A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

NOÇÕES DE ARQUIVOLOGIA Professor Élvis Corrêa Miranda.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "NOÇÕES DE ARQUIVOLOGIA Professor Élvis Corrêa Miranda."— Transcrição da apresentação:

1 NOÇÕES DE ARQUIVOLOGIA Professor Élvis Corrêa Miranda

2 ORDENAÇÃO DE DOCUMENTOS 2

3 3 Alfabético Alfabético Geográfico Geográfico Numérico Numérico Ideográfico Ideográfico MÉTODOS DE ARQUIVAMENTO:

4 4 É aquele que separa os É aquele que separa os documentos por local ou documentos por local ou procedência; procedência; Entende-se por procedência Entende-se por procedência a cidade, estado ou país a a cidade, estado ou país a que o documento se refere. que o documento se refere. MÉTODO GEOGRÁFICO:

5 5 Os estados devem ser ordenados Os estados devem ser ordenados alfabeticamente; alfabeticamente; Dentro de cada estado, a capital deve vir Dentro de cada estado, a capital deve vir em primeiro lugar, seguida das demais em primeiro lugar, seguida das demais cidades em ordem alfabética. cidades em ordem alfabética. REGRAS DO MÉTODO GEOGRÁFICO: ORGANIZAÇÃO POR ESTADO:

6 6 ALAGOAS ALAGOAS BAHIA BAHIA CEARÁ CEARÁ GOIÁS GOIÁS MARANHÃO MARANHÃO PARÁ PARÁ SÃO PAULO SÃO PAULO ORGANIZAÇÃO POR ESTADO:

7 7 ALAGOAS ALAGOAS BAHIA BAHIA CEARÁ CEARÁ GOIÁS GOIÁS MARANHÃO MARANHÃO PARÁ PARÁ SÃO PAULO SÃO PAULO ORGANIZAÇÃO POR ESTADO: FORTALEZA Crateús Juazeiro Quixeramobim Sobral PASTA DO ESTADO DO CEARÁ:

8 8 Os países devem ser ordenados Os países devem ser ordenados alfabeticamente; alfabeticamente; Dentro de cada país, a capital deve vir Dentro de cada país, a capital deve vir em primeiro lugar, seguida das demais em primeiro lugar, seguida das demais cidades em ordem alfabética. cidades em ordem alfabética. REGRAS DO MÉTODO GEOGRÁFICO: ORGANIZAÇÃO POR PAÍS:

9 9 ARGENTINA ARGENTINA BÉLGICA BÉLGICA CHINA CHINA FRANÇA FRANÇA HONDURAS HONDURAS JAPÃO JAPÃO PORTUGAL PORTUGAL

10 10 ORGANIZAÇÃO POR ESTADO: LISBOA Braga Porto Setúbal PASTA DE PORTUGAL: ARGENTINA ARGENTINA BÉLGICA BÉLGICA CHINA CHINA FRANÇA FRANÇA HONDURAS HONDURAS JAPÃO JAPÃO PORTUGAL PORTUGAL

11 11 As cidades devem ser ordenadas As cidades devem ser ordenadas alfabeticamente; alfabeticamente; Ao final de cada cidade, deve ser Ao final de cada cidade, deve ser identificado o seu estado, entre identificado o seu estado, entre parênteses. parênteses. REGRAS DO MÉTODO GEOGRÁFICO: ORGANIZAÇÃO POR CIDADE:

12 12 ORGANIZAÇÃO POR CIDADE: Anápolis Anápolis Cubatão Cubatão Fortaleza Fortaleza Lages Lages Manaus Manaus São Paulo São Paulo Taguatinga Taguatinga

13 13 ORGANIZAÇÃO POR CIDADE: Anápolis (Goiás) Anápolis (Goiás) Cubatão (São Paulo) Cubatão (São Paulo) Fortaleza (Ceará) Fortaleza (Ceará) Lages (Santa Catarina) Lages (Santa Catarina) Manaus (Amazonas) Manaus (Amazonas) São Paulo (São Paulo) São Paulo (São Paulo) Taguatinga (Distrito Federal) Taguatinga (Distrito Federal) Taguatinga (Tocantins) Taguatinga (Tocantins)

