A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 1 ECO 720 – Fundamentos de Finanças Internacionais Aula 5. A ordem monetária e financeira de Bretton Woods.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 1 ECO 720 – Fundamentos de Finanças Internacionais Aula 5. A ordem monetária e financeira de Bretton Woods."— Transcrição da apresentação:

1 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 1 ECO 720 – Fundamentos de Finanças Internacionais Aula 5. A ordem monetária e financeira de Bretton Woods Prof. André M. Biancareli 16/04/2010

2 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 2 Objetivos principais Entender as origens de um determinado arranjo monetário e financeiro –Já vimos que se trata de: baixa mobilidade, câmbio fixo e política monetária autônoma A sua institucionalidade e as suas regras O seu real funcionamento A evolução: afirmação, auge e declínio Objetivo de fundo: contrastar com o período da globalização, atual

3 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 3 Origens: por que Bretton Woods? BW é uma cidadezinha no estado de New Hampshire, nordeste dos EUA Em 1944, realiza-se uma conferência internacional que tinha como objetivo reorganizar o mundo (em termos econômicos) após o fim da II G M

4 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 4 Origens... O que se discutia? O que se queria organizar? Pano de fundo era a experiência traumática do período entre-Guerras –Não só a guerra e o Nazi-fascismo em si Em termos econômicos, dois fantasmas 1.Recessão, depressão, desemprego em massa 2.Desvalorizações competitivas

5 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 5 Origens... 1. Consenso de que ajustes externos deveriam preservar o crescimento –Experiência traumática de tentativas de volta ao padrão-ouro pós I Guerra –Falência da ortodoxia convencional, surgimento da macroeconomia, keynesianismo etc.

6 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 6 Origens... 2. Busca de competitividade por meio das desvalorizações nacionais gerava o pior dos mundos –Forte instabilidade cambial –Tentativa de empurrar a miséria para o vizinho (beggar thy neighbour) deixava todos pobres –Aumento do protecionismo

7 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 7 Duas grandes propostas Nas reuniões preparatórias, embate entre duas propostas: –O Plano Keynes (Inglaterra) –O Plano White (EUA) Interesses imediatos e posições de poder distintos –Mas também fortes diferenças de fundo

8 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 8 O Plano Keynes Muito mais ambicioso, propunha a criação de dois elementos inovadores –A International Clearing Union, uma caixa de compensação e um grande livro caixa pelo qual passariam todas as trocas internacionais –O bancor, uma moeda exclusivamente internacional e meramente contábil, para liquidar as transações externas

9 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 9 O Plano Keynes O funcionamento do esquema garantiria a liquidez necessária para o comércio internacional Transações automaticamente compensadas, registro contábil Ao final de um período, apura-se os saldos de cada país em bancor –Se negativo (XsMs), também punição, também necessidade de ajuste!

10 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 10 O Plano Keynes Keynes preocupado com uma regra injusta e contracionista vigente: o ajuste assimétrico Ao forçar o superávitário a crescer mais, diminuiria os desequilíbrios, de maneira expansionista! Além disso, a moeda internacional não seria a moeda própria de nenhum país –Trocas internacionais não dependeriam da política do emissor dessa moeda

11 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 11 O vitorioso Plano White Bem mais modesto –Previa a criação de um fundo de estabilização para evitar as desvalorizações em caso de problemas no BP –Mantinha o atrelamento das moedas ao ouro –Como 2/3 das reservas de ouro estavam nos EUA dólar como moeda reserva Além disso, previa (como o Keynes) controles de capital e câmbio fixo

12 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 12 O vitorioso Plano White Vitória de White refletia ascensão americana e decadência inglesa EUA interessados em impor uma ordem regulada e estável, mas que atendesse às suas vantagens ao fim da guerra –Enorme competitividade industrial –Moeda reserva Propostas de Keynes parecem utópicas, mas apontam para as questões fundamentais...

13 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 13 A institucionalidade de BW FMI criado para ser o fundo de estabilização –Países contribuindo de acordo com seu peso no comércio internacional, voto ponderado Criação também do Banco Mundial, para financiar a reconstrução Proposta de criação da OIC (ITO) para o comércio, mas não avança (...Gatt)

14 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 14 A institucionalidade de BW Regras –Câmbio fixo mas ajustável diante de desequilíbrios fundamentais –Paridade US$ 35/onça ouro –Adoção da conversibilidade em conta corrente em cinco anos –Uso de controles de capital diante de fugas –Poder só retórico para o ajuste dos superavitários (cláusula da moeda escassa)

15 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 15 Os pilares de Bretton Woods Eichengreen (1996) aponta três pilares do período –Câmbio fixo e conversibilidade em ouro –FMI com algumas funções de coordenação –Uso disseminado dos controles de capital Na prática, porém...

