável que revele a prática de violações graves ou sistemáticas aos direitos da Convenção.

73 Convenções da ONU acerca do racismo e discriminação racial Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial. Garante que todas as pessoas são iguais perante a lei e têm direita a igual proteção contra qualquer discriminação e contra qualquer incitamento à discriminação em ­ aquela que se baseia na raça, cor, ascendência ou origem étnica nacional.

74 Instrumentos Internacionais de Direitos Humanos TRATADOSSIGLAÓRGÃO DE VIGILÂNCIA Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. CESCRComitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Pacto Internacional de Direitos Civis e PolíticosCCPRComitê de Direitos Humanos Protocolo Facultativo do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos CCPR-0P1 Segundo Protocolo Facultativo destinado a abolir a pena de morte. CCPR-0P2- DP Comitê de Direitos Humanos Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as Formas de Descriminação Racial CERDComitê para a Eliminação de Discriminação Racial Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as Formas de Descriminação contra a Mulher CEDAWComitê para a Eliminação de Discriminação contra a Mulher Protocolo Facultativo da Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Descriminação contra a Mulher CEDAW-OP Convenção contra a Tortura e Outros Tratos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes. CATComitê contra a Tortura Convenção sobre os Direitos da CriançaCRCComitê dos Direitos da Criança Protocolo Facultativo da Convenção sobre os Direitos das Crianças relativo à Participação nos Conflitos armados CRC-OP- AC Protocolo Facultativo da Convenção sobre os Direitos das Crianças relativos à Venda de Crianças, a Prostituição Infantil e à Utilização de Crianças na Pornografia. CRC-OP-SC Convenção Internacional sobre a Proteção de Todos os Trabalhadores Migrantes e suas Famílias MWCEsta convenção entrará em vigor quando ratificada por 20 estados

75 Países, Pactos e datas em que passam a vigorar, nos países relacionados. PAÍSESCESCRCCPRCCPR-OP1 Argentina1986 Brasil Chile Colômbia1969 Nicarágua1980 Paraguai Perú Trinidad e Tobago Uruguai1970

76 Notas: 1: Indica que o Estado Parte tem reconhecido a competência de receber e processar comunicações individuais por parte do Comitê para a Eliminação de Discriminação Racial sob o artigo 14 da CERD ou do Comitê para a Eliminação da Discriminação contra a mulher. 2: Estados signatários que não são Estados Partes em relação a cada um dos instrumentos. (Assinaram a convenção, mas não a ratificaram). Países, convenções e datas de aceitação ou de assinatura dos instrumentos (convenções) relacionados. Discriminação Racial e a Discriminação contra a Mulher. PAÍSESCERDCEDAWCEDAW -OP Argentina (2) Brasil1968(1) Chile1971(1) (2) Colômbia (2) Nicarágua Paraguai2000 (2) Perú1971(1) Trinidad e Tobago Uruguai1968(1)

77 Como é fiscalizado o cumprimento, quando um país ratifica uma Convenção? Os seis mais importantes tratados de Direitos Humanos contêm uma cláusula que cria um órgão do tratado encarregado de fiscalizar o cumprimento. Este órgão do tratado analisa os relatórios dos Estados que o ratificaram. Entre esses órgãos figuram: O Comitê sobre a Eliminação da Discriminação Racial O Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher O Comitê sobre os Direitos da Criança O Comitê contra a Tortura O Comitê de Direitos Humanos O Comitê sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais.

78 Como os Comitês acompanham o cumprimento das obrigações por parte dos Estados? Através de mecanismos de monitoramento e supervisão da ONU estabelecido pelo Conselho Econômico e Social. Mecanismos convencionais Mecanismos extra-convencionais

79 Mecanismos convencionais Tomam por base os tratados e convenções de direitos humanos. Os comitês acompanham o cumprimento das obrigações por parte dos Estados: Através do exame dos Relatórios periódicos, que os Estados têm de encaminhar. Todos os Comitês recomendam a participação popular na elaboração dos relatórios. Caso isto não ocorra à sociedade civil organizada poderá recorrer aos... Relatórios alternativos, também conhecidos como Relatórios sombra, ou Relatórios paralelos. A função é fornecer aos comitês análise crítica independente a respeito de como estão funcionando (ou não) as políticas públicas do Governo, quanto aos vários aspectos dos direitos previstos nos tratados de direitos humanos. Através de Protocolo Facultativo, que prevê a utilização de uma petição individual, por parte de quem seja vítima de violação ao direito. Obrigações dos Estados: Obrigações de conduta: Impõem aos Estados a adoção de medidas administrativas, legislativas, orçamentárias e outras, objetivando a plena realização dos direitos reconhecidos na Convenção. Isto implica na adoção de políticas públicas, voltadas para a realização dos direitos. Obrigações de resultado: Tornam obrigatória a adoção de parâmetros e referenciais, para avaliar se as medidas adotadas e as políticas públicas conduzidas estão, efetivamente, assegurando a realização do direito garantido.

