A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 PROJETO DE PESQUISA BNDES-FECAMP – 2008/09 INSTITUIÇÕES EXECUTORAS: IE/UNICAMP E IE/UFRJ PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA FINANCEIRA BRASILEIRA E O PAPEL DOS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 PROJETO DE PESQUISA BNDES-FECAMP – 2008/09 INSTITUIÇÕES EXECUTORAS: IE/UNICAMP E IE/UFRJ PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA FINANCEIRA BRASILEIRA E O PAPEL DOS."— Transcrição da apresentação:

1 1 PROJETO DE PESQUISA BNDES-FECAMP – 2008/09 INSTITUIÇÕES EXECUTORAS: IE/UNICAMP E IE/UFRJ PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA FINANCEIRA BRASILEIRA E O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS SUBPROJETO: MERCADO DE TÍTULOS BRASILEIRO EQUIPE: IE/UFRJ COORDENAÇÃO: FERNANDO J. CARDIM DE CARVALHO (IE/UFRJ).

2 2 SEMINÁRIO / RELATÓRIO FINAL CAPÍTULO III Mercado de Ações Brasileiro (MAB): Síntese da Evolução Recente, Perspectivas e Papel dos Bancos Públicos EQUIPE: Jennifer Hermann; Paula Marina Sarno; Maria Isabel Busato; Mauro Santos Silva; Norberto Martins; Anna Carolina dos Reis.

3 3 1. APRESENTAÇÃO Objetivo Geral do Sub-Projeto: Análise da evolução do MAB no período Objetivo específico: Análise das implicações da evolução recente e perspectivas do MAB para a atuação dos Bancos Públicos (BP) no Brasil. Foco: Segmento primário do MAB e fase de expansão recente ( ).

4 4 1. APRESENTAÇÃO 1º Relatório Parcial Descritivo: Principais tendências do MAB no período º Relatório Parcial Analítico: Causas e condicionantes da expansão de Questão central: Caráter conjuntural x estrutural dessa expansão. Condicionantes: Ambiente macro e financeiro doméstico e externo; ambiente institucional (regulação, política financeira); perfil de risco do MAB em (concentração, liquidez, volatilidade). Relatório Final Síntese, perspectivas e implicações para os Bancos Públicos.

5 5 2. TENDÊNCIAS DO MAB ( ) : Previsível estagnação. Ambiente externo e institucional favoráveis; ambiente macro doméstico muito desfavorável : Forte expansão. Ambiente externo, institucional e macro favoráveis : Previsível (e forte) retração. Avanço institucional (regulação de proteção contra riscos), mas ambiente externo e doméstico muito desfavoráveis; : Expansão espetacular. Ambiente externo, doméstico e institucional altamente favoráveis.

6 6 2. TENDÊNCIAS / Gerais

7 7

8 8 2. TENDÊNCIAS / Perfil da Oferta ( ) Concentração em grandes empresas (100%) e setores (60% em extração mineral, construção civil, energia e bancos). Destinação dos recursos: produção/investimento (60% em , 38% em ) e reestruturação patrimonial (respectivamente, 30% e 60%). IPOs: 54% em (21% em ). Novo Mercado: 66% em (14% em ). DRs: perfil anticíclico: % DR/Total = 362% em e 21% em

9 9 2. TENDÊNCIAS / Perfil da Demanda ( ) Tendências preocupantes: Maiores compradores domésticos (fundos/clubes de investimento e pessoas físicas) reduziram participação no mercado. Fundos de previdência e instituições financeiras: peso inexpressivo. Crescente participação de investidores estrangeiros.

10 10 2. TENDÊNCIAS / Demanda

11 11 2. (...) TENDÊNCIAS: Demanda

12 12 2. TENDÊNCIAS / Perfil de Risco ( ) Indicadores ambíguos: Liquidez: sinais de melhora (aumento do volume negociado combinado a tendência de alta do Ibovespa). Volatilidade (Ibovespa, ): redução modesta até 2007 (de 35% p/ 27%), reversão em 2008 (46%). Concentração: aumento da concentração em investidores estrangeiros, empresas e setores (especialmente commodities). Estrangeiros: aparente impacto desfavorável sobre a volatilidade - fases de saída de capital coincidem com as de aumento da volatilidade.

