A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Emergências em Marinas Seminário APPR Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Cte Carlos Oliveira Director de Operações Marítimo Portuárias APS - Administração.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Emergências em Marinas Seminário APPR Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Cte Carlos Oliveira Director de Operações Marítimo Portuárias APS - Administração."— Transcrição da apresentação:

1 Emergências em Marinas Seminário APPR Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Cte Carlos Oliveira Director de Operações Marítimo Portuárias APS - Administração do Porto de Sines, SA

2 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 2 Emergência em Marinas Agenda Causas Incontroláveis Causas Controláveis Agitação Marítima Chuva e Vento Terramotos e Tsunamis Acidentes Operacionais Poluição Marítima por Hidrocarbonetos Incêndio

3 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 3 Emergência em Marinas Causas Incontroláveis Agitação Marítima

4 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 4 Emergência em Marinas Causas Incontroláveis Agitação Marítima

5 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 5 Emergência em Marinas Causas Incontroláveis Agitação Marítima

6 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 6 Emergência em Marinas Causas Incontroláveis Agitação Marítima

7 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 7 Emergência em Marinas Causas Incontroláveis Agitação Marítima

8 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 8 Emergência em Marinas Causas Incontroláveis Agitação Marítima

9 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 9 Emergência em Marinas Causas Incontroláveis Vento e Chuva Fortes Filme 001

10 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 10 Emergência em Marinas Causas Incontroláveis Terramotos e Tsunamis

11 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 11 Emergência em Marinas Causas Incontroláveis Terramotos e Tsunamis

12 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 12 Emergência em Marinas Causas Controláveis Acidentes Operacionais

13 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 13 Emergência em Marinas Causas Controláveis Acidentes Operacionais

14 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 14 Emergência em Marinas Causas Controláveis Acidentes Operacionais

15 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 15 Emergência em Marinas Causas Controláveis Acidentes Operacionais Filme 002 Filme 003 Filme 004 Filme 005

16 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 16 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos

17 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 17 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos

18 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 18 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos CONCEITOS HIDRÓFILO E HIDRÓFOBO OLEOFÍLICO PREVENÇÃO E COMBATE

19 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 19 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos Hidrófilo que absorve facilmente a água Hidrófobo que tem horror à água, que repele a água

20 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 20 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos Oleofílico é o comportamento de todas as moléculas que têm afinidade com as os lípidos (gorduras). Numa solução coloide, as partículas lipófitas tendem a juntar-se e a manterem-se em contacto, ou seja que têm a facilidade em reter ou aderir ao óleo

21 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 21 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos

22 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 22 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos

23 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 23 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos PREVENÇÃO – Todas as medidas que funcionam para prevenir acidentes com efeito poluidor do meio marinho. COMBATE – Todas as medidas utilizadas para retirar o óleo da água após a ocorrência dum acidente.

24 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 24 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos PREVENÇÃO EM MARINAS POLUIÇÃO COM ORIGEM NO INTERIOR DA MARINA POLUIÇÃO COM ORIGEM NO EXTERIOR DA MARINA

25 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 25 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos PREVENÇÃO EM MARINAS POLUIÇÃO COM ORIGEM NO INTERIOR DA MARINA DE ORIGEM ACIDENTAL

26 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 26 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos PREVENÇÃO EM MARINAS POLUIÇÃO COM ORIGEM NO INTERIOR DA MARINA DE ORIGEM CRIMINOSA

27 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 27 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos PREVENÇÃO EM MARINAS EQUIPAMENTOS

28 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 28 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos PREVENÇÃO EM MARINAS EQUIPAMENTOS

29 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 29 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos PREVENÇÃO EM MARINAS

30 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 30 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos PREVENÇÃO EM MARINAS

31 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 31 Emergência em Marinas Causas Controláveis Poluição Marítima por Hidrocarbonetos FILME 006 GENÉRICO DE COMBATE À POLUIÇÃO POR HIDROCARBONETOS 35 MIN

