A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Robert Gans 1 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Introdução ao Linux e o Projeto GNU Faculdade PITÁGORAS – Agosto de 2011 Prof. Robert.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Robert Gans 1 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Introdução ao Linux e o Projeto GNU Faculdade PITÁGORAS – Agosto de 2011 Prof. Robert."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Robert Gans 1 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Introdução ao Linux e o Projeto GNU Faculdade PITÁGORAS – Agosto de 2011 Prof. Robert Gans

2 Prof. Robert Gans 2 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Muitos usuários de computador utilizam uma versão modificada do sistema GNU todos os dias, sem perceberem. Através de uma peculiar reviravolta dos fatos, a versão do GNU que é largamente utilizada hoje é mais conhecida como Linux, e muitos usuários não estão a par de sua conexão com o Projeto GNU. Há realmente um Linux; é o núcleo (kernel), e essas pessoas estão utilizando-o. Mas você não pode usar um núcleo sozinho; um núcleo só é útil como parte de todo um sistema operacional. Linux (kernel) é normalmente utilizado em combinação com o sistema operacional GNU: o sistema é basicamente GNU, com Linux funcionando como núcleo. O duo dinâmico: O Gnu e o Pinguim voando. (C) 1999, Free Software Fundation, Inc Logotipo do Projeto GNU Introdução

3 Prof. Robert Gans 3 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Projeto GNU O Projeto GNU é um projeto iniciado por Richard Stallman em 1984, com o objetivo de criar um sistema operacional totalmente livre, que qualquer pessoa teria direito de usar, modificar e redistribuir o programa e seu código fonte, desde que garantindo para todos os mesmos direitos.Richard Stallman1984sistema operacionalprogramacódigo fonte Este sistema operacional GNU deveria ser compatível com o sistema operacional UNIX, porém não deveria utilizar-se do código fonte do UNIX. Stallman escolheu o nome GNU porque este nome, além do significado original do mamífero Gnu, é um acrônimo recursivo de: GNU is Not Unix (em português: GNU não é Unix).UNIX Gnuacrônimo recursivo Richard Stallman

4 Prof. Robert Gans 4 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Projeto GNU A partir de 1984 Stallman e vários programadores, que abraçaram a causa, vieram desenvolvendo as peças principais de um sistema operacional, como compilador de linguagem C, editores de texto, etc.1984sistema operacionalcompilador linguagem Ceditores de texto Em 1991 o sistema operacional já estava quase pronto, mas faltava o principal, que é o kernel do sistema operacional. O grupo liderado por Stallman estava desenvolvendo um kernel chamado Hurd. Porém, em 1991, um jovem finlandês chamado Linus Torvalds havia criado um kernel que poderia usar todas as peças do sistema operacional GNU. Este kernel ficou conhecido como Linux, contração de Linus e Unix.1991kernelHurd1991finlandêsLinus TorvaldsLinux Linus Torvalds

5 Prof. Robert Gans 5 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Projeto GNU Atualmente, o sistema operacional GNU com o kernel Linux é conhecido como GNU/Linux, que é como o projeto solicita aos utilizadores que se refiram ao sistema completo, embora a maioria das pessoas se referem ao sistema apenas como Linux por uma questão de comodidade.GNU/Linux Mas o próprio Linus Torvalds discorda da nomenclatura GNU/Linux, chamando seu Sistema Operacional apenas de Linux. A discussão e desentendimento entre Stallman e Torvalds prosseguem acerca da correta nomenclatura a respeito do Sistema, arrastando também as opiniões dos inúmeros usuários e desenvolvedores do Sistema GNU/Linux (ou apenas Linux).Linus Torvalds GNU/LinuxSistema Operacional LinuxGNU/Linux

6 Prof. Robert Gans 6 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Free Software Foundation A Free Software Foundation (FSF, Fundação para o Software Livre) é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 1985 por Richard Stallman e que se dedica à eliminação de restrições sobre a cópia, redistribuição, entendimento e modificação de programas de computadores – bandeiras do movimento do software livre, em essência. Faz isso promovendo o desenvolvimento e o uso de software livre em todas as áreas da computação mas, particularmente, ajudando a desenvolver o sistema operacional GNU e suas ferramentas.1985Richard Stallmansoftware livre

