A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Programando o Atendimento das Pessoas com Diabetes Mellitus.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Programando o Atendimento das Pessoas com Diabetes Mellitus."— Transcrição da apresentação:

1 Programando o Atendimento das Pessoas com Diabetes Mellitus

2 A Atenção Básica se caracteriza por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a manutenção da saúde.

3 O centro de comunicação da atenção integral ao diabético e ao hipertenso é a rede básica (Unidades Básicas de Saúde tradicionais e as equipes de Saúde da Família), na qual deve ser estimulada a atenção de caráter multiprofissional, hierárquico e com forte ênfase nos aspectos da educação e da promoção de saúde. (São Paulo, 2008)

4 Saúde da Família é a estratégia priorizada pelo Ministério da Saúde para organizar a Atenção Básica e tem como principal desafio promover a reorientação das práticas e ações de saúde de forma integral e contínua. Incorpora e reafirma os princípios básicos do SUS - universalização, descentralização, integralidade e participação da comunidade - mediante o cadastramento e a vinculação dos usuários.

5 O atendimento é prestado pelos profissionais das equipes (médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, agentes comunitários de saúde, dentistas e auxiliares de consultório dentário) na unidade de saúde ou nos domicílios. Essa equipe e a população acompanhada criam vínculos de co-responsabilidade, o que facilita a identificação, o atendimento e o acompanhamento dos agravos à saúde dos indivíduos e das famílias na comunidade.

6 A equipe mínima de Saúde da Família deve atuar, de forma integrada e com níveis de competência bem estabelecidos, na abordagem do diabetes. A definição das atribuições da equipe no cuidado integral ao Diabetes deve responder às peculiaridades locais, tanto do perfil da população sob cuidado como do perfil da própria equipe de saúde.

7 A definição específica das responsabilidades para cada profissional dependerá do grau de capacitação de cada um dos membros da equipe. Estabelecido o diagnóstico, é a partir das consultas iniciais (médica e de enfermagem) que se agregam as outras atividades e as orientações dos diversos profissionais envolvidos nos cuidados às pessoas com doenças crônicas.

8 É possível estabelecer o risco cardiovascular depois da consulta médica inicial e da avaliação dos exames; Portanto, é possível definir o plano terapêutico individual, com o envolvimento de outros profissionais de saúde, na perspectiva da atenção integral de caráter multiprofissional, a qual deve estabelecer estratégias para impedir a instalação ou retardar a evolução das complicações crônicas da hipertensão arterial e do diabetes (cardiovasculares, oculares, renais, neurológicas centrais e periféricas), responsáveis pelos altos índices de incapacidade e morbimortalidade.

9 É imprescindível que se crie uma rotina de orientações sobre as providências não- farmacológicas (adoção de hábitos de vida e de alimentação saudáveis), de consultas/avaliações e de análises clínicas, cuja periodicidade vai depender do grau de comprometimento diagnosticado, desde a triagem rotineira até a lesão instalada, com reavaliações periódicas na frequência que o quadro clínico exigir.

10 No caso da Vera podemos ver essa programação na elaboração do plano terapêutico, em que as metas e os retornos com os profissionais foram estabelecidos segundo seu quadro clínico: 1.Visita Domiciliar do Auxiliar de Enfermagem e ACS; 2.Acolhimento e avaliação médica; 3.Encaminhamento para grupos; 4.Avaliação Odontológica; 5.Consulta de enfermagem; 6.Retorno em consulta médica.

11 Bibliografia BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2014 (Caderno de Atenção Básica n. 36). SÃO PAULO. Área Técnica de Saúde do Adulto. Secretaria Municipal da Saúde. Protocolo de Tratamento da Hipertensão Arterial e do Diabetes Melito tipo 2 na Atenção Básica. São Paulo, 2008.

12 Este trabalho está licenciado sob uma licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional. Para ver uma cópia desta licença, visite


Carregar ppt "Programando o Atendimento das Pessoas com Diabetes Mellitus."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google