A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PSICOTERAPIA BREVE INFANTIL (PBI) CURSO DE FORMAÇÃO EM PSICOTERAPIA BREVE Profa Dra Carmen M.B. Neme Profa Ms. Cristiane A Dameto - 2009 -

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PSICOTERAPIA BREVE INFANTIL (PBI) CURSO DE FORMAÇÃO EM PSICOTERAPIA BREVE Profa Dra Carmen M.B. Neme Profa Ms. Cristiane A Dameto - 2009 -"— Transcrição da apresentação:

1 PSICOTERAPIA BREVE INFANTIL (PBI) CURSO DE FORMAÇÃO EM PSICOTERAPIA BREVE Profa Dra Carmen M.B. Neme Profa Ms. Cristiane A Dameto

2 PSICANÁLISE FREUDIANA PRIORIZOU O FUNCIONAMENTO INTRAPSÍQUICO PARA COMPREENDER O SER HUMANO DESENVOLVIMENTOS NA PSICANÁLISE E DEMAIS TEORIAS: MOSTROU A NECESSIDADE DE SE COMPREENDER TAMBÉM O SER HUMANO INTERRELACIONAL.

3 Desenvolvimentos Psicanalíticos MELANIE KLEIN: RESSALTA A RELAÇÃO MÃE- BEBÊ E SUA INFLUÊNCIA NA VIDA INTRAPSÍQUICA. WINNICOTT: RESSALTA RELAÇÕES MÃES- CRIANÇA NA ESTRUTURAÇÃO DA PERSONALIDADE INFANTL ACKERMAN (1958): JÁ PROPUNHA QUE SE RETIRASSE O FOCO UNICAMENTE DO INDIVÍDUO, COLOCANDO-O NO GRUPO FAMILIAR.

4 ATUALMENTE EXISTE CONSENSO DE QUE A DINÂMICA FAMILIAR É A UNIDADE BÁSICA NA FORMAÇÃO DA ESTRUTURA DA PERSONALIDADE E NO ESTABELECIMENTO DE PADRÕES DE RELACIONAMENTO. FORMA DE ABORDAR A FAMÍLIA E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA: DIFERENTES FORMAS E TEORIAS.

5 PSICOTERAPIA BREVE ESSENCIAL PARA A INSERÇÃO DA FAMÍLIA NO TRATAMENTO DA CRIANÇA. PAIS: TÊM PAPEL DETERMINANTE NO SURGIMENTO DA PROBLEMÁTICA INFANTIL E EM SEU TRATAMENTO, DADA A RELAÇÃO DE DEPENDÊNCIA EMOCIONAL DA CRIANÇA.

6 CRAMER (1974) SUGERE O CONCEITO DE ÁREA DE CONFLITO MÚTUO = RESULTANTE DO INTERJOGO DE PROJEÇÕES, INTROJEÇÕES E IDENTIFICAÇÕES ENTRE OS PAIS E A CRIANÇA. A RESOLUÇÃO DESTE CONFLITO DETERMINARÁ O QUANTO A CRIANÇA PODERÁ OU NÃO DESENVOLVER-SE DE FORMA SAUDÁVEL.

7 Desenvolvimento e Tratamento da Criança O PROCESSO DE INDIVIDUAÇÃO DA CRIANÇA PODE SER FACILITADOR DE SEU DESENVOLVIMENTO OU TORNÁ-LA PRESA DOS DESEJOS E NECESSIDADES DOS PAIS. O SUCESSO DO TRATAMENTO PSICOTERÁPICO DA CRIANÇA: DEPENDERÁ DA CAPACIDADE DOS PAIS DE SUPORTAR A REINTROJEÇÃO DE SEUS ASPECTOS PROJETADOS NO FILHO.

8 ASPECTOS DA PSICOTERAPIA BREVE COM CRIANÇAS A PROCURA POR AJUDA TERAPÊUTICA O PSICODIAGNÓSTICO CRITÉRIOS DE INDICAÇÃO DA PSICOTERAPIA BREVE EVOLUÇÃO DO PROCESSO TERAPÊUTICO MANUTENÇÃO DOS PROCESSOS ALCANÇADOS

9 PSICOTERAPIA BREVE COM CRIANÇAS - PBI (Segre, 1997) Caracterização: Processo psicoterápico realizado com crianças e seus pais, indicado por meio de critérios definidos de seleção, em tempo delimitado, com um foco definido, em conjunto com os pais. É planejado para atingir determinados objetivos, por meio de estratégias flexíveis, selecionadas pelo terapeuta como adequadas ao caso e passível de avaliação.

