A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Flávia Dumas -2008 PRINCÍPIOS MECÂNICOS: CINÉTICA E FORÇA Cinética: ramo da dinâmica que lida com as forças que produzem, param ou modificam o movimento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Flávia Dumas -2008 PRINCÍPIOS MECÂNICOS: CINÉTICA E FORÇA Cinética: ramo da dinâmica que lida com as forças que produzem, param ou modificam o movimento."— Transcrição da apresentação:

1 Flávia Dumas PRINCÍPIOS MECÂNICOS: CINÉTICA E FORÇA Cinética: ramo da dinâmica que lida com as forças que produzem, param ou modificam o movimento dos corpos. Energia cinética: quantidade de trabalho que deve ser realizado sobre um objeto para tirá-lo do repouso e colocá-lo a uma certa velocidade.

2 Flávia Dumas FORÇA Resultado da tensão que um músculo ou grupo muscular pode desenvolver quando se opõe ou vence uma resistência exterior. Resultado da tensão que um músculo ou grupo muscular pode desenvolver quando se opõe ou vence uma resistência exterior.

3 Flávia Dumas POTÊNCIA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Produto da força pela velocidade Produto da força pela velocidade Capacidade para manter uma ação muscular repetida contra uma resistência exterior sub-máxima Capacidade para manter uma ação muscular repetida contra uma resistência exterior sub-máxima

4 Flávia Dumas FORÇA EMPURRÃO (COMPRESSÃO) EMPURRÃO (COMPRESSÃO)X TRAÇÃO (TENSÃO ) TRAÇÃO (TENSÃO ) Ex: cabo de guerra Ex: cabo de guerra Sistema em estado de equilíbrio (estática) e desequilíbrio (movimento) Sistema em estado de equilíbrio (estática) e desequilíbrio (movimento) Posição: pés no solo (ação e reação)/ mão na corda (atrito) Posição: pés no solo (ação e reação)/ mão na corda (atrito)

5 Flávia Dumas TERAPEUTICAMENTE: QUATRO TIPOS DE FORÇA Gravidade ou peso das partes corporais, aparelhos como talas e gesso. Gravidade ou peso das partes corporais, aparelhos como talas e gesso.

6 Flávia Dumas TERAPEUTICAMENTE: QUATRO TIPOS DE FORÇA Músculos: produzem forças sobre segmentos ósseos por contração ativa ou por serem esticados passivamente. Músculos: produzem forças sobre segmentos ósseos por contração ativa ou por serem esticados passivamente.

7 Flávia Dumas TERAPEUTICAMENTE: QUATRO TIPOS DE FORÇA Resistências aplicadas externamente tais como polias de exercícios e resistência manual. Resistências aplicadas externamente tais como polias de exercícios e resistência manual. Atrito, que pode proporcionar estabilidade se ótimo, retardar o movimento e levar a instabilidade se inadequado. Atrito, que pode proporcionar estabilidade se ótimo, retardar o movimento e levar a instabilidade se inadequado.

8 Flávia Dumas APLICAÇÃO DESTAS FORÇAS Conseqüências secundárias: Conseqüências secundárias: compressão articular compressão articular tração (separação) articular tração (separação) articular pressão (força por unidade de área) sobre os tecidos do corpo pressão (força por unidade de área) sobre os tecidos do corpo Força grandeza vetorial Magnitude e direção

9 Flávia Dumas MEDIDA DE FORÇA – LEI DE HOOKE Para medir forças, um dos instrumentos utilizados é o dinamômetro de mola. Para medir forças, um dos instrumentos utilizados é o dinamômetro de mola. O dinamômetro de mola é constituído de uma mola helicoidal, tendo na sua extremidade superior um cursor que desliza sobre uma escala previamente graduada quando o dinamômetro é calibrado. Na outra extremidade da mola é aplicada a força (F) que se quer medir. O dinamômetro de mola é constituído de uma mola helicoidal, tendo na sua extremidade superior um cursor que desliza sobre uma escala previamente graduada quando o dinamômetro é calibrado. Na outra extremidade da mola é aplicada a força (F) que se quer medir.

10 Flávia Dumas DINAMÔMETRO

11 DINAMÔMETRO O dinamômetro funciona baseado na Lei de Hooke. Quando a deformação (x) da mola é elástica, cessando a ação da força (F) que produziu a deformação, a mola volta à posição inicial devido à ação da força elástica (Fel) intrínseca à mola. O dinamômetro funciona baseado na Lei de Hooke. Quando a deformação (x) da mola é elástica, cessando a ação da força (F) que produziu a deformação, a mola volta à posição inicial devido à ação da força elástica (Fel) intrínseca à mola.

12 Flávia Dumas A - Posição inicial da mola. B - Posição da mola deformada de uma quantidade x, quando aplicada uma força externa F. C - Posição intermediária da mola quando está voltando à posição inicial sob ação da força elástica Fel.

13 Flávia Dumas MEDIDA DE FORÇA – LEI DE HOOKE MEDIDA DE FORÇA – LEI DE HOOKE Hooke estabeleceu uma lei que relaciona a força elástica (Fel) com a deformação (x) produzida na mola que é a seguinte: Hooke estabeleceu uma lei que relaciona a força elástica (Fel) com a deformação (x) produzida na mola que é a seguinte: Enunciado da Lei de Hooke Enunciado da Lei de Hooke "A intensidade da força elástica (Fel) é proporcional à deformação (x)". "A intensidade da força elástica (Fel) é proporcional à deformação (x)".

