A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IOF-246 – Poluição Marinha Profs. Márcia Bícego e Rubens Figueira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IOF-246 – Poluição Marinha Profs. Márcia Bícego e Rubens Figueira."— Transcrição da apresentação:

1 IOF-246 – Poluição Marinha Profs. Márcia Bícego e Rubens Figueira

2 Poluição Radioativa – Mares e Oceanos do Mundo

3 Características Nucleares

4 Estabilidade nuclear Os núcleos atômicos possuem partículas carregadas (prótons) comprimidos em um pequeno volume, apesar das imensas forças repulsivas a maioria dos núcleos sobrevive. Em alguns núcleos, entretanto, a repulsão que os prótons exercem um sobre o outro supera a força que os mantém unidos. Fragmentos de núcleos são então ejetados, e ocorre o decaimento do núcleo.

5 Tipos de decaimento radioativo o decaimento nuclear pode resultar em um núcleo que possui núcleons em um estado de alta energia, o excesso de energia é liberado como um fóton (raios ).

6 - Decaimento alfa ( )

7 - Decaimento beta (β - )

8 - Captura eletrônica (CE) -

9 - Emissão de pósitron (β + )

10 Linha de estabilidade nuclear Emissores β Emissores Emissores β + ou CE Estáveis

11 Fissão induzida É a fissão causada pelo bombardeamento de núcleos pesados com nêutrons. Uma vez que a fissão nuclear tenha sido induzida, poderá continuar ocorrendo, mesmo se o suprimento de nêutrons for descontínuo, contanto que a fissão produza mais nêutrons (reação em cadeia).

12 Reação em cadeia

13 Rendimento da fissão do 235 U

14 Rendimento de fissão

15 Meia-vida (t 1/2 )

16 Energia Nuclear

17 Histórico Era nuclear anos 40 - II Guerra Mundial bombas atômicas - Hiroshima e Nagasaki reatores nucleares - alternativa na produção de energia elétrica Energia nuclear responsável por 17% da eletricidade produzida em todo do mundo diminuição da quantidade de CO 2 liberada para a atmosfera - efeito estufa contribuição da energia nuclear na geração de eletricidade em diversos países

18 Energia Nuclear no mundo

19 Contribuição da Energia Nuclear na produção de energia elétrica

20 Perspectivas para a Energia Nuclear

21 Problemas ambientais Lixo radioativo ou lixo atômico explosões nucleares - artefatos militares acidentes nucleares liberação e deposição de rejeitos radioativos (usinas nucleares e de reprocessamento) Principais radionuclídeos do ponto de vista de impacto ambiental 137 Cs (emissor gama), meia-vida de 30 anos, quimicamente semelhante ao Na e K 90 Sr (emissor beta), meia-vida de 28,5 anos, quimicamente semelhante ao Ca Pu (emissor alfa), meia-vida de anos, incorporação pelos pulmões

22 Contaminação do ambiente marinho Grande extensão e capacidade de dispersão Acidentes nucleares com reatores ou usinas de reprocessamento e as explosões nucleares - deposição direta e indireta (fallout) Repositório de rejeitos radioativos - alta, média e baixa atividade Acidentes nucleares com submarinos, aviões, etc - deposição direta

23 Níveis de radionuclídeos naturais nos oceanos

24 Vias de contaminação radioativa para os oceanos e mares

25 Explosões Nucleares – 1 Mt 30 ms após a explosão forma-se uma bola de fogo (10 8 C). bola de fogo possui 134 m de diâmetro e aumenta para 2200 m em 10 s. a altura da nuvem é dependente do artefato, neste caso a nuvem pode atingir 22,4 km de extensão, ultrapassando a estratosfera. a nuvem começa a dispersar-se (formando um cogumelo) atingindo uma altura da ordem de 40 km. o cogumelo dispersa-se a grande velocidade alcançando 160 km em 1 h. 1 min após a detonação há formação de partículas cujo tamanho pode variar de 0,4 a 4 µm.

