A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Terapia. Vamos assistir um filme? Gestalt-terapia Nome de batismo (marketing): Frederick Perls 1951: livro Gesatlt-terapy por Perls, Goodman, Hefferline.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Terapia. Vamos assistir um filme? Gestalt-terapia Nome de batismo (marketing): Frederick Perls 1951: livro Gesatlt-terapy por Perls, Goodman, Hefferline."— Transcrição da apresentação:

1 terapia

2 Vamos assistir um filme?

3 Gestalt-terapia Nome de batismo (marketing): Frederick Perls 1951: livro Gesatlt-terapy por Perls, Goodman, Hefferline. G 7: Isadore From, Paul Goodman, Paul Weisz, Sylvester Eastman Eliot Shapiro, Ralph Hefferline, Laura e Fritz Perls. Colcha de Retalhos: síntese de várias correntes filosóficas, metodológicas e terapêuticas. Terceira via original: compreender e aprender mas, sobretudo, experimentar e promover nosso poder criativo de reintegrar as partes dissociadas; expandir ao máximo nosso campo vivido e nossa liberdade de escolha, tentar escapar ao determinismo alienante do passado e do meio, à carga de nossos condicionamentos históricos ou geográficos e encontrar assim um território de liberdade e de responsabilidade (Dicionário de Gestalt-terapia)

4 Poder-se-ia dizer que a Gestalt propõe, de certa forma, uma inversão do processo de cura: em psicanálise se supõe que a conscientização acarrete uma modificação do vivido, enquanto em gestalt as modificações do vivido – por meio da experiência – permitem uma mudança do comportamento, acompanhada de uma eventual conscientização. Para os psicanalistas, o desaparecimento do sintoma é um luxo, para os gestaltistas, é a conscientização que é assim considerada (Ginger; Ginger, 1995)

5 Pressupostos Filosóficos: Humanismo 1. O homem como centro: só o homem existe, as coisas são O homem é capaz de autogerir-se, regular-se, criando-se a cada instante, transformando-se num constante vir a ser. Abarca a fenomenologia, o existencialismo e a filosofia dialógica de Buber.

6 Pressupostos Filosóficos: Fenomenologia 1. Centrada na descrição subjetiva do sentimento Prevalência do como sobre o porquê; 1.2. Importância da vivência imediata, sentida corporalmente, tal como é aqui e agora; 1.3. Percepção do mundo dominados por fatores subjetivos.

7 Pressupostos Filosóficos: Existencialismo 1.Existência precede a essência Primazia das vivências concretas sobre abstratas; 1.2. Singularidade do ser humano em sua existência; 1.3. Responsabilidade e liberdade inerente ao homem.

8 Pressupostos Filosóficos: Filosofia Dialógica 1. O homem é um ser relacional Análise da existência humana; 1.2. Ser eu e falar eu é a mesma coisa; 1.3. A realidade vive em nós.

9 Ginger (1985), afirma que o humanismo colou o homem como o centro da psicologia, pois na Psicanálise ortodoxa e no Behaviorismo o homem era produto das interações bioquímicas e do meio social e familiar em que estava inserido.

10 Não há ponte entre homem e homem... Pois estranhos somos e estranhos ficamos Exceto algumas identidades Em que eu e você nos juntamos. Ou melhor ainda, onde você me toca e eu toco você Quando a estranheza se faz familiar (Perls, 1969)

11 Teorias de Base: Psicologia da Gestalt 1. Observação do fenômeno tal como ele se manifesta. 1.1.Interelação entre figura e fundo;

12 Teorias de Base: Teoria de Campo de Lewin 1. Influências sociais sobre o comportamento humano O campo forma um intricado mosaico de possibilidades, cabendo ao indivíduo decodificá-las através de sua percepção; 1.2. Compreensão global do funcionamento do indivíduo: meio externo e interno de cada um.

13 Teorias de Base: Teoria Organísmica de Goldstein 1. O único motivo do organismo é a auto-realização A pessoa é una, integrada e consciente; 1.2. O organismo é um sistema organizado, com um todo diferenciado de suas partes; 1.3. O homem possui um impulso dominante de auto- regulação.