80 Mecanismos extra-convencionais - baseados na Carta da ONU Os Principais mecanismos extra- convencionais são os Procedimentos Especiais da Comissão de Direitos Humanos: Procedimento 1503 Designação de Relatores Especiais, por temas, ou por países. CONCEITO: Procedimento 1503: ato que permite a toda pessoa ou grupo de pessoas informar as violações dos direitos humanos ante as Nações Unidas, quando acaso não figure em nenhum tratado da organização. Através do chamado Procedimento 1503 não são tratados casos individuais, mas situações de graves violações coletivas e consistentes de direitos humanos.

81 Forma das Comunicações As comunicações podem se apresentar de diversas formas (cartas, fax, telegramas) e podem referir-se a casos particulares, assim como a detalhes de situações de presumíveis violações de direitos humanos. Nas comunicações deve constar: Identificação de vítimas presumíveis; Identificação dos autores da violação; Identificação da pessoa(s) ou organização (organizações) que apresentam a comunicação (por conseguinte, as comunicações anônimas não são admissíveis); Descrição detalhada das circunstâncias do incidente em que se produziu a presumível violação. A comunicação deve ser feita em uma língua oficial da ONU (inglês, francês, espanhol, etc.), e pode ser encaminhada pelo correio, ou por para a Comissão de Direitos Humanos.

82 OIT

83 OIT OIT – ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO SOBRE A OIT A Organização Internacional do Trabalho é um organismo especializado das Nações Unidas que procura fomentar a justiça social e os direitos humanos e laborais internacionalmente reconhecidos. Dentro do sistema das Nações Unidas, a OIT é a única organização que conta com uma estrutura tripartite, em que trabalhadores e os empregadores participam em pé de igualdade com os governos. A OIT foi criada em 1919 e sua sede é em Genebra/ Suíça. E tem uma rede de escritórios em todo os continentes. A OIT desempenha uma função normativa com instrumentos internacionais de trabalho (convênios e recomendações). Essencialmente, as normas internacionais do trabalho traduzem um acordo internacional tripartite sobre os temas debatidos.

84 ESTRUTURA DA OIT composição: 1 Assembléia Anual : Conferencia Internacional do Trabalho 1 Órgão Executivo : Conselho de Administração 1 secretaria permanente: Oficina Internacional do Trabalho Outros órgãos: Conferências regionais Comissões de indústrias Reuniões de Experts Conferencia Internacional do Trabalho: funciona como um fórum mundial para a discussão das questões relativas ao trabalho e os problemas sociais Conselho de Administração: se reúne 3 vezes por ano em Genebra e decide a política e os programas de atividades da OIT. Oficina Internacional do Trabalho: um diretor geral designado pelo Conselho de Administração e funcionários. Papel: pesquisa, publicações e atividades práticas. A OIT exerce um controle vigilante sobre a forma em que os governos ratificam os convênios. Através de 2 órgãos: 1 – comissão de experts (eminentes juristas) 2 – comissão de aplicação de convênios e recomendações (tripartite)

85 CONVEÇÕES : é um instrumento jurídico que regulamenta alguns aspectos da administração do trabalho, o bem-estar social ou os direitos humanos. RECOMENDAÇÕES : seu principal objetivo é orientar a ação nacional. Não estão sujeitos a ratificações mas estabelecem diretrizes gerais ou técnicas que tem de aplicar a nível nacional. Complementam ou podem oferecer orientações que não estão previstas nos convênios. CONCEITO

86 OS PROCEDIMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONVENÇÃO DA OIT 1.º Identificação do problema. 2.º Inscrição do assunto na ordem do dia da Conferencia Internacional do Trabalho. 3.º Submissão das normas aos Legislativos de cada país: todas as convenções e recomendações devem ser submetidas ao Poder Legislativo de cada Estado Membro que pretende ratificá-las. 4.º Ratificação: (ao ratificar uma Convenção ou Recomendação, o governo se compromete a efetivar todas as disposições dessas normas e a aceitação de uma supervisão internacional). 5.º Denúncia. 6.º Revisão: é a atualização das convenções. 7.º Cumprimento: o descumprimento de determinada convenção ratificado por um Estado Membro pode ser denunciado à OIT. CONVENÇÕES

