A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Curso de Capacitação Educação Física e a Deficiência Intelectual Professor: Jorge Marcos Ramos Graduado: Educação Física Pós-graduado: Educação Física.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Curso de Capacitação Educação Física e a Deficiência Intelectual Professor: Jorge Marcos Ramos Graduado: Educação Física Pós-graduado: Educação Física."— Transcrição da apresentação:

1 Curso de Capacitação Educação Física e a Deficiência Intelectual Professor: Jorge Marcos Ramos Graduado: Educação Física Pós-graduado: Educação Física Adaptada Mestre: Ciências da Reabilitação Neuromotora

2 População com Deficiência Brasil: - 14,5% ou 24,5 milhões de pessoas; - 27% = Extrema pobreza; - 53% = São pobres.

3 População Deficiente Crescendo nos últimos anos: - Violência; - Cigarro; - Bebidas alcoólicas e drogas; (Censo 2000 / IBGE) Países em Desenvolvimento: - 10% = Algum tipo de deficiência; - Metade pessoas com deficiência intelectual. (OMS)

4 Deficiente Intelectual - 87% Deficiência Intelectual: - Reduções leves nas capacidades cognitivas e adaptativas; - Vida independente; - Integrado na sociedade; - 13% = Sérias Reduções: - Maior nível de apoios; - Integração social.

5 Pobreza X Deficiência DEFICIÊNCIA EXCLUSÃO POBREZA

6 O que é deficiência Toda e qualquer alteração no corpo humano resultante de problemas ortopédicos, neurológicos ou de má formação, levando o indivíduo a limitação ou dificuldade no desenvolvimento de algumas tarefas motoras ou mentais. (OMS)

7 Deficiência Deficiência social; (Saúde, Educação, Segurança) - Portador de deficiência X Pessoa com Deficiência - Visão Bilateral: Professor Deficiente

8 - Testes psicodiagnósticos específicos: - Médicos; - Psicológicos; - Assistentes Sociais. - Identificar os tipos de apoios; - Nº Deficientes Intelectuais = desenvolvimento do país: - 4,6% (graves) = países em desenvolvimento; - 0,5 e 2,5% = países desenvolvidos; - Ações preventivas: - Materno-infantil; - Intervenções sociais. Diagnóstico

9 Ensino Regular - Privilégio da elite; - Teoria homogeneizadora; - Processo de Democratização da educação; - Evidencia o paradoxo inclusão / exclusão; - Universalização da Educação.

10 Educação Especial - Brasil - Início na época do Império; - Em Imperial Instituto dos Meninos Cegos (Instituto Benjamin Constant – IBC); - Em Instituto dos Surdos Mudos (Instituto Nacional de Educação dos Surdos – INES); - Em Instituto Pestalozzi (Deficiência Intelectual); - Em Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE; - Em Fundamentada na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

11 Educação Física Adaptada - Início na década de 50: - Inclusão de alunos com deficiência nas aulas de Educação Física escolar. - Atualmente: - Oferecer programas individualizados; - Deficiência ou distúrbio / não teriam benefícios ideais nos programas convencionais. - Desafio Educação Física Adaptada: - Desenvolver programas para populações específicas; - Individuais ou em grupos.

12 Esporte Adaptado - Primeira década do século XX = Treinamentos e competições de futebol para surdos, na Inglaterra e nos Estados Unidos; - Em 1920 = Competições de atletismo para cegos nos Estados Unidos; - II Guerra Mundial; - Em 1946 = Estados Unidos / Inglaterra (físicas e sensoriais) - Inglaterra = Movimento reabilitação; - Estados Unidos = Rendimento e não apenas terapêutico; - Em 1950 = Associações e campeonatos mundiais.

13 Esporte Adaptado - Brasil: - Influência inglesa e norte-americana; - Em 1958 = Foram fundados clubes: - Clube dos Paraplégicos de São Paulo (Fundador Sérgio Del Grande); - Clube do Otimismo do Rio de Janeiro (Fundador Robson Sampaio). *Atletas que sofreram lesão medular em certo momento de suas vidas e tiveram a oportunidade de tratarem-se nos EUA, onde conheceram o esporte adaptado.

