A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Psicologia Aplicada ao Direito Revisão AV1. Conteúdo -Unidade 1: Introdução ao estudo da Psicologia: Psicologia científica, objetos de estudo da psicologia,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Psicologia Aplicada ao Direito Revisão AV1. Conteúdo -Unidade 1: Introdução ao estudo da Psicologia: Psicologia científica, objetos de estudo da psicologia,"— Transcrição da apresentação:

1 Psicologia Aplicada ao Direito Revisão AV1

2 Conteúdo -Unidade 1: Introdução ao estudo da Psicologia: Psicologia científica, objetos de estudo da psicologia, gênero, família, (grupos e exclusão social) (aulas 1, 2, 3 e 4) -Material didático 1: página Material didático 2: página /

3 PSICOLOGIA SENSO COMUM CONHECIMENTO CIENTIFICO -vivenciado no cotidiano das pessoas; -conhecimento intuitivo, espontâneo, de tentativas e erros; -é comum se apropriar de termos do conhecimento científico; -atividade reflexiva; -procura compreender, explicar e alterar o cotidiano a partir de um estudo sistemático; -mostrar a evidência, - objeto específico, linguagem rigorosa, métodos e técnicas específicas, processo cumulativo do conhecimento e objetividade; Os psicólogos se baseiam no método cientifico quando buscam respostas para suas perguntas. Descrever, compreender, e alcançar um certo controle WUNDT Psicologia pré-científica: Influência da filosofia, da teologia Psicologia científica: observação e experimentação A psicologia possui um longo passado e uma curta história

4 Wundt ( ) Estudar a experiência imediata Titchener ( ) Divisão da consciência: sensações físicas, sentimentos, e imagens Fundaram o Estruturalismo: Dissecação da consciência (introspeccionismo = explorar a consciência do indivíduo); PRIMEIROS ESTUDIOSOS DA PSICOLOGIA James (1880 a 1910) Quais as funções das atividades mentais Fundou o Funcionalismo: Consciência flui continuamente/ a mente está sempre fazendo associações, revendo experiências.

5 PSICOLOGIA NO SECULO XX BEHAVIORISMO Watson, Pavlov, Skinner GESTALT Wertheimer, Koeler e Kofka PSICANALISE Freud Modelagem do comportamento Compreender o homem como uma totalidade Inconsciente: guarda os impulsos sexuais e agressivos primitivos, desejos reprimidos, medos e vontades, memórias traumáticas

6 PSICOLOGIA Psicologia do desenvolvimento Psicologia fisiológica Psicologia experimental Psicologia da Personalidade Psicologia clínica, Hospitalar, Escolar, do trânsito, do esporte, organizacional e do trabalho, jurídica Psicologia Social

7 O comportamento é resultado de processos internos ou causado por fatores externos às pessoas? O comportamento é produto de tendências inatas ou reflexo de experiências? As características da infância são mais ou menos permanentes e fixas, ou as pessoas mudam ao longo da vida? O entendimento sobre o homem se aplica bem para todo ser humano? Mente e corpo estão ligados? Questões permanentes em Psicologia

8 DEFINIÇÃO CIENTÍFICA Estudo científico do comportamento e dos processos mentais ONDE AS ABORDAGENS DA PSICOLOGIA SE ENCONTRAM? A matéria-prima da Psicologia é o ser humano em todas as suas expressões, as visíveis (o comportamento) e as invisíveis (os sentimentos), as singularidades (porque somo o que somos) e as genéricas (porque somos todos assim) – é o ser humano-corpo, ser humano-pensamento, ser humano- afeto, ser humano-ação e tudo isso está sintetizado no termo subjetividade.