26 Fallout radioativo

27 Distribuição do fallout

28 Fallout radioativo

29 Deposição radioativa as partículas maiores depositam-se sob ação da gravidade, produzindo o fallout local. as partículas menores contendo os radionuclídeos voláteis ( 137 Cs, 90 Sr, 131 I, etc) permanecem suspensas por um longo período depositam-se a longas distâncias do local de origem. para detonações da ordem de quilotons, a maior parte permanece na troposfera (tempo de residência é de 3 semanas a 3 meses) Tempo de residência é dependente do local da explosão e da época do ano Os radionuclídeos transferidos da atmosfera para o oceano podem reagir intrinsecamente com outros elementos e formar compostos, que são transportados por processos físicos, químicos e biológicos

30 Contribuição para Atividade Total

31

32 Testes Nucleares 16/07/1945 – Alamogordo no México entre 1945 e 1946 – 5 bombas foram detonadas 29/08/1949 – 1o teste nuclear da ex-URSS, em Semipalatinsk no Casaquistão entre 1945 e 1960 – 232 testes nucleares realizados pelas grandes potências. 2 testes nucleares com dispositivos termonucleares no atol de Bikini (testes MIKE e BRAVO)

33 Estimativa da energia liberada em testes nucleares

34

35 137 Cs – testes nucleares – HN

36 Total depositado de radionuclídeos artificiais nos oceanos do mundo 137 Cs – 637 PBq 90 Sr – 439 PBq Pu – 12 PBq, correspondente a 5 t Níveis de radionuclídeos naturais nos oceanos ( 3 H e 14 C) em relação aos artificiais

37 Distribuição de 90 Sr latitudinalmente

38 Níveis de β-total em peixes do Mar de Barents

39 Inventário de 90 Sr ( )

40

41

42 Tipos de Reatores Nucleares

43 Reator PWR

44 Reatores Nucleares Inventário do Combustível 1 PWR de 1000 MWe carregado com UOX produz 6 TWh/a e gera 21 t de rejeitos 20 t com 0,9% de U kg de Pu 21 kg de outros actinídeos: 10,4 kg de Np 9,8 kg de Am 0,8 kg de Cm 760 kg de produtos de fissão: 35 kg de Cs kg de Tc kg Zr-93 5 kg Pd kg I-129, etc.

45 Three Mile Island Three Mile Island, Estados Unidos (1979) - falhas mecânicas e erros operacionais no sistema de refrigeração Algumas áreas do reator atingiram temperaturas da ordem de 2750 o C, e o combustível fundiu. O Zr das barras de combustíveis reagiu com a água, formando ZrO e liberando H 2, o reator então poderia explodir. Foram liberados aproximadamente 330 PBq de 133 Xe e 550 GBq de 131 I.

46 Chernobyl Chernobyl, ex-URSS (1987) - erros operacionais nos sistemas de segurança e explosão do reator foi o pior acidente da história a nuvem radioativa alcançou regiões distantes 2000 km colocou 400 vezes mais material radioativo na atmosfera que a bomba lançada sobre Hiroshima 3,7 EBq de material radioativo lançada na atmosfera: ~100 PBq de 137 Cs, ~8 PBq de 90 Sr e ~55 TBq de Pu.

47 Reator de Chernobyl – RBMK 1000

48 Cronologia do desastre

49 Fallout radioativo de Chernobyl https://qed.princeton.edu/images/f/fc/Radioactive_fall-out_from_the_Chernobyl_accident.jpg

50 Chernobyl: total depositado na Europa

51 Chernobyl no Mar Báltico

52

53 Chernobyl Total depositado nos mares europeus Mar do Norte – 1,4 PBq Costa noroeste da Europa – 3,7 PBq No Mar Báltico os níveis variaram de alguns bequéreis a Bq.m -3.

54 Rejeitos sólidos São armazenados em tambores de metal com concreto e betume. De 1946 a 1982, cerca de 46 PBq foram depositados no mar. Na ex-URSS a deposição está assim distribuída: Mar de Kara: 570 Bq Mar de Barentes: 1,5 PBq Região de Vladivostok: 248 TBq Mares do Ártico: 7 reatores (85 PBq) e 10 reatores sem combustível (3,7 PBq) Em outubro de 1993 liberou 14 MBq no mar do Japão

55 Dumping

56 Problemas do Dumping

57 Deposição de rejeitos radioativos NE do Pacífico 16 sítios 0,55 PBq NO do Atlântico 11 sítios 2,94 PBq NE do Atlântico 15 sítios 42,31 PBq OE do Pacífico 5 sítios 0,02 PBq