87 AS CONVENÇÕES NA PRÁTICA As convenções da OIT, depois de ratificadas, valem como leis. Mesmo antes da ratificação, a participação de todos os setores envolvidos é importante. Dentro de cada país, cabe aos trabalhadores fiscalizar e controlar a aplicação das convenções através da realização de campanhas em defesa da igualdade, da inserção de cláusulas específicas nas negociações coletivas sobre o trabalho das mulheres, da oferta de cursos de formação, da qualificação de trabalhadores e trabalhadoras para a negociação coletiva, da criação de mecanismos para denúncia de todo o tipo de discriminação. O acompanhamento do cumprimento das normas deve ser feito dentro de cada país e também entre aqueles que também ratificaram as mesmas convenções. CONVENÇÕES

88 CLASSIFICAÇÃO DAS CONVENÇÕES DA OIT Oito convenções são consideradas FUNDAMENTAIS e devem ser ratificadas e aplicadas por todos os Estados Membros da OIT: Liberdade Sindical : Convenio sobre a liberdade sindical e a proteção do direito de sindicalização, C 87 Convenio sobre o direito de sindicalização e de negociação coletiva, C 98 Abolição do Trabalho Forçado: Convenio sobre o trabalho forçado – C 29 Convenio sobre a abolição do trabalho forçado, 1957 – C 105 Igualdade: Convenio sobre a discriminação (emprego e ocupação), 1958 – C 111 Convenio sobre a igualdade de remuneração, 1951 – C100 Eliminação do Trabalho Infantil: Convenio sobre a idade mínima – C138 Convenio sobre as piores formas de trabalho infantil, 1999 – C 182 CONVENÇÕES

89 Quatro convenções referem-se a assuntos de especial importância e foram consideradas PRIORITÁRIAS. Refere- se ao controle da OIT a respeito dos convênios ratificados. Convenio sobre a consulta tripartite (normas internacionais do trabalho), C 144 Convenio sobre a inspeção do trabalho, C 81 Convenio sobre a inspeção do trabalho na agricultura, 1969 – C 12 Convenio sobre a política de emprego, 1964 – C 122 Todas as outras convenções foram classificadas em 12 categorias: CONVENÇÕES Direitos Humanos Básicos Emprego Políticas Sociais Administração do Trabalho Relações Industriais Condições de Trabalho Seguridade Social Emprego de Mulheres Emprego de crianças e jovens Trabalhadores migrantes Trabalhadores indígenas Outras categorias Especiais

90 IGUALDADE DE OPORTUNIDADE ENTRE HOMENS E MULHERES A OIT aborda o princípio fundamental da Igualdade de Oportunidade entre homens e mulheres em 3 direções principais: Direitos Humanos: condição essencial para uma democracia efetiva. Elemento fundamental da proteção dos direitos humanos São os direitos legais e eliminação de todo o tipo de discriminação (por motivos de sexo no emprego e ocupação) Justiça Social e diminuição da pobreza Maior acesso das mulheres ao emprego Maior formação e condições de trabalho e proteção social Atenção às mulheres pobres, desempregadas, subempregadas, chefes de família, migrantes, com incapacidades e as que se encontram em uma posição vulnerável no mercado de trabalho. Desenvolvimento Social e Econômico: sua participação na tomada de decisões e políticas e práticas de desenvolvimento e de mão de obra Habilitação e participação ativa na vida pública E ainda, contribuir para eliminar os obstáculos políticos, culturais, jurídicos, sociais e práticos.

91 AÇÕES: normas internacionais do trabalho, investigação, serviços de assessoria, cooperação técnica, reuniões e difusão de informações, análises e planejamentos sobre os problemas que afetam ambos os sexos. Há também o Programa de Promoção de Gênero (GENPROM) no Setor de emprego, para realizar atividades técnicas relativas a incorporação das questões de gênero na criação de emprego e desenvolvimento de empreendimentos e de recursos humanos. O GENPROM se encarrega igualmente do Programa Internacional Mais e Melhores Empregos para Mulheres. NORMAS INTERNACIONAIS DE TRABALHO: refletem preocupações fundamentais como proteger a mulher contra condições de trabalho perigosos para a sua função de reprodução; garantir a igualdade de oportunidades e de trato para a mulher no emprego e ocupação. As normas da OIT abarcam questões sociais e de trabalho. Primeiras normas da OIT relativas as mulheres: Saúde e segurança, condições de trabalho e necessidades relacionadas com suas funções de reprodução. Proteção da maternidade Proteção contra produtos químicos e físicos Trabalho noturno, subterrâneo Horas de trabalho e serviços de bem-estar Há 3 convenções mais importantes relacionados com a igualdade de oportunidades e de trato: Igualdade de remuneração Proibição e a discriminação no emprego Trabalhadores com responsabilidades familiares

92 AS NORMAS DA OIT RELATIVAS A MULHER Desde 1919 a OIT adotou 183 convênios e 185 recomendações que abarcam um amplo leque de questões no campo do trabalho. A maioria destes instrumentos se aplica indistintamente a homens e mulheres. Assim as mulheres gozam dos mesmos direitos dos homens no emprego e formação profissional, nas condições de trabalho e na seguridade e saúde no Trabalho. Mas a OIT adota algumas normas específicas às mulheres. A OIT tem 2 preocupações quanto a isso: 1 – proteger as mulheres contra as condições de trabalho penoso; 2 – garantir direitos iguais entre homens e mulheres.

