A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Fundamentos do Capital de Giro Líquido; Ciclo de Conversão de Caixa; Administração de Estoques; Administração de Contas a Receber.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Fundamentos do Capital de Giro Líquido; Ciclo de Conversão de Caixa; Administração de Estoques; Administração de Contas a Receber."— Transcrição da apresentação:

1 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Fundamentos do Capital de Giro Líquido; Ciclo de Conversão de Caixa; Administração de Estoques; Administração de Contas a Receber. DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

2 2 FUNDAMENTOS DO CAPITAL DE GIRO LÍQUIDO ACPC RLP e APELP e PL Análise de Liquidez Análise de Exigibilidade Análise do CCL Análise do Retorno

3 3 FUNDAMENTOS DO CAPITAL DE GIRO LÍQUIDO Quanto maior o capital de giro líquido de uma empresa, menor será sua lucratividade e menor o risco de ela não poder pagar suas obrigações no vencimento; Quanto menor o capital de giro líquido, maior será a lucratividade da empresa, e maior o risco de ela não poder pagar suas obrigações no vencimento; O objetivo da administração financeira a curto prazo é gerir cada um dos ativos circulantes e passivos circulantes a fim de alcançar um equilíbrio entre rentabilidade e risco que contribua positivamente para o valor da empresa. DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

4 4 CAPITAL DE GIRO: são os ativos circulantes, que representam a parcela do investimento que circula de uma forma a outra, durante a condução normal dos negócios; CICLO OPERACIONAL: a transição periódica de caixa para estoques, destes para duplicatas a receber e de volta para caixa, que ocorre dentro do capital circulante das empresas; PASSIVO CIRCULANTE: representa o financiamento a curto prazo da empresa, pois inclui as dívidas que terão seu vencimento em um ano ou menos; CAPITAL DE GIRO LÍQUIDO: a diferença entre ativos circulantes e passivos circulantes da empresa. DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

5 5 CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO POSITIVO: representa que parte dos ativos circulantes da empresa estão sendo financiados pelos recursos de longo prazo; CAPITAL CIRCULANTES LÍQUIDO NEGATIVO: representa que parte dos ativos de longo prazo e permanentes estão sendo financiados pelos recursos de curto prazo; De forma geral, quanto maior a margem pela qual os ativos circulantes de uma empresa cobrem suas obrigações a curto prazo, tanto mais apta ela estará para pagar suas contas nos vencimentos; Dúvidas nas Entradas de Caixa e Certeza nas Saídas de Caixa. DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

6 6 FUNDAMENTOS DO CAPITAL DE GIRO LÍQUIDO Estruturas do Capital de Giro Líquido ACPC AC PC AC PC ELP RLP ELP RLP ELP APPL APPL APPL

7 7 O investimento total de uma empresa engloba os ativos circulantes e os ativos permanentes, sendo que sua lucratividade e risco são afetados pela relação entre essas duas categorias. Análise e Planejamento Financeiro Balanço Patrimonial Ativos CirculantesPassivos Circulantes Ativos PermanentesRecursos Permanentes Decisões InvestimentosDecisões Financiamentos DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

8 8 RENTABILIDADE: relação entre receitas e custos, gerada pelo uso dos ativos da empresa nas atividades produtivas; RISCO: probabilidade de que a empresa não esteja apta a pagar suas obrigações nos vencimentos. –RISCO OPERACIONAL: risco de não se poder cobrir os custos operacionais; –RISCO FINANCEIRO: impossibilidade de efetuar os pagamentos fixos programados decorrentes de empréstimos, leasing e dividendos preferenciais. TECNICAMENTE INSOLVENTE: descreve uma empresa que não está em condição de pagar suas obrigações nos vencimentos. DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

9 9 FUNDAMENTOS DO CAPITAL DE GIRO LÍQUIDO Variações nos Ativos e Passivos Circulantes DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE AumentoRedução Aumento Redução Efeito sobre o Lucro Efeito sobre o Risco Índice Variação no Índice

10 10 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE CCL positivo significa que fundos a longo prazo estão financiando parte dos ativos circulantes. Como os custos desses recursos a longo prazo costumam ser mais caros do que aqueles de curto prazo, a empresa poderá enfrentar maiores restrições.