9 cultura O modo de vida global de um povo, formas de pensar, agir e se comunicar gênero Significados culturais atribuídos as diferenças biológicas Raça=diferenças físicas Etnia=diferenças culturais masculino feminino Violência de gênero Física, psicológica, sexual, patrimonial e moral

10 FAMILIA Celula Funções da família: proteção psicossocial dos membros, e acomodação a uma cultura e sua transmissão Célula mater: primeiro agente socializador do indivíduo Estabelecimento dos vínculos afetivos Tradicional, informal, monoparental, anaparental, homoafetiva, unipessoal Co-responsabilidade de ambos os cônjuges: direitos iguais

11 Técnica da associação livre (com observação das resistências ao longo da fala) Análise dos atos falhos são enganos, troca de palavras, esquecimento, praticados sem querer e de modo inexplicável, causados pelos impulsos reprimidos que procuram se descarregar de qualquer modo. Devem ser atentamente observados, pois são sintomáticos, possuem um valor revelador de alguma coisa que a pessoa tenta ocultar. Técnica da análise dos sonhos PSICANALISE Inconsciente como objeto de estudo, por acreditar que os problemas psicológicos eram oriundos de fatos passados na infância, e muitas vezes esquecidos, reprimidos; Freud criou seu próprio método de análise, chamado de Método Psicanalítico, que centra-se em buscar informações sobre o inconsciente do paciente; A técnica de associação livre e a análise dos atos falhos podem ser especialmente úteis aos operadores de Direito na condução de uma entrevista.

12 DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE SEGUNDO FREUD Fase oral (0-2 anos): A libido do bebê é vivenciada principalmente através da boca, quando associa prazer e redução da tensão ao processo de alimentação. Enquanto é alimentada, também é confortada, acariciada. No início, quando surgem as primeiras experiências de desprazer (fome, frio, cólica, pânico) e surge alguém que gera prazer ou alívio, cria-se o registro - há alguém que cuida de mim e é confiável. O oposto, quando não há quem cuide, gera personalidades menos estáveis. Fase anal (2-3 anos): Ocorre o crescimento, maior autonomia, Sistema Nervoso Central mais maduro e adquire a capacidade de controlar os esfincteres. A criança descobre que pode agradar ou desagradar. E pode controlar os pais através das necessidades fisiológicas. O prazer se liga com o controle e o domínio do outro. A maneira como esta forma é vivida pode gerar fixação, com um adulto que vivencia seus prazeres e angústias por sensações de retenção (inclusive de dinheiro), auto-cobrança exagerada, ansiedade, questões ligadas à sujeita/limpeza.

13 DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE SEGUNDO FREUD Período fálico ou edipiano (3-5 anos) O prazer concentra-se nos órgãos genitais; a criança descobre as diferenças sexuais. É o momento em que o Complexo de Édipo, o qual indica que, inconscientemente, a criança sente atração pelo progenitor do sexo oposto, sentindo o do mesmo sexo como rival. Ao superar esta fase, a criança é capaz de se identificar com a figura do mesmo sexo, a qual passa a ser um referencial, para ela, na construção de sua identidade sexual. A fixação pode levar, na vida adulta, a desvios na identidade sexual; uma ligação emocional exagerada com o progenitor do sexo oposto (se o progenitor do mesmo sexo não mostrou à criança sua exclusão), que interfere na escolha das relações amorosas; dificuldade de compreender as leis e limites sociais, de uma forma geral.

14 DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE SEGUNDO FREUD Período de latência (6 a 9): se estende até a puberdade. Neste período a criança demonstra uma aparente diminuição do interesse sexual. Tende a juntar-se em grupos do mesmo sexo. Faz piadas a respeito dos problemas sexuais. Ocorrem as primeiras histórias de amor entre os meninos e meninas. Genital (adolescência): É o período que se situa entre a puberdade e a vida adulta, dos 12 aos 18 anos. Fatores sociais e culturais podem modificar, antecipar, encurtar ou prolongar a adolescência, como dependência econômica dos pais, dificuldades no mercado de trabalho e a angústia dos pais por perderem a atividade específica de cuidar dos filhos. A adolescência apresenta uma série de características: busca de si mesmo e da identidade; tendência a formação de grupos; crises religiosas. Os principais conflitos da adolescência envolvem: 1. Perda do corpo infantil. 2. Perda dos pais infantis. 3. Perda da identidade infantil.