14 14 ORGANIZAÇÃO POR CIDADE: Anápolis (Goiás) Anápolis (Goiás) Cubatão (São Paulo) Cubatão (São Paulo) Fortaleza (Ceará) Fortaleza (Ceará) Lages (Santa Catarina) Lages (Santa Catarina) Manaus (Amazonas) Manaus (Amazonas) São Paulo (São Paulo) São Paulo (São Paulo) Taguatinga (Distrito Federal) Taguatinga (Distrito Federal) Taguatinga (Tocantins) Taguatinga (Tocantins)

15 15 ORGANIZAÇÃO POR CIDADE: Anápolis (Goiás) Anápolis (Goiás) Cubatão (São Paulo) Cubatão (São Paulo) Fortaleza (Ceará) Fortaleza (Ceará) Lages (Santa Catarina) Lages (Santa Catarina) Manaus (Amazonas) Manaus (Amazonas) São Paulo (São Paulo) São Paulo (São Paulo) Taguatinga (Distrito Federal) Taguatinga (Distrito Federal) Taguatinga (Tocantins) Taguatinga (Tocantins)

16 16 É aquele que ordena os É aquele que ordena os documentos por número; documentos por número; É subdividido em numérico É subdividido em numérico simples, cronológico e simples, cronológico e dígito-terminal. dígito-terminal. MÉTODO NUMÉRICO:

17 17 Os documentos são numerados quando entram no arquivo ou instituição e são ordenados pelo número que receberam. NUMÉRICO SIMPLES:

18 18 Os documentos são numerados; Os documentos são numerados; Os números são divididos em grupos de dois algarismos Os números são divididos em grupos de dois algarismos cada um, lidos da direita para a esquerda; cada um, lidos da direita para a esquerda; A ordenação é feita a partir dos dois últimos algarismos. A ordenação é feita a partir dos dois últimos algarismos. NUMÉRICO DÍGITO-TERMINAL: º) º) º) º) º) arquivam-se Dividir em grupos de 2 algarismos

19 19 É aquele que ordena os É aquele que ordena os documentos por assunto documentos por assunto ou tema; ou tema; Os assuntos podem ser Os assuntos podem ser ordenados de forma ordenados de forma alfabética ou numérica. alfabética ou numérica. MÉTODO IDEOGRÁFICO:

20 20 DICIONÁRIO: Os assuntos são DICIONÁRIO: Os assuntos são ordenados alfabeticamente em um ordenados alfabeticamente em um único nível único nível ENCICLOPÉDICO: Os assuntos são ENCICLOPÉDICO: Os assuntos são ordenados alfabeticamente em ordenados alfabeticamente em níveis hierarquizados. níveis hierarquizados. IDEOGRÁFICO ALFABÉTICO:

21 21 Admissão Admissão Aposentadoria Aposentadoria Cirurgias Cirurgias Empréstimos Empréstimos Exames Exames Férias Férias Licenças Licenças Viagens Viagens DICIONÁRIO:

22 22 FINANÇAS Empréstimos Empréstimos Bancários Bancários Rurais Rurais Financiamentos FinanciamentosPESSOAL Aposentadoria Aposentadoria Férias Férias Treinamento Treinamento Cursos Cursos Estágios Estágios ENCICLOPÉDICO:

23 23 1) Os assuntos são codificados hierarquicamente (do geral para o específico), gerando o PLANO (do geral para o específico), gerando o PLANO DE CLASSIFICAÇÃO da instituição; DE CLASSIFICAÇÃO da instituição; 2) Os documentos têm o seu código de classificação anotados na primeira folha classificação anotados na primeira folha quando entram na instituição; quando entram na instituição; 3) A ordenação nos arquivos é feita a partir dos códigos de assunto. códigos de assunto. IDEOGRÁFICO NUMÉRICO:

24 24 1 – FINANÇAS 1-1 – Empréstimos 1-1 – Empréstimos – Rurais – Rurais – Bancários – Bancários 1-2 – Financiamentos 1-2 – Financiamentos 2 – PESSOAL 2-1 – Férias 2-1 – Férias 2-2 – Aposentadoria 2-2 – Aposentadoria 2-3 – Treinamento 2-3 – Treinamento – Estágios – Estágios Cursos Cursos PLANO DE CLASSIFICAÇÃO:

25 25 CODIFICAÇÃO:

26 26 CODIFICAÇÃO: 2-3-2

27 27 ORDENAÇÃO NO ARQUIVO:

28 28 ORDENAÇÃO NO ARQUIVO:

29 29 1) A codificação dos documentos é feita quando da entrada deste na instituição da entrada deste na instituição (fase corrente); (fase corrente); 2) MÉTODO DECIMAL: Limita os assuntos a, no máximo, 10 áreas ou classes; no máximo, 10 áreas ou classes; 3) MÉTODO DUPLEX: Permite a criação de classes ou áreas de forma ilimitada. classes ou áreas de forma ilimitada. IDEOGRÁFICO NUMÉRICO:

30 30 ESCOLHA DO MÉTODO A SER ADOTADO: O responsável deve conhecer e considerar dois aspectos: A natureza dos documentos a A natureza dos documentos a serem arquivados; serem arquivados; A estrutura e o funcionamento A estrutura e o funcionamento da instituição. da instituição.