7 Prof. Robert Gans 7 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Free Software Foundation Até meados da década de 1990 a fundação dedicava-se mais à escrita do software. Como hoje existem muitos projetos independentes de software livre, a FSF dedica-se mais aos aspectos legais e estruturais da comunidade do software livre. Entre suas atribuições atuais, encarrega-se de aperfeiçoar licenças de software e de documentação (como a GNU General Public License, GPL ou a GNU Free Documentation License, GFDL), de desenvolver um aparato legal acerca dos direitos autorais dos programas criados sob essas licenças, de catalogar e disponibilizar um serviço com os softwares livres desenvolvidos (o Free Software Directory), e de discutir e aperfeiçoar a própria definição de software livre.década de 1990GNU General Public LicenseGNU Free Documentation LicenseFree Software Directory

8 Prof. Robert Gans 8 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) GNU GPL - General Public License GNU General Public License (Licença Pública Geral), GNU GPL ou simplesmente GPL, é a designação da licença para software livre idealizada por Richard Stallman no final da década de 1980, no âmbito do projecto GNU da Free Software Foundation (FSF). software livreRichard Stallman década de 1980GNUFree Software Foundation A GPL é a licença com maior utilização por parte de projectos de software livre, em grande parte devido à sua adoção para o projeto GNU e o sistema operacional GNU/Linux. O software utilizado para administrar o conteúdo da Wikipédia é coberto por esta licença, na sua versão 2.0 ou superiores.licençaGNU GNU/LinuxWikipédia

9 Prof. Robert Gans 9 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) GNU GPL - General Public License Em termos gerais, a GPL baseia-se em 4 liberdades: 1.A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito (liberdade nº 0) 2. A liberdade de estudar como o programa funciona e adaptá-lo para as suas necessidades (liberdade nº 1). O acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade. 3. A liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo (liberdade nº 2). 4. A liberdade de aperfeiçoar o programa, e liberar os seus aperfeiçoamentos, de modo que toda a comunidade se beneficie deles (liberdade nº 3). O acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade.

10 Prof. Robert Gans 10 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) GNU GPL - General Public License Com a garantia destas liberdades, a GPL permite que os programas sejam distribuídos e reaproveitados, mantendo, porém, os direitos do autor por forma a não permitir que essa informação seja usada de uma maneira que limite as liberdades originais. A licença não permite, por exemplo, que o código seja apoderado por outra pessoa, ou que sejam impostos sobre ele restrições que impeçam que seja distribuído da mesma maneira que foi adquirido.

11 Prof. Robert Gans 11 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) GNU GPL - General Public License A GPL está redigida em inglês e actualmente nenhuma tradução é aceita como válida pela Free Software Foundation, com o argumento de que há o risco de introdução de erros de tradução que poderiam deturpar o sentido da licença. Deste modo, qualquer tradução da GPL é não-oficial e meramente informativa, mantendo-se a obrigatoriedade de distribuir o texto oficial em inglês com os programas.inglêsFree Software Foundation

12 Prof. Robert Gans 12 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) GNU GPL - General Public License HISTÓRIA: A licença GPL foi originalmente publicada em Janeiro de No entanto, passado pouco tempo, ficou claro que o texto da licença comportava vários problemas, pelo que em Junho de 1991 foi publicada a GPL versão 2, sendo ao mesmo tempo introduzida uma nova licença LGPL. Em 2005, Stallman anunciou que estava a preparar uma nova versão da licença em conjunto com Eben Moglen. Essa nova versão, foi chamada de GPLv3 e o primeiro esboço foi publicado em 16 de Janeiro de 2006, sendo a versão final lançada em 29 de Junho de LGPL2005Eben Moglen16 de Janeiro de Junho2007