11 11 CICLO DE CONVERSÃO DE CAIXA Entender o ciclo de conversão de caixa de uma empresa é essencial para a administração financeira de curto prazo. OBJETIVO: Medir o período durante o qual os recursos da empresa são aplicados no Ciclo Operacional; CICLO OPERACIONAL: a transição periódica de caixa para estoques, destes para duplicatas a receber e de volta para caixa, que ocorre dentro do capital circulante das empresas; DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

12 12 Compra a Prazo de MP R$ 200 Produção Estoque de PA Caixa Saldo 00: 0,00 Saldo 01: 50,00 Vendas Á vista/prazo MP R$ 200 MO + DIF R$ 60 Custo Produto R$ 260 Impostos R$ 40 Desp. Operac. R$ 50 Vendas a Prazo R$ 420 Impostos, Custo Produto e Despesas Operacionais. R$ 350 Pagto. Empréstimo R$ 370 Captação de Recurso R$ 350 Venda à vista R$ 400 Recebimento da Venda R$ 420 Impostos, Custo Produto e Despesas Operacionais. R$ 350 Lucro R$ 50 Desp. Financ. R$ 20 PC R$ 350

13 13 Cálculo do Ciclo de Conversão de Caixa DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE CO = Ciclo Operacional; PME = Prazo Médio de Estocagem (IME); PMR = Prazo Médio de Recebimento. CC = Ciclo de Caixa; PMP = Prazo Médio de Pagamento. Relembrar é viver...

14 14 Prazos Médios... DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

15 15 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Então vejamos a representação gráfica do Ciclo de Caixa: Ciclo Operacional (CO)0 70 dias Data da Compra a Prazo PME = 40 dias Data da Venda a Prazo PMR = 30 dias Data do Recebimento PMP = 30 dias Data do Pagamento Ciclo de Caixa (CC) = 40 dias

16 16 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Fatores Internos que afetam o Ciclo de Caixa Alterações nas Políticas de Crédito; Inadimplência; Grau de Endividamento; Volume de compras; PME x PMR x PMP; Nível de ocupação do Ativo Fixo; Distribuição de lucros; Política Salarial. Fatores Externos Alterações no Mercado; Concorrência; Alterações nas bases tributárias; Inadimplência x Fatores Macroeconômicos (aumento de juros).

17 17 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Sintomas do Desequilíbrio Financeiro Insuficiência crônica de caixa; Captação sistemática de recursos. Causas Básicas Excesso de investimento em estoque; PMR > PMP; Excesso de investimento em ativos fixos; Alto giro de estoque e ciclo de produção elevado. Conseqüências Maior vulnerabilidade às flutuações do mercado; Insolvência técnica; Insolvência (concordata e falência).

18 18 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Medidas de Saneamento Aumento do capital próprio; Adequação do nível de atividade aos recursos disponíveis; Controle rígido de custos e despesas operacionais; Desmobilização de ativos ociosos.

19 19 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Administrar o Ciclo de Caixa de forma eficiente, é fundamental para a maximização da riqueza do acionista. Giro de Caixa: Quanto maior for o Giro do Ciclo de Caixa, menor será a necessidade de caixa para suportar as operações, sem no entanto, incorrer no risco da falta de recursos. Quanto menor for o Ciclo de Caixa, melhor.

20 20 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Existem maneiras de maximizar o Giro do Ciclo de Caixa, minimizando as necessidades de caixa: Aumento do giro das matérias-primas, sem faltas que resultem em perda de vendas; Diminuição do ciclo de produção; Aumento do giro de produtos acabados; Aceleração do processo de recebimento, sem perder vendas por conta de técnicas de cobrança muito agressivas; Redução do prazo concedido nas vendas a prazo; Administrar o Floating; Aumento do prazo de pagamento a fornecedores, sem prejudicar o perfil de crédito da empresa.

