A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Orientação de Monografia I 9º. Período- Direito Profa. Ms. Raquel Maracaípe de Carvalho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Orientação de Monografia I 9º. Período- Direito Profa. Ms. Raquel Maracaípe de Carvalho."— Transcrição da apresentação:

1 1 Orientação de Monografia I 9º. Período- Direito Profa. Ms. Raquel Maracaípe de Carvalho

2 2 Ementa : Análise do texto e regras da ABNT; Formalização de trabalhos acadêmicos; Acompanhamento ao aluno durante o processo de elaboração de seu Projeto de TCC; Início da redação da monografia; Entrega do primeiro capítulo do TCC.

3 3 Historicidade do Conhecimento Conhecimento humano – formado a partir de explicações para vários questionamentos; Construção de saberes – garantiam sobrevivência física do Homem e supriam seu desejo em ter sua vida facilitada: automóveis, telefone, rádio, computador – Maior explosão tecnológica da história da humanidade. Grande alteração na vida do Homem.

4 4 O HOMEM E O CONHECIMENTO O homem é um ser cognitivo; O conhecimento existe como forma de solução de problemas próprios e comuns à vida; O conhecimento tem como objetivo a busca da verdade – processo dinâmico e inacabado; Envolve inteligência, forças impulsoras e instintivas, emocionais, capacidade de pensar, refletir e consciência de si mesmo.

5 5 NÍVEIS OU TIPOS DE CONHECIMENTO Conhecimento Empírico Conhecimento Filosófico Conhecimento Teológico Conhecimento Científico

6 6 EMPÍRICO Popular, vulgar ou senso comum; É o conhecimento obtido pela experiência cotidiana; É espontâneo, sensitivo, subjetivo, superficial, destituído de método; É um conjunto de informações não-sistematizadas que aprendemos por processo formais, informais e, às vezes, inconscientes, e que inclui um conjunto de valorações. São as lendas, crenças, costumes, superstições...

7 7 FILOSÓFICO Se interessa pelas questões que dizem respeito à reflexão humana, iluminada pela razão, e em busca das causas mais profundas; Procura responder às grandes indagações do espírito humano; Segue essencialmente o método racional; A ciência procura descobrir o como, a filosofia tem como objetivo descobrir o porquê.

8 8 TEOLÓGICO ou RELIGIOSO Baseia-se na verdade revelada; É uma reflexão racional e sistemática que pressupõe a fé; As verdades são indiscutíveis, inquestionáveis e infalíveis, pois consistem em revelações da divindade. A adesão das pessoas passa a ser um ato de fé; O objeto – os dados da fé.

9 9 CONHECIMENTO CIENTÍFICO Busca constante de explicações e soluções; Exige a utilização do método científico - processos, técnicas especiais para a análise, compreensão e intervenção na realidade; É um conhecimento falível – por não ser definitivo, absoluto ou final – a ciência é sempre dinâmica.

10 10 Senso Comum Não utiliza metodologia de pesquisa; Baseado na sabedoria popular; CHC intuitivo / espontâneo; Subjetividade (minha experiência). CHC Científico Utiliza metodologia de pesquisa; Baseado na investigação científica; Métodos e técnicas específicas; Objetividade (neutralidade); Objeto específico; Linguagem rigorosa; Processo cumulativo de CHC. Tipos de Conhecimento

11 11 CIÊNCIA – Conceito Conjunto de atitudes e atividades dirigidas ao conhecimento com objeto limitado; Tem método próprio – Método Científico – como caminho próprio de explorar a realidade. O conhecimento científico é: Racional – conceito, raciocínios; Transcendente – vai além dos fatos observados; Sistemático – constituído por sistemas de idéias; Cumulativo – contínua seleção de conhecimento; Crítico – se apóia em bases sólidas e claras.

12 12 Para fazer ciência é necessário ter humildade na compreensão de que um passo em busca da verdade é apenas um pequenino passo, de que a verdade científica estabelecida é sempre parcial e provisória. (SEVERINO, 2002, p. 29)

13 13 METODOLOGIA Deve indicar e descrever o tipo de pesquisa, os métodos mais utilizados, as técnicas e os procedimentos que serão adotados para se encontrar as respostas às perguntas formuladas e se chegar aos resultados esperados - a verdade. Não existe métodos e tipos de pesquisas isolados uns dos outros, é necessária uma verdadeira combinação de métodos e de diferentes tipos de pesquisa para dar conta do complexo mundo das investigações científicas.