13 Prof. Robert Gans 13 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) História do Linux O kernel Linux foi, originalmente, escrito por Linus Torvalds do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Helsinki, Finlândia, com a ajuda de vários programadores voluntários através da Usenet (uma espécie de sistema de listas de discussão existente desde os primórdios da Internet).kernelLinus TorvaldsCiência da Computação Universidade de HelsinkiFinlândiaUsenetInternet Linus TorvaldsLinus Torvalds começou o desenvolvimento do kernel como um projeto particular, inspirado pelo seu interesse no Minix, um pequeno sistema UNIX desenvolvido por Andrew S. Tanenbaum. Ele limitou-se a criar, nas suas próprias palavras, "um Minix melhor que o Minix" ("a better Minix than Minix").MinixUNIXAndrew S. Tanenbaum

14 Prof. Robert Gans 14 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) História do Linux Curiosamente, o nome Linux foi criado por Ari Lemmke, amigo de Linus Torvalds e administrador do site ftp.funet.fi que deu esse nome ao diretório FTP onde o kernel Linux estava inicialmente disponível. (Linus tinha-o batizado como "Freax", inicialmente)Ari LemmkeFTP

15 Prof. Robert Gans 15 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) História do Linux No dia 5 de outubro de 1991 Linus Torvalds anunciou a primeira versão "oficial" do kernel Linux, versão Desde então muitos programadores têm respondido ao seu chamado, e têm ajudado a fazer do Linux o sistema operacional que é hoje. No início era utilizado por programadores ou só por quem tinha conhecimentos, usavam linhas de comando. Hoje isso mudou, existem diversas empresas que criam os ambientes gráficos, as distribuições cada vez mais amigáveis de forma que uma pessoa com poucos conhecimentos consegue usar o Linux. Hoje o Linux é um sistema estável e consegue reconhecer todos os periféricos sem a necessidade de se instalar os drivers de som, vídeo, modem, rede, entre outros.5 de outubro1991sistema operacional

16 Prof. Robert Gans 16 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) História do Linux – Histórico de Versões 1991 – Versão Primeira versão "oficial" do kernel Linux 1992 – Versão Primeira versão com licença GNU - GPL (GNU Public License) - Começa a atrair mais pessoas interessadas no desenvolvimento 1994 – Versão Primeira versão realmente usável - Suporte de Network - XFree86 contribui com um GUI (XServer) - Surgem as primeiras distribuições comerciais (Red Hat, Suse)

17 Prof. Robert Gans 17 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) História do Linux – Histórico de Versões 1996 – Versão Suporte de múltiplos processadores - Torna-se uma alternativa viável para algumas empresas 2001 – Versão Melhor suporte threads - Melhorias no Scheduler (gestão de processos) - O subcomponente Network totalmente re-escrito - Iptables (rewall) - Melhor suporte USB

18 Prof. Robert Gans 18 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) História do Linux – Histórico de Versões 2003 – Versão Novo scheduler - Novo modelo de threads (NPTL) - Melhorias no sistema de gestão de memória 2009 – Versão (Também conhecida como "Temporary Tasmanian Devil) - Novo Logo - Nova geração de sistema de arquivos (BtrFS e Squashfs) - Kernel Modesetting - Suporte para até 4096 processadores - Suporte ao WIMAX - eCryptfs filename encryption OBS: Por ser super atualizado vejamos mais detalhes desta versão a seguir:

19 Prof. Robert Gans 19 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) 2009 – Versão – Detalhes de alguns recursos (Versão também conhecida como "Temporary Tasmanian Devil de 23 de Março de 2009) - Novo Logo : Esta versão teve uma mudança temporária de mascote, mas por uma boa causa, dêem as boas vindas ao Tuz que substitui o famoso pinguim Tux. O Tuz simboliza o diabo da Tasmânia disfarçado de Pinguim. A ideia e desenho do mascote, partiu de Linus Torvalds, que pretende com este gesto alertar a humanidade, para que contribua para salvar esta espécie em vias de extinção. Depois desta versão, o Tux retorna normalmente.