21 21 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Necessidades de Financiamento resultantes do Ciclo de Caixa NECESSIDADE DE FINANCIAMENTO PERMANENTE Se as vendas de uma empresa forem constantes, o seu investimento em ativos operacionais também deverá ser constante e ela terá Necessidade de Financiamento Permanente. NECESSIDADE DE FINANCIAMENTO SAZONAL Se as vendas de uma empresa forem cíclicas, o seu investimento em ativos operacionais variará ao longo do tempo conforme os ciclos de vendas e ela terá Necessidade de Financiamento Sazonal.

22 22 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE NECESSIDADES PERMANENTES: –Necessidade de financiamento para os ativos permanentes mais a parcela permanente dos ativos circulantes da empresa; –Essas necessidades permanecem inalteradas ao longo do ano; NECESSIDADES SAZONAIS: –Necessidade de financiamento para ativos circulantes temporários, as quais variam ao longo do ano. Veja o exemplo a seguir considerando os números da Companhia Aprendendo S/A.

23 23 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Mês Ativos Necessidades de Fundos Circ.Perm.Total PermanentesSazonais Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média Mensal

24 24 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Necessidade Total de Fundos Necessidade Sazonal Necessidade Permanente

25 25 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Estratégia Agressiva de Financiamento Financiam suas necessidades sazonais com recursos a curto prazo e suas necessidades permanentes com recursos a longo prazo. Utilizando os números da Companhia Aprendendo: Necessidades Permanentes: financiados com recursos a longo prazo, durante 12 meses com juros de 20% ao ano; Necessidades Sazonais: Variam durante o ano de 0 a 4.200, sendo financiadas com recursos a curto prazo. O prazo da operação será de 12 meses com juros de 15% ao ano. A taxa de juros para aplicações de saldos excedentes é de 10% ao ano.

26 26 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Estratégia Agressiva de Financiamento Cálculo do Custo de Curto e Longo Prazo da Companhia Aprendendo S/A Custo Financiamento a Curto Prazo: R$ 292,50 Custo Financiamento a Longo Prazo: R$ 2.760,00 Rendimentos sobre aplicação financeira: R$ 0,00 Custo Financeiro Total: R$ 3.052,50 CUIDADOS NO BRASIL: Com a taxa de juros de longo prazo; Modalidades de empréstimos e financiamentos.

27 27 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Estratégia Agressiva de Financiamento Considerações de Custo: A estratégia agressiva funciona com um mínimo de CCL, pois apenas a parcela permanente dos ativos circulantes é financiada com fundos a longo prazo. A estratégia agressiva é arriscada não só do ponto de vista do baixo CCL, mas também porque a empresa precisa contar tanto quanto possível com as fontes de recursos a curto prazo, para atender às flutuações sazonais nas suas necessidades de fundos. Esse aspecto do risco associado à estratégia agressiva advém do fato de que a capacidade de uma empresa para obter financiamento a curto prazo é limitada a um dado montante.

28 28 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Estratégia Agressiva de Financiamento Necessidade Total de Fundos CCL Fundos a Curto Prazo Fundos a Longo Prazo

29 29 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Estratégia Conservadora de Financiamento Financiam suas necessidades financeira projetadas com recursos a longo prazo e utilizam recursos a curto prazo, no caso de uma emergência ou de desembolsos inesperados. Difícil imaginar essa abordagem pela existência constantes de fontes de financiamento a curto prazo (fornecedores, contas a pagar, salários, governo etc.). A premissa da estratégia conservadora de financiamento é ignorar as fontes de financiamento a curto prazo. Veja o exemplo a seguir considerando os números da Companhia Aprendendo S/A.