32 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 32 Emergência em Marinas Causas Controláveis Incêndio

33 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 33 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio CONCEITOS Triangulo e Tetraedro do Fogo Misturas Pobres e Ricas Limite Inferior e Superior de Inflamabilidade Classes de Fogo

34 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 34 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio Triangulo e Tetraedro do Fogo Filme 015 Até pouco tempo atrás, havia a figura do triângulo de fogo, que agora foi substituída pelo TETRAEDRO DO FOGO, pela inclusão da reacção em cadeia. Eliminando-se um desses 4 elementos, terminará a combustão e, consequentemente, o foco de incêndio. Pode-se afastar ou eliminar a substância que está sendo queimada, embora isto nem sempre seja possível. Pode-se eliminar ou afastar o comburente (oxigénio), por abafamento ou pela sua substituição por outro gás não comburente. Pode-se eliminar o calor, provocando o resfriamento, no ponto em que ocorre a queima ou combustão. Ou pode-se interromper a reacção em cadeia

35 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 35 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio Mistura Pobre e Rica e Limites Inferior e Superior de Inflamabilidade Filme 007 Filme Lab

36 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 36 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio Classes de Fogo

37 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 37 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio EQUIPAMENTOS CONVENCIONAIS

38 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 38 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio EQUIPAMENTOS CONVENCIONAIS

39 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 39 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio Espumas para Combate a Incêndio Espuma de combate a incêndio, ou espuma retardante de fogo, ou espuma de extinção do fogo, é uma espuma usada para extinção de fogo. Seu papel é arrefecer e cobrir o combustível, prevenindo seu contacto com o oxigénio, resultando na extinção da combustão.espumacombustão Existem espumas específicas para combustíveis e solventes apolares, como os derivados de petróleo, e para os polares ou significativamente polares, em especial o álcool, abundante como combustível e mesmo como produto químico comercializado, ou ainda as acetonas e os éteres (como o acetato de etila) pois estes inibem a formação de espuma ou a inibem, dissolvendo a parte aquosa da formulação e anulando seu efeito de impedir o contacto do combustível com o oxigénio do ar.apolaresacetato de etila

40 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 40 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio Espumas para Combate a Incêndio A Espuma pode ser utilizada em baixa, média e alta expansão sendo a média a mais eficaz para o objectivo de apagar incêndios em embarcações. Filme 016 Filme 017

41 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 41 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio EQUIPAMENTOS ADEQUADOS PARA UTILIZAÇÃO EM MARINAS Combate a Incêndio com água e Espuma de baixa expansão

42 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 42 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio EQUIPAMENTOS ADEQUADOS PARA UTILIZAÇÃO EM MARINAS

43 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 43 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio EQUIPAMENTOS ADEQUADOS PARA UTILIZAÇÃO EM MARINAS Combate a Incêndio com água e Espuma de média expansão

44 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 44 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio EQUIPAMENTOS ADEQUADOS PARA UTILIZAÇÃO EM MARINAS Filme 011 Combate a Incêndio com um aerossol tendo o potássio como agente de impulsão e com a geração de CO e CO2

45 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 45 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio EQUIPAMENTOS ADEQUADOS PARA UTILIZAÇÃO EM MARINAS Combate a Incêndio com uma bola extintor automática de pó químico Filme 012 Filme 013 Filme 014

46 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 46 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio EQUIPAMENTOS ADEQUADOS PARA UTILIZAÇÃO EM MARINAS Combate a Incêndio com água atomizada

47 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 47 Emergência em Marinas Causas Controláveis Combate a Incêndio EQUIPAMENTOS ADEQUADOS PARA UTILIZAÇÃO EM MARINAS Filme IFEX

48 Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Carlos Oliveira 48 Emergência em Marinas Obrigado pela atenção


Carregar ppt "Emergências em Marinas Seminário APPR Vilamoura 20 e 21 de Abril de 2011 Cte Carlos Oliveira Director de Operações Marítimo Portuárias APS - Administração."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google