20 Prof. Robert Gans 20 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) 2009 – Versão – Detalhes de alguns recursos -Nova geração de sistema de arquivos (BtrFS): Btrfs é um novo sistema de arquivos que foi desenvolvido seguindo os princípios de sistemas de arquivos como ZFS e WAFL. Foi criado por Chris Mason, um engenheiro da Oracle, que trabalhou muitos anos no Reiserfs v3. Espera-se que no futuro o Btrfs possa substituir os sistemas de arquivos Ext2, Ext3 e Ext4. Um aviso importante é que nesta versão do kernel o Btrfs foi incorporado de forma instável e deve ser utilizado apenas em testes.

21 Prof. Robert Gans 21 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) 2009 – Versão – Detalhes de alguns recursos

22 Prof. Robert Gans 22 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) -Nova geração de sistema de arquivos (Squashfs): Squashfs é um sistema de arquivos de apenas leitura e para compressão. Como exemplos de utilização podemos citar Live-CDs e sistemas embarcados. A biblioteca utilizada é a zlib, porém a lzma será utilizada no futuro para compressão arquivos e diretórios. O SquashFS versão 4.0 suporta sistemas de arquivos de 64 bits, arquivos maiores que 4GB, hard links e timestamps – Versão – Detalhes de alguns recursos

23 Prof. Robert Gans 23 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) 2009 – Versão – Detalhes de alguns recursos -Kernel Modesetting: Vamos supor que você esteja executando o X com o seu gerenciador de janelas predileto. Em seguida você pressiona CTRL+ALT+F1 para ir para um terminal em modo texto no Linux. Nesta transição, o driver que controla a placa de vídeo para o X é congelado e passa o comando para um outro driver, o que vai controlar o modo texto do terminal. Quando você retornar para o X novamente, o processo ocorre de forma inversa - o driver para o X volta a ser ativado. Kernel Modesetting está sendo incluso no kernel a partir desta versão para melhorar estas funcionalidades, inclusive vai permitir que o X seja executado por um usuário regular no sistema, não root. Nesta versão, somente os drivers da Intel tem suporte ao Modesetting. Porém, novos drivers estão sendo desenvolvidos e serão lançados nas próximas versões.

24 Prof. Robert Gans 24 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) 2009 – Versão – Detalhes de alguns recursos -Suporte para até 4096 processadores: Para quem não acreditava que o Linux suportava múltiplos processadores/cores, desengane-se: este kernel garante-lhe que pode ter numa máquina, 4096 processadores a trabalhar em paralelo. Foi feita uma extensa reengenharia do código que permite que este processamento paralelo, não traga nenhumas desvantagens a nível de peso computacional, para máquinas com menor capacidade.

25 Prof. Robert Gans 25 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) 2009 – Versão – Detalhes de alguns recursos - Suporte ao WIMAX: O kernel passa a suportar o WiMAX (Worldwide Inter- operability for Microwave Access/Interoperabilidade Mundial para Acesso de Micro-ondas), uma tecnologia das telecomunicações que passa a oferecer transmissão wireless de diversos modos. A tecnologia é baseada no padrão IEEE , também conhecido como Broadband Wireless Access. A taxa de transmissão pode chegar à 75 Mbit/s sem cabos. Nesta versão, o suporte é para o Intel Wireless WiMAX/Wi-Fi Link 5x50 USB/SDIO.

26 Prof. Robert Gans 26 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) 2009 – Versão – Detalhes de alguns recursos - eCryptfs filename encryption: O eCryptfs implementa de uma forma transparente a encriptação dos conteúdos de um ficheiro. Nesta versão pode encriptar o nome de um ficheiro, via um mecanismo derivado de uma passphrase, à base de uma chave de encriptação usada no nome de um ficheiro.

27 Prof. Robert Gans 27 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Ambientes Gráficos The GNU Network Object Model Environment Maiores Informações em: GNOME (acrônimo para GNU Network Object Model Environment) é um esforço global para a criação de um ambiente de trabalho completo, gratuito e composto inteiramente por software livre. GNOME é parte do Projeto GNU e pode ser utilizado por vários sistemas baseados em Unix, principalmente por sistemas Linux e sistemas BSD.