58

59 Lixo radioativo This barrel, once filled with toxic – possibly radioactive – waste, washed ashore in Somalia after the 2005 tsunami. The Times of London reported online in March 2005 that the tsunami stirred up tonnes of nuclear and toxic waste illegally dumped off the coast of Somalia. – Photo: Somalinet

60 Rejeitos líquidos Desde 1975 está proibida a deposição de rejeitos de alta atividade. Em 1983 foi definida uma moratória para rejeitos de baixa atividade. A ex-URSS liberou rejeitos radioativos líquidos nos oceanos Mar de Barents – 450 PBq Mar Branco – 3,7 PBq Mar de Kara – 315 TBq Mares na região de Vladivostolk – 456 TBq Em 1979, um submarino liberou 74 PBq de rejeitos (1 PBq de 137 Cs e 90 Sr)

61 Liberação de rejeitos líquidos

62 Estimativa da liberação anual máxima de instalações nucleares

63 Acidentes nucleares - Geral

64 Submarinos Oceano Atlântico – desde 1963, 4 submarinos nucleares naufragados, abaixo de 1500 m. O submarino Komsomolets, em 1989, que naufragou na costa da Noruega. Este acidente aumentou em 5,5 PBq o inventário na região. O submarino contém 2 ogivas nucleares com 16 PBq de Pu e 5 TBq de actinídeos.

65 Acidente com o Komsomolets

66 Inventário dos radionuclídeos no reator do Komsomolets em função do tempo

67 Naves espaciais 4 naves perdidas no mar que continham gerados termoelétricos com 238 Pu. Em 1964, na re-entrada na atmosfera do SNAP-9A, um dos reatores vaporizou, causando contaminação de 238 Pu e 239 Pu. Em 1978, o Cosmos-954 também sofreu um dano na re-entrada contaminando o Atlântico Sul com 235 U. Em 1996, a Marte-96 (Russa) caiu na costa chilena com 200 g de plutônio.

68 Aviões Em 1966, dois aviões B-52 caiu na região de Palomares (Espanha). Um dos aviões possuía 4 bombas termonucleares que explodiram não nuclearmente, contaminando uma área de 2,3 km 2. Em 1968, um avião B-52 caiu próximo a base aérea de Thule, na Groenlândia, causando a ruptura de 4 bombas nucleares, depositando aproximadamente 500 g de plutônio (1 TBq)

69 Características dos principais radionuclídeos e sua determinação em amostras marinhas

70 137 Cs - Características nucleares produzido artificialmente pela fissão U-235 emissor gama - meia-vida de 30 anos detetores semicondutores NaI, Ge(Li) e Ge(hiperpuro) - Características químicas metal alcalino solúvel em água pode ser removido a partir da coluna dágua para o sedimento por vários processos: sedimentação, precipitação, adsorção, assimilação ou absorção pela

71 90 Sr - Características nucleares produzido artificialmente pela fissão do U-235 emissor beta - meia-vida de 28,5 anos detetores Geiger-Müller, proporcionais ou de cintilação líquida (Cerenkov) - Características químicas metal alcalino-terroso equilíbrio com carbonato (formação de corais e carapaças de animais) reações de troca iônica com o material particulado e o sedimento

72 Pu - Características nucleares reação de captura neutrônica do U-238 emissor alfa - Pu-238 (t 1/2 = 87,5 a), Pu-239 (t 1/2 = 6500 a) e Pu-240 (t 1/2 = a) detetores semicondutores (barreira de superfície) - Características químicas quatro estados de oxidação: Pu(III), Pu(IV), Pu(V) e Pu(VI) no meio ambiente predomina a forma reduzida (Pu(OH)4) estabilidade dos complexos: Pu(IV) > Pu(VI) > Pu(III) > Pu(V) nos sedimentos predomina a forma reduzida Pu(III) e Pu(IV) na água do mar predomina a forma oxidada Pu(V) e Pu(VI) normalmente o plutônio é removido da solução por meio da precipitação do Pu(OH) 4

73 Determinação de 90 Sr e 137 Cs em sedimentos marinhos

74 Determinação de Pu em sedimentos marinhos

75 Determinação de 90 Sr, 137 Cs e Pu em água do mar

76 Níveis de radionuclídeos no litoral brasileiro – sedimentos marinhos

77 Níveis na costa brasileira – água do mar

78 137 Cs

79 Pu


Carregar ppt "IOF-246 – Poluição Marinha Profs. Márcia Bícego e Rubens Figueira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google