A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RS Representações Sociais Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RS Representações Sociais Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação."— Transcrição da apresentação:

1 RS Representações Sociais Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

2 RS Representações Sociais Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

3 RS Representações Sociais Entende-se por Representação Social os conhecimentos, crenças, e ideias que a sociedade adquire através da interação social e através das quais se constrói uma realidade comum dentro de cada conjunto social. É através da Representação Social que o indivíduo se identifica com o seu grupo social, que adquire uma formação sociocultural que lhe facilitará a comunicação dentro do meio em que se insere, funcionando como elo de ligação entre os indivíduos e o mundo. É também a forma de identificação de um grupo. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

4 RS Superstições As superstições são crenças com uma origem remota, incluem histórias do tempo das nossas avós, provérbios populares, e métodos para garantir boa sorte e evitar o azar. A maior parte das noivas ainda leva a sério a velha superstição de usar algo velho, algo novo, algo emprestado e algo azul. O noivo não pode ver o vestido antes da cerimónia e não se poderão ver juntos ao espelho nesse dia a não ser depois do casamento. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

5 RS Crenças Aparição de N.ª Sr.ª de Fátima aos pastorinhos Três crianças afirmaram ter visto Nossa Senhora no dia 13 de Maio de 1917 quando apascentavam um pequeno rebanho na Cova da Iria. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

6 RS Lendas e Mitos O Monstro de Loch Ness, também conhecido por Nessie, é uma criatura aquática que alegadamente foi vista na Escócia no lago Ness. A sua existência, ou não, continua a suscitar debate. É um dos mistérios da criptozoologia. O monstro de Loch Ness é descrito como uma espécie de serpente ou réptil marinho. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

7 RS Lendas e Mitos Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

8 RS Representações Sociais RS baseiam-se em três critérios: Critério Quantitativo É uma forma de conhecimento socialmente partilhado. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

9 RS Representações Sociais Critério Genético Resulta da Interação Social dentro de um grupo, é coletiva; é comum a um determinado grupo de indivíduos. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

10 RS Representações Sociais Critério de Funcionalidade Contribui para a construção de uma realidade que é comum a um conjunto Social. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

11 RS Representações Sociais Componente Cognitiva Permite que o tipo de pensamento social se formule através de dois processos, a Ancoragem e a Objetivação (Moscovici, 1961). A ancoragem é a integração das novas informações dentro das representações que já estão definidas, estes juntam-se assim aos anteriores, criando novos conceitos. atribuir sentido a acontecimentos, comportamentos, pessoas, grupos ou factos sociais que assim «exprimem e constituem as relações sociais. (Moscovici 1961) Por seu lado, a objetivação permite que a nova informação, os novos conceitos, outrora abstratos passem a ser uma realidade adquirida dentro do grupo social. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

12 RS Representações Sociais Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

13 RS Representações Sociais Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

14 RS Representações Sociais Componente Afetiva Os elementos afetivos são também relevantes na elaboração das Representações Sociais, que se apresentam muitas vezes como uma exteriorização do afeto. Esta construção social da realidade é elaborada através da interação dos elementos afetivos, mentais e sociais, bem como da cognição, linguagem e comunicação. A componente afetiva tem a função de proteger e legitimar as identidades sociais. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

15 RS Representações Sociais Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

16 RS Representações Sociais Componente Social Por seu lado a função social consiste na orientação das condutas e comportamento dos indivíduos, é entendido como aquilo que é o modelo em que nos baseamos para nos comportarmos em sociedade, para desempenharmos os nossos papéis enquanto indivíduos, ao longo de vida. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

17 RS Representações Sociais Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

18 RS Representações Sociais Conclusão Nascida no campo da Psicologia Social, a teoria das Representações Sociais surge na Europa em 1961, com Serge Moscovici. São a construção de uma realidade comum, manifestando-se sob a forma de conceitos, categorias e teorias, são essencialmente fenómenos sociais que podem aparecer sob a forma de canções, provérbios, literatura, mitos e lendas, etc. Enquanto forma de conhecimento, é a reprodução daquilo que se pensa (Ferreira, 1975), poder-se-á dizer que é o conteúdo concreto apreendido pelos sentidos, pela imaginação, pela memória ou pelo pensamento, alguns autores defendem também que esta se adquire pelo senso-comum. Para além de ser o suporte básico da comunicação, na medida em que nos permite descrever, avaliar e explicar acontecimentos, é a representação social que nos ajuda a compreender o mundo e a enquadrar os novos factos e ideias que vivenciamos. Dentro das componentes das R.S. já citadas, Henry Wallon, destaca a questão da afetividade. O autor estudou o crescimento dos bebés para compreender o papel dos sentimentos e das emoções para a formação do indivíduo. Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

19 RS Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

20 RS Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

21 RS Representações Sociais Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação

22 RS Representações Sociais Bibliografia Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação


Carregar ppt "RS Representações Sociais Baptista, P., Dias, S., Pinto, V. | Unidade Curricular - Psicologia da Comunicação |UAL - Ciências da Comunicação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google