A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fisiologia e adaptações à treinamento em altitude Medicina do Esporte HC-FMUSP Residente: Gustavo Orrico Oreintador:Paulo Sérgio Martino Zogaib.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fisiologia e adaptações à treinamento em altitude Medicina do Esporte HC-FMUSP Residente: Gustavo Orrico Oreintador:Paulo Sérgio Martino Zogaib."— Transcrição da apresentação:

1 Fisiologia e adaptações à treinamento em altitude Medicina do Esporte HC-FMUSP Residente: Gustavo Orrico Oreintador:Paulo Sérgio Martino Zogaib

2 Altitude Década de 50 Realizados primeiros estudos com hipóxia artificial ( J.Counsilman,EUA: Retencão artificial da respiracão) Década de 60: XIX Jogos Olímpicos, México (2240 m) 1970 – Copa do Mundo de Futebol Década de 80: Transfusões sanguíneas Década de 90: EPO artificial

3 Altitude Altitude moderada: 1500 a 3500m Alitude elevada: 3500 a 5500m Altitude extrema: acima de 5500m Efeitos sensíveis ao repouso

4 Altitude Ambiente físico: Menor pressão atmosférica(Hipobárico) Aumento da radiacão solar (raios UV) Diminuicão da umidade (seco) Diminuicão da temperatura (frio) Diminuicão da densidade do ar (rarefeito)

5 Altitude Pressão atmosférica: Embora o oxigênio apresente os mesmos 21%, na altitude ocorre uma menor pressão atmosférica. As moléculas de O2 estão mais separadas, o que dificulta a respiracão (Hipóxia hipobárica) Separadas maior volume Pressão atmosférica é menor que 1 atm(<760mmHg) ( Hipobárico)

6 Altitude Lei de Boyle-Mariotte: O produto entre P e V de um gás é constante, sendo inversamente proporcionais. ρ1. V1 = ρ2. V2 Lei de Dalton: A pressão total de um gás é igual a soma das pressões parciais de cada gás na mistura. Pressão total = PO2 + PCO2 + PN Pn

7 Altitude Garrafa – 3600m Garrafa – nível do mar Chegada de um desodorante a altitude extrema

8 Altitude Respostas à hipóxia hipobárica: Corpo carotídeo( quimioreceptores) acarreta uma resposta ventilatória ( FR), podendo ocorrer alcalose respiratória Vascularizacão pulmonar responde à hipóxia com uma vasoconstriccão (melhor V/Q) Inducão renal de aumento na producão de EPO ( massa de glóbulos vermelhos) e angiogênese

9 Altitude Efeitos agudos da altitude sobre o organismo: FR Perda de CO2 devido a hiperventilacão, causando uma alcalose respiratória. Ocorre também uma vasoconstriccão pulmonar. Pulmão normal Vasoconstriccão hipóxica

10 Altitude Efeitos agudos da altitude sobre o organismo: Aumento na quantidade de hemoglobinas, aumento da secrecão de EPO renal, aumentando a capacidade de transporte de O2. Aumenta a viscosidade sanguínea( Ht) com reducão do volume de ejecão(plasmático) Aumento da FC ( aumento da atividade simpática), aumento da secrecão de EPO renal Tentativa de manutencão do DC, manter oxigenacão pulmonar

11 Altitude Hemoglobina apresenta 4 subunidades, se uma molécula de O2 se junta a uma subunidade,as outras tornam-se mais acessíveis/aderentes ao O2. Essa funcão dá a característica em S da curva de dissociacão de hemoglobina Variáveis fisiológicas alteram a afinidade da hemoglobina por O2: Temperatura, CO2, H+, 2-3 DPG(difosfoglicerato)

12 Altitude Curva de dissociacão

13 Altitude Desvio para direita demonstra uma menor capacidade de ligacão ao O2, menor oxigenacão pulmonar porém com liberacão aos músculos mais fácil. Ao se elevar muito rápido a curva desvia para direita (devido ao 2-3 DPG).Em altitudes extremas ela desvia para a esquerda devido a diminuicão do CO2 sanguíneo.