14 14 METODOLOGIA 1. PESQUISAS 2. MÉTODOS 3. TÉCNICAS

15 15 1. PESQUISA – Conceitos : Procedimento sistemático e crítico que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento. O embrião da pesquisa é o conhecimento, é o questionamento. Ao resultado de uma pesquisa não de pode atribuir verdade absoluta, pois as descobertas são sempre renovadas, questionadas, recicladas, atualizadas... Desenvolver uma Pesquisa – planejamento (etapas).

16 16 TIPOS DE PESQUISA Quanto à finalidade Quanto ao objetivo

17 17 QUANTO À FINALIDADE: a) Básica – voltada para o avanço da ciência. b) Aplicada – voltada pra a solução de problemas específicos.

18 18 QUANTO AO OBJETIVO: a) Pesquisa Exploratória: Bibliográfica / documental Principal Finalidade: - Desenvolver e esclarecer conceitos e idéias, com o objetivo de se formular problemas e hipóteses mais precisos; - Explicar o problema pelas teorias existentes; - Conhecer o que já foi estudado sobre o tema (visão geral); - Realizada quando o tema é pouco explorado - conhecer mais sobre o objeto de estudo.

19 19 b) Pesquisa Descritiva ou de campo: - É um estudo descritivo ou correlacional, pois estuda as relações entre duas ou mais variáveis de um fato; - Descreve as características de determinada população ou fenômeno. Ex: Estudar o rendimento escolar de alunos de uma escola pública – Observar todas as variáveis dessa turma: idade, peso, estatura, profissão dos pais, repetências, classe social, etc. - Inclui pesquisas de opinião, crenças e atitudes de uma população. Pesquisas descritivas + exploratórias = mais utilizadas quando o intuito é a atuação prática.

20 20 c) Pesquisa Explicativa ou experimental: Objetivo: -Identificar os fatores que determinam ou que contribuem para ocorrência dos fenômenos; -Explica a razão, o porquê das coisas; -O estudo experimental exige um planejamento rigoroso: formulação exata do problema, das hipóteses e das variáveis – exatidão e controle. -Ciências naturais – método experimental.

21 21 2. MÉTODOS Método: Processo a ser seguido, ou seja, caminho a ser percorrido, tendo em vista o objetivo a ser atingido; É a forma de conhecer, descrever e predizer fenômenos ou investigar fatos à procura da verdade; Etimologicamente tem o significado de caminho para se chegar a um lugar.

22 22 MÉTODOS DE PESQUISA Método Dedutivo (ou Racional) Os fatos ou fenômenos a que se aplica esse método não são passíveis de comprovação experimental – não depende de observação – experimentação. O conhecimento é atingido a partir das conclusões das demais ciências – por meio de deduções. Parte do geral / universal para o particular. Exemplo: -Todo mamífero é vertebrado (premissa maior/geral) -Ora, todo homem é mamífero (premissa menor) -Logo, todo homem é vertebrado (conclusão partic.)

23 23 Método Indutivo Consiste num processo inverso ao dedutivo, pois parte de dados/premissas particulares para chegar a premissas gerais. A abordagem indutiva depende da observação e experimentação. Exemplo: -Vi dois policiais batendo violentamente num marginal. -Logo, (todos) os policiais são violentos. As pessoas tendem a generalizar características comuns, a partir de alguns casos observados superficialmente – é a generalização apressada.

24 24 Método Hipotético-dedutivo - A ciência é hipotética e provisória e não conhecimento definitivo, pronto e acabado. - Tal método conta com hipóteses (suposições) que podem ser confirmadas ou refutadas. E o saber adquirido é sempre provisório, passível de contestação, transformação e reformulação. - É um método de tentativas e erros. Se quero estudar o comportamento de uma criança, tenho hipóteses (gerais) que posso comprovar ou não e daí vou chegando a deduções (particulares).

25 25 Método Quantitativo Caracteriza-se pelo emprego da quantificação tanto nas modalidades de coleta de informações, quanto no tratamento delas por meio de técnicas estatísticas (tabelas, gráficos, números...). Busca garantir a precisão dos resultados, evitar distorções de análise e interpretação, evitando interferências carregadas de subjetividade. (Ciências Naturais...).

