A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Professora Dra. Antonia Maria Nakayama. Caracterizam o pensamento tipicamente humano: ações conscientemente controladas, ações voluntárias, memorização.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Professora Dra. Antonia Maria Nakayama. Caracterizam o pensamento tipicamente humano: ações conscientemente controladas, ações voluntárias, memorização."— Transcrição da apresentação:

1 Professora Dra. Antonia Maria Nakayama

2 Caracterizam o pensamento tipicamente humano: ações conscientemente controladas, ações voluntárias, memorização ativa, comportamento intencional e pensamento abstrato. INTELIGÊNCIA PRÁTICA: capacidade de solução de problemas e de alteração do ambiente para a obtenção de determinados fins: Utilização de instrumentos e meios indiretos. Os processos mentais superiores mediados por sistemas simbólicos.

3 Os animais usam gestos e expressões faciais. Comunicam-se por contágio psicológico. Ação no mundo Sistema de signos: momento crucial no desenvolvimento humano De Biológico para Sociohistórico Ação coletiva: intercâmbio, planejamento uso de instrumentos.

4 FASE PRÉ-VERBAL DO DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO.utilização de instrumentos.inteligência prática FASE PRÉ-INTELECTUAL DO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM.alívio emocional.função social Choro, riso, balbucio da criança tem função de alívio emocional e comunicação difusa. Ação no ambiente sem a mediação da linguagem. Marta PENSAMENTO VERBAL E LINGUAGEM RACIONAL.transformação do biológico no sociohistórico A EVOLUÇÃO DO INDIVÍDUO E DA ESPÉCIE

5 PARA QUE SERVE A LINGUAGEM?

6 1.INTERCÂMBIO SOCIAL 2.PENSAMENTO GENERALIZANTE O SH cria e utiliza sistemas de linguagem para se comunicar Bebê se comunica por gestos, expressões, sons. É necessário o uso de SIGNOS compreensíveis por outras pessoas, que traduzem ideias, sentimentos, vontades, pensamentos. A linguagem ordena o real, agrupando todas as ocorrências de uma mesma classe de objetos, eventos, situações, sob a mesma categoria conceitual. Essa função torna a linguagem um instrumento do pensamento -a L. fornece os conceitos e as formas de organização do real que constituem a mediação entre o S e o O do conhecimento. Marta

7 As relações entre pensamento e palavra surgem e se constituem unicamente no processo do desenvolvimento histórico da consciência humana, sendo, elas próprias, um produto e não uma premissa da formação do homem. PSICOLOGIA ASSOCIACIONISTA Esta relação foi entendida pela velha psicologia pela simples ligação associativa que se estabelece em função da reiterada coincidência, na consciência, da impressão deixada pela palavra e pelo objeto designado pela palavra. (casaco lembra o H H lembra casaco) A associação que liga a palavra ao significado, porém, pode ser reforçada ou debilitada, enriquecida por uma série de vínculos com outros objetos da mesma espécie, pode, pela aparência ou a contiguidade, estender-se a um círculo mais amplo de objetos, ou, ao contrário, restringir esse círculo. PSICOLOGIA ESTRUTURAL Princípio da associação é substituído pelo de estrutura: A palavra e o objeto que ela nomeia formam uma estrutura única. Mais uma vez a palavra não é outra coisa senão um objeto ao lado de outros objetos.

8

9 Nenhuma dessas correntes consegue captar na natureza psicológica da palavra aquele elemento fundamental e central que faz da palavra palavra e sem o qual a palavra deixa de ser o que é: 1.a generalização nela contida como modo absolutamente original de representação da realidade na consciência. 2.consideram a palavra e o significado fora do desenvolvimento. O significado da palavra é inconstante. Todo pensamento procura unificar alguma coisa, estabelecer uma relação entre coisas. Qualquer palavra já uma generalização. O PENSAMENTO NÃO SE EXPRIME NA PALAVRA, MAS NELA SE REALIZA. Vigotsky p.409 É necessário elucidar o papel funcional do significado da palavra no ato do pensamento. Todo pensamento tem um movimento, um fluxo, um desdobramento, em suma, o pensamento cumpre alguma função, executa algum trabalho, resolve alguma tarefa.

10 O significado é um componente essencial da palavra. Um ato do pensamento. No significado da palavra é que o pensamento e a fala se unem em pensamento verbal. É no significado que se unem as duas funções básicas da linguagem: o intercambio social e o pensamento generalizante. O significado de uma palavra representa um amálgama tão estreito do pensamento e da linguagem, que fica difícil dizer se se trata de um fenômeno de fala ou de um fenômeno de pensamento. Uma palavra sem significado é um som vazio; o significado, portanto, é um critério da palavra, seu componente indispensável. Pareceria, então, que o significado poderia ser visto como um fenômeno da fala. Mas, do ponto de vista da psicologia, o significado de cada palavra é uma generalização ou conceito. E como as generalizações e os conceitos são inegavelmente atos de pensamento, podemos considerar o significado como um fenômeno do pensamento. Vigotsky

11 SIGNIFICADOSENTIDO A criança vai ajustando seus significados de modo a aproximá-los cada vez mais dos conceitos predominantes no grupo cultural e linguistico de que faz parte. A partir de definições, referências e ordenações de diferentes sistemas conceituais. O sentido refere-se ao significado da palavra para cada indivíduo, composto por relações que dizem respeito ao contexto de uso da palavra e às vivências afetivas do indivíduo. Marta