93 I - NORMAS DESTINADAS A FOMENTAR A IGUALDADE DE OPORTUNIDADES E TRATO ENTRE HOMENS E MULHERES A ) NÃO DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO E FORMAÇÃO : C.111 (convenção) e R.111/1958 (recomendação) C.111: Acesso aos serviços de orientação profissional e de colocação Acesso a formação profissional Ascenso Seguridade do emprego Remuneração por trabalho de igual valor Condições de trabalho Recomenda a criação de organismos apropriados para educação ao público e a programas destinados a examinar as queixas relativas a violação desses preceitos. B) IGUALDADE DE REMUNERAÇÃO: C.100 e R. 90 C) TRABALHADORES COM RESPONSABILIDADES FAMILIARES: C.156 e R.165 Aplicam a trabalhadores de ambos sexos Exerçam seu direito ao trabalho sem ser objeto de discriminação e conflitos advindos de suas responsabilidades familiares. Fala também sobre a necessidade de políticas de emprego e seguridade social, serviços comunitários, assistência social a infância e familiar (para o cuidado dos filhos e família enquanto trabalham). Assim com também criar programas educativos dirigidos ao público geral sobre a compreensão do princípio de igualdade e aos problemas dos trabalhadores com responsabilidades familiares. Este convenio e recomendação abarcam todas as atividades e ramos econômicos e todas as categorias de trabalhadores.

94 DISCRIMINAÇÃO: qualquer distinção, exclusão ou preferência baseada em motivo de raça, cor, religião, opinião política, etc – que tenha por efeito anular ou alterar a igualdade de oportunidades no emprego/ocupação. IGUALDADE: não significa que homens e mulheres sejam idênticos. Releva o reconhecimento das diferenças entre homens e mulheres e por conseguinte, a necessidade de ter em conta suas diferenças situações, necessidades e preocupações para poder proceder a uma ação efetiva. REMUNERAÇÃO: compreende o salário ou saldo ordinário, básico ou mínimo, e qualquer outro em efetivo ou em espécie, pagos pelo empregador, direta ou indiretamente ao trabalhador. CONCEITOS

95 II – NORMAS ESPECIAIS DE PROTEÇÃO A ) NORMAS DESTINADAS A PROTEGER A FUNÇÃO DE REPRODUÇÃO - PROTEÇÃO A MATERNIDADE Convenio sobre a proteção da maternidade, 1919 – C.3 e o Convenio sobre a proteção da maternidade (revisado), 1952 – C.103. e a Recomendação sobre a proteção da maternidade, 1952 – R.95. Outras disposições: convenio sobre as plantações, C.110; convenio sobre a seguridade social, 1952 – C.102 Estes instrumentos asseguram a mulher grávida uma tripla proteção: para sua saúde, a do seu filho e sobre seu emprego. C.3: se aplica a indústria e ao comércio C.103: indústria, trabalhos agrícolas, trabalho doméstico, etc. Prevê licença mínima de 12 semanas e proíbe demissão. R.95: preconiza uma licença maternidade de 14 semanas, proteção como trabalho noturno, perigoso, penoso, de pé, a transferência de trabalho, etc. C sobre as plantações – o mesmo da C.103.

96 II – NORMAS ESPECIAIS DE PROTEÇÃO (CONTINUAÇÃO) B ) OUTRAS NORMAS DE PROTEÇÃO (2 categorias) 1 – Prevê condições especiais de trabalho para a mulher No Trabalho Noturno C.4 : primeira questão que foi objeto de um convenio internacional R.13: no setor agrícola C.89: proíbe o trabalho noturno em empresas industriais C.171 e R.178 em 1990: se aplicam a todos os trabalhadores, homens e mulheres. Sobre a duração do Trabalho R.116, 1962 : redução progressiva do trabalho, principalmente priorizando as industrias e ocupações de grande esforço físico ou mental ou que traga risco para a saúde dos trabalhadores. 2 – Prevê medidas especiais de seguridade e saúde Normas especiais relativas a seguridade e saúde no trabalho e ao bem-estar C.13: proíbe mulheres em trabalho de pintura industrial, 1921 C.45: proíbe mulheres em trabalho subterrâneo, 1935 C.127 e R.128: peso máximo R. 102: assentos para mulheres trabalhadoras R.112: serviços de medicina do trabalho – vigilância particular às mulheres