26 26 Método Qualitativo A abordagem qualitativa é a forma mais adequada para entender a natureza de um fenômeno social (Ciências Humanas e Sociais). Estabelecer sentido e significação que estão para além da aparência dos fatos e são impossíveis de serem captados por índices quantitativos ou ligações estatísticas; Permite a compreensão de fenômenos que são produtos mentais, culturais, subjetivos, ideológicos...).

27 27 3. TÉCNICAS Referem-se aos procedimentos, instrumentos concretos empregados pelo pesquisador para levantar os dados e as informações necessárias para esclarecer o problema que se está pesquisando. São comportamentos e instrumentos empregados na realização de operações de pesquisa. Ex: ato de registrar dados / técnicas de coleta e análise de dados).

28 28 Técnicas e procedimentos mais utilizados *Coleta e tabulação de dados Entrevista – é o diálogo entre pesquisador e entrevistado (face a face) – colher dados importantes. Questionário – série orientada de perguntas que devem ser respondidas por escrito, guardando o anonimato do sujeito. Observação – é ficar atento a todas as informações sobre os dados do problema. Fotografia / imagens / gravuras /desenhos...

29 29 Coleta e tabulação de dados Para coleta de dados é necessário manter o foco da pesquisa, ter um plano de coleta, elaborar perguntas orientadoras, definir o universo a ser pesquisado, elaborar instrumentos de coleta, definir onde, quando e modo de organização. Os dados coletados podem ser tabulados e apresentados utilizando-se séries estatísticas, tabelas, gráficos, quadros, diagramas, ilustrações, figuras ou representação escrita.

30 30 O QUE É UM PROJETO DE PESQUISA? Um projeto de pesquisa serve para mapear um caminho a ser seguido durante a investigação; É o planejamento de uma ação a ser empreendida; Deve responder as seguintes perguntas: - O que pesquisar? - Por que pesquisar? - Para que pesquisar? - Como pesquisar? - Quando pesquisar? - Com que recursos? E pesquisado por quem?

31 31 Elaboração do Projeto de Pesquisa (etapas): 1) Escolha e delimitação do tema (assunto): - O tema ou assunto é o fato (objeto) que se deseja estudar; - Depende dos motivos (os porquês) e dos objetivos (para que); Um tema / assunto deve levar em consideração: Inclinações pessoais do pesquisador (motivação); Disponibilidade de tempo, recursos financeiros... Um objeto que tenha relevância científica; O assunto será o objeto da pesquisa.

32 32 Escolha do Tema: a)Desenvolver o hábito de leitura b)Fazer uma lista de possíveis temas c)Delimitar tema ou objeto de estudo d)Levar em conta o próprio interesse e)Manter-se aberto ao diálogo f)Sentir-se seguro(a) da escolha g)Expressar o tema em um título conciso e objetivo

33 33 2) Justificativa e viabilidade do tema: - Relevância social e científica do tema; -O tema é viável? Existe material bibliográfico para pesquisa / consulta?

34 34 3) Formulação do Problema: - Transformar o assunto/tema escolhido em problema; - Surge de uma curiosidade a respeito de algo; - A pesquisa gira em torno da solução do problema; - Geralmente é apresentado de forma interrogativa.

35 35 Como Problematizar: a)Descrever de maneira simples e direta: Problematizar é levantar questões sobre o tema. Devem ser utilizadas palavras-chave relacionadas ao tema, procurando expressar em poucas linhas a situação-problema. b)Formular Questões: Conjunto de questões que mostrem a relação da pesquisa com o seu campo de estudos. Questões devem ser relevantes, viáveis, originais, adequadas ao tempo e aos recursos que se dispõe. Pergunta central desdobrada em perguntas secundárias.

36 36 4) Levantamento de Hipóteses: - É uma tentativa provisória (suposição) para explicar ou responder a determinado problema (teoria); - Problema e Hipótese – interligados; - Hipóteses - forma positiva, no sentido de responder à questão formulada no problema.

37 37 - A hipótese surge após formulação do problema; - É uma verdade pré-estabelecida, com o apoio de uma teoria; - Os fatos poderão verificar ou não a hipótese; - Pode ser confirmada ou não – não invalida o estudo; - Indica caminhos ao investigador sobre o que ele quer pesquisar.