14 Teorias de Base: Teoria Holística de Smuts 1. Uma parte só pode ser compreendida a partir do todo Impossibilidade de dividir as partes, mas integrá- las num todo coerente; 1.2. Exame do comportamento manifesto, ao nível explícito da atividade física e ao nível oculto da atividade mental.

15 Teorias de Base: Reich e a análise do caráter 1. Ênfase do como sobre o porquê Explicitação de conteúdos internos a partir de manifestações corporais; 1.2. Valor igualitário às lembranças e emoções que as acompanham; 1.3. Mais importância ao que o cliente expressa do que ele comunica.

16 Teorias de Base: Moreno e o psicodrama 1. Resignificação ou elaboração do que é e o que já foi Possibilidade de vivenciar sentimentos, fantasias ou conflitos, atuais ou não, promovendo catarse;

17 Teorias de Base: Pensamento Oriental – Zen Budismo 1. Apreensão dos sentimentos pelo processo de conscientização através do mergulho gradativo na própria existência Ponto zero – estéril ou fértil; Perca a cabeça, chegue aos sentidos (Perls).

18 As coisas estão longe de ser todas tangíveis e dizíveis quanto se nos pretenderia fazer crer. A maior parte dos acontecimentos é inexprimível, e ocorre num espaço em que nenhuma palavra nunca pisou... (Rilke)

19 Conceitos Básicos Auto-regulação; Holismo; Figura e Fundo; Ciclo de Contato; Ajustamento Criativo Teoria Paradoxal da Mudança; Awareness; Aqui e Agora

20 Auto-regulação ou Homeostase Termo auto-regulação organísmica: Kurt Goldstein; Perspectiva sistêmica – ser humano como um todo, como um organismo vivo no qual ocorrem processos de inter-relação entre suas partes e que está em permanente relação com o meio, tomando deste o que necessita, a serviço da auto-regulação (Dicionário de Gestalt-terapia); Processo pelo qual o organismo satisfaz suas necessidades.

21 Perls tomou emprestado o termo da biologia para descrever: o processo através do qual o organismo mantém seu equilíbrio e conseqüentemente sua saúde sob condições diversas; é o processo, portanto através do qual o organismo satisfaz suas necessidades. Uma vez que suas necessidades são muitas e cada necessidade perturba o equilíbrio o processo homeostático perdura o tempo todo... (Perls, 1973 p apud Mezzarana,2001). Auto-regulação ou Homeostase

22 Quando um desejo se torna realidade, uma nova energia nasce no indivíduo. Desejos e necessidades são quase sempre estados deficitários a que as pessoas aspiram satisfazer, são buracos na personalidade que devem ser preenchidos(...) Costumamos dizer que a Gestal-terapia é uma tentativa, uma proposta de lidar com essas necessidades, estes desejos, estes buracos que impedem a centragem, a harmonia do organismo. (Ribeiro, 1985)

23 Holismo Smuts: livro Holism and evolution (1926); o universo se constitui por unidades que forma um todo que é mais que a simples soma das partes. Paradigma Holístico: visão na qual o todo e qualquer uma de suas sinergias estão estritamente ligados em interações constantes e paradoxais.

24 Holismo Organismo como um todo: mente e corpo, interno e externo; Visão intra-orgânica: relação direta entre mente e corpo – o que o indivíduo fala é igual ao modo como se comporta; A relação entre indivíduo e meio é fluída, permitindo contato e afastamento. Contatar - formar gestalt, Afastar - fechar gestalt. No neurótico - contatar e afastar está perturbado. Não sabe priorizar necessidades dominantes.

25 Figura e Fundo

26 Figura é a necessidade que emerge a cada momento a fim de ser satisfeita; Figura e Fundo Fundo é toda gama infinita de possibilidades de outras vivências, necessidades e percepções que naquele instante cedem lugar para o surgimento e configuração de uma necessidade dominante. Figura e fundo Quando o organismo se depara com várias necessidades simultâneas a serem satisfeitas, tenta estabelecer um equilíbrio homeostático, daí se dá uma hierarquização.