28 Prof. Robert Gans 28 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Ambientes Gráficos The K Desktop Environment Maiores Informações em: Software de origem alemã, o KDE (sigla inglesa para K Desktop Environment) é, simultaneamente, um ambiente gráfico (que inclui um gerenciador de janelas) e uma plataforma de desenvolvimento livre e de código aberto, desenvolvido com base na biblioteca Qt.

29 Prof. Robert Gans 29 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Arquitetura LINUX O Linux é um kernel monolítico: as funções do kernel (escalonamento de processos, gerenciamento de memória, operações de entrada e saída, acesso ao sistema de arquivos) são executadas no espaço do kernel. Uma característica do kernel Linux é que algumas das funções (drivers de dispositivos, suporte à rede, sistema de arquivos, por exemplo) podem ser compiladas e executadas como módulos (LKM - loadable kernel modules), que são bibliotecas compiladas separadamente da parte principal do kernel e podem ser carregadas e descarregadas após o kernel estar em execução.kernel monolíticoescalonamento de processosgerenciamento de memóriaentrada e saídasistema de arquivosespaço do kerneldrivers de dispositivosredesistema de arquivosmódulos

30 Prof. Robert Gans 30 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Arquitetura LINUX

31 Prof. Robert Gans 31 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Arquitetura LINUX - Portabilidade Embora Linus Torvalds não tenha tido como objetivo inicial tornar o Linux um sistema portável, ele evoluiu nessa direção. Linux é hoje um dos núcleos de sistemas operativos mais portáveis, correndo em sistemas desde o iPaq (um computador portátil) até o IBM S/390 (um denso e altamente custoso mainframe).Linus TorvaldsportáveliPaqIBM S/390 mainframe Os esforços de Linus foram também dirigidos a um diferente tipo de portabilidade. Portabilidade, de acordo com Linus, era a habilidade de facilmente compilar aplicações de uma variedade de código fonte no seu sistema; consequentemente, o Linux originalmente tornou-se popular em parte devido ao esforço para que os códigos-fonte GPL ou outros favoritos de todos corressem em Linux.compilarGPL O Linux hoje funciona em dezenas de plataformas, desde mainframes até um relógio de pulso, passando por várias arquitecturas: x86 (Intel, AMD), x86-64 (Intel EM64T, AMD64), ARM, PowerPC, Alpha, SPARC etc., com grande penetração também em sistemas embarcados, como handhelds, consola de videojogos e centros multimídia, entre outros.mainframesIntelAMDIntel EM64TAMD64ARMPowerPCAlphaSPARCsistemas embarcadoshandhelds consola de videojogosmultimídia

32 Prof. Robert Gans 32 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Arquitetura LINUX – Sistemas de Arquivos Suportados O Linux possui suporte de leitura e escrita a vários sistema de arquivos, de diversos sistemas operacionais, além de alguns sistemas nativos. Por isso, quando o Linux é instalado em dual boot com outros sistemas (Windows, por exemplo) ou mesmo funcionando como Live CD, ele poderá ler e escrever nas partições formatadas em FAT e NTFS. Por isto, Live CDs Linux são muito utilizados na manutenção e recuperação de outros sistemas operacionais.sistema de arquivossistemas operacionaisdual bootWindowsLive CDFATNTFS Entre os sistemas de ficheiros suportados pelo Linux, podemos citar FAT, NTFS, JFS, XFS, HPFS, Minix e ISO 9660 (sistema de ficheiros usado em CD-ROMs). Alguns sistemas de ficheiros nativos são, dentre outros, Ext2, Ext3, Ext4, ReiserFS e Reiser4. Alguns sistemas de ficheiros com características especiais são SWAP, UnionFS, SquashFS, Tmpfs, Aufs e NFS, dentre outros.FATNTFS JFSXFSHPFSMinixISO 9660CD-ROMsExt2Ext3Ext4ReiserFSReiser4SWAP UnionFSSquashFSTmpfsAufsNFS