30 30 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Estratégia Conservadora de Financiamento Utilizando os números da Companhia Aprendendo: Necessidades Máxima de Fundos: financiados com recursos a longo prazo, durante 12 meses com juros de 20% ao ano; Considerações de Custo: Custo Financiamento a Longo Prazo e Total: R$ 3.600,00 Estratégia conservadora é mais onerosa; Incide custos financeiros sobre o excesso de financiamento a longo prazo; O excesso de financiamento a longo prazo pode ser aplicado, porém a taxa de investimento ainda não compensará o excesso a diferença entre as estratégias (CUIDADO).

31 31 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Estratégia Conservadora de Financiamento Considerações de Risco: CCL de $5.000 ( – ), representando um nível muito baixo de risco para a empresa; Não exige que a empresa use sua capacidade limitada de empréstimo a curto prazo; Utiliza a capacidade de empréstimo a curto prazo para cobrir as necessidades financeiras inesperadas e evitar a insolvência técnica;.

32 32 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Estratégia Conservadora de Financiamento Necessidade Total de Fundos CCL Fundos a Longo Prazo Excesso Fundos L/P

33 33 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Conservadora X Agressiva Ao contrário da estratégia agressiva, a estratégia conservadora requer que a empresa pague juros sobre recursos desnecessários (CUIDADO). O custo mais baixo da estratégia agressiva torna-a mais lucrativa do que a estratégia conservadora, sendo contudo mais arriscada (CUIDADO). Uma situação intermediária entre essas duas estratégias deve resultar numa opção aceitável de financiamento para quase todas as empresas.

34 34 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES A Definição dos níveis de estoques que maximizem a relação lucro versus clientes satisfeitos, é na prática muito difícil de ser implementada,devido aos conflitos das áreas funcionais da empresa em procurarem objetivos mutuamente exclusivos. –Finanças = manter níveis de estoques os mais baixos possíveis; –Marketing = estoques elevados de cada um dos produtos acabados; –Produção = manter os lotes de produção em volumes elevados; –Compras = manter os níveis de estoques de matérias-primas elevados.

35 35 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Estoques como um Investimento Quanto maiores forem os saldos médios dos estoques, maiores a quantia investida e os custos envolvidos. Matérias-Primas (Itens adquiridos para uso na elaboração de seus produtos) Velocidade de suprimento; Freqüência de utilização; Investimento exigido para manter um dado nível de estoque; Características físicas da MP; Fatores macroeconômicos que afetam o preço e a quantidade ofertada.

36 36 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Produtos em Elaboração (Todos os itens que estão passando pelo processo de elaboração) Existe uma relação direta entre a duração do ciclo de produção e o nível médio de estoque de produção em elaboração, isto é, quanto maior for o ciclo de produção, maior será o nível do estoque de produtos em fabricação. Por ser este tipo de estoque de menor liquidez, deve procurar reduzir o nível desse estoque e evitar a falta do estoque ao mínimo possível.

37 37 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Produtos Acabados (Compreende os produtos já terminados mas ainda não vendidos) Normalmente, em empresas industriais, a produção ocorre antes da venda, o nível de produtos acabados é determinado pelas projeções de vendas, pela capacidade de produção e pelo nível de investimentos requeridos em produtos acabados. Existe uma relação entre o investimento em produtos acabados e o custo unitário de produção, determinado pelo tamanho dos lotes de produção, é fundamental que a empresa analise como essa relação pode maximizar seu retorno de forma a determinar as quantidades ótimas de produção.

38 38 Produtos Acabados Perecibilidade dos produtos; Duração do período de produção; Instalações de armazenamento; Volumes excessivos de capital de giro aplicados em estoques; Custos de manutenção em estoques; Proteção contra falta de matérias-primas; Proteção contra falta de mão-de-obra; Proteção contra aumentos de preços; Riscos associados a estoques de produtos acabados, tais como: quedas de preços, obsolescência de estoques, perdas ou furtos, insuficiência de procura. DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

39 39 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Relação entre Estoques e Contas a Receber As condições de crédito concedidas afetarão os investimentos em estoques e em duplicatas a receber, uma vez que maiores períodos de crédito possibilitarão que a empresa transfira itens de estoque para contas a receber. Geralmente, há uma vantagem em tal estratégia, pois o custo de manter um item no estoque é maior do que o custo de manter uma duplicata a receber.