14 AVALIAÇÃO DA FORÇA DE PREENSÃO Vários instrumentos são utilizados para mensurar a força de preensão, mais nenhum como o dinamômetro JAMAR. Desenvolvido por Bechtol, o aparelho hidráulico têm sido considerado o instrumento mais aceito para avaliar a força de preensão desde 1954, por ser relativamente simples e fornecer leitura rápida e direta, medindo a força através de um sistema hidráulico fechado (BECHTOL, 1954; KIRKPATRICK, 1956; CAPORRINO et al., 1998; JAMAR - Manual, 2000; MOREIRA et al., 200; MOREIRA et al., 2003; MOREIRA et al., 2004).

15 AVALIAÇÃO DA FORÇA DE PREENSÃO Dinamômetro JAMAR Fonte: Pesquisa do autor, 2004.

16 MATERIAIS E MÉTODOS PROCEDIMENTO Comando Tempo de Manutenção Nº de Repetições Intervalo Fonte: Pesquisa do autor, 2004.

17 LEI DE HOOKE F = K. x F – Força deformadora K – Constante Elástica X – Deformação sofrida AVALIAÇÃO DA FORÇA DE PREENSÃO Fonte: NEETS, 2003.

18 O dinamômetro JAMAR é recomendado pela Sociedade Americana de Terapeutas de Mão (SATM) para mensurar a força de aperto em pacientes com diversas desordens que comprometem os membros superiores (MATHIOVETZ et al., 1985; BALOGUM et al., 1991; CROSBY et al., 1994; McDOUGALL, 2002; MOREIRA et al., 2001). AVALIAÇÃO DA FORÇA DE PREENSÃO

19 Flávia Dumas Forças elásticas Tração – forças com sentidos relativos de afastamento Tração – forças com sentidos relativos de afastamento Compressão – forças com sentidos relativos de aproximação Compressão – forças com sentidos relativos de aproximação Flexão – ação de três forças Flexão – ação de três forças Torção – ação de pares de forças que agem em sentidos opostos Torção – ação de pares de forças que agem em sentidos opostos

20 Flávia Dumas LEIS DE NEWTON 1ª Equilíbrio 1ª Equilíbrio 2ª Massa e Aceleração 2ª Massa e Aceleração 3ª Ação e Reação 3ª Ação e Reação

21 Flávia Dumas ª Lei de Newton Todo corpo persiste no seu estado de repouso ou movimento uniforme em uma linha reta a não ser que seja obrigado a alterar esse estado por forças atuando sobre ele. Todo corpo persiste no seu estado de repouso ou movimento uniforme em uma linha reta a não ser que seja obrigado a alterar esse estado por forças atuando sobre ele.

22 Flávia Dumas ª Lei de Newton Ex: transporte de pessoa em cadeira de rodas, macas e automóveis. Ex: transporte de pessoa em cadeira de rodas, macas e automóveis. O corpo continua para frente até que uma força o faça parar. O corpo continua para frente até que uma força o faça parar. Ex:marcha Ex:marcha Força necessária para começar o movimento da coxa (flexores do quadril) e para parar o movimento (posteriores da coxa). Força necessária para começar o movimento da coxa (flexores do quadril) e para parar o movimento (posteriores da coxa).

23 Flávia Dumas ª Lei de Newton A aceleração (a) de um corpo é proporcional à magnitude das forças resultantes (F) sobre ele e inversamente proporcional à massa (m) do corpo. A aceleração (a) de um corpo é proporcional à magnitude das forças resultantes (F) sobre ele e inversamente proporcional à massa (m) do corpo.

24 Flávia Dumas ª Lei de Newton O músculo contrai (encurta) e produz a mesma quantidade de força nas fixações proximais e distais (origem e inserção). Assim, um ou ambos os segmentos podem mover-se. O músculo contrai (encurta) e produz a mesma quantidade de força nas fixações proximais e distais (origem e inserção). Assim, um ou ambos os segmentos podem mover-se. Ex: abdominal deitado para sentar. O músculo íliopsoas fixa-se no tronco e no fêmur. Ex: abdominal deitado para sentar. O músculo íliopsoas fixa-se no tronco e no fêmur.

25 Flávia Dumas ª Lei de Newton Ex: caminhar com gesso no membro inferior Ex: caminhar com gesso no membro inferior Peso (P) Peso (P) Aceleração da gravidade sobre a massa Aceleração da gravidade sobre a massa P = m g e F = ma P = m g e F = ma Ex: piscina terapêutica Ex: piscina terapêutica

26 Flávia Dumas ª Lei: Para toda força de ação existe uma força de reação igual e oposta Força atuando sobre um corpo origina- se de um outro corpo. Força atuando sobre um corpo origina- se de um outro corpo. Par interativo:corpos em contato. Par interativo:corpos em contato.


Carregar ppt "Flávia Dumas -2008 PRINCÍPIOS MECÂNICOS: CINÉTICA E FORÇA Cinética: ramo da dinâmica que lida com as forças que produzem, param ou modificam o movimento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google