31 31 QUESTÕES DE CONCURSOS ANTERIORES

32 32 (Cespe-UnB – DPU 2010) Considere que os documentos de um determinado setor da DPU estejam organizados com base na procedência ou local. Nessa situação, o método de arquivamento adotado denomina-se (A) por assunto. (B) onomástico. (C) geográfico. (D) ideográfico. (E) alfabético. 32

33 33 (Cespe-UnB – DPU 2010) Considere que os documentos de um determinado setor da DPU estejam organizados com base na procedência ou local. Nessa situação, o método de arquivamento adotado denomina-se (A) por assunto. (B) onomástico. (C) geográfico. (D) ideográfico. (E) alfabético. 33

34 34 (Cesgranrio - BACEN / 2010) Nas localidades onde o Banco Central do Brasil possui representação regional, um cidadão comum pode enviar carta com reclamação, elogio ou sugestão, e ela será encaminhada à Ouvidoria do Banco. Se a Ouvidoria receber cartas do Rio Grande do Sul, como, por exemplo, de (1) Santa Maria; (2) Caxias do Sul; (3) Novo Hamburgo; (4) Gramado e (5) Porto Alegre, deverá fazer a ordenação dessas cartas. Se for utilizado o método geográfico de arquivamento, na modalidade estado, cidade e correspondente, a ordenação será a seguinte: (A) 5,4,3,2,1 (B) 5,2,4,3,1 (C) 4,3,2,5,1 (D) 2,4,3,5,1 (E) 1,2,4,3,5 34

35 35 (1) Santa Maria (2) Caxias do Sul (3) Novo Hamburgo (4) Gramado (5) Porto Alegre 35

36 36 (5) Porto Alegre (2) Caxias do Sul (4) Gramado (3) Novo Hamburgo (1) Santa Maria 36

37 37 (Cesgranrio - BACEN / 2010) Nas localidades onde o Banco Central do Brasil possui representação regional, um cidadão comum pode enviar carta com reclamação, elogio ou sugestão, e ela será encaminhada à Ouvidoria do Banco. Se a Ouvidoria receber cartas do Rio Grande do Sul, como, por exemplo, de (1) Santa Maria; (2) Caxias do Sul; (3) Novo Hamburgo; (4) Gramado e (5) Porto Alegre, deverá fazer a ordenação dessas cartas. Se for utilizado o método geográfico de arquivamento, na modalidade estado, cidade e correspondente, a ordenação será a seguinte: (A) 5,4,3,2,1 (B) 5,2,4,3,1 (C) 4,3,2,5,1 (D) 2,4,3,5,1 (E) 1,2,4,3,5 37

38 38 (Funiversa – MPGO Téc. Arquivo / 2010) A atribuição de um número a cada cliente (pessoa física ou jurídica), por exemplo, obedecendo à ordem de entrada ou de registro, sem preocupação alguma com a ordem alfabética é característica do método. (A) numérico cronológico. (B) numérico alfabético. (C) numérico simples. (D) dígito-terminal. (E) variadex-cronológico. 38

39 39 (Funiversa – MPGO Téc. Arquivo / 2010) A atribuição de um número a cada cliente (pessoa física ou jurídica), por exemplo, obedecendo à ordem de entrada ou de registro, sem preocupação alguma com a ordem alfabética é característica do método. (A) numérico cronológico. (B) numérico alfabético. (C) numérico simples. (D) dígito-terminal. (E) variadex-cronológico. 39

40 40 (Cespe-UnB / Antaq 2009) - O método numérico simples determina a numeração sequencial dos documentos, dispondo os números em três grupos de dois dígitos cada um. Por exemplo:

41 41 (Cespe-UnB / Antaq 2009) - O método numérico simples determina a numeração sequencial dos documentos, dispondo os números em três grupos de dois dígitos cada um. Por exemplo:

