A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Prof. João Leonel.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Prof. João Leonel."— Transcrição da apresentação:

1 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Prof. João Leonel.

2 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Introdução Comecemos com uma pergunta fundamental: este texto pretende descrever cientificamente a criação do universo? Se desejamos vê-lo dessa forma, temos algums problemas: Como explicar que exista luz (1.3), dia e noite (1.5), antes da criação do sol ( )?; Como explicar que o cp. 1 afirme que no terceiro dia tenham sido criados relva, sementes e árvores ( ) e apenas no sexto dia o ser humano (1.26,31), enquanto que no cp. 2 a ordem é invertida, sendo o ser humano criado em primeiro lugar (v. 7), quando não havia ainda nenhuma planta do campo na terra (v. 5)?

3 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Ou, de modo mais básico, como explicar dois textos sobre a criação com descrições diferentes (em 1.26 homem e mulher são criados ao mesmo tempo, enquanto que no cp. 2 o homem é criado em primeiro lugar – 2.7 e somente depois a mulher – )? Devemos reconhecer que o texto não possui caráter científico. Esse não é seu objetivo, como não é o objetivo da Bíblia. A Confissão de Fé de Westminster ( ) testemunha esse fato no capítulo que trata das Escrituras: Todo o conselho de Deus concernente a todas as coisas necessárias para a glória dele e para a salvação, fé e vida do homem, ou é expressamente declarado na Escritura ou pode ser lógica e claramente deduzido dela (Cp. I, pr. VI).

4 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Na Escritura não são todas as coisas igualmente claras em si, nem do mesmo modo evidentes a todos; contudo, as coisas que precisam ser obedecidas, cridas e observadas para a salvação, em um ou outro passo da Escritura são tão claramente expostas e explicadas, que não só os doutos, mas ainda os indoutos, no devido uso dos meios ordinários, podem alcançar uma suficiente compreensão delas (Cp. 1, pr. VII). Comentando Gênesis 1 (publicado em 1563), Calvino é de igual opinião: Ao comentar o v. 14 ele afirma: Devemos lembrar que Moisés não fala sobre mistérios ocultos com a sutileza dos filósofos, mas relata aquelas coisas que são observadas por todas as pessoas, mesmo pelos incultos, e que fazem parte do senso comum (CALVIN, Genesis, v. 1, p. 84).

5 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Comentando o v. 15 ele diz: É bom repetir novamente o que já disse, que não estou desenvolvendo uma discussão filosófica sobre quão grande é o sol e quão grande, ou quão pequena, é a lua; mas quanta luz vem a nós a partir deles. Porque Moisés aqui se dirige aos nossos sentidos (p. 85). Defendendo Moisés de críticas de que ele não escrevia com exatidão (como cientista), Calvino argumenta: Como ele tornou-se um teólogo, ele tinha mais respeito por nós do que pelas estrelas. Embora ele não ignorasse o fato de que a lua não possui luz suficiente para iluminar a terra, senão aquela emprestada do sol (cf. v. 17) (p. 86). Portanto, tanto pelo testemunho da C. de Fé quanto de Calvino a Bíblia, e particularmente Gn 1-2, não se presta para discussões científicas. Qual, então, o objetivo do texto?

6 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA A intenção é expressar teologicamente a criação do mundo e integrá-la à vida do ser humano. Estrutura literária do texto. Gênesis 1 – criação vista como totalidade 1º. Dia - v. 3-5Luz - trevas. Dia – noite.Sol – lua – estrelas.4º. Dia - v º. Dia - v. 6-8Águas abaixo e acima do firmamento (céus). Pássaros – peixes.5º. Dia - v º. Dia - v. 9-13Terra seca, vegetaçãoAnimais terrestres – ser humano 6º. Dia - v º. Dia – Descanso divino – 2.2-3

7 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Observações: O capítulo não segue uma ordem cronológica, mas sim de pares paralelos; No paralelismo há um caráter complementar. O segundo elemento do paralelo completa o primeiro; O primeiro grupo de dias (1º. ao 3º.) apresenta estruturas de tempo (dia e noite), espaço (céus, águas, terra) e alimentação (relva, ervas, árvores frutíferas) fundamentais para que a vida possa existir (segundo grupo); Cada criação é finalizada com a expressão: e viu Deus que isso era bom (v. 4, 10, 12, 18, 21, 25). Ao final, a conclusão: eis que era muito bom (v. 31); A ênfase está no sétimo dia em que Deus descansa. Ele se torna o modelo para a semana dos seres humanos (Ex ).

