A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Cultura da Qualidade nos anos 90: a flexibilização do trabalho na indústria petroquímica da Bahia. MOTA: A.E.: A Nova Fábrica de Consensos, cortez ed.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Cultura da Qualidade nos anos 90: a flexibilização do trabalho na indústria petroquímica da Bahia. MOTA: A.E.: A Nova Fábrica de Consensos, cortez ed."— Transcrição da apresentação:

1 A Cultura da Qualidade nos anos 90: a flexibilização do trabalho na indústria petroquímica da Bahia. MOTA: A.E.: A Nova Fábrica de Consensos, cortez ed. p , cap. 2, 2008

2 O modelo japonês nos anos 90 no Brasil No Brasil, o modelo japonês tem em comum com os outros países: heterogeneidade de forma setorial e regional e difusão de forma gradual; Variáveis: condições mais gerais da política e da economia do país, posição de cada setor no mercado nacional e internacional, relações políticas entre técnicos e empresários, características do processo de produção; No Brasil ocorre inicialmente no processo automotivo; Primeira fase: décadas de nos Círculos de Controle de Qualidade, resposta à recessão dos anos 80.

3 O modelo japonês nos anos 90 no Brasil Segunda fase nos anos 80: Resistência dos sindicatos e das empresas (cultura das gerências);Just-in-tim (JIT) e CEP controle estatístico de processos; Anos 90: terceiro período; década da qualidade; Governo Collor: modernização do Brasil: Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade (PBQB): produtividade e competitividade da economia brasileira; aumentam o número de empresas de consultorias na área de qualidade;epidemia de competitividade;

4 O modelo japonês nos anos 90 no Brasil Condicionantes como determinantes da nova cultura de qualidade:Abertura da economia e Política recessiva; Programas de Qualidade e Terceirização do processo de trabalho (áreas periféricas e nucleares); Globalização dos mercados; novas práticas de gestão; enfrentamento da crise econômica e recessão

5 Debate sobre o modelo japonês Estudos sobre o modelo japonês Consensos: para responder à competitividade; sobreviver à crise e a instabilidade econômica; Determinação externa: reestruturação produtiva internacional; Determinação interna: esgotamento do Estado em relação ao financiamento (políticas de subsídio ao setor privado); Movimento operário resistente; Desestruturação do movimento coletivo, estímulo à concorrência,buscam cooperação dos empregados, forte conteúdo ideológico;

6 Debate sobre o modelo japonês Duas preocupações da adaptação do modelo japonês no Brasil:1) autoritarismo da cultura empresarial brasileira (referência Japão e democracia com destruição de sindicatos; autoritarismo; família); 2) Abuso em que as formas nacionais do modelo assumem 9aspectos negativos e positivos do modelo no Brasil e Japão); Empresas em que houve envolvimento dos trabalhadores: política de benefícios, prêmios e compensações; Democratização das relações industriais;câmaras setoriais – reconhecimento dos sindicatos; Incorporação individual do trabalhador para esvaziar as iniciativas coletivas;

7 Debate sobre o modelo japonês Contradição na aplicação dos modelos; Resistência dos sindicatos (Convenções Coletivas descumpridas pelas empresas); Discussão de novas práticas sindicais: referenciais políticos; Externalização de atividades pelas empresas: contrato domiciliar, contrato de terceiros;cascatas de subcontratação Treinamento com a lógica de envolvimento do trabalhador de forma cooperativa onde cada trabalhador é um parceiro. Trabalhador com receios de perder o emprego.

8 Debate sobre o modelo japonês Anos 90 o caráter mais ideológico dos programas em relação aos anos 80: desintegração da força de trabalho, enfraquecimento, dispersão da classe trabalhadora, precarização do trabalho e da vida,terceirização que estabelece novas relações entre patrões e empregados; Necessidade do trabalhador mostrar serviço;

9 Flexibilização do trabalho e a reestruturação produtiva na Bahia Surto da competitividade e da qualidade; Recuperar a competitividade internacional a qualquer preço; Redução de custos e de novas tecnologias; Protecionismo do Estado e compra de pacotes tecnológicos; A flexibilização então é no trabalho e não nos instrumentos/equipamentos: na gestão e organização do trabalho, escolhendo para tal o modelo japonês; Modelo japonês como escolha do empresariado; Reestruturação produtiva: movimento do capital e escolha do empresariado.

10 Flexibilização do trabalho e a reestruturação produtiva na Bahia Objetiva destruir a resistência operária e sindical através do desmantelamento, desintegração e individualização dos coletivos de trabalhadores; Limitação da socialização do trabalho implicando em precarização da força de trabalho, emprego e condições de vida; Objetiva redução do número de trabalhadores: demissões e terceirizações;

11 Qualidade Total nas Empresas do Pólo Petroquímico de Camaçari 1. Círculo de Controle de Qualidade: - Aplicados em 49% das empresas (63% no período 1990/93); 2. Controle Estatístico de Produção - Existem em 545 das empresas (mesmo período); 3. Just-in-time - Aplicados em 15% das empresas; 4. Motivos para implantação da qualidade total: Produtividade, redução de custos, racionalização do trabalho (todos em 82%);ISO 9000 (74%); 5. Manual padrão seguido pelas empresas;

12 Qualidade Total nas Empresas do Pólo Petroquímico de Camaçari Sistemas de Qualidade da Empresa 1. Política de qualidade; 2. Gestão de qualidade; 3. Controle de Processo; 4. Inspeção de estágios; 5. Controle de Produtos não conforme; 6. Auditorias internas; 7. Ação corretiva; 8. Treinamentos e Técnicas estatísticas; Produção pelas empresas de cartilhas, cartazes, folhetos.Campanhas de mobilização; Modernização empresarial com os trabalhadores como parceiros.

13 Qualidade Total nas Empresas do Pólo Petroquímico de Camaçari Método Deming – ciclo PFCA (planejar, fazer, checar e agir). Sistema de controle e fiscalização do trabalho; Auditorias internas para adquirir o ISSO 9000 com apuração das responsabilidades no caso de erros, desvios; Busca de mudanças na cultura empresarial e nas cultura do trabalho; Ênfase no espírito de equipe; Empresa enxuta, competitiva e com relações de trabalho competitivas;

14 As implicações da Qualidade Total nas Fábricas:deteriorização das condições de trabalho Crítica da implantação da qualidade total: deteriorização das condições de trabalho, salário e vida dos trabalhadores; Denúncias nos meios de comunicação e comunicação interna das empresas pelos sindicatos; Crítica à polivalência; Proposta dos trabalhadores: melhores condições de salários, de vida e de cidadania;

15 Considerações finais Reafirmam o taylorismo e fordismo no que eles têm de pior: imposição autoritária da forma de trabalho e separação entre o trabalho prescrito e o trabalho real; Processo de descaracterização do taylorismo e fordismo. Quebra do seu aspecto fabril; Não distribuição dos lucros; Perdas salariais; Recuo na própria história do trabalho; Redução do espaço de sociabilidade.


Carregar ppt "A Cultura da Qualidade nos anos 90: a flexibilização do trabalho na indústria petroquímica da Bahia. MOTA: A.E.: A Nova Fábrica de Consensos, cortez ed."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google