27 A figura não é parte isolada do fundo, ela existe no fundo. O fundo revela a figura, permite à figura surgir (...) (Ponciano, 1985) Figura e Fundo

28 Desde que seja incapaz de fazer adequadamente mais de uma coisa de cada vez o organismo se encarrega da necessidade de sobrevivência dominante antes de cuidar de qualquer das outras; age, em primeiro lugar, com o princípio das coisas fundamentais [...] Formulando esse princípio em termos de Psicologia da Gestalt podemos dizer que a necessidade dominante do organismo, em qualquer momento, se torna figura do primeiro plano, e as outras necessidades recuam, pelo menos temporariamente, para o segundo plano. (Perls,1973,p.24)

29 Figura e Fundo A necessidade a ser satisfeita imediatamente é a figura, e a que passa a segundo plano, o fundo. Esse processo dinâmico por excelência, quando em funcionamento harmonioso leva o indivíduo a fechar a Gestalt de determinada situação ou necessidade. Para que o indivíduo satisfaça suas necessidades, feche a gestalt, passe para outro assunto, deve ser capaz de manipular a si próprio e ao seu meio, pois mesmo as necessidades puramente fisiológicas só podem ser satisfeitas mediante a interação do organismo com o meio. (Perls,1973,p.24)

30 É da plasticidade da interação entre essa figura e fundo que o indivíduo interage com o meio, constituindo aquilo que em Gestalt terapia denominamos de Ciclo do Contato. Figura e Fundo A neurose surge a partir de interrupções no fluxo natural de figuras, tornando-as inacabadas.

31 Ciclo de Contato O contato é estabelecido para que o indivíduo possa satisfazer uma necessidade ou fechar uma figura, e após obter esse resultado existe uma retração para que surja uma necessidade, novo contato, nova assimilação e retração.

32 Ciclo de Contato O Ciclo é, portanto, concebido como um sistema self-eu-mundo. Permiti-nos ler a realidade por intermédio dele, bem como entender o processo pelo qual este sistema foi se estruturando ao longo do tempo ( Ribeiro, 1997)

33 Ciclo de Contato Ciclo de Contato e Relação Dialógica: Busca de uma relação de respeito e valorização da alteridade do outro. Diálogo genuíno : eu encontro o outro. Elementos do interhumano : presença, confirmação, diálogo genuíno e sem reservas, inclusão.

34 A abordagem global, o processo e o objetivo da gestalt precisam estar assentados em uma perspectiva dialógica. O termo dialógico refere-se ao fato de que a existência humana, em seu nível mais fundamental, é inerentemente relacional. Ciclo de Contato

35 Ajustamento Criativo Natureza do contato que o indivíduo mantém na fronteira do campo organismo/ambiente, visando a sua auto-regulação sob condições diversas; Criativo – ajustamento resultante do sistema de contatos intencionais que o indivíduo mantém com seu ambiente; Ajustamento saudável – sujeito ativo, posse de sua aptidão de se orientar pelas exigências das novas circunstâncias; Ajustamento cristalizado – sujeito alienado das condições presentes e atuais.

36 Refere-se aos ajustamentos possíveis entre o indivíduo e o meio que possam promover de alguma forma o fechamento de figuras, sendo este último uma interação com o campo na qual, por meio do contato, o indivíduo possa optar por uma decisão que lhe pareça a melhor no sentido de cumprir a demanda organísmica que se torna figura naquele momento. Ajustamento Criativo

37 Teoria Paradoxal da Mudança Mudar é tornar-se o que é, não quanto tenta converter-se no que não é. Quanto mais você tentar ser quem não é, Mais você permanece o mesmo. Crescimento, incluindo a assimilação da ajuda e do amor dos outros, requer suto-suporte. Tentar ser quem não se é não é auto suporte. (Yontef, 1998)

38 QUEM É VOCÊ?

39 Nós, homens do conhecimento, não nos conhecemos, de nós mesmos somos desconhecidos - e não sem motivo. Nunca nos procuramos: como poderia acontecer que um dia nos encontrássemos? (Niezsche)