40 40 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Técnicas de Administração de Estoques Sistema ABC Técnica de administração que classifica os estoques em três categorias, por ordem decrescente de importância, quanto ao valor dos investimentos feitos em cada uma. O Sistema ABC classifica os estoques segundo seu valor, freqüência de uso, custo de faltar e prazo de reposição. Os itens com maiores notas nessa classificação, isto é, mais caros, mais utilizados, com maior prazo de entrega e cuja falta traria maiores custos a empresa, são classificados na categoria A, os de menor importância na categoria B e o demais na C. A empresa prioriza seus esforços de controle nos itens classificados como A.

41 41 SISTEMA ABC Valor N. Itens em Estoque 0 CBA DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

42 42 SISTEMA ABC - EXEMPLO DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

43 43 SISTEMA ABC - EXEMPLO DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE

44 44 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE LOTE ECONÔMICO (BAUMOL) O modelo do lote econômico é utilizado para determinar a quantidade do pedido capaz de minimizar o custo total do estoque. Sua definição é baseada em três suposições básicas: –empresa é capaz de determinar com precisão a demanda anual para um determinado item do estoque. –a demanda anual para um determinado item é constante. –os pedidos colocados são recebidos exatamente no momento em que os estoques chegam a zero. Apesar de serem suposições bastante rígidas, elas não inviabilizam a utilização do modelo.

45 45 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Saldo Médio de Estoque Baseado na suposição que o nível de estoque cai a zero imediatamente antes da chegada de um novo pedido de suprimento e que os estoques são consumidos de forma linear. Quantidade em estoque Tempo SME = Q/2 0

46 46 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Lote Econômico Quantidade0 Custo Total Custo Manutenção Custo do Pedido Custo

47 47 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Custo Total de Manutenção É composto do investimento realizado em estoques, acrescido dos custos financeiros relativos a armazenagem, manuseio, impostos, seguros, depreciação e obsolescência. Custo Total do Pedido Representa um custo fixo que independe do volume pedido. Esses custos são representados pelas despesas incorridas com a colocação e o recebimento do pedido.

48 48 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Quantidade0 Custo Total Custo Manutenção Custo do Pedido Custo

49 49 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Redução das Limitações do Modelo do Lote Econômico Os pedidos colocados são recebidos exatamente no momento em que os estoques chegam a zero? ESTOQUE DE SEGURANÇA Uma das formas utilizadas pela maioria das empresas para evitar problemas de falta de estoque causados por atrasos de entrega, quando os custos de falta de estoque são elevados devidos a perda de vendas, problemas de produção e perdas de clientes. Nesses casos o valor do estoque médio será igual a: Estoque Médio = Q/2 + Estoque de Segurança

50 50 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE PONTO DE RESSUPRIMENTO É uma das formas utilizadas para determinar quando um pedido deverá ser feito. Na prática o ponto de ressuprimento precisa considerar o tempo de reposição necessário para fazer e receber um pedido. Esse ponto pode ser determinado da seguinte forma: PR = Tempo de Reposição em dias Consumo Diário

51 51 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE MRP (Materials Requirement Planning) Sistema que se utiliza dos conceitos do LEC e da informática para comparar as necessidades de matérias-primas no processo de produção com os saldos disponíveis em estoques, e determinar quando os pedidos deverão ser efetuados para cada item da lista de insumos de um produto. SISTEMA JUST-IN-TIME Sistema que minimiza o investimento em estoques através do recebimento dos insumos de produção no exato momento em que são requeridos na produção.

