A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

POLÍTICAS DE FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PERSPECTIVA HISTÓRICA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "POLÍTICAS DE FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PERSPECTIVA HISTÓRICA."— Transcrição da apresentação:

1 POLÍTICAS DE FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PERSPECTIVA HISTÓRICA

2 1º elo: Liame entre Constituição, impostos e recursos vinculados – imperial – ensino primário – prestação estatal gratuita 1824 – imperial – ensino primário – prestação estatal gratuita 1891 – (liberal) – retira a gratuidade e impõe a laicidade e o Estado como o detentor da validade dos diplomas e certificados – (liberal) – retira a gratuidade e impõe a laicidade e o Estado como o detentor da validade dos diplomas e certificados.

3 Constituição de 1934 – marco básico de uma intervenção estatal-nacional decisiva no sistema de ensino. Constituição de 1934 – marco básico de uma intervenção estatal-nacional decisiva no sistema de ensino. –Aplicação de parte da arrecadação de impostos no ensino primário. Financiamento obrigatório. (União e municípios, nunca menos de 10% e Estados e DF nunca menos de 20%). –Criação de fundos de educação. –Resposta aos anseios de renovação educacional (Manifesto dos pioneiros da educação nova)

4 Constituição (outorgada) de 1937 – retira a vinculação constitucional de recursos para a educação. Constituição (outorgada) de 1937 – retira a vinculação constitucional de recursos para a educação. Constituição promulgada de 1946: Constituição promulgada de 1946: –Retoma a vinculação de impostos – Fundo Nacional. –Distingue rede publica e privada –Retoma a obrigatoriedade e gratuidade do ensino primário. –Repõe a autonomia dos Estados na organização dos sistemas de ensino. –Sob esta Constituição deu-se a Lei 4024/61 das Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

5 Lei 4024/61. Lei 4024/61. –Permanece e se amplia por estabelecer a necessidades de metas quantitativas e qualitativas postas em um plano nacional de educação. –Bastante emendada após o golpe de 1964 revogando a vinculação dos impostos para a educação.

6 Em 1967 há a determinação da faixa etária de 7 a 14 anos para freqüentar o ensino primário, obrigatório e gratuito. Em 1967 há a determinação da faixa etária de 7 a 14 anos para freqüentar o ensino primário, obrigatório e gratuito. Em 1968 – lei 5540/68 – Reforma Universitária (AI 5) Em 1968 – lei 5540/68 – Reforma Universitária (AI 5) Constituição 1988 afirma a educação como o 1º dos direitos sociais, direito civil e político e como dever do Estado. Ensino fundamental, direito público e subjetivo e o Ensino Médio é posto como progressivamente obrigatório. Constituição 1988 afirma a educação como o 1º dos direitos sociais, direito civil e político e como dever do Estado. Ensino fundamental, direito público e subjetivo e o Ensino Médio é posto como progressivamente obrigatório. –Separação dos recursos de saúde e alimentação. –Emenda 14 de 1996, que subvincula os recursos vinculados no FUNDEF (Lei 9424/96) –Dezembro de 1996 – LDB 9394/96. –Pela Lei de 2001 o Congresso aprova o PNE. –Emenda Constitucional 53/06, cria o FUNDEB.

7 2º elo: Burocracia presente no aparelho do estado que por meio técnico, estatísticas e cálculos, ofereceu subsídio à tomada de decisões com relação às políticas educacionais. Decreto Lei 4958/42 – Fundo Nacional de Ensino Primário vinculado a um convênio – União prestaria assistência técnica e financeira. (Estados 15% chegando a 20% em 5 anos/ Municípios 10% a 15% em 5 anos) – efetivação do convênio. Decreto Lei 4958/42 – Fundo Nacional de Ensino Primário vinculado a um convênio – União prestaria assistência técnica e financeira. (Estados 15% chegando a 20% em 5 anos/ Municípios 10% a 15% em 5 anos) – efetivação do convênio. Decreto 8529/46, Lei Orgânica do Ensino Primário. Decreto 8529/46, Lei Orgânica do Ensino Primário. Decreto 37082/55, regulamentação dos recursos destinados ao Fundo do Ensino Primário (70% construções e equipamentos didáticos, 25% em alfabetização de jovens/adultos e 5% bolsas de estudos para capacitação de pessoal docente – INEP) Decreto 37082/55, regulamentação dos recursos destinados ao Fundo do Ensino Primário (70% construções e equipamentos didáticos, 25% em alfabetização de jovens/adultos e 5% bolsas de estudos para capacitação de pessoal docente – INEP)

8 LDB 1961 Confirmava a vinculação constitucional orçamentária e incumbia o Conselho Nacional de Educação à elaboração PNE. Confirmava a vinculação constitucional orçamentária e incumbia o Conselho Nacional de Educação à elaboração PNE. Conceito de custo/aluno – três níveis administrativos do poder público no financiamento da unidade escolar. Conceito de custo/aluno – três níveis administrativos do poder público no financiamento da unidade escolar. Valorização do professor e articulação da escola com a comunidade. Valorização do professor e articulação da escola com a comunidade.

9 3º elo: verificar a intervenção direta do aparato de Estado no âmbito empresarial por meio do salário-educação. Constituição de 1934 – responsabilidade das empresas com a educação escolar de seus empregados e seus filhos. Constituição de 1934 – responsabilidade das empresas com a educação escolar de seus empregados e seus filhos. Carta de 1937 – consolidação da CLT + decreto Lei 5452/43 – 1946 – 1967 – 1969 – benefícios às empresas que atendessem a essa responsabilidade. Carta de 1937 – consolidação da CLT + decreto Lei 5452/43 – 1946 – 1967 – 1969 – benefícios às empresas que atendessem a essa responsabilidade.

10 Plano Nacional de Educação tinha também como meta providenciar novas fontes de recursos: Plano Nacional de Educação tinha também como meta providenciar novas fontes de recursos: –Salário-educação ( projeto de lei que se torna lei em 1964, regulamentada em 1965 e alterada em 1966.) –Determinar o custo do ensino primário por aluno

11 Constituição de 1988 O EF terá como fonte adicional de financiamento a contribuição social do salário-educação recolhida pelas empresas na forma da Lei. O EF terá como fonte adicional de financiamento a contribuição social do salário-educação recolhida pelas empresas na forma da Lei. Resultado: pacto pela valorização do Magistério e qualidade da educação – FUNDEF – disciplinamento dos recursos vinculados e subvinculados. Resultado: pacto pela valorização do Magistério e qualidade da educação – FUNDEF – disciplinamento dos recursos vinculados e subvinculados.

12 FUNDEB Amplia o foco para a educação básica em todos os seus níveis e modalidades. Amplia o foco para a educação básica em todos os seus níveis e modalidades. Piso salarial profissional para os profissionais do magistério público* Piso salarial profissional para os profissionais do magistério público*

13 A educação é um direito público subjetivo. A educação é um direito público subjetivo. Titular: qualquer pessoa Titular: qualquer pessoa Sujeito: Estado Sujeito: Estado O não cumprimento por parte das autoridades implica em responsabilidade da autoridade competente. (art. 208, P. 2) O não cumprimento por parte das autoridades implica em responsabilidade da autoridade competente. (art. 208, P. 2)


Carregar ppt "POLÍTICAS DE FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PERSPECTIVA HISTÓRICA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google