16 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 16 O confronto com a realidade No imediato após-guerra, desejos dos americanos contrastam com a realidade Queriam exportar para o mundo (Europa) e essa precisava desesperadamente de ajuda e importações Mas... como importar se não se têm os dólares? Essa é a fase da escassez de dólares: –Dinamismo do comércio internacional depende de déficits no emissor da moeda reserva, mas esse é superavitário... –FMI não tem os recursos suficientes

17 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 17 O confronto com a realidade Solução só vai se encaminhar com duas providências estranhas às regras de BW: –Desvalorizações na Europa em 1949 (2/3 do comércio global, em média 30%) –Plano Marshall 1948: forte conteúdo geopolítico encaminhando a reconstrução Encaminhada a escassez de dólares, BW se afirma e mostra seus resultados

18 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 18 Um exemplo dos resultados

19 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 19 Depois da escassez... Plano Marshall, desvalorizações, UEP, abertura do mercado americano, forte política industrial no Japão e Europa... Resto do mundo desenvolvido rapidamente recupera a competitividade Passam a exportar para os EUA (dólares saindo de lá agora) Isso pelo lado comercial...

20 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 20 Pelo lado financeiro Fluxos de IDE americano na Europa Empréstimos de longo prazo dos bancos americanos Somados aos déficits comerciais... Vai se construindo a situação inversa, ao longo dos anos 1960: a abundância de dólares fora dos EUA

21 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 21 Um fator agravante... EUA, na tentativa de conter a perda de US$, impõem uma série de medidas: –Restrições (no início voluntárias) para saída de IDE –Equalização de juros e controles de capital Funcionam como combustível para o desenvolvimento do Euromercado de dólares –Outros fatores também determinantes

22 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 22 Um fator agravante... O Euromercado agrava o problema da abundância de dólares Circuito financeiro internacional em US$, fora do controle e da supervisão das autoridades americanas –Países da AL vão ser envolvidos, na década de 1970, nesse movimento... Mas, afinal de contas, qual o problema da abundância de US$?

23 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 23 Dois problemas relacionados 1. EUA, como emissores da moeda reserva, tinham uma vantagem em relação aos demais: –Podem ter déficit no BP sem se preocupar com o ajuste Outros países aceitam acumular ativos em US$ ao invés de ouro, são equivalentes –É até bom para o dinamismo do comércio global –Mas é um privilégio exorbitante (França), os outros têm que se adaptar –Esse é o problema do ajustamento

24 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 24 Dois problemas relacionados 2. Mas, excesso de dólares fora dos EUA, significa também... –Mais direitos sobre o ouro americano –Aos poucos, vai desaparecendo qualquer relação entre a quantidade de ouro em Fort Knox e os dólares em circulação Déficits, saídas de capital e euromercado –Vai gerando desconfiança na conversibilidade dólar- ouro –Esse é o problema da confiança

25 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 25 Dois problemas relacionados Problema do ajustamento mais o problema da confiança configuram o chamado Dilema de Triffin: País emissor da moeda reserva precisa ter déficits (saída de US$) para as trocas internacionais funcionarem bem (a liquidez é em US$), mas isso até o ponto em que surja a desconfiança no real valor do dólar em ouro...

26 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 26 A crise de Bretton Woods Anos 1960 são marcados por um longo processo de administração dessa crise de confiança na conversibilidade dólar-ouro Vários instrumentos, reuniões e medidas criados para manter a conversibilidade 1968: conversibilidade decretada só oficial (entre BCs) 1971: fechamento da golden window 1973: adoção do câmbio flutuante Um dos três pilares de BW estava derrubado!

27 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 27 A crise de Bretton Woods O segundo (controles de capital) foram sendo erodidos ao longo do tempo (inclusive pelo Euromercado) e nos anos 1970 já não existem no mundo desenvolvido –Configura-se a passagem da baixa para a alta mobilidade internacional do capital O terceiro (coordenação e supervisão do FMI) nunca funcionou na prática –Pelo menos para as economias centrais –Ele vai achar seu papel nas crises de dívida depois

28 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 28 Pós-Bretton Woods Período de crise e instabilidades nos anos 1970 –Aumento da inflação (choques do petróleo e política econômica negligente nos EUA) –Queda no crescimento e aumento do desemprego –Instabilidade de taxas reais de juros e de câmbio –Desconfianças e forte desvalorização do US$ Até que, em 1979, ocorre uma guinada na política monetária americana que vai mudar tudo, re-estabelecendo a hegemonia do US$ e dos EUA, e abrindo caminho para o período da globalização

29 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 29 Crescimento do PIB, mundo e principais países desenvolvidos, em % a. a.

30 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 30 Inflação nos Estados Unidos (variação anual do IPC, %)

31 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 31 Taxa de desemprego EUA (% da força de trabalho)

32 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 32 Taxa de Câmbio do dólar (efetiva real, 1970 Q1 =100)

33 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 33 Al é m do movimento desce-sobe do d ó lar... Nítido aumento da volatilidade

34 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 34 Preço do petróleo http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Oil_price_chronology-june2007.gif

35 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 35 Preços do petróleo

36 ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 36 Taxas de Juros nos Estados Unidos (% a. a.)


Carregar ppt "ECO - 720 Fundamentos de Finanças Internacionais 1 ECO 720 – Fundamentos de Finanças Internacionais Aula 5. A ordem monetária e financeira de Bretton Woods."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google