52 52 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE ADMINISTRAÇÃO DE CONTAS A RECEBER Política (Seleção) de Crédito: Elementos para concessão de crédito a um cliente; Ferramentas de marketing; Política de Crédito Ideal = Aumenta o valor da empresa, controle efetivo sobre a inadimplência e perda e política de cobrança; Cada segmento possuí uma política de crédito própria; POLÍTICA DE CRÉDITO X CAPACIDADE DE PRODUÇÃO.

53 53 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE OS CINCO C´s DO CRÉDITO Caráter: histórico de cumprimento de obrigações pelo solicitante. Capacidade: a capacidade do cliente para quitar o crédito solicitado. Capital: a solidez financeira do solicitante (relação entre dívida e patrimônio líquido). Colateral: o montante de ativos colocados à disposição pelo solicitante para garantir o crédito. Condições: as condições econômicas e empresariais vigentes, bem como circunstâncias particulares que possam afetar qualquer das partes envolvidas na negociação.

54 54 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Vendas Lucros Grau de Restrição ao Crédito

55 55 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Perdas PMC Grau de Restrição ao Crédito

56 56 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE OBTENÇÃO DE INFORMAÇÕES DE CRÉDITO Departamento de Crédito começa o processo de avaliação pelo preenchimento de formulários de informações acerca de suas referências financeiras e de crédito ou utilizando suas próprias informações históricas quanto ao comportamento deste, no tocante a pagamentos. PRINCIPAIS FONTES EXTERNAS DE INFORMAÇÕES Demonstrações Financeiras; Agências de Informações sobre crédito mercantil no Brasil; Central de Risco do Banco Central; Trocas Diretas de Informações de Crédito (CDL e empresas); Consulta Bancária (Cuidado com o sigilo bancário).

57 57 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Análise das Informações de Crédito As empresas estabelecem procedimentos rígidos para uso na análise de crédito – avaliação dos solicitantes de crédito. A Empresa deve não só determinar se pode ser concedido crédito a um cliente, mas também estimar o montante máximo de crédito que ele pode receber = Estabelecer uma LINHA DE CRÉDITO. A Empresa vendedora deve ter atenção sobre o período médio de pagamentos e comparar com as condições de crédito concedidas. TAMANHO DO CRÉDITO: A Dun & Bradstreet sugere que o valor não ultrapasse o limite de 10% do potencial financeiro estimado. TAMANHO DA OPERAÇÃO X CUSTO X BENEFÍCIO DA ANÁLISE

58 58 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Scoring de Crédito Procedimento informatizado que produz uma pontuação capaz de refletir o potencial financeiro global de um solicitante de crédito, que resulta de uma média ponderada dos pontos relativos a características financeiras e creditícias. DETERMINAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DE CRÉDITO DE UM CLIENTE Características financeiras e creditícias Pontuação (0 a 100) Peso Pré-determinado Classificação Ponderada Referências de crédito800,108,00 Casa Própria1000,1010,00 Veículo Próprio1000,1010,00 Faixa de Renda700,2517,50 Histórico de Pagamento750,2518,75 Anos de Residência900,109,00 Anos no Emprego800,108,00 Total1,0081,25

59 59 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE PADRÕES DE CRÉDITO Pontuação de CréditoProcedimento Maior que 85Conceder condições padrões de crédito De 75 a 85Conceder crédito limitado, reanalisar periodicamente. De 65 a 75Conceder crédito limitado; se a conta for mantida em ordem, conceder condições padrões de crédito após um ano. Menor que 65Venda apenas a vista.

60 60 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Gestão Internacional de Crédito Expõem a empresa a riscos cambiais. Exportações de produtos acabados Exportações de commodities Atualmente tudo expresso em US$. Impacto da moeda forte na moeda nacional.

61 61 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Mudança dos Padrões de Crédito Os Padrões de crédito de uma empresa refletem os requisitos mínimos exigidos para a concessão de crédito a um cliente. O conhecimento das variáveis-chaves, que precisam ser consideradas quando uma empresa está pensando em afrouxar ou arrochar seus padrões de crédito dará uma idéia geral acerca dos tipos de decisões envolvidas. Volume de vendas; Investimento em duplicatas a receber; Perdas com devedores duvidoso; Desconto Financeiro.