40 Teoria Paradoxal da Mudança Trabalhar paradoxalmente é colocar o cliente diante de suas possibilidades reais para, ao vivenciar suas contradições internas, descobrir que o risco é o cotidiano da existência, e que a palavra fácil não pertence ao vocabulário dos adultos, e sim ao das crianças. (Ribeiro);

41

42 Awareness Pode-se afirmar que awareness é um processo de contato na relação estabelecida entre o campo, organismo e meio, com qualidade acentuada de atenção e sentido; Forma de experenciar de estar em contato vigilante com o evento mais importante do campo indivíduo/meio, com total apoio sensório motor, emocional, cognitivo e energético.

43 Yontef postula três colorários sobre o tema: Colorário I: Awareness só é suficiente quando fundamentada e energizada pela necessidade predominante presente no organismo. Colorário II: Awareness não é completa sem o conhecimento direto da realidade da situação e de como se está nela. Ps. Este colorário está conectado com o pressuposto de responsabilidade de cada um. Colorário II: Awareness é sempre aqui e a gora. É mutante, desdobrando-se e transcendendo-se. Awareness

44 Na Gestalt-Terapia enfatiza-se awareness no sentido de saber o que eu estou fazendo agora, na situação que está sendo e não se confunde esse estar sendo com o que foi, poderia ter sido, poderia ser. Awareness é sempre aqui e agora, mesmo que seu conteúdo esteja distante. Saber que agora eu estou rememorando é muito diferente do que cair no ato de lembrar sem awareness. Awareness é experienciar e saber como e o que eu estou fazendo agora.

45 Sendo que o agora muda a cada momento, awareness é um processo dinâmico e exclui um modo imutável de ser e de ver o mundo. Awareness Awareness é sensorial e não mágica. Ela existe. Tudo que existe, existe aqui e agora. O passado existe agora sob forma de memórias, remorsos, rancores,tensão corporal (...) o futuro não existe, exceto agora, como fantasias, esperanças, expectativas.

46

47 Aqui e Agora Conceito holístico que representa a junção do espaço e tempo, criando a possibilidade de plenitude, O aqui e agora é a totalidade da experiência humana. Inclui tudo e registra, no momento, as emoções e a solução do seu cotidiano. É um processo totalizador que colhe no imediato todas as possibilidades do agir humano. Não se trata de imediatismo irresponsável,e sim de uma responsabilidade engajada na totalidade do presente.

48 Aqui e Agora Ansiedade A ansiedade é a tensão entre o agora e o depois Para Perls, a ansiedade é um distúrbio relativo à impossibilidade de permanecer no presente, por isso projetamos fantasias a respeito do que ainda não foi.

49 Aqui e Agora Ansiedade Sempre que não estamos seguros de alguns de nossos papéis, desenvolvemos a ansiedade (...) ligamos isso com o fato de toda a realidade estar no agora, e sempre que abandonamos a posição segura de estar em contato com o presente, e saltamos para o futuro em fantasia perdemos o Apoio para nossa orientação (...) A palavra ansiedade tem sua conotação derivada da palavra latina angústia, passagem estreita. O excitamento não pode fluir livremente (Perls, 1969).

50 Aqui e Agora Na intervenção clínica em vez de promover a busca arqueológica no passado pelas causas do sofrimento atual, o terapeuta incentiva a concentração do consulente nas manifestações presentes desse passado, tal como elas se dão a conhecer na atualidade da sessão. (Dicionário de Gestalt-terapia) Desse modo, o consulente recobra a awareness de seus próprios modos de ajustamento, da maneira como se interrompe e das possibilidades que ainda lhe restam ou que a atualidade inaugura para ele lidar com o que tiver restado como situação inacabada vinda do passado.

51 SER HUMANO Liberdade Responsabilidade Angústia

52 Conquistando o impossível

53


Carregar ppt "Terapia. Vamos assistir um filme? Gestalt-terapia Nome de batismo (marketing): Frederick Perls 1951: livro Gesatlt-terapy por Perls, Goodman, Hefferline."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google