A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NA PREVENÇÃO E NO MANEJO DAS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: O CASO DE UMA CIDADE DO SUL DE SANTA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NA PREVENÇÃO E NO MANEJO DAS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: O CASO DE UMA CIDADE DO SUL DE SANTA."— Transcrição da apresentação:

1 A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NA PREVENÇÃO E NO MANEJO DAS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: O CASO DE UMA CIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA a 1. Estudante do Curso de Farmácia – Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica– PIBIC/CNPq – Núcleo de Pesquisa em Atenção Farmacêutica e Estudos de Utilização de Medicamentos – NAFEUM – Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL– Campus Sul – Unidade Tubarão - SC; 2. Farmacêutica - Doutora em Química – Coordenadora do NAFEUM – Professora do Curso de Farmácia – UNISUL. CAMILA ROSSO NETO 1 ; DAYANI GALATO 2. As doenças sexualmente transmissíveis (DST) constituem um grupo de infecções transmitidas por meio de contato sexual, mas que também podem ser passadas de mãe para filho (antes e durante o parto) ou por transfusões sanguíneas. (NAVES et al., 2005; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008). Nadal e Manzione (2003) afirmaram que o sentimento de culpa e a vergonha de estar infectado, faz com que o doente se automedique, procurando um estabelecimento farmacêutico e por muitas vezes sendo atendido por um balconista que falha ao tentar diagnosticar a doença. Neste caso o tratamento errôneo e/ou o atraso ao procurar um serviço de saúde pode agravar e perpetuar a doença (NAVES et al, 2005). Nesses estabelecimentos o profissional farmacêutico é quem responde pela qualidade dos atendimentos. E, de fato este é um dos profissionais de saúde mais acessíveis ao público em geral, contexto esse que deve ser levado em consideração quando se pensa em educação em saúde em DST (NAVES et al., 2005). Portanto, é indiscutível a importância de um estudo como este que visa conhecer a contribuição dos estabelecimentos farmacêuticos na prevenção e no manejo das doenças sexualmente transmissíveis. Introdução Objetivos Conhecer a contribuição dos estabelecimentos farmacêuticos na prevenção e no manejo das doenças sexualmente transmissíveis. Método A trajetória metodológica está apresentada na Figura 1. Figura 1: Trajetória metodologia Apoio Financeiro: PIBIC/CNPq Referências MINISTÉRIO DA SAÚDE. Taxas de prevalências das DST em mulheres brasileiras relatadas na literatura científica. Disponível em: http://www.aids.gov.br/main.asp Acesso em: 15 mai 2008 NADAL, S.R.; MANZIONE, C.R.; Identificação dos Grupos de Risco para as Doenças Sexualmente Transmitidas. Revista brasileira de Coloproctologia, v.23, n.2, p.128-129, 2003. NAVES J.O.S.; MERCHAN-HAMANN E.; SILVER L.D.; Orientação farmacêutica para DST: uma proposta de sistematização. Ciência e Saúde Coletiva, v.10, n.4, p.1005-1014, 2005. Resultados CONTRIBUIÇÃO Conclusão Os estabelecimentos farmacêuticos são procurados para o manejo destas doenças e geralmente desempenha as funções de: ser a porta de entrada do paciente para o serviço de saúde; local de venda de preservativos; de orientação para a realização do preventivo; de diagnóstico através da avaliação de sinais e sintomas; de automedicação seja ela orientada ou não; e de prevenção ; O manejo recomendado para DST nesses estabelecimentos geralmente esta relacionado a automedicação através de antifúngicos, além de tratamentos não farmacológico nos casos de infecções vaginais e de encaminhamento de outros profissionais de saúde em casos em que a sintomatologia sugere problemas mais sérios; As ações de prevenção estão relacionadas principalmente a orientações individuais no momento da dispensação no sentido de evitar a transmissão ao parceiro. Isso deve-se principalmente devido a falta de tempo por parte dos funcionários e de abertura por parte dos indivíduos; Entre as ações apontadas para serem implementadas nas farmácias está a adoção de folders no momento da dispensação e de cartazes que incentivem o uso de preservativo. Cabendo ressaltar que é necessário mais do que informação, uma mudança de postura por parte do individuo; A contracepção de emergência apareceu nos resultados como um importante fator de vulnerabilidade para as DST devendo ser um dos pontos de ação deste profissional da saúde. a-Trabalho da área da saúde ENTRADA O SERVIÇO: “Uma vez ou outra, aparece alguém com algum sintoma e a gente encaminha para o postinho pra poder ser feito uma avaliação melhor por um profissional mais qualificado, um médico”. LOCAL DE VENDA DE PRESERVATIVOS; DE ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DO PREVENTIVO; DE DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DA AVALIAÇÃO DE SINAIS E SINTOMAS; AUTOMEDICAÇÃO: “na verdade muitas já pedem, muitas já sabem: ‘ah, me dá aquele comprimidinho de dose única que eu to com coceira’”.”... eu indico geralmente pra fazer banho de acento, com bicarbonato ou com vinagre, o fluconazol dose única, ou uma pomadinha pra passar pra aliviar a coceira, geralmente nistatina...” PREVENÇÃO. AÇÕES REALIZADAS: “ A gente acaba orientando, mas principalmente no momento que est á na pr ó pria infec ç ão para que não passe para o parceiro ou que não fique com infec ç ão cruzada ”. LIMITAÇÕES:“geralmente elas tem até na maioria (das vezes) vergonha de dizer que está com aquilo, como se realmente fosse algo pessoal, é um problema meu, uma doença minha e que na verdade é como se ele (parceiro) não tivesse participação e ainda não tivesse o risco de eu estar o contaminando”. “... para um dialogo a pessoa se mostra informada(...), acho que ela tem informação, mas as vezes falta atrelar isso.” AÇÕES QUE PODEM SER REALIZADAS: “...muitas vezes você não pode falar, mas você pode entregar alguma coisa (folder) pra pessoa (...) e com mais privacidade ela pode estar lendo ”. PREVENÇÃO TEMA EMERGENTE – ANTICONCEPÇÃO DE EMERGÊNCIA FATOR DE VULNERABILIDADE PARA DST:“ Uma vez (para) um menino, eu at é cheguei a perguntar... tipo passava uma semana comprava, passava mais duas semanas comprava de novo. Era o jeito que eles estavam se cuidando ”. “...então ela não usa preservativo j á sabendo que vai ter que usar a p í lula depois, então não é um m é todo de emergência. ” 81 Farmácias no município Sorteio de 20 Farmácias Identificação dos sujeitos a serem entrevistados Entrevistas Análise e categorização dos discursos


Carregar ppt "A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NA PREVENÇÃO E NO MANEJO DAS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: O CASO DE UMA CIDADE DO SUL DE SANTA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google