A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

NUTRIÇÃO E DIETOTERAPIA TIPOS DE DIETAS HOSPITALARES.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "NUTRIÇÃO E DIETOTERAPIA TIPOS DE DIETAS HOSPITALARES."— Transcrição da apresentação:

1 NUTRIÇÃO E DIETOTERAPIA TIPOS DE DIETAS HOSPITALARES

2 DIETAS HOSPITALARES As dietas hospitalares podem ser padronizadas segundo as modificações qualitativas e quantitativas da alimentação normal, assim como da consistência, temperatura, volume, valor calórico total, alterações de macro nutrientes e restrições de nutrientes, com isso podem ser classificadas a partir das suas principais características, indicações e alimentos ou preparações que serão servidos.

3 FINALIDADE De acordo com a finalidade, as dietas são classificadas em: Dietas de Rotina Dietas especiais

4 DIETAS DE ROTINAS são aquelas que não necessitam de restrições ou modificações em sua composição. Podem sofrer modificações quanto a consistência, possibilitando melhor adaptação em períodos de maior dificuldade na aceitação alimentar ou em fases de transição relativamente curtas, adaptando a dieta às condições do indivíduo, como, por exemplo, nos períodos pós-operatórios

5 CLASSIFICAÇÃO

6 DIETA LIVRE OU GERAL OBJETIVO: Manter o estado nutricional do paciente com ausência de alterações metabólicas significativas ao risco nutricional. INDICAÇÃO: Para pacientes que não necessitam de restrições específicas e que representam funções de mastigação e gastrointestinais preservadas.

7 CARACTERÍSTICAS Dieta suficiente, harmônica, consistência normal, distribuição e quantidade normais de todos os nutrientes, ou seja, normoglicídica, normoproteica, normolipídica, balanceada e completa. RECOMENDADOS: Massas e cereais pobres em gorduras, hortaliças e frutas frescas, óleos e açúcares com moderação. EVITADOS: Carboidratos ricos em gorduras e açúcar, enlatados, conservas e açúcares em excesso.

8 DIETA BRANDA OBJETIVOS: Fornecer calorias e nutrientes para manter o estado nutricional, além de melhorar a mastigação, deglutição e digestão. Constituída de alimentos bem cozidos, restrita em celulose e alimentos fermentáveis. Usadas nos pré e pós-operatórios e em transição para a dieta geral. INDICAÇÃO: Para crianças e idosos, com alterações e/ou perturbações orgânicas e funcionais do trato gastrointestinal.

9 CARACTERÍSTICA Normoglicídica, normoprotéica, normolipídica, balanceada e completa, consistência branda, 5 a 6 refeições diárias, tempo indeterminado, pobre em resíduos e modificados por cocção. RECOMENDADO: Saladas cozidas, carnes frescas cozidas ou grelhadas, frutas (suco, sem casca, maduras), produtos não integrais e não para frituras. EVITADOS: Frutas oleaginosas, doces concentrados, condimentos fortes, picantes, queijos duros e fortes.

10 DIETA PASTOSA OBJETIVO: Fornecer uma dieta que possa ser deglutida com pouco ou nenhum esforço. INDICAÇÃO: Para os casos em que haja necessidade de facilitar a mastigação, ingestão, deglutição; e de se permitir certo repouso gastrointestinal; e em alguns pós-operatórios.

11 CARACTERÍSITICAS Normoglicídica, normoproteica e normolipídica. Consistência pastosa ou abrandada pela cocção e processos mecânicos. RECOMENDADOS: todos os alimentos que possam ser transformados em purê. Mingaus de amido de milho, aveia, creme de arroz. Alimentos sem casca ou pele, moídos, liquidificados e amassados. EVITADOS: Alimentos duros, secos, crocantes, empanadas, fritos, cruas, com semente, casca, pele. Preparações contendo azeitona, passas, nozes (outras frutas oleaginosas), coco e bacon. Iogurte com pedaços de frutas, hortaliças folhosas cruas, com sementes; biscoitos amanteigados, pastelarias.

