A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

NIGRO, C. Doutor em ORL pelo HCFMUSP. NIGRO, C.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "NIGRO, C. Doutor em ORL pelo HCFMUSP. NIGRO, C."— Transcrição da apresentação:

1 NIGRO, C. Doutor em ORL pelo HCFMUSP

2 NIGRO, C.

3

4 Efeitos do ruído AdaptaçãoAdaptação FadigaFadiga PA temporáriaPA temporária Trauma AcústicoTrauma Acústico PAIRPAIR

5 NIGRO, C. Efeitos do ruído AdaptaçãoAdaptação FadigaFadiga PA temporáriaPA temporária Trauma AcústicoTrauma Acústico PAIRPAIR Decréscimo na sensibilidade na presença de um som facilmente audível Decréscimo na sensibilidade na presença de um som facilmente audível

6 NIGRO, C. Efeitos do ruído AdaptaçãoAdaptação FadigaFadiga PA temporáriaPA temporária Trauma AcústicoTrauma Acústico PAIRPAIR Diminuição transitória do limiar auditivo após exposição a som intenso por diminuição de neurotransmissores Diminuição transitória do limiar auditivo após exposição a som intenso por diminuição de neurotransmissores

7 NIGRO, C. Efeitos do ruído AdaptaçãoAdaptação FadigaFadiga PA temporáriaPA temporária Trauma AcústicoTrauma Acústico PAIRPAIR Alteração metabólica da cóclea após exposição a som intenso por horas, dias, semanas Alteração metabólica da cóclea após exposição a som intenso por horas, dias, semanas

8 NIGRO, C. Efeitos do ruído AdaptaçãoAdaptação FadigaFadiga PA temporáriaPA temporária Trauma AcústicoTrauma Acústico PAIRPAIR Exposição súbita a ruídos altíssimos: >40dB Exposição súbita a ruídos altíssimos: >40dB Pode haver rutura da MT e desarticulação da cadeia ossicular Pode haver rutura da MT e desarticulação da cadeia ossicular

9 NIGRO, C. Efeitos do ruído AdaptaçãoAdaptação FadigaFadiga PA temporáriaPA temporária Trauma AcústicoTrauma Acústico PAIRPAIR Perda Auditiva Induzida por Ruído Exposição continuada ao ruído afetando a cóclea e o nervo auditivo Exposição continuada ao ruído afetando a cóclea e o nervo auditivo É a 2 a maior causa de perda auditiva sensorioneural É a 2 a maior causa de perda auditiva sensorioneural

10 NIGRO, C. Histórico Grandes mamíferos não dormem próximo a grandes quedas dáguaGrandes mamíferos não dormem próximo a grandes quedas dágua 720 ac sibaritas720 ac sibaritas Séc I 1 o estudo de população que morava próximo a queda dáguaSéc I 1 o estudo de população que morava próximo a queda dágua Séc XII pólvoraSéc XII pólvora Séc XVI rainha Elizabeth I baixou um decreto proibindo que os maridos surrassem as mulheres após as 22hSéc XVI rainha Elizabeth I baixou um decreto proibindo que os maridos surrassem as mulheres após as 22h 1929 Fowler descreveu a PAIR1929 Fowler descreveu a PAIR 1961 OMS reconhece a PAIR1961 OMS reconhece a PAIR Séc. XX 2ª guerra mundialSéc. XX 2ª guerra mundial

11 NIGRO, C. Fisiopatologia Atividade metabólica cels sensoriais Atividade metabólica cels sensoriais

12 NIGRO, C. Fisiopatologia Atividade metabólica cels sensoriais Atividade metabólica cels sensoriais estoque de ¨E estoque de ¨E¨

13 NIGRO, C. Fisiopatologia Atividade metabólica cels sensoriais Atividade metabólica cels sensoriais estoque de ¨E estoque de ¨E¨ Alteração ddp

14 NIGRO, C. Fisiopatologia Atividade metabólica cels sensoriais Atividade metabólica cels sensoriais estoque de ¨E estoque de ¨E¨ Alteração ddp Transtorno metabólico

15 NIGRO, C. Fisiopatologia Atividade metabólica cels sensoriais Atividade metabólica cels sensoriais estoque de ¨E estoque de ¨E¨ Alteração ddp Transtorno metabólico