14 Altitude Para amenizar tais efeitos deve-se realizar um período de aclimatacão prévio(ideal 1-3 semanas, 500m ao dia, com subidas diurnas e retorno noturnos) Aclimatizacão:exposicão intermitente do indivíduo a condicões ambientais artificiais Aclimatacão: resposta do indivíduo a alteracões ambientais naturais Em altitudes extremas o ideal gira em torno de 90 dias

15 Tipos de hipóxia Hipóxia hipobárica natural (altitude) Hipóxia hipobárica artificial (câmaras barométricas e tendas hipobáricas) Hipóxia normobárica por re-inspiracão Hipóxia normobárica (extracão de O2 ou adicão de N2)

16 Tipos de treinamento Exposicão permanente: Live High – Train High: máxima exposicão,sem evidências de efeitos benéficos ao nível do mar Live low – Train low: treino com suplmento de oxigênio. Dados demonstram que o treino com hiperoxigenacão pode aumentar a performance??

17 Tipos de treinamento

18 Exposicão intermitente: Live low- Train high: uso esporádico de hipóxia associado a sessões de treino. Treinos com intensidades menores, alguns atletas relatam sensacão de perda de condicionamento. Live high – Train low: Teoria da aclimatacão do corpo levando a manutencão ou aumento do treino ao nível do mar. Altitude >12 h ao dia e no mínimo 3 semanas

19 Equipamentos Live high – Train low: (sleep high – train low) 1. Câmara de altitude: Tubo cilíndrico hipobárico Simula altitudes de 4575m

20 Equipamentos 2. Sistema hipóxico de tendas: Pode ser instalada sobre a cama Simula altitudes aproximadas de 4270m

21 Treinamento Nível do mar permite o uso de cargas maiores Uso de equipamentos: custo muito elevado Verificar a individualidade: Alguns atletas podem sentir ou não tais alteracões (responders x nonresponders)

22 Reportagem Globo Esporte Absolutamente tudo sobre esporte! Atualizado em 28/09/ h25 Adriano está preparado para a altitude: Ele é um animal, diz fisiologista Físico privilegiado faz comissão do Fla dispensar tratamento especial Dia 11 de outubro, Adriano terá de encarar os metros de altitude de La Paz na partida contra a Bolívia pelas eliminatórias da Copa do Mundo. No Flamengo, a preocupação com os efeitos da altitude sobre o jogador é mínima. Tudo por causa do físico privilegiado. - Ele é um animal. Por isso, o trabalho é normal – explicou o fisiologista Paulo Figueiredo. A parte cardiológica fica sob responsabilidade de Serafim Borges, médico do Fla e da seleção. Ele ministra o uso de vitaminas que facilitam a adaptação ao ar rarefeito. Por causa da convocação, Adriano perderá as partidas contra Vitória (dia 7, no Barradão) e São Paulo (dia 10, no Maracanã). Eduardo Peixoto Rio de Janeiro

23 Fla busca empate heróico na altitude na estréia na Libertadores O Flamengo se salvou da derrota no início de sua caminhada rumo ao sonhado bicampeonato da Libertadores. Nesta quarta-feira, na Bolívia, numa altitude recorde de quase metros, o time sofreu com o ar rarefeito, levou dois gols, mas se superou no segundo tempo e arrancou um empate heróico por 2 a 2 com o Real Potosí-BOL, na sua estréia no torneio. Altitude recorde Considerada uma das cidades mais altas do mundo, Potosí chega a ter mais de metros de altitude, mas o estádio onde foi realizada a partida - que mais parecia um canteiro de obras por reformas inacabadas e tem um gramado muito ruim - fica a De qualquer forma,nenhum time brasileiro jamais havia jogado tão alto. O que chegou mais perto foi o São Paulo, que enfrentou o também boliviano San José, em Oruro, a metros de altitude, na Libertadores de Redação-Rio de Janeiro 14/02/ h43

24

25

26 Treinamento Recurso ergogênico?? Doping??

27 Doenca das altitudes elevadas Fatores de risco: Velocidade de ascensão Altitude alcancada Tempo de permanência Aclimatacão incompleta Mal Agudo das montanhas(AMS) Edema pulmonar de altitudes elevadas (HAPE) Edema Cerebral das altitudes elevadas (HACE)