12 DIETA LÍQUIDA COMPLETA OBJETIVO: Hidratar e nutrir os tecidos; repousar o trato gastrointestinal e amenizar a sintomatologia. INDICAÇÃO: Para pacientes que apresentam alterações na mastigação, deglutição, digestão ou disfagias; com anorexia, que estão preparando para exames ou em pós-operatório; em casos de graves infecções; transtornos gastrointestinais.

13 CARACTERISTÍCAS Hipocalórica (V.E.T. de a kcal/dia), normoglicídica, normoproteica e normolipídica; consistência líquida com volume de 200 a 300ml por refeições; de três em três horas. RECOMENDADOS: Mingaus a 3% (arroz, milho, mucilon, maisena); caldos e sopas liquidificadas; sucos diluídos e/ou coados; leite, iogurte, creme de leite, etc. EVITADOS: cereais integrais, sementes, farelos, sementes oleaginosas, hortaliças, frutas inteiras com casca, queijos ricos em gorduras, embutidos, condimentos picantes.

14 DIETA LÍQUIDA-PASTOSA OU PASTOSA LIQUIDIFICADA OBJETIVO: Fornecer ao paciente uma dieta que permite minimizar o trabalho do trato gastrointestinal e a presença de resíduos no cólon. INDICAÇÃO: Para pacientes com problemas de mastigação, deglutição e digestão, com trato gastrointestinal, com moderada alteração, e para o pós-operatório de cirurgias do TGI.

15 CARACTERISTÍCAS Dietas normolipídicas, normoglicídicas, normoproteícas, com consistência semi líquida, volume de 200 a 400ml por refeição, por tempo indeterminado; 5 a 6 refeições, possuí kcal. ALIMENTOS RECOMENDADOS: Preparações com alimentos liquidificados e amassados. ALIMENTOS EVITADOS: Leguminosas e grãos, alimentos crus e inteiros.

16 DIETAS ESPECIAIS

17 DIETAS PARA DIABÉTICOS/ HIPOCALÓRICA Dieta para pessoas que não podem comer açúcar, sendo necessário controlar os alimentos energéticos: arroz, batata, pão e massa. São proibidos: - alimentos e bebidas que contenham açúcar. - alimentos gordurosos e frituras em excesso.

18 DIETA HIPERCALÓRICA Dieta com o objetivo de fornecer mais energia. Deve ser oferecida maior quantidade de arroz, massa e doces. DIETA OBSTIPANTE OU SEM RESÍDUOS Para pacientes com diarreia. Não podem comer verduras cruas ou cozidas, legumes, frutas cruas, frituras e alimentos gordurosos, leite e derivados, doces (só gelatina) e sucos de frutas (com exceção do limão, maçã e goiaba)

19 DIETA LAXATIVA OU COM RESÍDUOS. Para pacientes com intestino preso. Devem comer maior quantidade de verduras, legumes, frutas (laranja, mamão, ameixa) e líquidos. DIETA HIPERPROTEICA Contém maior quantidade de proteínas. Oferecer leite, gelatina, carne, iogurte, queijos e ovos.

20 DIETA HIPOPROTEICA Contém menor quantidade de proteínas. Dieta Hipogordurosa (para pessoas com problemas de fígado) Contém pouca quantidade de gordura. São proibidos: manteiga, margarina, queijo, iogurte, leite (só desnatado), frituras e alimentos gordurosos.

21 DIETA HIPOSSÓDICA Dieta com controle de sódio e sal. São proibidos: pão francês, bolacha de água e sal, cream cracker, queijos salgados e embutidos. Pode ser oferecido até 2g de sal em sachê. Dieta Assódica ou Sem Sal Dieta preparada sem adição de sal no cozimento dos alimentos.

22 FIM


Carregar ppt "NUTRIÇÃO E DIETOTERAPIA TIPOS DE DIETAS HOSPITALARES."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google