A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Juventude Rural: entre ficar e sair Elisa Guaraná de Castro Antropóloga CPDA/UFRuralRJ Assessora da Secretaria Nacional de Juventude.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Juventude Rural: entre ficar e sair Elisa Guaraná de Castro Antropóloga CPDA/UFRuralRJ Assessora da Secretaria Nacional de Juventude."— Transcrição da apresentação:

1 Juventude Rural: entre ficar e sair Elisa Guaraná de Castro Antropóloga CPDA/UFRuralRJ Assessora da Secretaria Nacional de Juventude

2 Os Desafios da Formação Profissional e da inserção produtiva: 1. Migração 2. Diversidade da realidade do campo 3. Infraestrutura precária de acesso a educação e renda 4. Fronteiras imagínarias : rural e urbano 5. Autoridade paterna e Divisão sexual do trabalho 6. Integrar antigos e novos anceios

3 1 - Juventude Rural : entre ficar e sair Dois enfoques são muito presentes na análise sobre juventude rural: 1. Uma minoria, um setor da população rural. 2. População que migra para as cidades

4 Construção recorrente Atração do jovem pelo meio urbano, ou ainda, pelo estilo de vida urbano. É comum associarem o jovem rural ao desinteresse pelo meio rural.

5 Migração X Êxodo X Circulação Não temos um estudo demográfico consistente; Censo Agropecuário não mediu idade. Que possam medir a diferença : Êxodo Migração Circulação Migração sazonal

6 Segundo dados do IBGE: Houve uma redução de 3% pop rural enquanto a pop urbana aumentou entre Na Região Sul a redução foi de 2,5% Nesse período a redução atingiu a faixa de anos No entanto, a faixa de 60 anos ou mais houve um aumento de 7,2%.

7 Sexo e Idade anos Brasil - 49,1% (H) 50,9% (M) Urbano – 49,2% (H) 50,8% (M) Rural – 53,2% (H) 46,8% (M) anos – 55 % (H) 45 (M) Concentraçào se repete em todas as regiões Concentração maior na faixa de 60 ou mais.

8 Juventude migrante e a complexidade da questão ficar ou sair do meio rural O que torna a questão foco do debate atual é o contexto da política de reforma agrária que vem sendo implementada no Brasil desde A possível reversão no quadro de migração do campo para a cidade, provocada pelo assentamento em massa de famílias no meio rural. Essa reversão estaria comprometida pelo êxodo dos jovens. Essa situação seria agravada pela tendência de migração maior entre as jovens, provocando a masculinaização dos campos.

9 2 -De que Jovens estamos falando? Juventude da agricultura familiar – pequenos proprietários Juventude assentada Juventude Trabalhadora sazonal – estima-se representa a maior parte da mão-de-obra ocupada Juventude ribeirinha, quilombola, extrativista

10 3 - Consensos Certo consenso nas pesquisas sobre o tema, quanto às dificuldades enfrentadas pelos jovens no campo, principalmente quanto ao acesso à escola, trabalho e renda.

11 84,9% dos jovens de 15 a 29 anos vivem em áreas urbanas, desses 1/3 vivem em regiões metropolitanas e 2/3 em áreas não-metropolitanas. 15,1% vivem em áreas rurais. Apesar de os jovens rurais serem bem menos em quantidade absoluta, 29,5% dos jovens pobres do país vivem em áreas rurais. As jovens mulheres continuam acumulando o trabalho doméstico da casa com outras atividades, como estudo e trabalho. Fonte: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD, IBGE, 2006); Sistema de Informações de Mortalidade do Sistema Único de Saúde (SIM/SUS, 2005) apud Castro e Aquino, 2008:27 e 28.

12 O nível escolar do jovem rural é 50% inferior ao do jovem urbano 9% dos jovens rurais são analfabetos. Essa é uma realidade para apenas 2% dos jovens urbanos. 20% da população rural do NE é analfabeta Apenas 8% dos jovens estão no ensino médio e/ou profissionalizante

13 Mais de 70% dos jovens extremamente pobres estão no Nordeste Melhorou muito, mas quase 20% dos jovens no Nordeste rural são extremamente pobres IPEA – Comunicação

14 4 – Fronteiras imaginárias muito concretas: ser do campo e ser da cidade Os mundos rurais e urbanos se mostram ainda separados pela reprodução da hierarquia entre ser do campo e ser da cidade, marcada por diferenças de condições de vida. Marcado pela reprodução da hierarquia rural/urbano através da estigmatização da população rural pela população urbana, onde morar no campo é desvalorizado culturalmente, mas também o é devido as reais condições de vida, bem diferente dos centros urbanos da região.