14 Esporte Adaptado - Atender pessoas com deficiências / atividades esportivas convencionais; - Modificadas: - Tênis em cadeira de rodas; - Natação para cegos; - Futebol para surdos; - Basquetebol em cadeira de rodas; - Atletismo; - Criadas: - Golball (esporte com bola para cegos); - Bocha para paralisados cerebrais;

15 Estrutura Nacional - CPB: Comitê Paraolímpico Brasileiro; - ABDC: Associação Brasileira de Desportos para Cegos; - ABDEM: Associação Brasileira de Desportos para Deficientes Mentais; - ABVP: Associação Brasileira de Voleibol Paraolímpico; - ANDE: Associação Nacional de Desporto para Deficientes; - CBBC: Confederação Brasileira de Basquetebol em Cadeira de Rodas; - CBT: Confederação Brasileira de Tênis.

16 Modalidades Paraolímpicas - Arco e flecha - Atletismo (pista e campo) - Basquetebol sobre rodas - Bocha - Ciclismo - Equitação - Esgrima - Halterofilismo - Tiro ao alvo - Futebol de 5 - Futebol de 7 - Natação - Tênis de mesa - Tênis - Voleibol sentado - Iatismo - Golball - Judô

17 Classificação Funcional - Inglaterra em 1944, por médicos e especialistas da área de reabilitação; - Testes neurológicos e de força muscular; (sem se preocupar com o resíduo muscular) - Volume de ação/ capacidade de realizar movimento; - Ênfase na potencialidade dos resíduos musculares; - Revisão da classificação ao longo das competições.

18 Grupos de Atletas Seis diferentes grupos: - Atleta com paralisia cerebral; - Atleta com lesão medular; - Atleta com amputação; - Atleta com deficiência visual; - Atleta com deficiência intelectual; - Les autres (inclui todos os atletas com alguma deficiência de mobilidade não incluída nos grupos acima).

19 Avaliação Deficiência Visual: - Puramente clínica, pautada em variáveis oftalmológicas: - Acuidade visual; - Campo visual. Deficiência Física e Intelectual: - Funcional, avalia-se o resíduo motor para determinado esporte (potencialidade de movimento).

20 Atletismo Provas de pista (Track) - corridas de velocidade e fundo: - T11 a T13 – deficientes visuais; - T20 – deficientes Intelectuais; - T31 a T38 – paralisados cerebrais (31 a 34 -cadeirantes e 35 a 38 - ambulantes); -T41 a T46 – amputados e les autres; - T51 a T54 – Competem em cadeiras (Polimielite, Lesões medulares e amputações).

21 Atletismo Provas de campo (Field) - arremesso, lançamentos e saltos. - F11 a F13 – deficientes visuais; - F20 – deficientes intelectuais; - F31 a F38 – paralisados cerebrais (31 a 34 -cadeirantes e 35 a 38 - ambulantes); - F40 – anões; - F41 a F46 – amputados e Les autres; - F51 a F58 – Competem em cadeiras (Polimielite, lesões medulares e amputações).

22 Goalball Blind = Cego: - B1: Cego total. - B2: Percepção de vultos, reconhecem a forma de uma mão. - Acuidade visual de 2/60 ou - Campo visual inferior a 5 graus. - B3: Conseguem definir imagens. - Acuidade visual de 2/60 a 6/60 ou - Campo visual entre 5 e 20 graus.

23 Natação Swimming = Natação: - Nado peito (SB) / Medley (SM); - S1 a S10 / SB1 a SB9 / SM1 a SM10 – nadadores com limitações físico-motoras; - S11, SB11, SM11 S12, SB12, SM12 S13, SB13, SM13 – nadadores com deficiência visual; - S14, SB14, SM14 – nadadores com deficiência intelectual.

24 Special Olympics - Década de 60: - Eunice Kennedy Shriver; - Encontros nos jardins de sua residência / Pessoas com deficiência intelectual praticassem esportes; Olimpíadas Especiais Brasil (Distrito Federal); Descredenciamento; Credenciamento junto à matriz Special Olympics International; - Special Olympics Brasil; Ong.