62 62 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE VOLUME DE VENDAS Alterações nos padrões de crédito: Padrões crédito afrouxados => crescimento de vendas; Padrões crédito arrochados => redução de vendas. INVESTIMENTO EM DUPLICATAS A RECEBER Quanto maior o investimento em duplicatas a receber, maior o custo de mantê-las, e vice-versa (relação com o ciclo operacional e de caixa). PERDAS COM DEVEDORES INCOBRÁVEIS O Risco de uma conta tornar-se incobrável aumenta com a maior flexibilização dos padrões de crédito NÍVEL DO DESCONTO FINANCEIRO Nível de desconto financeiro ofertado para flexibilizar as vendas.

63 63 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Relação entre aumentar o Período de Crédito e o/a: VariávelDireção da Mudança Efeito sobre o Lucro Volume de VendasAumentaPositivo Investimento em D/RAumenta Negativo Perdas com duplicatas incobráveisAumenta Negativo

64 64 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Relação entre oferecer um Desconto Financeiro e o/a: VariávelDireção da Mudança Efeito sobre o Lucro Volume de VendasAumentaPositivo Investimento em duplicatas a receber devido a clientes que não aproveitavam o desconto financeiro e que passam a pagar mais cedo. DiminuiPositivo Investimento em duplicatas a receber devido a novos clientes AumentaNegativo Perdas com duplicatas incobráveisDiminuiPositivo Lucro por unidadeDiminuiNegativo

65 65 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Relação entre aumentar o Período de Desconto Financeiro e o/a: VariávelDireção da Mudança Efeito sobre o Lucro Volume de VendasAumentaPositivo Investimento em D/R devido a clientes que não aproveitavam o desconto financeiro e que passam a pagar mais cedo. DiminuiPositivo Investimento em D/R devido a novos clientes que aproveitavam o desconto financeiro, mas que pagam mais tarde. AumentaNegativo Investimento em D/R devido a novos clientes AumentaNegativo Perdas com duplicatas incobráveisDiminuiPositivo Lucro por unidadeDiminuiNegativo

66 66 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE DETERMINAÇÃO DOS VALORES DAS VARIÁVEIS-CHAVES Dados: Preço Unitário de Venda: R$ 10,00; Unidades vendidas no último ano: ; As vendas são todas a crédito; Custo Variável Unitário: R$ 6,00; Custo Fixo Total: R$ ,00; Com a flexibilização dos padrões de crédito espera-se um acréscimo de 5% nas vendas; PMR passará de 30 dias para 45 dias; Nível de devedores incobráveis passará de 1% para 2%; Nível de descontos financeiros passará de 2% para 5%; % de Vendas que optarão pelo desconto financeiro: Continuarão 50%; Retorno exigido sobre o comprometimento de fundos: 15% ao ano.

67 67 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE E aí, podemos flexibilizar?

68 68 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Para flexibilizar, precisamos analisar o impacto nas seguintes variáveis: CONTRIBUIÇÃO ADICIONAL AOS LUCROS CUSTO DO INVESTIMENTO MARGINAL EM DUPLICATAS A RECEBER CUSTO MARGINAL COM DEVEDORES INCOBRÁVEIS CUSTO MARGINAL COM DESCONTOS FINANCEIROS Como fazer?

69 69 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE CONTRIBUIÇÃO ADICIONAL AOS LUCROS 1º PASSO: Calcular a variação da quantidade de vendas entre o Plano Proposto e o Atual: 2º PASSO: Calcular a Margem de Contribuição; 3º PASSO: Calcular a Contribuição Adicional aos Lucros.