16 NIGRO, C. Fisiopatologia Com a manutenção do ruído

17 NIGRO, C. Fisiopatologia Distúrbio metabólico prolongado Com a manutenção do ruído

18 NIGRO, C. Fisiopatologia Distúrbio metabólico prolongado Morte celular Com a manutenção do ruído

19 NIGRO, C. Fisiopatologia Distúrbio metabólico prolongado Morte celular 1 o CCE... 2 o CCI... 3 o FFNN...4 o Cels sust. Com a manutenção do ruído

20 NIGRO, C. Fisiopatologia Distúrbio metabólico prolongado Morte celular 1 o CCE... 2 o CCI... 3 o FFNN...4 o Cels sust. Com a manutenção do ruído

21 NIGRO, C. Níveis sonoros 30 dB sussurro30 dB sussurro 50 dB chuva / geladeira50 dB chuva / geladeira 60 dB máquina de lavar louça / conversa60 dB máquina de lavar louça / conversa 70 dB aspirador de pó / restaurante70 dB aspirador de pó / restaurante 80 dB alarme do relógio / metrô80 dB alarme do relógio / metrô 90 db barbeador elétrico / cortador de grama90 db barbeador elétrico / cortador de grama 100 db caminhão de lixo / serra elétrica100 db caminhão de lixo / serra elétrica 110 db motosserra / show de rock110 db motosserra / show de rock 120 db turbina de avião / danceteria / trovão120 db turbina de avião / danceteria / trovão 130 db bate-estaca130 db bate-estaca 140 db tiro140 db tiro 180 db decolagem de foguete180 db decolagem de foguete

22 NIGRO, C. IPodE? 70 dB IPod baixo70 dB IPod baixo 80 dB IPod ¼80 dB IPod ¼ 100 db IPod na metade100 db IPod na metade 120 db IPod alto120 db IPod alto

23 NIGRO, C. PA devido à exposição continuada ao ruído 85 dB 8 h/dia 5 dias/semana85 dB 8 h/dia 5 dias/semana 90 dB 4 h/dia 5 dias/semana90 dB 4 h/dia 5 dias/semana 95 dB 2 h/dia 5 dias/semana95 dB 2 h/dia 5 dias/semana 100 dB 1 h/dia 5 dias/semana100 dB 1 h/dia 5 dias/semana 115 dB 7 min/dia 5 dias/semana115 dB 7 min/dia 5 dias/semana

24 NIGRO, C. Perda Auditiva Ocupacional VibraçãoVibração

25 NIGRO, C. Quadro Clínico HipoacusiaHipoacusia ZumbidoZumbido Intolerância a sons intensosIntolerância a sons intensos Dificuldade para localizar fontes sonorasDificuldade para localizar fontes sonoras Dificuldade no entendimento da falaDificuldade no entendimento da fala

26 NIGRO, C. Quadro Clínico IrritabilidadeIrritabilidade Dificuldade de concentraçãoDificuldade de concentração CansaçoCansaço Alteração de humorAlteração de humor Desencadeamento ou piora de crises de epilepsiaDesencadeamento ou piora de crises de epilepsia Vertigens, náuseasVertigens, náuseas Problemas digestivosProblemas digestivos

27 NIGRO, C. Anamnese e exame físico Identificação do paciente com fotoIdentificação do paciente com foto AF, AP, passado otológico, drogas ototóxicasAF, AP, passado otológico, drogas ototóxicas Empregos anterioresEmpregos anteriores Exposição fora do trabalhoExposição fora do trabalho Doenças associadasDoenças associadas Tipo e tempo de exposiçãoTipo e tempo de exposição OtoscopiaOtoscopia Audição atualAudição atual

28 NIGRO, C. Exames subsidiários Audiometria tonal e vocalAudiometria tonal e vocal ImitanciometriaImitanciometria BERABERA Emissões otoacústicasEmissões otoacústicas

29 NIGRO, C ,25 0, Audiograma Sempre sensorioneural Sempre sensorioneural Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Quase sempre bilateral e simétrica Quase sempre bilateral e simétrica Audiograma: Audiograma: ,5 0, ,5 0,25 Raramente leva a PA profundas Raramente leva a PA profundas Boa discriminação de palavras Boa discriminação de palavras Irreversível Irreversível Afastando-se do ruído a perda não progride Afastando-se do ruído a perda não progride