33 Prof. Robert Gans 33 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Arquitetura LINUX – Sistemas de Arquivos

34 Prof. Robert Gans 34 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Arquitetura LINUX – Sistemas de Arquivos

35 Prof. Robert Gans 35 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Vídeo – História do Linux

36 Prof. Robert Gans 36 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) LINUX – Distribuições ou Distros Linux Distribution Chooser > Distro x Linha do Tempo >

37 Prof. Robert Gans 37 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Árvore DAS Distribuições LINUX (Abrir arquivo: ASSOAA - 02a - Árvore das Distribuições LINUX)

38 Prof. Robert Gans 38 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Distribuições Pioneiras Slackware (1993) Red Hat (1994) Suse Linux (1994) Fedora Mandriva OpenSuse Ubuntu PCLinuxOS Xandros Kurumin Milhares de outras mais…. Distribuições Atuais Distribuições Servers Debian CentOS LINUX – Distribuições ou Distros Distribuições Especificas BackTrack

39 Prof. Robert Gans 39 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) LINUX – Distribuições ou Distros

40 Prof. Robert Gans 40 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) LINUX – Distribuições ou Distros BackTrack Linux 3.0: Distribuição voltada para segurança O BackTrack é uma distribuição Linux que ajuda a garantir a segurança, permitindo inclusive efetuar auditoria no sistema operacional, tudo com o objetivo de manter a informação segura contra terceiros (crackers). Já na sua 3ª versão, é uma distribuição Linux que permite fazer auditorias a um sistema ou rede, tentando descobrir todas as falhas e avisar aos administradores de sistema para que estes possam corrigir essas vulnerabilidades. O BackTrack é tão bom que pode ser considerado uma poderosa ferramenta hacker, já que suas habilidades e capacidades são enormes, integrando todas as categorias de softwares relevantes para uso de "hackearia". BackTrack foi criada da união de duas outras distribuições orientadas também à segurança. O Auditor e o Whax. Embora a distribuição tenha sido a junção de duas outras, diz-se que ela foi baseada no SLAX.AuditorWhaxSLAX

41 Prof. Robert Gans 41 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) LINUX – Distribuições ou Distros BackTrack Linux 3.0: Distribuição voltada para segurança O BackTrack (bt) é uma distribuição Linux que está disponível em Live CD (CDs com o sistema instalado e que podem carregar num computador com todos os recursos de um sistema operacional, mesmo que o computador não tenha um sistema operacional previamente instalado). O importante de saber sobre conceitos dessa distribuição, e que faz ela diferir das outras, é que tem foco no hackerismo, isto é, o BackTrack não é uma distribuição que instalamos no computador para usarmos como desktop ou servidor, embora, por ser Linux (Open Source), isso seja possível. O BackTrack é sim uma distribuição voltada para a segurança e o seu trabalho consiste basicamente em testar a segurança, descobrir falhas e vulnerabilidades, podendo eventualmente apresentar formas de explorar essas vulnerabilidades ou falhas. Assim sendo, pode se ver com clareza que ele pode tanto ser utilizado para o bem como para o mal, ou seja, por hackers éticos (pessoas que praticam o bem utilizando técnicas de hackers) e crackers (pessoas que praticam o mal utilizando técnicas de hackers). Embora, muito provavelmente, muitos nunca tenham ouvido falar dessa distribuição, o BackTrack é uma distribuição muito aceita e popular entre as comunidades de segurança.

42 Prof. Robert Gans 42 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) LINUX – Distribuições ou Distros

43 Prof. Robert Gans 43 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Vídeo – Distribuições Linux

44 Prof. Robert Gans 44 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Dúvidas

45 Prof. Robert Gans 45 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Obrigado !!! Robert D. Gans FIM


Carregar ppt "Prof. Robert Gans 1 FACULDADE PITÁGORAS DE CONTAGEM ( A S S O A A ) Introdução ao Linux e o Projeto GNU Faculdade PITÁGORAS – Agosto de 2011 Prof. Robert."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google