97 CONVENÇÕES DA OIT Trinidad e Tobago Paraguai Chile Colômbia Nicarágua Perú Argentina Brasil Uruguai TABELA CONVENÇÕES GERAIS DA OIT, SEGUNDO OS PAÍSES QUE RATIFICARAM TOTAL ArgentinaBrasilChileColômbiaNicaráguaParaguaiPeruTrinidad e TobagoUruguai

98 Das 183 Convenções da OIT aprovadas até junho de 2001, podemos observar que há uma variação das convenções ratificadas dentre os países analisados. Há um destaque para o Uruguai, com um distanciamento significativo dos países em segundo e terceiro lugar: Brasil e Argentina. Trinidad Tobago e Paraguai figuram entre os países que menos ratificaram convenções da OIT. ANÁLISE

99 TABELA CONVENÇÕES FUNDAMENTAIS DA OIT, SEGUNDO OS PAÍSES QUE RATIFICARAM E O ANO CONVENÇÕES C29C87C98C100C105C111C138C182 Trabalho forçado 1930 Liberdade sindical 1948 Direito de sindicaliza- ção e de negociação coletiva 1949 Igualdade de remunera- ção 1951 Abolição do trabalho forçado 1957 Discrimina- nação (emprego e ocupação) 1958 Trabalho Infantil - Idade Mínima 1973 Piores Formas de Trabalho Infantil 1995 Argentina Brasil Chile Colômbia Nicarágua Paraguai Perú Trinidad e Tobago Uruguai SIM NOME PAÍSES NÃO

100 TABELA GÊNERO E OIT CONVENÇÕES OIT QUE TRATAM DA QUESTÃO DE GÊNERO N.º Convenção Ano TemaArgentinaBrasilChileColômbiaNicaráguaParaguaiPeruTrinidad e Tobago Uruguai C Garante salário igual para trabalho de igual valor C Promove igual- dade de oportuni dade de tratamen to no emprego e na ocupação C Estabelec e a igualdad e de tratamen to entre trabalhad ores e trabalhad oras com responsa bilidades familiare s SIMNÃO IGUALDADE OPORTUNIDADE

101 C Proteção a materni- dade – estabele- ce período de licença e o salário no período C Restringe o trabalho noturno das mulheres em determina das áreas C Trata da cobertura das despesas corres- pondente à gravidez parto, e despesas médicas 1961 TABELA GÊNERO E OIT CONVENÇÕES OIT QUE TRATAM DA QUESTÃO DE GÊNERO N.º Convenção Ano TemaArgentinaBrasilChileColômbiaNicaráguaParaguaiPeruTrinidad e Tobago Uruguai MATERNIDADE SIMNÃO

102 C 103 – (revisada em 2000) TEMA: Proteção a maternidade – amplia a abrangência da Convenção n.º3 em relação as trabalhadoras de outros setores, ao período de licença maternidade e a manutenção da mulher neste período TABELA GÊNERO E OIT Gênero e Convenções da OIT ArgentinaBrasilChileColômbiaNicaráguaParaguaiPerúTrinidad e TobagoUruguai SIMNÃO TRABALHO NOTURNO

103 As sete Convenções estão relacionadas diretamente com a questão de gênero. Três relacionadas a igualdade de oportunidades e tratamento (C100 sobre salário, C111 sobre oportunidade e tratamento e C156 sobre igualdade de responsabilidade familiar); três relacionadas à maternidade (C3 proteção; C102 sobre despesas e C103 que amplia a proteção para outros setores); e a C89 sobre o trabalho noturno das mulheres. Dos 9 países analisados vemos que o Uruguai é o que mais ratificou essas convenções, apenas deixando a C102 que trata sobre as despesas com a maternidade. Todos os países ratificaram a C100 e C111, as principais convenções sobre igualdade de oportunidades e tratamento. A maioria dos países ratificaram alguma convenção relacionada à maternidade, exceto Paraguai e Trinidad e Tobago. Sobre a C156 que trata sobre a responsabilidade familiar somente a Argentina, Chile e Peru, ratificaram. ANÁLISE

104 TABELA GÊNERO E OIT (2) CONDIÇÕES GERAIS EMPREGO N.º Convenção ano TemaArgentinaBrasilChileColombiaNicaráguaParaguaiPeruTrinidad e Tobago Uruguai C Fomenta a promoção de políticas para garantir o pleno emprego C Proteção aos atingidos pela demissão imotivada 1995 C Garante o direito de formação dos(as) trabalhado- res(as) C Desenvol- vimento da orientação e formação profissional relaciona- das ao emprego SIMNÃO