30 NIGRO, C ,25 0, Audiograma Sempre sensorioneural Sempre sensorioneural Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Quase sempre bilateral e simétrica Quase sempre bilateral e simétrica Audiograma: Audiograma: ,5 0, ,5 0,25 Raramente leva a PA profundas Raramente leva a PA profundas Boa discriminação de palavras Boa discriminação de palavras Irreversível Irreversível Afastando-se do ruído a perda não progride Afastando-se do ruído a perda não progride

31 NIGRO, C ,25 0, Audiograma Sempre sensorioneural Sempre sensorioneural Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Quase sempre bilateral e simétrica Quase sempre bilateral e simétrica Audiograma: Audiograma: ,5 0, ,5 0,25 Raramente leva a PA profundas Raramente leva a PA profundas Boa discriminação de palavras Boa discriminação de palavras Irreversível Irreversível Afastando-se do ruído a perda não progride Afastando-se do ruído a perda não progride

32 NIGRO, C ,25 0, Audiograma Sempre sensorioneural Sempre sensorioneural Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Quase sempre bilateral e simétrica Quase sempre bilateral e simétrica Audiograma: Audiograma: ,5 0, ,5 0,25 Raramente leva a PA profundas Raramente leva a PA profundas Boa discriminação de palavras Boa discriminação de palavras Irreversível Irreversível Afastando-se do ruído a perda não progride Afastando-se do ruído a perda não progride

33 NIGRO, C ,25 0, Audiograma Sempre sensorioneural Sempre sensorioneural Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Quase sempre bilateral e simétrica Quase sempre bilateral e simétrica Audiograma: Audiograma: ,5 0, ,5 0,25 Raramente leva a PA profundas Raramente leva a PA profundas Boa discriminação de palavras Boa discriminação de palavras Irreversível Irreversível Afastando-se do ruído a perda não progride Afastando-se do ruído a perda não progride

34 NIGRO, C ,25 0, Audiograma Sempre sensorioneural Sempre sensorioneural Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Quase sempre bilateral e simétrica Quase sempre bilateral e simétrica Audiograma: Audiograma: ,5 0, ,5 0,25 Raramente leva a PA profundas Raramente leva a PA profundas Boa discriminação de palavras Boa discriminação de palavras Irreversível Irreversível Afastando-se do ruído a perda não progride Afastando-se do ruído a perda não progride

35 NIGRO, C ,25 0, Audiograma Sempre sensorioneural Sempre sensorioneural Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Meses até 15 o ano, depois tende a estabilizar Quase sempre bilateral e simétrica Quase sempre bilateral e simétrica Audiograma: Audiograma: ,5 0, ,5 0,25 Raramente leva a PA profundas Raramente leva a PA profundas Boa discriminação de palavras Boa discriminação de palavras Irreversível Irreversível Afastando-se do ruído a perda não progride Afastando-se do ruído a perda não progride

36 NIGRO, C. Audiograma Classificação: Classificação: leve, leve, moderada, moderada, severa, severa, profunda, em tais freqüências profunda, em tais freqüências induz o paciente ou o juiz ao erro induz o paciente ou o juiz ao erro

37 NIGRO, C. Audiograma Portaria 19 Portaria 19 Audiograma único: análise qualitativa Audiograma único: análise qualitativa 1.Dentro dos limites aceitáveis 2.Sugestivo de PAIR 3.Não sugestivo de PAIR

38 NIGRO, C. Audiograma Portaria 19 Portaria 19 Audiogramas seqüenciais: análise quantitativa Audiogramas seqüenciais: análise quantitativa 1.Tecnicamente estabilizado 2.Piora significativa: desencadeamento ou agravamento a)10dB na média de 3,4 e 6 KHz b)15dB em uma frequência isolada Re-testar Re-testar Médico do trabalho toma as providências necessárias e este exame passa a ser o audiograma referência

39 NIGRO, C. Audiograma Primeiro audiograma dá 5dB pior em 95% dos trabalhadores devido ao stress (Everardo) Primeiro audiograma dá 5dB pior em 95% dos trabalhadores devido ao stress (Everardo) Poderia ser realizada outra audiometria para re-teste