38 38 5) Enunciado dos Objetivos: -Para que fazer? Qual a finalidade? -Uso do verbo no infinitivo: Estudar, analisar, determinar, verificar, caracterizar... Objetivo Geral : visão global / abrangente. Objetivos Específicos : mais delimitado/ específico.

39 39 Relação Resultado-Verbo Resultado Intelectual Verbos Utilizado Conhecimento Identificar, classificar, descrever, etc. Compreensão Compreender, explicar, discutir, etc. Aplicação Aplicar, examinar, diferenciar, etc Análise Analisar, examinar, diferenciar, comparar, etc. Síntese Reunir, organizar, articular, etc. Avaliação Avaliar, apreciar, comparar, etc.

40 40 6) Referencial Teórico-Metodológico: Constitui a teoria ou as teorias que sustentarão conceitualmente a pesquisa. (Importância do levantamento bibliográfico). -Levar em conta os seguintes aspectos: a)Relação do problema da pesquisa com o referencial teórico escolhido; b)Relação das hipóteses e dos objetivos levantados no projeto com a teoria que se pretende desenvolver.

41 41 Vários termos indicam esse passo da pesquisa: Referencial teórico, quadro ou marco teórico, base teórica, modelo conceitual, fundamentação ou concepção teórica. Teoria ou teorias que fornecerão a orientação geral da pesquisa. Constitui o universo de princípios, categorias e conceitos, formando sistematicamente um conjunto logicamente coerente, dentro do qual o trabalho do pesquisador se fundamenta e se desenvolve. (SEVERINO, 2002, P.162)

42 42 Como Facilitar a Fundamentação Teórica : a)Identificar as teorias utilizadas por outros pesquisadores b)Ter clareza nas definições conceituais c)Localizar fontes de consulta d)Fazer uma leitura crítica das principais fontes e)Definir fundamentação teórica f)Ser organizado

43 43 7) Cronograma: Orienta o pesquisador quanto ao tempo que vai gastar em cada etapa, desde a apresentação do projeto de pesquisa para a aprovação do seu orientador, até a defesa pública.

44 44 Fevereiro Pesquisa bibliográfica e documental Levantamento bibliográfico Seleção e leitura do material Março Coleta de dados (entrevistas, aplicação de questionários, visitas a arquivos, etc.) Tabulação e análise dos dados coletados Escrita do texto Abril Escrita do texto Revisão do texto Apresentação à banca

45 45 8)Referências Bibliográficas ou Bibliografia: Deve conter a indicação de todos os documentos / fontes que foram efetivamente citados no corpo do trabalho. Forma de lista e em ordem alfabética; Digitadas com espaço simples e separadas uma da outra por espaço duplo e com alinhamento à esquerda.

46 46 Referências: Composto pela lista de publicações efetivamente citadas no desenvolvimento do Projeto de Pesquisa. Observar padrões definidos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) em vigor à época da realização do trabalho. Refletem o referencial teórico e são indicadores da qualidade da pesquisa – devem ser criteriosamente selecionadas, observando pertinências e guardando devida coerência entre os diferentes autores.

47 47 Exemplos de Referências Bibliográficas CAMINO, Leôncio. Análise psicossocial do preconceito: uma construção científica. 2. ed. São Paulo: Vozes, SANTOS, M. H. Raça e religião f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Psicologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, ROCHA, Alberto; MAGALHÃES, Marina; VELASCO, Etevaldo. Raça e religião. (igual) OLIVEIRA, Jorge et al. Raça e religião. (igual)

48 48 Exemplos de Referências Bibliográficas MONTEIRO, M. B. Relações intergrupais. In: VALA, J. (Org.). Psicologia social. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, cap. 3, p SANTOS, L. Conflito e racismo. Psicologia Reflexão e Crítica, São Paulo, v.14, n. 2, p , jan NUNES, H. P. Gestão estratégica das micro e pequenas empresas f. Monografia (Especialização) – Curso de Pós-Graduação em Administração, Faculdades Alves Faria, Goiânia, Disponível em:.http://www.alfa.br/pos_graduacao/trabalhos Acesso em: 23 fev

49 49 CITAÇÕES É a menção, no texto, de uma informação extraída de outra fonte. a) Citação Direta: a transcrição literal / direta do texto de outros autores. b) Citação Indireta: é a reprodução de idéias de outro autor, mas com outras palavras. c) Citação de Citação ou Citação de Segunda Mão: é a transcrição direta ou a reprodução de idéias (indireta) de outro autor, cuja obra original não se teve acesso.