105 Na continuidade da análise com o enfoque de gênero sobre as convenções da OIT, selecionamos quatro que tratam sobre as condições gerais sobre emprego e trabalho: políticas sobre o emprego (C122), proteção do trabalho (C158), e duas sobre formação no trabalho (C140 e C142). Neste item o Brasil aparece como o país que ratificou as quatro convenções. Colômbia e Trinidad E Tobago não ratificaram nenhuma delas. Quatro países ratificaram apenas uma: Argentina, Paraguai, Peru e Uruguai. A C122, sobre políticas de emprego, é aquela que mais houve ratificação (seis países dos analisados). ANÁLISE

106 TABELA 1 LEGISLAÇÃO NACIONAL NÃO DISCRIMINAÇÃO AnoCaracterísticas Argentina1973Igualdade entre mão de obra masculina e feminina (remuneração) Brasil Acesso da mulher ao mercado de trabalho e acesso ou conservação da mulher grávida Delitos resultantes do preconceito de raça ou cor Criação do GTDEO, grupo de trabalho para a eliminação da discriminação no emprego e ocupação Proíbe a exigência de testes de gravidez Proíbe toda discriminação no emprego Contravenção penal de atos de prejuízos de raça e cor Chile Proíbe a realização de exames de gravidez Discriminação exclusão ou preferências baseadas em motivos de raça, cor, sexo, religião, opinião política, nacionalidade ou origem social Colômbia Mecanismos de proteção de identidade cultural e dos direitos das comunidades negras Aprova convenção sobre eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher (decreto) Aprova convenção sobre eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher(Lei) Paraguai Peru Discriminação nas ofertas de emprego e acesso a formação Funcionamento do ministério de promoção da Mulher e do desenvolvimento humano Discriminação, anulação ou igualdade de oportunidades e de tratamento nas ofertas de emprego e acesso a formação Nicarágua Trinidad e Tobago Uruguai1990Assédio Sexual: estabelece a obrigação de respeito do hierárquico superior com seus subordinados e prevê o desenvolvimento de políticas ativas de prevenção e sanção

107 TABELA 2 LEGISLAÇÃO NACIONAL IGUALDADE DE OPORTUNIDADES E TRATAMENTO PaísesAnoCaracterísticas Argentina1998Referentes a formação e orientação profissional, inserção da mulher na produção, difusão dos direitos, conciliamento da atividade profissional e familiar, criação de instancias administrativas Brasil1998 ? e 1997 Reservas de postos de trabalho destinadas as pessoas deficientes reabilitadas Crimes e penas sobre atos discriminatórios baseados em motivos de raça, cor, religião, etnia ou ascendência nacional Delitos quanto a raça ou cor Modificação da Lei acima incluindo etnia Chile Discriminação por idade e estado civil na postulação de emprego Acordo com o Reino da Suécia para apoio ao plano de igualdade e oportunidade para mulheres Igualdade jurídica entre homens e mulheres ColômbiaNão ParaguaiNão Perú Revogação de leis que permitiam um salário menor as mulheres Discriminações por razão de sexo em regulamentos, estatutos ou outras normas em instituições desportivas, sociais ou culturais Atos de discriminação e sanções NicaráguaNão Trinidad e Tobago 2000Discriminação baseada em sexo, raça, etnia, religião, matrimonio para emprego e formação Uruguai Comissão tripartite para a igualdade de oportunidades e tratamento no emprego Cumprimento sobre a igualdade de tratamento e oportunidades para ambos sexos Discriminação que viole o princípio de tratamento e oportunidades para ambos sexos

108 TABELA 3 LEGISLAÇÃO NACIONAL MATERNIDADE PaísesAnoCaracterísticas Argentina1989Benefício maternidade referente a subsídios familiares para empregadas do comércio Brasil1994Revê lei anterior sobre licença obrigatória da trabalhadora com motivo de maternidade ou aborto Chile ? Benefício maternidade para mulheres que adotam filhos Motiva lei anterior relativa a normas sobre subsídios maternais Modifica lei e reajusta o subsídio familiar Subsídio em caso de adoção plena Subsídios de repouso maternal Colômbia Paraguai Perú Subsídio diário pela lactância Descanso pré-natal e pós-natal e extensão dos descanso pós-natal nos casos de nascimento múltiplos Licença laboral por adoção Descanso pré-natal e pós-natal da trabalhadora gestante Permissão por lactância Direito de descanso pré-natal e pós-natal da trabalhadora gestante Licença laboral por adoção Permite lactância materna Descanso pré-natal e pós-natal da trabalhadora gestante Nicarágua Trinidad e Tobago1998Licença maternidade de 13 semanas Uruguai Subsídio por maternidade aos trabalhadores das tarefas domésticas Salário familiar e subsídio maternidade Salário maternidade (6 semanas antes do parto e 6 após) Normas de proteção à maternidade de obrigação aos empregadores Normas as trabalhadoras gestante ou no período de lactância