10 Critérios de Indicação AVALIAÇÃO DAS PROJEÇÕES DOS PAIS SOBRE A CRIANÇA ( se for intensa e negativa, é pior; capacidade dos pais de pegar para si a parcela que lhes pertence) PRÉ-TRANSFERÊNCIA QUE OS PAIS ESTABELECEM COM O TERAPEUTA (é a mesma que os pais transferem para a criança) CONDIÇÕES PSÍQUICAS DA PRÓPRIA CRIANÇA (Ex: a criança mais velha tem mais recursos para lidar com o problema) MOTIVAÇÃO: pais e criança AVALIAÇÃO DA REALIDADE (ex; no caso de instituições: é possível trabalhar com PB; é possível chamar os pais ?)

11 Objetivos Limitados, indo desde a remissão de sintomas até a elaboração de um conflito nuclear da família. A PBI visa: identificar os acontecimentos reais recentes e as angústias que os acompanham, derivadas de situações passadas dos pais, possibilitando que reintrojetem aspectos que projetaram na criança (se puderem).

12 KNOBEL Enfatiza o aspecto cognitivo, a mudança da informação falsa para a informação verdadeira. Esta mudança: alivia a criança e permite que ela modifique, pelo menos em parte, objetos e vínculos objetais alterados pela distorção cognitiva.

13 LESTER (1967) Propõe intervenção no momento de crise, orientada para os sintomas. Com crianças institucionalizadas: o objetivo é ajudar a criança a suportar ligações patológicas com os pais e fortalecer-se como indivíduo.

14 Estratégia de trabalho Variável Ligada ao objetivo Atenta ao foco do trabalho Utiliza intervenções adequadas às condições do paciente

15 Postura do terapeuta Mais flexível e mais ativa Visa: Manter a focalização e tentar atingir os objetivos no tempo proposto.

16 ETAPAS DO PROCESSO - Diagnóstica - Constituída de algumas entrevistas com os pais e contatos com a criança, se necessário, com uso de materiais lúdicos e/ou testes psicológicos. Objetivos: a) investigar a queixa de forma mais completa, conhecer a história da criança e dos pais, além da dinâmica de suas relações; b) compreender o funcionamento dos pais a partir de suas relações originais com seus próprios pais; c) identificar os tipos de relação que os pais estabelecem com o terapeuta, visando compreender melhor o sintoma da criança como uma manifestação de dificuldades não resolvidas do casal parental.

17 ETAPAS DO PROCESSO - IDENTIFICAÇÃO DO FOCO: área de conflito mútuo - Objetivos: são estabelecidos de acordo com os recursos disponíveis de cada caso e as condições do paciente. Podem visar modificações mais profundas ou mais periféricas, mudanças de atitudes ou ambientais que levem à redução dos conflitos e sofrimento. Estratégias: serão definidas de acordo com os objetivos e quanto ao número e freqüências das sessões; se serão realizadas em conjunto com pais e criança ou separadamente; tipos de intervenções a serem feitas, etc..

18 FOCO Situação atual estruturada em torno de um eixo: motivo da consulta e conflito nuclear COMPONENTES DO FOCO: aspectos históricos,genéticos,individuais, familiares e sociais determinantes do contexto social mais amplo: econômicas, culturais,ideológicas aspectos caracteriológicos individuais: psicodinamismos, condutas defensivas, recursos situação grupal: dinamismos, conflitos, papeis, recursos momento evolutivo individual, familiar e social.

19 DESENVOLVIMENTO INFANTIL - conhecimento indispensável para definição do foco e a PB infantil- Processo vital dividido tradicionalmente em períodos: infância, adolescência, idade adulta, velhice e morte. Normas de desenvolvimento: idade mediana na qual os indivíduos apresentam determinados comportamentos ou habilidades, por meio da interação organismo biológico – meio ambiente. O ser humano é prematuro com relação aos animais (é um ser cultural). Desenvolvimento é processo para toda a vida: envolve continuidade e transição e é cumulativo.

20 FASES DO DESENVOLVIMENTO São etapas necessárias e inevitáveis ao crescimento. Cada etapa traz tarefas ou problemas a serem vivenciados e superados. A progressão ou sucesso numa fase leva ao enfrentamento da fase seguinte.

21 FASES DO DESENVOLVIMENTO FIXAÇÃO EM UMA FASE: quando há excessiva gratificação (gerando resistência em passar para a fase seguinte) ou excessiva frustração (gerando a interminável busca de satisfação). Se há muita frustração, a criança pode nem passar para a fase seguinte, ou, se passa, fica fixada em algo anterior (ex: no corpo, nas sensações físicas, etc.). REGRESSÃO A UMA FASE ANTERIOR: processo complementar. Mostra a falta de recursos que o indivíduo teve em enfrentar as dificuldades da fase que está vivendo. A criança passa para a fase seguinte, mas sem preparação suficiente. Em situações de muita exigência ou stress, pode apresentar padrões de fases anteriores.

