A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Alunos:Cristianne Teixeira 881.809-7 Deborah Araújo 879.246-1 Diogo Malaquias Fabrício Moreira Guilherme Ramos 881.488-0 Joabe Rodrigues Julian Miguel.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Alunos:Cristianne Teixeira 881.809-7 Deborah Araújo 879.246-1 Diogo Malaquias Fabrício Moreira Guilherme Ramos 881.488-0 Joabe Rodrigues Julian Miguel."— Transcrição da apresentação:

1 Alunos:Cristianne Teixeira Deborah Araújo Diogo Malaquias Fabrício Moreira Guilherme Ramos Joabe Rodrigues Julian Miguel Patrícia Magalhães Rafaella Rosolem Rayanne Rosa Rodrigo Vinícius

2 Frenectomia e Frenotomia A frenectomia e a frenotomia se diferem em extensão. A frenectomia (frenulectomia) é a remoção completa do freio, incluindo sua inserção ao osso subjacente. A frenotomia (frenulotomia) é a incisão do freio, ou seja, remoção parcial.

3 Objetivos Em algumas pessoas, os freios podem estar com sua inserção fora do lugar habitual, dificultando a fonação, alimentação e estética. Para corrigir esses defeitos, utiliza-se da técnica de frenectomia ou frenotomia. Freio de inserção interdentária associado a um freio; Freio de inserção papilar; Freio lingual curto.

4 Objetivos A frenectomia deve ser considerada como parte de plano de tratamento de alguns defeitos, como: Problema de limitação dos movimentos da língua e dos lábios; Fechamento ortopédico de um diastema; Posição em uma crista edêntula que dificulta a realização de uma prótese; Associação a uma falta de tecido queratinizado.

5 Indicações As indicações para frenectomia: A) Periodontais: Freio que traciona a gengiva marginal ou que impede a higiene; Freio desarmonioso para a estética do sorriso gengival; Freio associado a uma patologia periodontal. B) Biomecânicas: Freio hipertrófico associado ao fechamento ortodôntico de um diastema ântero-superior; Freio lingual curto.

6 Técnicas cirúrgicas Existem várias técnicas preconizadas pelos autores, que variam de simples para outras mais complexas. Porém, há um ponto em comum, a anestesia. Deve ser infiltrativa terminal com dupla finalidade: tirar a sensibilidade e isquemiar a área, que é ricamente vascularizada.

7 Técnicas cirúrgicas GOLDMAN (1983) preconiza a apreensão do freio com um pinça mosquito, seguidas de duas incisões verticais. Com uma tesoura periodontal, secciona-se o freio na sua base. LASCALA e MOUSSALI (1989) preconiza a incisão em dois tempos, ou seja, uma primária ou mucosa, na qual tracionam o lábio fazendo-se um incisão de 1-1,5mm no sentido mésio-distal, perpendicularmente ao rebordo alveolar; e uma secundária ou perióstica, na qual é feita a divulsão das estruturas fibro-elásticas, além de macerar o periósteo, impedindo o deslizamento da inserção gengival durante a cicatrização.

8 Técnicas cirúrgicas Segundo COSTA PINTO e GREGORI (1975), concluíram a partir de comparação com diversas técnicas, que a Técnica de Archer ou da dupla pinçagem, que é simples e rápida. Com ajuda de duas pinças hemostáticas, uma faz a apreensão do freio na porção mais próxima do rebordo alveolar enquanto a outra, na porção de mucosa labial, de tal forma que as pontas das pinças se tocam. O tecido apreendido é incisado, acompanhando a superfície externa das pinças hemostáticas.

9 Caso Clínico 1 Foto inicial do caso: freio labial curto. Pinçamento do freio e incisão. Remoção do freio. Vista após sutura.Tamanho do freio retirado.

10 Caso Clínico 2 Técnica de frenectomia associada a enxerto de mucosa mastigatória: relato de caso clínico. Sutura do enxerto no leito receptor. Conclusão do caso. Leito doador.Remoção do freio e obtenção do molde. Vista anterior do freio.

11 Caso Clínico 3 Frenectomia ou frenulectomia lingual. Remoção do freio. Conclusão do caso. Apreensão da lingua e incisão do freio. Vista lateral do freio preso. Foto inicial do caso.

12 Caso Clínico 4

13 Conclusão A partir da análise e revisão da literatura consultada e experiências clínicas, concluímos que: O freio pode ter várias inserções, e essa pode estar ou não atrapalhando alguma função; A indicação da frenectomia tem que ser feita com cautela, fazendo o diagnóstico correto; A idade ideal para se fazer, após o diagnóstico correto é por volta dos 12 anos; A técnica cirúrgica pode sofrer variações, mas as vistas aqui nesse trabalho são de bom prognóstico.

14 Bibliografia BORGHETTI, A.; MONNET-CORTI, V.; Cirurgia plástica periodontal. São Paulo: Artmed Cap. 9, p CARRANZA, N.T; Periodontia clínica. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan DUARTE, C.A.; CASTRO, M.V.M.; Cirurgia estética periodontal. São Paulo, Livraria Santos Cap.8, p DUARTE, C.A.; Cirurgia periodontal: pré-protéticae estética. São Paulo, Livraria Santos, NEIVA, T.G.G. et all; Técnica de frenectomia associada a enxerto de mucosa mastigatória: relato de caso clínico. Rev. Dental Press Periodontia Implantol., Maringá, v. 2, n. 1, p , jan./fev./mar SEIBT, G.B. et all; Frenectomia: revisão e caso clínico. RGO, 42(4): jul/ago Caso clínico 1 cedido pelos alunos Guilherme Ramos e Rayanne Rosa, estudantes da UNIP-DF. Caso clínico 3 disponível em: Caso clínico 4 cedido pelas alunas Patrícia Ladeia e Rayssa, estudantes da UNIP-DF.


Carregar ppt "Alunos:Cristianne Teixeira 881.809-7 Deborah Araújo 879.246-1 Diogo Malaquias Fabrício Moreira Guilherme Ramos 881.488-0 Joabe Rodrigues Julian Miguel."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google