109 TABELA 4 LEGISLAÇÃO NACIONAL MULHER PaísesAnoCaracterísticas Argentina Brasil Institue o GPTM, grupo permanente do trabalho da mulher, no Ministério do Trabalho Saque da conta ao trabalhador ou seus dependentes afetados por neoplasia maligna Aprova regimento interno do CNDM, conselho nacional dos direitos da mulher Regula a atividade da mãe social, assistência ao menor abandonado em casas-lares Instalação de jardins de infância nos locais de trabalho Chile Obrigação do empregador em empresas com mais de 20 trabalhadoras Subvenção fiscal por menor atendido Cria o Serviço Nacional da Mulher Colômbia Favorecer as mulheres rurais: fundos de financiamento, seguridade social educação, capacitação, recreação e participação nas decisões Apoio a mulher chefe de família: seguridade social, crédito, ajuda escolar aos dependentes, desenvolvimento econômico Paraguai Perú???? Incorporação das amas de casa ou mães de família na seguridade social Funções da comissão especial de direitos da mulher Nicarágua1992 ? Cria a Comissão contra a violência à mulher Fixa obrigações alimentares, vestuárias e de educação do núcleo familiar Criação da Oficina da Mulher, ligada ao Ministério do trabalho Trinidad e Tobago Uruguai Cria a comissão para o trato e a prevenção da violência familiar Cria a comissão nacional do menor, a mulher e a família Fonte: OIT Nota: OIT que define em que convenção se enquadra determinada legislação do País.

110 TABELA SOBRE A VIOLENCIA CONTRA A MULHER PaísesInstituiçõesAmostraCobertura Geográfica Idade e População em Estudo Percentual e Resultados Chile 2001 Servicio Nacional de la Mujer (SERNAM)/ Centro de Análisis de Políticas Públicas, Universidad de Chile 2721Região Metropolita na e Nove Regiões 15 a 49 Mulheres que tem ou não pareja? 50,3% Destas acima: 34,1% 16,3% Das mulheres tem sofrido alguma violência Sofreram violência física ou sexual Violência psicológica Colômbia 1995 Asociación Pro-Bienestar de la Família Colombiana 6097Nacional15 a 49 Mulheres casadas/ Em união livre 19% Das mulheres tem sido agredidas fisicamente durante algum momento de sua vida Nicarágua 1998 Instituto Nacional de Estatísticas y Censos (INES) – Ministério de Salud (MINSA) 8507Nacional15 a 49 Mulheres alguma vez casadas/ Em união livre 27,6% 10,2% 28,7% Sofreram violência física Violência sexual Violência física e sexual Paraguai 1995/96 Centro Paraguayo de Estudios de Población, Centros para el Control y Prevención de Enfermedades, Agencia de los Estados Unidos para el Desarrollo Internacional (USAID) 5940Nacional, exceto região de Chaco 15 a 49 Mulheres alguma vez casadas/ em união livre 31,1% 9,5% Tem sido insultada verbalmente Reporta violência física Peru 2000 Instituto Nacional de Estadística e Informática (INEI) 12933Nacional15 a 49 Mulheres alguma vez casadas/ em união livre 41% 34% 48% 25% Alguma vez agredida fisicamente por seu esposo ou companheiro Tem sido objeto de situações de controle psicológico Situações de desqualificação Ameaças Uruguai 1997 Banco Interamericano de Desarrollo, Sybila consultores 545Montevidéu Canelones 22 a 55 Mulheres alguma vez casadas/ em união livre...

111 TABELA SOBRE A VIOLENCIA CONTRA A MULHER PaísesInstituiçõesAmostraCobertura Geográfica Idade e População em Estudo Percentual e Resultados Chile 2001 Serviço Nacional de la Mujer (SERNAM)/ Centro de Análisis de Políticas Públicas, Universidad de Chile 2721Região Metropolita na e Nove Regiões 15 a 49Mulheres que tem ou não pareja? 50,3% Destas acima: 34,1% 16,3% Das mulheres tem sofrido alguma violência Sofreram violência física ou sexual Violência psicológica Colômbia 1995 Asociación Pro-Bienestar de la Família Colombiana 6097Nacional15 a 49Mulheres casadas/ Em união livre 19% Das mulheres tem sido agredidas fisicamente durante algum momento de sua vida Nicarágua 1998 Instituto Nacional de Estadística y Censos (INES) – Ministério de Salud (MINSA) 8507Nacional15 a 49Mulheres alguma vez casadas/ Em união livre 27,6% 10,2% 28,7% Sofreram violência física Violência sexual Violência física e sexual Paraguai 1995/96 Centro Paraguayo de Estudios de Población, Centros para el Control y Prevención de Enfermedades, Agencia de los Estados Unidos para el Desarrollo Internacional (USAID) 5940Nacional, exceto região de Chaco 15 a 49Mulheres alguma vez casadas/ em união livre 31,1% 9,5% Tem sido insultada verbalmente Reporta violência física Peru 2000 Instituto Nacional de Estadística e Informática (INEI) 12933Nacional15 a 49Mulheres alguma vez casadas/ em união livre 41% 34% 48% 25% Alguma vez agredida fisicamente por seu esposo ou companheiro Tem sido objeto de situações de controle psicológico Situações de desqualificação Ameaças Uruguai 1997 Banco Interamericano de Desarrollo, Sybila consultores 545Montevideo Canelones 22 a 55Mulheres alguma vez casadas/ em união livre...