12 O pensamento não é simplesmente expresso em palavras; é por meio delas que ele passa a existir. A RELAÇÃO ENTRE O PENSAMENTO E A PALAVRA marta É um processo, um movimento contínuo de vaivém do pensamento para a palavra, e vice-versa. Nesse processo, a relação entre o pensamento e a palavra passa por transformações que, em si mesmas, podem ser consideradas um desenvolvimento no sentido funcional. O uso da linguagem como instrumento de pensamento supõe um processo de internalização da linguagem. Não é apenas por falar com as outras pessoas que o indivíduo dá um salto qualitativo para o pensamento verbal. Ele desenvolve gradualmente o discurso interior – forma interna da linguagem, dirigida a si mesmo. Um discurso sem vocalização, voltado para o pensamento com a função de auxiliar as operações psicológicas. Esse discurso tem uma estrutura peculiar, diferenciada da fala exterior (fragmentado, abreviado, contendo núcleos de significados)

13 1.ASPECTO SEMÂNTICO INTERIOR DA LINGUAGEM Começa pelo TODO, por uma oração, e só mais tarde passa a apreender as unidades particulares e semânticas. 2.ASPECTO FÍSICO SONORO EXTERIOR Começa pela PARTE, a partir de uma palavra, depois no sentido de duas palavras e uma frase simples, na concatenação de frases para redundar em proposições complexas e linguagem coordenada. PLANOS DA LINGUAGEM NO DESENVOLVIMENTO Vigotsky O pensamento da criança surge inicialmente como um todo confuso e inteiro, e precisamente por isso deve encontrar na linguagem a sua expressão em uma palavra isolada. É como se a criança escolhesse para o seu pensamento uma veste de linguagem sob medida.

14 AO TRANSFORMAR-SE EM LINGUAGEM O PENSAMENTO SE REESTRUTURA E SE MODIFICA. GRAMÁTICA A linguagem não é um simples reflexo especular da estrutura do pensamento. No desenvolvimento está adiante da lógica. Mais tarde precede a lógica. A ARTICULAÇÃO GRAMATICAL E PSICOLÓGICA DAS FRASES COINCIDEM, MAS PODEM NÃO COINCIDIR. O relógio CAIU. SUJEITO PSICOLÓGICO O RELÓGIO caiu. PREDICADO PSICOLÓGICO Na fonética, na morfologia, no léxico e na semântica, até mesmo no ritmo, na métrica e na música – as categorias gramaticais ou formais escondem categorias psicológicas.

15 COMO SE DÁ O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM?

16 A distância entre esses dois planos cresce com a idade e na tomada de consciência do significado da palavra correspondem a transição do significado para som. ASPECTOS SONORO E SEMÂNTICO DA PALAVRA SÃO UNIDADE IMEDIATA, NÃO DIFERENCIADA NEM CONSCIENTIZADA O ato de falar requer a transição do plano interior para o plano exterior, enquanto a compreensão pressupõe o movimento inverso do plano externo da linguagem para o plano interno. CONFUSÕES ACERCA DA LINGUAGEM INTERIOR 1.Imprecisão terminológica (L. I. diferente de Memória) 2.Redução ao ato habitual da fala (L. I. = linguagem não pronunciada, sem som). 3.Ampliação demasiada do tema (L. I. tudo o que precede ao ato motor de falar). A L. I. é uma linguagem para si. A L. E. é uma linguagem para os outros. A L. I não é só aquilo que antecede a L. E. ou a reproduz de memória, mas é oposta à L. E. Este é um processo de transformação do pensamento em palavra, é sua materialização e sua objetivação. Aqui temos o outro processo de sentido oposto, que caminha de fora para dentro, um processo de evaporação da linguagem no pensamento.

17 A LINGUAGEM EGOCÊNTRICA É A CHAVE PARA A INVESTIGAÇÃO DA L. I. PIAGET Acompanhamento da melodia central da atividade infantil, que nada modifica nessa melodia. Mais um fenômeno concomitante do que funcional. Permite estudo dinâmico no processo de seu desenvolvimento. De declínio natural de umas peculiaridades e lenta ascensão de outras. Vantagens do estudo da Linguagem egocêntrica CARÁTER Estrutural: aproximação com a L. I. Genético: na idade escolar transição para a L. I. Funcional: funções intelectuais semelhantes a da L. I. Não vocalizada. Exterior pelo seu modo de manifestação. Interior por suas funções e estrutura. VIGOTSKY Serve aos objetivos da orientação intelectual, da tomada de consciência da superação das dificuldades e dos obstáculos, da reflexão e do pensamento. É uma Linguagem para si.

18 A L. EGOCÊNTRICA SE INTENSIFICA, CRESCE E EVOLUI COM O CRESCIMENTO DA CRIANÇA. Tem função semelhante a da L. I. por sua função psicológica. Seu destino é transformar-se em L. I. Tem função semelhante a da L. E. por sua estrutura. As peculiaridades estruturais da L. Egocêntrica, que traduzem os seus desvios em relação à L. social e determinam sua ininteligibilidade para os outros, não declinam mas crescem com o desenvolvimento, são mínimas aos três anos de idade e máximas aos sete..não se extinguem, evoluem.revelam leis inversas de desenvolvimento em comparação com o coeficiente de linguagem egocêntrica.

19 BIBLIOGRAFIA VIGOTSKI, L.S. – A construção do pensamento e da linguagem. Editora Martins Fontes Capítulo 7. Pensamento e palavra. OLIVEIRA, M. K. – Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento um processo sociohistórico. Ed. Scipione Capítulo 3. Pensamento e linguagem. Antonia Maria Nakayama


Carregar ppt "Professora Dra. Antonia Maria Nakayama. Caracterizam o pensamento tipicamente humano: ações conscientemente controladas, ações voluntárias, memorização."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google