22 As fases As fases Para Freud: o desenvolvimento é concebido a partir do conceito de Libido (energia de caráter biológico, em função dos impulsos sexuais e de vida em geral). A libido: serve ao impulso de auto-preservação (incluindo alimentação) Para M. Klein: libido é afeto e emoção e não energia, porém, de base biológica. Dá bastante importância ao impulso de morte (separação). Para Winnicott: o ambiente é muito importante (a mãe suficientemente boa). Não dá muita relevância ao conceito de impulso de morte. E. Erikson: conceito de crise psicossocial: questões vivenciais enfrentadas pelo indivíduo em suas relações sociais. Faz uma leitura psicossocial das fases de Freud.

23 Crises psicossociais (Erikson – anos 60) 1 a. crise – nascimento: grande situação existencial de vida. Caracteriza-se por: abandono da fusão com a mãe (criança um ser psíquico). O abandono da fusão com a mãe permite que a criança cresça como pessoa (o psicótico não sai da fusão). 2 a. crise – desmame (3 a 6 meses). A mãe ainda é parte da criança e a criança, parte da mãe (dependência). Isto deve ser abandonado para que a criança possa distinguir-se dos outros (identidade). O bom desmame vai permitir que a criança tolere a diferença. A criança abandona o seio materno, e a introdução dos alimentos sólidos é importante para que a criança se relacione com algo distinto de si. O indivíduo esquizóide não faz o desmame, não desenvolve o afeto (prazer).

24 Crises psicossociais 3 a. crise – descoberta da marcha e da linguagem: a criança abandona o engatinhar e o balbucio, além do sentimento de indiferenciação entre ela e o adulto. Conquistas da criança: marcha (permite que a criança se afaste da mãe e a perceba como diferente dela); o controle dos esfíncteres = autonomia. 4 a. crise – a primeira escolarização (2 a 5 anos): a criança abandona a idéia de que os pais tem o mesmo sexo (diferenciação sexual) e abandona o ninhoseguro da família. Realiza conquistas fora da família: trocas, amizades, início de seus desejos como menino ou menina. Conserva sempre o sentido de família. É a fase da resolução edípica e da sexualização da criança.

25 Crises psicossociais 5 a. crise – a descoberta do EU, da vida interior (6-7 anos) – período da Latência. Começa a angústia e os pensamentos sobre morte e desenvolve o pensamento abstrato. Abandona: a certeza de que os pais conhecem seus pensamentos e sentimentos. Conquista: a razão, a consciência da morte, a vida interior e os primeiros segredos/mentiras/devaneios = preparação para a adolescência. 6 a. crise – adolescência: separação dos pais. Para Erikson: todos conservamos um pouco de cada fase no desenvolvimento normal.

26 Melanie Klein ( ) Descreve a luta emocional entre amor e ódio (integração e destrutividade) da fase oral. O desenvolvimento: traduz a tentativa do indivíduo de fortalecer seus afetos amorosos para poder lidar com sua agressividade. Amor e ódio: de base constitucional, assim como a libido.

27 Posições na fase oral (Klein) 1 a. POSIÇÃO: ESQUIZO-PARANÓIDE (nascimento até mais ou menos 4 meses) Posição de: cisão, idealização, perseguição. Dependência extrema e angústia de aniquilamento:exigências intensas com relação a objetos parciais (ex: fome) A realidade ou é boa ou é má.

28 Posições na fase oral (Klein) 2 a. POSIÇÃO: DEPRESSIVA (de 4 a 5 meses e deve completar-se até mais ou menos 1 ano) Fase de: integração, culpa depressiva e reparação. Desenvolvimento da percepção afetiva amorosa do objeto total (seio bom + seio mau). Há a perda do objeto idealizado (só bom). Os objetos parciais são percebidos como um só pelo desenvolvimento da tolerância da criança frente aos próprios impulsos agressivos. Começa a aprender a tolerar a falha do outro e a lidar com a própria agressividade. Para Klein: a fase oral é estruturante da personalidade.

29 WINNICOTT Ênfase ao meio ambiente no desenvolvimento psíquico do ser humano.(representado inicialmente pela mãe ou seu substituto). Processo de Maturação – tendência inata de se desenvolver e unificar: formação e evolução do eu, do isso e do supereu e mecanismos de defesa/indivíduo sadio.