112 TABELA LEGISLAÇÃO SOBRE A VIOLENCIA CONTRA A MULHER PAÍSESANOESPECIFICAÇÃO DA LEGISLAÇÃO ARGENTINA Proteção contra a violência familiar Modificação do Código Penal BRASIL1995Convenção para prevenir, sancionar e eliminar a violência contra a mulher, Belém do Pará CHILE Sobre a violência intra-familiar Modifica o Código Penal em matéria de delitos sexuais COLÔMBIA Prevenir, remediar e sancionar a violência intra-familiar Delitos contra a Liberdade Sexual e dignidade Humana Modificação parcial da lei sobre a violência intra-familiar NICARÁGUA1996 Criação da Comissão da Mulher e a Menina expressa na Lei Orgânica da Polícia Nacional Reconhece o maltrato psicológico como um delito PARAGUAI2000Violência doméstica contra a mulher PERÚ Estabelece a Política do Estado e a Sociedade frente a Violência Familiar Estabelece mecanismos que garantem uma maior proteção da vítima Reforma o Código Penal ao incorporar como circunstancia agravante o fato de ter relação familiar entre agressor e vítima Reforma o Código Penal para considerar que a ação penal nos delitos contra a liberdade sexual não se extingue por matrimonio Estabelece a Ação Penal Pública nos Delitos contra a Liberdade Sexual URUGUAI1995Incorpora ao Código Penal, tipificando a violência doméstica e impondo-lhes sanções TRINIDAD E TOBAGO 1999Sobre a violência doméstica

113 VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO BRASIL Marcos legais, convenções e acordos. O reconhecimento da violência contra a mulher como questão de interesse público que requer o envolvimento de toda a sociedade para reduzir a sua incidência tem possibilitado a criação de novos marcos legais nos âmbitos local e internacional. CONSTITUIÇÃO FEDERAL – 1988 ArtigoDisposições Art. 5º, § 2º Confere status constitucional aos Tratados e Convenções Internacionais subscritos pelo governo brasileiro, incluindo os relativos aos direitos humanos das mulheres. Art. 226, § 8º Estabelece a obrigatoriedade do Estado de criar mecanismos para coibir a violência no âmbito da família. Art. 227, § 4º Prevê que a lei punirá severamente o abuso, a violência e a exploração sexual da criança e do adolescente. Fonte: Brasil. Constituição, 1990.

114 PRINCIPAIS CONFERÊNCIAS, CONVENÇÕES E ACORDOS INTERNACIONAIS ASSINADOS PELO BRASIL Os acordos e conferências internacionais, especialmente as sob âmbito do Sistema Nações Unidas ou negociadas entre diversos países, impulsionam, em tese e na prática, políticas globais, que se desdobram em ações internacionais, nacionais e locais. Alguns desses dos ciclos de conferências geraram acordos legalmente vinculantes (hard-law) bem como produziram acordos políticos (sem a obrigatoriedade jurídica de serem implementados). As Convenções ratificadas pelo governo brasileiro têm força de lei no país. Já as Plataformas de Ação, aprovadas no ciclo das Conferências Mundiais da ONU para a construção de uma agenda social para o século XXI, podem ser consideradas um conjunto de princípios gerais do direito e utilizadas na aplicação da lei pelo Poder Judiciário. São importantes instrumentos para o combate à violência de gênero: 1979: Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher 1994: Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém do Pará). 1993: Conferência Mundial sobre Direitos Humanos (Viena) 1994: Conferência Internacional de População e Desenvolvimento (Cairo) 1995: Conferência de Cúpula para o Desenvolvimento Social (Copenhague) 1995: Conferência Mundial sobre a Mulher, Desenvolvimento e Paz (Pequim) 1995: Conferência sobre Direitos da Mulher (Beijing),

115 GENUS - PESQUISA, ASSESSORIA E ESTUDOS DE GÊNERO


Carregar ppt "GENUS - PESQUISA, ASSESSORIA E ESTUDOS DE GÊNERO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google