40 NIGRO, C. 1,4 ml 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0, daPa 1.Complacência estática 2.Timpanometria dinâmica 3.Pesquisa do reflexo estapédico OD OE OD OE Pressão O.M. (daPa) 0 0 C. Max. Relax. 1,6 1,5 C. +200mm H2O 0,8 0,9 C. Estática 0,8 0,6 Via aferente direita Via aferente esquerda Via aferente direita Via aferente esquerda Freq. (Hz) limiar reflexo dif. reflexo limiar reflexo dif. reflexo OD contralat ipsi OE contralat ipsi OD contralat ipsi OE contralat ipsi Imitanciometria

41 NIGRO, C. BERA (audiometria de tronco cerebral) Limiar auditivo: simuladores Limiar auditivo: simuladores Diferenciar doença coclear X retrococlear Diferenciar doença coclear X retrococlear

42 NIGRO, C. EOA (emissões otoacústicas) Presentes em indivíduos com limiares auditivos melhores que 30 db Confirma a integridade do mecanismo coclear Ideal p/ programas de triagem auditiva trabalhadores expostos à ruídos Diagnóstico diferencial com patologias retrococleares Diagnóstico diferencial com patologias retrococleares Simuladores Simuladores

43 NIGRO, C. Susceptibilidade individual Ouvido de cristal X ouvido de pedra Ouvido de cristal X ouvido de pedra O mesmo indivíduo pode ter um ouvido mais sensível O mesmo indivíduo pode ter um ouvido mais sensível Quanto melanina resistente Quanto melanina resistente Homem é mais susceptível Homem é mais susceptível Idade > 45 anos é mais susceptível Idade > 45 anos é mais susceptível Indivíduo com PASN é mais susceptível Indivíduo com PASN é mais susceptível Colesterol, Mg, stress, fumo, ototóxicos Colesterol, Mg, stress, fumo, ototóxicos Produtos químicos, vibrações, temperatura Produtos químicos, vibrações, temperatura (Perda Auditiva Ocupacional) (Perda Auditiva Ocupacional)

44 NIGRO, C. Diagnóstico diferencial Trauma acústicoTrauma acústico TCETCE OtotóxicosOtotóxicos Produtos químicosProdutos químicos Distúrbio metabólicoDistúrbio metabólico PresbiacusiaPresbiacusia Processo infeccioso Processo infeccioso Processo degenerativo Processo degenerativo Doença de Ménière Doença de Ménière Neurinoma do Acústico Neurinoma do Acústico PA hereditária PA hereditária

45 NIGRO, C. Avaliação da PAIR 1 o nível: admissional, periódico, demissional 2 o nível: clínico 3 o nível: trabalhista, previdenciário

46 NIGRO, C. Tratamento AASI valorizando as altas freqüênciasAASI valorizando as altas freqüências OrientaçãoOrientação No futuro No futuro Curativo: terapia genéticaCurativo: terapia genética Preventivo: drogas que bloqueiam as sinapsesPreventivo: drogas que bloqueiam as sinapses

47 NIGRO, C. Programa de prevenção Avaliação do ruídoAvaliação do ruído Dosagem de exposição; > 80 dBDosagem de exposição; > 80 dB

48 NIGRO, C. Programa de prevenção Avaliação Audiométrica dos trabalhadoresAvaliação Audiométrica dos trabalhadores se tudo bem documentar se tudo bem documentar se não se não barulho se possível barulho se possível Higiene industrial Higiene industrial EPI: espuma (duração 1 mês), silicone (6meses) EPI: espuma (duração 1 mês), silicone (6meses) Bota para vibração Bota para vibração Educação (avisos) Educação (avisos) Legislação: portaria 19 (9/4/98)Legislação: portaria 19 (9/4/98) norma técnica previdenciária – 05/608 (5/8/98) norma técnica previdenciária – 05/608 (5/8/98)

49 NIGRO, C.

50 Perícia Advogado de nenhuma das partes pode acompanhar – risco de nulidade da perícia.Advogado de nenhuma das partes pode acompanhar – risco de nulidade da perícia. Introdução, levantamento técnico com laudos de calibração, descrição e análise do local de trabalho, EPI usados.Introdução, levantamento técnico com laudos de calibração, descrição e análise do local de trabalho, EPI usados. Não decide, só relata nexo de causalidade.Não decide, só relata nexo de causalidade.


Carregar ppt "NIGRO, C. Doutor em ORL pelo HCFMUSP. NIGRO, C."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google