8 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Quanto a Gn 2, apenas duas observações: Diferentemente do cp. 1, este apresenta uma perspectiva particular, focando a criação de homem e mulher; A visão é mais restrita, detendo-se no lugar onde o primeiro casal deveria habitar e nas condições para tanto (jardim, árvores comestíveis, água, relacionamento com os animais, e, acima de tudo, a comunhão com Deus).

9 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Conclusões teológicas a partir de Gn 1: Somente Deus é capaz de dar forma e manter em ordem a criação, antes caótica. Por que seria necessário afirmar esse dado no início do livro? Talvez por que o ser humano aceitou a proposta da serpente de buscar, por si próprio, conhecimento pleno que o tornaria senhor e dispensaria a relação com Deus. Resultado? Desestruturação familiar (Adão e Eva, Caim e Abel), violência (Lameque, ), maldade humana (6.5-6). A advertência é feita a todas as gerações que julgam poderem ordenar o mundo sem a presença divina.

10 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA A criação expressa um padrão funcional e estético. Os elementos existem para exercerem sua função e para dar um padrão de beleza à vida. Nisso reside a conclusão divina de que tudo era muito bom (v. 31). Há uma relação orgânica e dinâmica na criação que deve ser observada e considerada. O planeta é o espaço para que a vida se desenvolva e os seus elementos devem ser respeitados enquanto tal. Questões éticas e ecológicas decorrem dessa análise. Quando a humanidade não respeita essa ordem, ela traz maldição sobre a criação ( ). Certamente a realidade em que vivia o escritor estava bem distante daquela manifesta na criação.

11 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Deus se manifesta como o único criador, inclusive de elementos que eram deificados na Antigüidade, como sol e lua, bem como monstros marinhos. Isso foi fundamental durante toda a história de Israel, uma vez que conviveu com nações politeístas. Outro dado é que, como criador do planeta, Deus é seu senhor, dominando sobre ele e podendo, então, retirar Abrão de sua terra (12.1) e prometer dar-lhe um lugar especial ( ). Isso era incomum na Antigüidade, onde os deuses exerciam seu senhorio sobre territórios específicos.

12 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA A responsabilidade do ser humano é destacada, visto que é o único ser vivo criado à imagem e semelhança divina, entendido como representante visível de Deus sobre a terra. Essa responsabilidade se torna explícita com a ordem para que ele tenha domínio e submeta (vs ) os demais seres. Isso indica não apenas o cuidado com a criação, mas também a necessidade de desenvolvê-la. Somos responsáveis em dominar a força da natureza e em usar seus elementos para o bem-estar e desenvolvimento humanos. Até onde isso é correto teológica e eticamente?

13 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Essa responsabilidade humana é levada a cabo por homem e mulher (v. 27). Ambos recebem a bênção e a incumbência divinas. Não há, aqui, nenhum sinal de submissão ou domínio de um sobre o outro. Obviamente a realidade dos destinatários do livro era outra. Viviam as conseqüências de uma relação familiar perturbada pelo pecado (3.16). As descrições de problemas familiares em Gênesis decorrem desse desajuste trazido pelo pecado. Irônico é que esse padrão caótico tornou-se, para muitos cristãos, o modelo de vida exigido por Deus.

14 GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA A semana divina se apresenta como padrão para o ser humano, principalmente o descanso do sétimo dia, visto que Deus não necessidade descansar. A humanidade deve continuar a missão divina junto ao planeta. Esse descanso, antes de ser uma obrigação, é um privilégio. Possivelmente algo que não era usufruído quando o texto foi escrito. A vida do homem tornara-se dura e pesada (3.17), e nesse contexto o descanso era uma necessidade. Ou, então, era um lembrete para poderosos e gananciosos de que mesmo o Todo- Poderoso descansou e que, portanto, eles deveriam manter períodos de repouso, mesmo sob o risco de menor lucro. Tais pessoas deveriam ter consciência de que estavam inseridas em um padrão temporal que rege o universo.


Carregar ppt "GÊNESIS 1-2 LINGUAGEM E CIÊNCIA Prof. João Leonel."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google