28 AMS Pessoa não aclimatada,acima de 2500m,subidas muito rápidas,etiologia inconclusiva Inevitável acima de 4000m Sintomas: Cefaléia,ataxia,desidratacão,dor de dente nas alturas,náusea,vômitos,flatulência,cegueira, letargia,tonturas,queimaduras,hipotermia, congelamento, alteracão do sono

29 AMS Prevencão com aclimatacão Uso de acetazolamida,iniciar 1 dia antes subida mg/dia Acetazolamida (inibidor da anidrase carbônica), acarretar uma bicarbonatúria (acidose metabólica) e consequentemente diminuicão da alcalose respiratória

30 AMS

31 Pode diminuir a respiracão periódica Cheyne-Stokes

32 AMS EM CERTOS VALES MONTANHOSOS CRESCE UMA PLANTA DENOMINADA COCA, QUE OS ÍNDIOS APRECIAM MAIS QUE O OURO OU A PRATA. A PROPRIEDADE ÍMPAR DESTA PLANTA, PELO QUE MOSTRA A EXPERIÊNCIA, RESIDE NO FATO DE QUE TODOS AQUELES QUE MASCAM SUAS FOLHAS, DEIXAM DE SENTIR FRIO, FOME E SONO. Dr. De Zarte 1555

33 Fisiologista explica efeitos do 'chá de coca São-paulino Turíbio Leite acredita em descuido da delegação santista O doutor Turíbio Leite de Barros, fisiologista do São Paulo, explicou à reportagem sobre os efeitos causados pelo "chá de coca", supostamente consumido pelo volante Rodrigo Souto, do Santos, flagrado no exame antidoping da partida contra o San José (BOL), em Oruro, na primeira fase da Copa Libertadores. -Na Bolívia é muito comum e hábito cultural do boliviano o chá produzido com folhas de coca. Eles vendem em tudo quanto é lugar. Você pode até comprar no aeroporto. O "chá de coca" alivia a sensação de desconforto causada pela altitude. Diminui os efeitos causados por ela, como a cefaléia e a tontura. A folha de coca dá um efeito de dilatação no cébebro. Alivia um pouco o desconforto. -24/06/ :28:46

34 AMS Uso de AAS?? Uso de sildenafil,tadalafil: Inibidores da 5-fosfodiesterase, tratamento de disfuncão erétil e usado em altitude. Inibem a vasoconstriccão pulmonar hipóxica, diminuindo a hipertensão pulmonar e um possível edema intersticial Evitar uso frequente, pelos montanhistas, para aumento de performance.(cefaléia?)

35 HAPE Edema pulmonar: vasoconstriccão pulmonar excessiva, aumento na pressão capilar pulmonar não-homogênea com extravazamento de líquido para meio intersticial Tosse com expectoracão: pode ocorrer fratura de costelas (tosse Khumbu) Pneumonia Retorno e tratamento em câmaras hiperbáricas e oxigenacão

36 AMS / HAPE Uso de dexametasona: Melhora a disfuncão endotelial (artérias pulmonares), estimula vasodilatacão, aumenta a atividade da óxido nitríco sintetase e da concentracão de NO. Inibe uma aumento da PCReativa, possívelmente evitando uma maior reacão inflamatória

37 HACE Forma mais grave do AMS Perda de consciência,ataxia,alucinacões,coma Raramente abaixo dos 4000m Retorno ao menor nível, uso de O2 e dexametasona

38

39 Bibliografia Cohen,M: Medicina do Esporte:22, ;2008. Zogaib,PSM:Doping. Cemafe,2004 J.Stray-Gundersen, B.D. Levine: Positive effects of intermitent hypoxia. J Appl Physiol 199: ;2005. J.Stray-Gundersen, B.D. Levine:Living high-training low. J Appl Physiol,91: ;2001. Rubin L.J, Naejie R: Sildenafil at high altitude. Annals of Internal Medicine:141,3;2004. Mazzeo,R.S: Physiological responses to exercise at high altitude. Sports Med:38,1-8;2008. Leaf,D.E, Goldfarb,D.S: Mechanisms of action of acetazolamide.J Appl Physiol:102, ;2007


Carregar ppt "Fisiologia e adaptações à treinamento em altitude Medicina do Esporte HC-FMUSP Residente: Gustavo Orrico Oreintador:Paulo Sérgio Martino Zogaib."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google