50 50 Citações no corpo do texto – sem transcrição literal Como defende Santos (2002),... Santos (2002) defende que... Recentemente, Santos (2002) defendeu que... Segundo Santos (2002), a psicologia social estuda... O preconceito seria formado a partir das relações entre os grupos ( SANTOS, 2002).

51 51 Citações no corpo do texto – com transcrição literal Citações curtas – até três linhas : insere-se no texto e entre aspas; colocar a página. Segundo Santos (2002, p. 27) os grupos informais possibilitam o bem estar social e psicológico.

52 52 Citações no corpo do texto – com transcrição literal Citações longas – mais de três linhas: parágrafo independente, com recuo de 4 cm da margem esquerda, letra menor (tamanho 10), sem aspas e espaço simples. O subsistema fraternal é o primeiro laboratório no qual as crianças podem experimentar relações com iguais. Dentro deste contexto, as crianças apóiam, isolam, escolhem um bode expiatório e aprendem umas com as outras [...] Podem assumir diferentes posições, trapaceando um com o outro. (SANTOS, 1988, p. 63)

53 53 Citações no corpo do texto – citação de citação ou citação secundária Freud (apud MAGALHÃES, 1996) afirma que a personalidade autoritária é constituída pela influência dos pais. - Apud – citado por, consultado em, segundo... - Li Magalhães e não Freud. - Nas Referências Bibliográficas citarei a obra de Magalhães, pois foi a que tive acesso.

54 54 CONFIGURAÇÃO DA PÁGINA - Folha formato A4; - Margem esquerda e superior: 3 cm; margem direita e inferior: 2 cm; - Fonte: Times New Roman; -Tamanho 12; - Alinhamento Justificado; - Margem parágrafo de 1,0 cm;

55 55 CONFIGURAÇÃO DA PÁGINA - Espaço: 1,5 nas entrelinhas, com exceções: *Citações longas (+ de 3 linhas), notas, resumos e referências – espaço simples. *Citações longas e notas – tamanho Numeração: as páginas são contadas a partir da folha de rosto, mas a numeração só é colocada a partir da primeira folha da parte textual (canto superior direito).

56 56 TÉCNICAS DE LEITURA 1. ANÁLISE TEXTUAL 2. ANÁLISE TEMÁTICA 3. ANÁLISE INTERPRETATIVA

57 57 1. ANÁLISE TEXTUAL Leitura rápida (superficial) do material bibliográfico, leitura de reconhecimento, visão geral da obra; É o vôo de reconhecimento do texto; Objetivo: verificar em que medida a obra consultada interessa à pesquisa; Procedimento: feita mediante folha de rosto, índices, notas de roda-pé, introdução, prefácio, conclusão, bibliografia, orelhas; Sublinhar apenas as palavras desconhecidas – dicionário.

58 58 2. ANÁLISE TEMÁTICA O leitor caminha sobre o texto; Objetivo: apreender o conteúdo do texto; Determinação do material que de fato interessa à pesquisa; Sublinhar as frases que contenham as idéias mais importantes; Leitura mais profunda e reflexiva que a anterior.

59 59 3. ANÁLISE INTERPRETATIVA Recomenda-se adotar uma posição crítica e objetiva em relação ao texto; O leitor precisa ser um detetive – ler nas entrelinhas o que não está explícito; Não devem ser feitas interpretações a partir de posições pessoais (caráter subjetivo, pois compromete a validade científica do estudo); É etapa preparatória para elaboração de resumo crítico ou resenha – especialistas.

60 60 ASPECTO GRÁFICO GERAL DE PROJETOS DE PESQUISA Capa Folha de rosto ou contra-capa Resumo Sumário Título Delimitação do tema Justificativa do tema Levantamento do problema Formulação das hipóteses Objetivos: Geral e Específicos Referencial Teórico-Metodológico Cronograma Referências Bibliográficas

61 61 Vencer não é competir com o outro. É derrotar os seus inimigos interiores. É a própria realização do ser. (Anônimo). Obrigada e BOM ESTUDO !!! Profª. Raquel Maracaípe


Carregar ppt "1 Orientação de Monografia I 9º. Período- Direito Profa. Ms. Raquel Maracaípe de Carvalho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google