A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP PIC16F877A Linguagem C e Assembly Jadsonlee da Silva.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP PIC16F877A Linguagem C e Assembly Jadsonlee da Silva."— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP PIC16F877A Linguagem C e Assembly Jadsonlee da Silva Sá

2 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP IDE PCW – CCS C Desenvolvido pela CCS – Utilizado para desenvolver projetos em linguagem C para PICs – Compatível com o padrão ANSI. O IDE consiste de três módulos independentes: –PCB Dispositivos de 12 bits. –PCM Dispositivos de 14 bits. –PCH Dispositivos de 16 bits. –PCD Dispositivos de 24 bits.

3 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP IDE PCW – CCS C Manual digite f12.

4 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP IDE PCW – CCS C Desenvolvendo um projeto. –Project New Source File. Inclui o uC 16F877A. Utilizado para programar as opções de word_configuration – view/fuses valid. Define clock utilizado.

5 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Aplicação - LED Utilizar o pino B3 para controlar o LED. –A queda de tensão no LED é de 0,7 V e a corrente nominal de até 20 mA. –O PIC fornece no máximo 20 mA.

6 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Aplicação - LED Programas em C (CCS) e Assembly (MPLAB). O atraso entre ligar/desligar é aproximadamente zero.

7 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Exercício - LED Em grupo: faça um programa em C e outro em assembly que dê um atraso de 1 s entre o ligar/desligar e desligar/ligar do LED.

8 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Proteus Ferramenta para desenvolvimento de sistemas eletrônicos. –ARES Projeto de circuitos para prototipação. –ISIS Simulação de circuitos eletrônicos. Instalação...

9 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Proteus.

10 Configuração Básica PIC16F877A.

11 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Exercício Em grupo: monte o circuito do PIC/LED e execute o programa do exercício anterior no Proteus.

12 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Interrupções Assembly. Apenas PC é salvo automaticamente na pilha. W, STATUS e PCLATH devem ser salvos via software. Para ser acessível na mesma posição por todos os bancos (0x70- 0x7F).

13 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Interrupções Assembly. –Verificar qual bit IF do periférico utilizado está setado. –Se o bit IF testado for zero, salta o goto. –A seqüência dos testes indica a prioridade das interrupções. Porta B INT Timer 0 END_ISR aponta para o endereço imediatamente antes do restaurar o contexto.

14 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Interrupções Exemplo – INT externa (RB0).

15 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Interrupções Exemplo – INT externa (RB0).

16 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Interrupções Linguagem C - CCS. –Existem duas formas básicas para tratar as interrupções: Automático - O compilador gera quase todo código necessário para tratar a interrupção – O programador apenas inclui as funções de tratamento. Manual - O programador inclui todo código para tratar a interrupção. –O automático é simples, mas o código torna-se maior. Enquanto que no manual, o código é menor, mas o programador deve incluir todo código para realizar o tratamento.

17 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Interrupções Linguagem C - CCS. –Automático. A diretiva #INT_xxx deve ser utilizada antes da função ISR. O compilador zera o bit IF do periférico. Ver manual (#INT_xxx)

18 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Interrupções Linguagem C - CCS. –Automático – Definição da prioridade. #priority nome_int1, nome_int2,... –nome_int1 possui a maior prioridade...

19 Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP Interrupções Linguagem C - CCS. –Manual. Apenas a diretiva #INT_GLOBAL deve ser utilizada. #locate Prioridade é idêntica ao procedimento em assembly.


Carregar ppt "Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação – CECOMP PIC16F877A Linguagem C e Assembly Jadsonlee da Silva."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google