A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

COSO Campus Catu Análise e Desenvolvimento de Sistemas Seminário Aluno: João Lacerda Professor: Eduardo Teles Seminário Aluno: João Lacerda Professor:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "COSO Campus Catu Análise e Desenvolvimento de Sistemas Seminário Aluno: João Lacerda Professor: Eduardo Teles Seminário Aluno: João Lacerda Professor:"— Transcrição da apresentação:

1 COSO Campus Catu Análise e Desenvolvimento de Sistemas Seminário Aluno: João Lacerda Professor: Eduardo Teles Seminário Aluno: João Lacerda Professor: Eduardo Teles

2 2 SUMÁRIO 1.COMO SURGIU 2.O QUE É 3.O TRABALHO

3 3 COMO SURGIU Nacional Commission on Fraudulent financial Reporting; 1992 – Internal Control – integrated Framework; Posteriormente – Comission -> Comitee

4 4 O QUE É COSO– The Comitee of Sponsoring Organization ( Comitê das organizações Patrocinadas) Uma entidade sem fins lucrativos Dedicada a melhoria dos relatórios financeiros Através da ÉTICA Efetividade dos CONTROLES INTERNOS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

5 5 O QUE É Patrocinadores: AICPA – American Institute of Certified Public Accounts; AAA – American Accounting Association; FEI – Financial Executives Internacional; IIA – The institute of Internal Auditors; IMA – Institute of Management Accountants

6 6 O QUE É Integrantes: Indústria; Contadores; Empresas de Investimento; Bolsa de Valores de New York. O comitê trabalha com independência.

7 7 O TRABALHO CONTROLE INTERNO, um processo que garante atingir as metas da empresa, nas seguintes categorias: - Eficiência e efetividade operacional; - Confiança nos registros contábeis; - Conformidade.

8 8 EFICIÊNCIA E EFETIVIDADE OPERACIONAL Objetivos básicos da entidade: Meta Desempenho Rentabilidade Segurança Qualidade dos ativos

9 9 CONFIANÇA NOS REGISTROS CONTÁBEIS Toda transação deve ser registrada Todo registro deve refletir transação real

10 10 COMFORMIDADE Leis e normativos aplicáveis à entidade e sua área de atuação.

11 11 CONTROLE INTERNO Formado por 5 elementos sempre presente e inter-relacionados: Ambiente de controle Avaliação e gerenciamento dos riscos Atividade de controle Informação e comunicação Monitoramento.

12 12 AMBIENTE DE CONTROLE É a cultura de controle da entidade: Responsabilidade Limites de sua autoridade Fazer o correto, da maneira correta Envolve competência técnica Envolve compromisso ético OBJETIVOS E METAS

13 13 GERENCIAMENTO DOS RISCOS Identificação e Análise dos riscos associados ao não cumprimento das metas e dos objetivos operacionais, de informação e de conformidade Este conjunto forma a base para definir como os riscos serão gerenciados

14 14 ATIVIDADE DE CONTROLE Quando aplicada em tempo hábil permite a redução ou administração dos riscos Podem ser de prevenção ou detecção

15 15 ATIVIDADE DE CONTROLE Alçadas (prevenção) : são os limites determinados a um funcionário, quanto à possibilidade de este aprovar valores ou assumir posições em nome da instituição.

16 16 ATIVIDADE DE CONTROLE Autorizações (prevenção) : a administração determina as atividades e transações que necessitam de aprovação de um supervisor para que sejam efetivadas.

17 17 ATIVIDADE DE CONTROLE Conciliação (detecção) : é a confrontação da mesma informação com dados vindos de bases diferentes, adotando as ações corretivas, quando necessário.

18 18 ATIVIDADE DE CONTROLE Revisões de desempenho (detecção): acompanhamento de uma atividade ou processo, observando tendências.

19 19 ATIVIDADE DE CONTROLE Segurança Física (prevenção e detecção) : os valores de uma entidade devem ser protegidos contra uso, compra ou venda não autorizados.

20 20 ATIVIDADE DE CONTROLE Segregação de funções (prevenção) : É essencial para os controles internos, ela reduz tanto o risco de erros humanos quanto o risco de ações indesejadas. Contabilidade e conciliação, Informação e autorização, Custódia e inventário, Contratação e pagamento, Administração de recursos próprios e de terceiros, Normatização e fiscalização devem estar segregadas entre funcionários

21 21 ATIVIDADE DE CONTROLE Sistemas Informatizados Controles Gerais aquisição, desenvolvimento e manutenção dos programas e sistemas Controle de aplicativos Validação das informações

22 22 ATIVIDADE DE CONTROLE Normatização interna (prevenção): É a definição, de maneira formal, das regras internas necessárias ao funcionamento da entidade.

23 23 ATIVIDADE DE CONTROLE Informação e comunicação A comunicação é o fluxo de informações dentro de uma organização, entendendo que este fluxo ocorre em todas as direções – dos níveis hierárquicos superiores aos níveis hierárquicos inferiores, dos níveis inferiores e superiores e comunicação horizontal entre níveis hierárquicos equivalentes.

24 24 ATIVIDADE DE CONTROLE Monitoramento - É a avaliação dos controles internos ao longo do tempo. Ele é o melhor indicador para saber se os controles internos estão sendo efetivos ou não A função do monitoramento é verificar se os controles internos são adequados e efetivos.

25 25 CONCLUSÃO Os Controles Internos são eficientes quando a alta administração tem uma razoável certeza: 1.Do grau de atingimento dos objetivos operacionais propostos; 2.De que as informações fornecidas pelos relatórios e sistemas corporativos são confiáveis; 3.De que leis, regulamentos e normas pertinentes estão sendo cumpridos.


Carregar ppt "COSO Campus Catu Análise e Desenvolvimento de Sistemas Seminário Aluno: João Lacerda Professor: Eduardo Teles Seminário Aluno: João Lacerda Professor:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google