15 O id constitui o reservatório da energia psíquica, é onde se localizam as pulsões. É regido pelo princípio do prazer. O Id não conhece a realidade objetiva, a "lei" ética e social. O ego é o sistema que estabelece o equilíbrio entre as exigências do id, as exigências da realidade e as ordens do superego O superego origina-se com o complexo de Édipo, a partir da internalização das proibições, dos limites e da autoridade. O conteúdo do superego refere-se a exigências sociais e culturais.

16 MECANISMOS DE DEFESA DO EGO Para lidar com os resultados dos conflitos entre ID e SUPEREGO (culpa, frustração, arrependimento), o ego, inconscientemente, desenvolve proteções – são os mecanismos de defesa, uma forma de lidar com uma realidade que não se pode enfrentar tal como se apresenta. Recalque: o indivíduo não quer enxergar a realidade, e a esconde de si mesmo. Este conteúdo inconsciente acaba, entretanto, se revelando através de sonhos, atos falhos ou intoxicações. Formação reativa: o ego procura afastar o desejo que vai em determinada direção, adotando uma atitude oposta a este desejo. É o caso da mãe que superprotege o filho, do qual tem muita raiva porque atribui a ele muitas de suas dificuldades pessoais. Para muitas destas mães, pode ser aterrador admitir essa agressividade em relação ao filho. Regressão: o indivíduo retorna a etapas anteriores de seu desenvolvimento; é uma passagem para modos de expressão mais primitivos. Numa situação de fragilidade, algumas pessoas podem se tornar infantilizadas, dependentes. Projeção: o indivíduo (projeta) algo de si no mundo externo e não percebe aquilo que foi projetado como algo seu que considera indesejável. Pode-se imaginar a situação em um jurado que desenvolve uma antipatia gratuita e imediata a um réu ou a um testemunho, e decide a partir desta percepção. Sublimação: é a satisfação dos impulsos e desejos de maneira modificada ou transformada em atos socialmente aceitáveis. Os impulsos se manifestam sem ferir as conveniências sociais. Ex: Um funcionário satisfaz seu impulso de agredir seu chefe dando um soco na mesa quando este sai da sala.

17 Neuroses São os conflitos psíquicos expressos através de sintomas: - Fóbicos (medos intensos e irracionais – agorafobia); - Obssessivo-compulsivos (idéias obssessivas e comportamentos compulsivos); - Histéricos (manifestações clínicas no corpo - conversão); - Hipocondríacos (preocupação intensa em ter uma doença grave); - Somatização (indivíduo usa seu corpo ou sintomas corporais para fins psicológicos ou para obter ganhos pessoais;

18 Psicoses Delírios (juízos patologicamente falseados); Sensopercepção: alucinações (vivência da percepção de um objeto sem que este esteja presente); Comportamento bizarro; Pensamento desorganizado, alteração do juízo de realidade; Sintomas paranóides: idéias delirantes e alucinações auditivas de conteúdo persecutório; Perda de contato com a realidade; Principal forma de psicose: esquizofrenia;

19 Perversões Ou comportamentos anti-sociais; Reações diferentes das neuroses e psicoses pois incluem um padrão permanente de comportamentos de transgressão e não sintomas emocionais; Pessoas que se comportam de maneira oposta aos padrões da sociedade; fracasso em conformar-se com as normas sociais; Propensão por enganar, mentir, para obter vantagens pessoais; Falta de remorso ou vergonha, egocentrismo patológico; Apresentam indiferença nas relações afetivas;

20 Psicologia aplicada ao Direito Ciência que estuda o comportamento humano e os processos mentais com o objetivo de entender por que as pessoas pensam, sentem e agem da maneira que o fazem, apresenta-se como um instrumento de valor para o profissional que se dedica ao Direito porque lança luzes a respeito da compreensão das forças interiores que movem os indivíduos.

21 Psicologia aplicada ao Direito O profissional do Direito amplia sua percepção a respeito dos fatores que levam as pessoas a se comportarem da maneira como o fazem. Traz benefícios para compreender ações passadas e antecipar reações futuras, além de facilitar o relacionamento com clientes e colegas de profissão.


Carregar ppt "Psicologia Aplicada ao Direito Revisão AV1. Conteúdo -Unidade 1: Introdução ao estudo da Psicologia: Psicologia científica, objetos de estudo da psicologia,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google