30 Fase de dependência absoluta Seis primeiros meses de vida. Na mente do bebê, ele e o meio são uma coisa só. Mãe perfeita é aquela que atende e se adapta às necessidades do bebê.

31 dependência absoluta Na fase de dependência absoluta as falhas da adaptação não são sentidas como frustrações, mas provocam carências na satisfação das necessidades e criam obstáculos ao desenrolar dos processos vitais. As funções do eu importantes para o desenvolvimento e integração do tempo no espaço, o encontro com os objetos do mundo externo e a unificação entre a vida psíquica e o corpo.

32 A sensação de angústia causada quando não há sustentação do eu tem a sensação de uma ameaça de aniquilação: Despedaçar-se Ter a impressão de uma queda infindável Sentir-se levado para alturas infinitas Não ter relação com o próprio corpo e não ter orientação temporo-espacial. Segundo Winnicott : é a essência da angústia psicótica.

33 Organizações patológicas: Esquizofrenia infantil ou autismo. Esquizofrenia latente – manifesta-se nas fases de fadiga e tensão. Estado limítrofe – núcleo psicótico em paciente neurótico. A personalidade construída com base num falso self – leva o indivíduo a experimentar um sentimento de irrealidade à respeito de si mesmo, dos outros e da vida em geral. Na idade adulta se funde com o meio ambiente, persistindo um sentimento de irrealidade, de vacuidade, pode acarretar várias descompensações. Personalidade esquizóide: sadia com elementos esquizóides.

34 Para Winnicott O tratamento analítico destinava-se a pacientes que durante a primeira infância, teriam recebido cuidados suficientemente bons – neuróticos. Para o paciente psicótico a possibilidade de cura passaria por um redirecionamento dos processos de maturação da primeira infância. Isso implica uma relação de dependência forte e absoluta com o terapeuta.

35 A terapêutica envolveria a seqüência Da adaptação do analista às necessidades do paciente. Da liberação dos processos de maturação. Da intervenção de uma falta de adaptação. Da cólera sentida e expressada pelo paciente. Do novo progresso do eu.

36 Fase da dependência relativa Os fenômenos transicionais Quando o bebê começa a perceber que a fantasia não corresponde à realidade, após uma fase de ilusão, ele enfrenta a desilusão Para sustentar essa experiência difícil, geradora de angústia e, em particular, de angústia depressiva, a criança pequena desenvolve algumas atividades que Winnicott chamou de fenômenos transicionais e, quando utiliza algum objeto, ele recebe o nome de objeto transicional.

37 Objeto transicional o bebê leva a boca algum objeto junto com os dedos. segura um pedaço de tecido, chupa ou não. puxa fiapos de lã e faz bolas, às vezes engole. surgem atividades bucais acompanhadas de sons, balbucios, ruídos anais e as primeiras notas musicais.

38 Um objeto transicional Serve de defesa contra a angústia depressiva. Ele representa a mãe. É dotado das qualidades da mãe dos momentos tranqüilos. Ele marca a passagem do controle onipotente, exercido na fantasia, para o controle pela manipulação. Abre caminho ao processo de tornar-se capaz de aceitar diferença e similaridade.

39 O espaço transicional Persiste ao longo de toda a vida. Será ocupado por atividades criativas com objetivo de aliviar a tensão da realidade de dentro e de fora. O ambiente tem por missão respeitar e proteger sua expressão, levar durante a viagem, não lavá-lo. Os diferentes distúrbios dessa fase podem ser agrupados com o termo doenças da pulsão agressiva, a tendência anti-social, a hipocondria, a paranóia, a psicose maníaco- depressiva e algumas formas de depressão. O princípio que norteou o conjunto dos trabalhos de Winnicott foi a necessidade de criar um ambiente novo e adaptado a cada paciente.

40 Processo da PB FASE TERAPÊUTICA: centrada no foco e objetivos definidos, permitindo avaliação final. TÉRMINO DO PROCESSO: importante fase. Pacientes: tendem a reviver experiências anteriores de perda e separação. Necessário que o terapeuta auxilie o paciente a distinguir encerramento do trabalho de abandono, possibilitando consolidação dos ganhos terapêuticos.

41 ENTREVISTA DE SEGUIMENTO Recurso para avaliação dos resultados e acompanhamento de evoluções positivas e negativas. Muito importante para o paciente, a família, o terapeuta e a pesquisa em PB.


Carregar ppt "PSICOTERAPIA BREVE INFANTIL (PBI) CURSO DE FORMAÇÃO EM PSICOTERAPIA BREVE Profa Dra Carmen M.B. Neme Profa Ms. Cristiane A Dameto - 2009 -"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google