13 13 2. TENDÊNCIAS / Risco Gráfico II.17 – Evolução do Ibovespa x Índice de Commodities

14 14 2. TENDÊNCIAS / Risco Gráfico II.19 – Volatilidade Mensal Anualizada do Ibovespa x Fluxo de Capital Estrangeiro em Bolsa Mensal Anualizado –

15 15 3. A EXPANSÃO DE Condicionantes:

16 / Análise Mudança estrutural ou apenas conjuntura favorável? Condições estruturais contribuíram para sustentar, mas não desencadearam, a expansão: Mudanças estruturais são muito anteriores a Boom só foi possível sob conjuntura muito favorável. Fatores conjunturais favoráveis em sinergia: Crescimento e liquidez internacional melhora das contas externas no Brasil. Contas externas estabilidade monetária, corte dos juros, retomada do crescimento no Brasil. Crescimento estímulo à oferta e demanda por ações. Juros em queda, porém altos vantagem comparativa.

17 17 4. PERSPECTIVAS DO MAB Herança de : Elevado peso de fatores conjunturais reduz probabilidade de extensão desse cenário. Maior risco: Elevado peso do ambiente externo: Ambiente externo extremamente favorável está na raiz da melhora da conjuntura doméstica que permitiu a expansão. Peso de investidores estrangeiros no MAB é preocupante: dinâmica do mercado é exógena. Nessas condições, abertura financeira (estrutural) tem efeitos ambíguos: eleva demanda, liquidez e volatilidade no MAB.

18 18 4. PERSPECTIVAS / Conclusão Perspectivas: Baixa probabilidade de retorno aos níveis de , na ausência de (novo) cenário externo tão favorável. Crise financeira internacional recente ( ) sugere baixa probabilidade de repetição de tal cenário externo. Avanço anterior da regulamentação, bons resultados recentes do MAB e crescimento com estabilidade monetária podem sustentar nova fase expansiva, porém, menos espetacular.

19 19 5. IMPLICAÇÕES PARA OS BP FEDERAIS Relações BP-MAB: Influência dos BP sobre o MAB, via: atuação dos BP no MAB; atuação dos BP no mercado de crédito (concorrência ou complementaridade). Influência do MAB sobre os BP, via: perda de market share pelos BP no mercado de crédito.

20 20 5. IMPLICAÇÕES / Análise Atuação dos BP no MAB (RP1): Nula participação como ofertantes e intermediários ( ). Fraca atuação como demandantes, exceto BNDES (ações = 60% do ativo do BNDESPAR em ). Baixo peso relativo do BNDESPAR no mercado enfraquece sua influência no MAB. Relações BP- MAB via mercado de crédito (RP2): BB + CEF + BNDES: crédito pró-cíclico em relação ao MAB. BB: trajetória semelhante à dos canais privados de financiamento. CEF: contínua perda de market share, por razões alheias ao MAB. BNDES: atuação anticíclica frente ao MAB e ao mercado de crédito: expansão em e crescimento menor em

21 21 5. IMPLICAÇÕES / Análise

22 22 5. IMPLICAÇÕES / Conclusão... Expansão do crédito público (BB e BNDES) não roubou mercado ou impediu a expansão do MAB. Se alguma influência houve, esta se deu na direção oposta, do MAB para os BP – mais especificamente, para o BNDES. Perda de market share de BP para agentes privados não é, em si, um problema; pode ser uma solução. Mas mercado de capitais e de crédito privado são incompletos frente às necessidades de financiamento do desenvolvimento econômico. Desenvolvimento financeiro não é ameaça letal para BP, apenas exige que se reinventem periodicamente.

23 23 5. IMPLICAÇÕES / Conclusão Espaços para reinvenção dos BP no Brasil: No MAB: Como ofertantes: só BB tem condições objetivas para isso (Cia. Aberta do Novo Mercado), mas requer cautela: função de BP pode conflitar com interesses de acionistas. Como demandantes: risco de mercado e funções de BP desaconselham, inclusive como market maker. Como intermediários: atuação mais indicada, dado o baixo risco. No mercado de crédito: Foco nos novos grupos racionados ou excluídos: reduz incompletude do mercado e evita concorrência com segmento privado.

24 24 OBRIGADA


Carregar ppt "1 PROJETO DE PESQUISA BNDES-FECAMP – 2008/09 INSTITUIÇÕES EXECUTORAS: IE/UNICAMP E IE/UFRJ PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA FINANCEIRA BRASILEIRA E O PAPEL DOS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google