15 Roceiros, os poeira, mora mal. O estigma, que marca quem mora nessas áreas está presente em situações cotidianas nos centros urbanos próximos por onde circulam, e é manifestado pela classificação de morar mal, para quem é morador de áreas associadas ao meio rural; em oposição a morar bem, para quem reside nos centros urbanos. Vários jovens contaram como sofriam com a zoação dos colegas na escola, onde são chamados de roceiros, os poeira, mora mal. (Tese: entre Ficar e Sair)

16 A maioria dos jovens que afirmaram querer ir embora, afirmaram querer viver em um lugar melhor. Principalmente aqueles cujas famílias já viviam na região há muitos anos. Pode-se afirmar que essa construção é fruto da percepção do tempo vivido em uma área rural desvalorizada socialmente nos espaços urbanos que freqüentam, tanto nas referências estigmatizadoras sobre a sua população, quanto pela exclusão ao acesso a serviços públicos e privados. (Tese: entre Ficar e Sair)

17 Específico e estrutural Se as especificidades das dificuldades enfrentadas por aqueles que hoje são classificados como jovens do campo são evidentes, não se deve tratar a questão como paralela às dificuldades enfrentadas pelos pequenos produtores familiares. Os problemas enfrentados pelos jovens são antes de tudo problemas enfrentados pelos produtores familiares no campo, como as difíceis condições de vida e produção.

18 A cobrança da permanência e continuidade dos jovens no campo como valorização e possível reversão do quadro de esvaziamento do meio rural – recorrente em algumas pesquisas recentes sobre o tema e no âmbito das políticas públicas – deve problematizar esse olhar que percebe no jovem o ator heróico da transformação social. A mudança dessa realidade demanda ações coletivas e políticas públicas de longo alcance que gerem transformações mais profundas na realidade brasileira.

19 O problema pode ser ainda mais complexo Os estudos se intensificaram As políticas públicas foram criadas – apesar de suas limitações reconhcendo e dando visibilidade para a juventude no campo Estudos recentes – GT ALASRU – mostraram que mesmo onde há geração de renda, muitos jovens continuam migrando. TEMA PRIVILEGIADO : juventude e produção

20 5 - Autoridade Paterna e Reforma Agrária O peso da autoridade paterna e o espaço de submissão decorrente dessa relação. Sem espaço na gestão Sem acesso a terra Reprodução da divisão sexual do trabalho

21 Síntese dos desafios : entre ficar e sair Saída é diferenciada e varia de acordo com processos de socialização no meio rural, gerando os mais diversos arranjos dos filhos com o lote da família. Ficar e sair do meio rural se mostrou mais complexo que a simples leitura da atração pela cidade, e nos remete à análise de jovem rural como uma categoria social chave pressionada pelas mudanças e crises da realidade no campo. Ser jovem no campo implica enfrentar antigos problemas, como o peso da autoridade paterna. Ficar significa buscar novas estratégias de acesso e permanência no meio rural.

22 A Resposta dos e das Jovens Organização social, associativa e política Juventude rural : confronta com preconceitos das imagens urbanas sobre o campo, mas que se apresenta longe do isolamento, que dialoga com o mundo globalizado reconstruindo e revalorizando sua identidade rural. Demandas Questões consideradas específicas: acesso à educação e ao trabalho, Constroem essas demandas no contexto de transformação social da própria realidade do campo.

23 Repensar as agendas de pesquisa e o olhar que temos sobre a questão. Pensar a inserção desse jovem no meio rural hoje, implica analisar e atuar em uma realidade onde jovem ainda não é percebido como um ator central. Nào são visíveis nas estatísticas, nas pesquisas que analisam o contexto atual da questào agrária brasileira e que mapeiam os futuros cenários.

24 Agenda para as Políticas Públicas O debate sobre o desenvolvimento rural deve levar em consideração as perspectivas hoje apontadas pela própria juventude sobre o significado desse novo rural Desenho de políticas públicas estruturantes que garantam condiçòes de vida para além da produção/trabalho.

25 Educação no Campo X do Campo Sem continuidade : ex fechamento das escolas ( nos últimos 8 anos) Experiências alternativas à educação formal: EFFAs, CEFFAs Ensino Técnico – baixa capilaridade Programas especiais: PRONERA, PROJOVEM CAMPO – Saberes da Terra. Evasão

26 Qual o peso da juventude no debate sobre questão agrária e desenvolvimento no Brasil? Deve-se buscar deslocar o eixo do debate, ou antes amplia-lo. Bonus demográfico Desenvolvimento rural sustentável deve ser tratado a partir dessa realidade múltipla no campo e está diretamente implicada nas relações de poder reproduzidas pela a estrutura fundiária brasileira Pensar a questão da juventude implica retomar o tema : reforma agrária com a soma desses novos desafios.

27 6) Os Desafios da Formação Profissional e da inserção produtiva: Integrar antigos e novos anceios O desejo de permanência O diagnóstico vivido : campo de probablidade X campo de possibilidades O desejo de circulação Conteúdos que dialoguem com uma juventude em movimento que reinventa e reproduz Jovens homens e mulheres Novas perspectivas de desenvolvimento sustentável em uma perspectiva efetiva de inclusão participativa da juventude Só muito urbano no campo, sou roceiro na cidade


Carregar ppt "Juventude Rural: entre ficar e sair Elisa Guaraná de Castro Antropóloga CPDA/UFRuralRJ Assessora da Secretaria Nacional de Juventude."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google