25 Modalidades Special Olympics - Atletismo - Basquete - Bocha - Handebol - Hockey sobre piso - Futsal - Futebol - Ginástica artística - Ginástica rítmica - Judô - Natação - Patinação sobre rodas - Tênis - Tênis de mesa

26 Treinamento Desportivo Preparar o indivíduo para participar dos eventos esportivos.

27 Novos Conceitos - No âmbito escolar; Educáveis X Não educáveis (Termo inflexível) - Prática Desportiva; D E F I C I Ê N C I A

28 Linha da Aprendizagem (VYGOTSKY, 1988) Nível de desenvolvimento Real Nível de desenvolvimento Potencial Zona de desenvolvimento Proximal

29 Professor x Aluno - O que é bom para o Professor ? - Realize o que foi solicitado; - Notas boas nas provas; - Familiares contentes. - O que é bom para o deficiente ? - Independência; - Desenvolvimento global (região afetada pela deficiência / não afetada); - Sociabilização = Torná-lo sociável; X - Socialização = sentimento coletivo de solidariedade.

30 Origem da Deficiência - Congênita X Adquirida; - Progressiva X Regressiva X Estática; - Temporária X Permanente.

31 Ensino x Aprendizagem - Características gerais: - CID = ex: F70 - Características individuais: - Nível de Atenção; - Absorção de informação; - Transformação das informações. - Seqüência pedagógica flexível: - Tempo de aprendizagem; - Alterar Seqüência de aprendizagem.

32 Escola Inclusiva - Características: - Direcionamento para a Comunidade; - Colaboração e cooperação; - Mudança papéis e responsabilidades; - Parceria com os pais; - Ambientes educacionais flexíveis; - Estabelecimento de novas formas de avaliação; - Continuidade no desenvolvimento profissional da equipe técnica.

33 Inclusão É: - Atendimento próximo da residência; - Ampliação do acesso às classes comuns; - Propiciar aos professores suporte técnico; - Classes mistas (objetivos e processos diferentes); - Estabelecer formas criativas de atuação com os alunos; - Atendimento integrado ao professor de classe comum.

34 Inclusão não É: - Levar alunos às classes comuns sem o acompanhamento do professor especializado; - Ignorar as necessidades específicas dos alunos; - Seguir um processo único de desenvolvimento ao mesmo tempo e para todas as idades; - Extinguir o atendimento de educação especial antes do tempo; - Esperar que os professores de classe regular ensinem os alunos com deficiência sem suporte técnico.

35 Postura Profissional - Entender as características individuais e descobrir como se relacionar com eles; - Elogiar sempre que possível; - Não subestimar e/ou superestimar; - Não ter receio de esclarecer as dúvidas sobre a deficiência; - Dirigir-se, sempre que possível, à pessoa deficiente; - Promover ao deficiente o reconhecimento das áreas, implementos e materiais;

36 Postura Profissional - Verbalizar de forma clara e tranqüila, não poupando detalhes e sempre seguir percepção sinestésica; - Evitar ambientes ricos em estímulos sonoros, pois geralmente trazem desorientação espaço-temporal; - Alertar, sempre que possível, quanto a sua higiene pessoal, sua vestimenta, suas expressões corporais e faciais; - Avisar sempre que chegar ou sair de perto da pessoa com deficiência.

37 Escolha Profissional Professor Professor de Educação Física Professor de Educação Física Adaptada

38 Desafios - Integração: - Ambiente escolar; - Professores; - Comunidade. - Contato: - Professores e demais funcionários da escola; - Alunos e suas famílias; - Demais áreas envolvidas no desenvolvimento dos alunos. - Reuniões mensais: - Analisar; - Discutir; - Criar novas estratégias.

39 Estimativas Futuras Aumento nº de pessoas com deficiência: - População Idosa (14 milhões / Futuro = 32 milhões): - Cerca de 8,6% são deficientes; - 3,82% deficientes Intelectuais. - Uso de substâncias nocivas; - Violência Urbana; - Gestação prematura; - Falta de assistência (pré, peri e pós-natal).

40 Pedido a DEUS... Eu pedi força... Deus me deu dificuldades para me fazer forte. Eu pedi sabedoria... Deus me deu problemas para resolver. Eu pedi prosperidade... Deus me deu cérebro e músculos para trabalhar. Eu pedi coragem... Deus me deu perigos para superar. Eu pedi amor... Deus me deu pessoas com problemas para ajudar. Eu pedi favores... Deus me deu oportunidades. Eu não recebi nada do que pedi... Recebi tudo que precisava. Deus ouviu as minhas preces.


Carregar ppt "Curso de Capacitação Educação Física e a Deficiência Intelectual Professor: Jorge Marcos Ramos Graduado: Educação Física Pós-graduado: Educação Física."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google