42 42 (FCC-TRF 2 a Reg / 2007) Uma instituição adota o método dígito-terminal para classificar os prontuários de seus servidores: 1) Hilary Jenkinson 2) Eugenio Casanova 3) T. R. Schellenberg 4) Luciana Duranti 5) Angelika Menne-Hantz 6) Bruno Delmas 7) Paola Carucci 8) Michel Duchein 42

43 43 1) ) ) ) ) ) ) )

44 44 1) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) )

45 45 1) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) )

46 46 1) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) )

47 47 (A) 1,2,3,4,8,5,6,7. (B) 5,6,7,3,8,4,1,2. (C) 5,6,2,1,4,8,7,3. (D) 7,2,6,8,4,1,5,3. (E) 7,2,6,8,4,5,1,3. 47

48 48 (Cespe-UnB – Ceturb-ES 2010) A criação de pastas para o arquivamento de documentos a paritr dos temas relacionados a atividades desenvolvidas no setor de trabalho indica o uso do método ideográfico. 48

49 49 (Cespe-UnB – Ceturb-ES 2010) A criação de pastas para o arquivamento de documentos a paritr dos temas relacionados a atividades desenvolvidas no setor de trabalho indica o uso do método ideográfico. 49

50 50 (Funiversa – Terracap 2010) Acerca dos métodos de arquivamento, aquele que separa os documentos por assunto é o (A) ideográfico. (B) alfabético. (C) numérico. (D) geográfico. (E) cronológico. 50

51 51 (Funiversa – Terracap 2010) Acerca dos métodos de arquivamento, aquele que separa os documentos por assunto é o (A) ideográfico. (B) alfabético. (C) numérico. (D) geográfico. (E) cronológico. 51

52 52 (Funiversa – Embratur / 2010) O que determina o método de arquivamento dos documentos do arquivo é (são) (A) a natureza dos documentos e a estrutura da entidade. (B) a espécie e a tipologia do documento. (C) o ato de recebimento e a expedição do documento. (D) o suporte e o gênero documental. (E) a classificação de sigilo do documento. 52

53 53 (Funiversa – Embratur / 2010) O que determina o método de arquivamento dos documentos do arquivo é (são) (A) a natureza dos documentos e a estrutura da entidade. (B) a espécie e a tipologia do documento. (C) o ato de recebimento e a expedição do documento. (D) o suporte e o gênero documental. (E) a classificação de sigilo do documento. 53

54 54 (Cespe-UnB - ANAC/2009) O método de arquivamento dos documentos de arquivo deve ser definido a partir da natureza dos documentos e da estrutura da organização que produz ou recebe. 54

55 55 (Cespe-UnB - ANAC/2009) O método de arquivamento dos documentos de arquivo deve ser definido a partir da natureza dos documentos e da estrutura da organização que produz ou recebe. 55

56 56 (Cespe-UnB-SEAD/CEHAP/PB 2009) - A atividade de classificação de documentos de arquivo exige, por parte do classificador, conhecimentos não só da empresa ou do órgão público, mas da natureza dos documentos a serem classificados. 56

57 57 (Cespe-UnB-SEAD/CEHAP/PB 2009) - A atividade de classificação de documentos de arquivo exige, por parte do classificador, conhecimentos não só da empresa ou do órgão público, mas da natureza dos documentos a serem classificados. 57

58 58 (Cespe-UnB-DFTrans / 2008) Considere que uma unidade de arquivo apresente a seguinte organização do seu acervo. 58

59 59 PESSOAL CEILÂNDIA: de Abraão até Fagundes de Gonçalves até Lima de Miranda até Oliveira GAMA: de Abreu até Ferreira de Garcia até Maciel VEÍCULOS MATERIAL PERMANENTE 59

60 60 Com base nessa organização, é correto afirmar que o método principal de arquivamento utilizado foi o método por assunto, tendo sido empregados, como métodos secundários, o geográfico e o alfabético. 60

61 61 (Cespe-UnB-Ancine / 2006) Considerando a hipótese de arquivamento a seguir, é correto afirmar que o principal critério utilizado para tal fim foi o de arquivamento por assunto. 61

62 VEÍCULOS - Goiás - Minas Gerais PESSOAL - ADMISSÃO E DEMISSÃO - de Abrão, Antonio até Carvalho, Paulo A. - de Castro, Maria S. até Dias, Paulo, R. PAGAMENTOS - de 1981 a de 1986 a 1989


Carregar ppt "NOÇÕES DE ARQUIVOLOGIA Professor Élvis Corrêa Miranda."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google