70 70 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE CUSTO DO INVESTIMENTO MARGINAL EM DUPLICATAS A RECEBER 1º PASSO: Calcular o Giro de Recebimento (Plano Proposto e Atual):

71 71 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE CUSTO DO INVESTIMENTO MARGINAL EM DUPLICATAS A RECEBER 2º PASSO: Calcular o Investimento Marginal em Duplicatas a Receber (Plano Proposto e Atual):

72 72 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE CUSTO DO INVESTIMENTO MARGINAL EM DUPLICATAS A RECEBER 3º PASSO: Calcular o Custo do Investimento Marginal em D/R.

73 73 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE CUSTO MARGINAL COM DEVEDORES INCOBRÁVEIS 1º PASSO: Calcular o Custo Marginal dos Devedores Incobráveis (Plano Proposto e Atual):

74 74 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE CUSTO MARGINAL COM DESCONTOS FINANCEIROS 1º PASSO: Calcular o Custo Marginal dos Descontos Financeiros (Plano Proposto e Atual):

75 75 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE TOMADA DE DECISÃO SOBRE PADRÕES DE CRÉDITO Comparar a contribuição adicional aos lucros com a soma do custo do investimento marginal em duplicatas a receber e o custo marginal dos devedores incobráveis: Se a contribuição adicional exceder os custos marginais: adoto os novos padrões de crédito; Se a contribuição adicional for menor que os custos marginais: não adoto os novos padrões de crédito.

76 76 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE TOMADA DE DECISÃO SOBRE PADRÕES DE CRÉDITO Cálculo do Resultado Final das Alterações nos Padrões de Crédito CAL = ,00 CMIDR = 2.587,50 CMDI = 6.600,00 CMDF = 9.750,00 TOTAL CM = ,50 OPTAR RF > 0 NÃO OPTAR RF < 0 RF = (6.937,50)

77 77 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE MONITORAMENTO DO CRÉDITO A Política de Cobrança da empresa compreende os procedimentos adotados para cobrar as duplicatas a receber quando elas vencem. A Eficiência da política de cobrança pode ser avaliada parcialmente, observando o nível dos inadimplentes ou incobráveis. As Abordagens mais usadas para se avaliar políticas de crédito e de cobrança incluem: Prazo Médio de Recebimento Cálculo da Idade do Contas a Receber

78 78 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE AGEING DO CONTAS A RECEBER Técnica utilizada para avaliar as políticas de crédito e/ou de cobrança, a qual indica as proporções de saldos de duplicatas a receber em carteira, relativamente a períodos específicos de tempo. Período de Tempo ValorPercentual A Vencer ,00 Vencidas de 01 a 07 dias ,00 Vencidas de 08 a 15 dias ,50 Vencidas de 16 a 30 dias ,50 Vencidas de 31 a 60 dias ,00 Vencidas de 61 a 90 dias ,00 Vencidas a mais de 90 dias8.0004,00 Total Geral das Duplicatas a Receber ,00

79 79 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE POLÍTICA DE COBRANÇA – RELAÇÕES BÁSICAS Relação entre aumentar os Esforços de Cobrança e o/a: VariávelDireção da Mudança Efeito sobre o Lucro Volume de VendasNenhum ou Diminui Nenhum ou Negativo Investimento em D/RDiminui Positivo Perdas com duplicatas incobráveisDiminui Positivo Dispêndios com CobrançaAumenta Negativo

80 80 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE POLÍTICA DE COBRANÇA – PROCEDIMENTOS DE COBRANÇA Cartas Telefonemas ´s Torpedos Visitas Pessoais Empresas de Cobrança Protesto Ações Executórias de Cobrança

81 81 DECISÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO CAPITAL DE GIRO E ADMINISTRAÇÃO DO ATIVO CIRCULANTE Exercícios para Fixação Página 574: P14-1; P14-3; Página 575: P14-4; P14-6; Página 577: P14-10; P14-11 e P14-12.


Carregar ppt "1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Fundamentos do Capital de Giro Líquido; Ciclo de Conversão de Caixa; Administração de Estoques; Administração de Contas a Receber."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google