A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.1Database System Concepts Capítulo 6: Integridade e Segurança Restrições ao Domínio Integridade Referencial.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.1Database System Concepts Capítulo 6: Integridade e Segurança Restrições ao Domínio Integridade Referencial."— Transcrição da apresentação:

1 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.1Database System Concepts Capítulo 6: Integridade e Segurança Restrições ao Domínio Integridade Referencial Asserções Triggers Segurança e Autorizações

2 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.2Database System ConceptsAsserções Uma asserção é um predicado que exprime uma condição que gostaríamos de ver sempre satisfeita na base de dados. Em SQL as asserções têm a forma: create assertion check Quando se define uma asserção, o sistema testa-a, e volta a testá-la, sempre que há modificações na base de dados (que a possam violar) Estes testes podem introduzir um overhead significativo; logo as asserções são para usar com cuidado e de forma comedida. Impor uma condição da forma para todo o X, P(X), há que o fazer usando uma dupla negação: não existe X tal que not P(X) O Oracle não permite definir asserções.

3 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.3Database System Concepts Exemplo de Asserção Uma especialização duma entidade geral G (com chave CG) em E1 e E2 é disjunta. create assertion disjE1E2 check (not exists ((select CG from E1) intersect (select CG from E2)) ) G E1E2 isa disjoint

4 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.4Database System Concepts Exemplo de Asserção Em cada balcão, a soma dos montantes de todos os seus empréstimos tem que ser sempre inferior à soma de todos os seus depósitos. create assertion sum_constraint check (not exists (select * from branch where (select sum(amount) from loan where loan.branch_name = branch.branch_name ) >= some (select sum(balance) from account where account.branch_name = branch.branch_name )

5 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.5Database System Concepts Outro Exemplo Todo o empréstimo tem que estar sempre ligado a pelo menos um cliente de uma conta (de depósito) cujo saldo é não inferior a metade do valor do empréstimo create assertion balance_constraint check (not exists ( select * from loan where not exists ( select * from borrower natural inner join depositor natural inner join account where loan.loan_number = borrower.loan_number and account.balance >= 2 * loan.ammount )

6 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.6Database System ConceptsTriggers Um trigger é um comando que é executado automaticamente pelo sistema, como side-effect duma modificação à base de dados dum determinado tipo pré-definido. Para definir um trigger, há que: Especificar que evento faz disparar trigger Especificar em que condições o trigger deve ser. Especificar que acção fazer quando o trigger é executado. São conhecidos como event-condition-action rules Os triggers são armazenados na base de dados, e executados para todos as interacções com esta. O Oracle suporta triggers, embora com uma sintaxe ligeiramente diferente da do SQL.

7 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.7Database System Concepts Exemplo de Trigger Imagine uma situação em que o banco aceita que haja saldos negativos e, nesses casos: mete o saldo a 0 cria um empréstimo com o valor em dívida Atribui a este empréstimo um número idêntico ao da conta de depósito O trigger deve ser executado sempre que há uma actualização na relação account que faz com que o saldo passe a negativo.

8 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.8Database System Concepts Codificação do Exemplo em SQL:1999 create trigger overdraft_trigger after update on account referencing new row as nrow for each row when nrow.balance < 0 begin atomic insert into borrower (select customer_name, account_number from depositor where nrow.account_number = depositor.account_number); insert into loan values (nrow.account_number, nrow.branch_name, – nrow.balance); update account set balance = 0 where account.account_number = nrow.account_number end

9 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.9Database System Concepts Eventos e Acções de Triggers em SQL Os eventos que podem fazer disparar um trigger são insert, delete ou update No Oracle, também podem disparar triggers eventos de servererror, logon, logoff, startup e shutdown. Triggers sobre update podem-se restringuir só a alguns atributos E.g. create trigger overdraft_trigger after update of balance on account Pode-se referenciar o valor dos atributos antes e depois da modificação referencing old row as : para deletes e updates referencing new row as : para inserts e updates Pode-se fazer disparar um trigger antes do evento, para codificar restrições. E.g. converter espaços em null. create trigger setnull_trigger before update on r referencing new row as nrow for each row when nrow.phone_number = set nrow.phone_number = null Para além do before e do after no Oracle existe também o instead of.

10 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.10Database System Concepts Acções Externas Por vezes podemos querer que um dado evento faça disparar uma acção para o exterior. Por exemplo, numa base de dados de uma armazém, sempre que a quantidade de um produto desce abaixo (devido a um update) de um determinado valor podemos querer encomendar esse produto, ou disparar algum alarme. Os triggers não podem ser usados para implementar acções sobre o exterior, mas... podem ser usados para guardar numa tabela separada acções-a-levar-a-cabo. Podem depois haver procedimentos que, periodicamente verificam essa tabela separada. E.g. Uma base de um armazém com as tabelas inventario(item, quant): Que quantidade há de cada produto quantMin(item, quant) : Qual a quantidade mínima de cada produto reposicoes(item, quant): Quanto encomendar sempre que está em falta aencomendar(item, quant) : Coisas a encomendar (lido por procedimento)

11 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.11Database System Concepts Exemplo de Acções Externas create trigger aenc_trigger after update of quant on inventario referencing old row as orow, new row as nrow for each row when nrow.quant < = some (select quant from quantMin where quantMin.item = orow.item) and orow.quant > some (select quant from quantMin where quantMin.item = orow.item) begin insert into aencomendar (select item, quant from reposicoes where reposicoes.item = orow.item) end

12 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.12Database System Concepts Sintaxe de Triggers em Oracle create [or replace] trigger {before | after | instead of} [referencing old as ] [referencing new as ] for each row when begin end; / Evento pode ser: delete on insert on update on update of on servererror, logon, logoff, startup ou shutdown Os comandos são PL/SQL o que inclui os comandos SQL, mais WHILEs, IFs, etc (ver manuais) Dentro da condição os nome_antes e nome_depois podem ser usados sem mais. Mas nos comandos têm que ter o símbolo : antes!!!

13 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.13Database System Concepts Statement Triggers São executados após (antes, ou em vez de) uma instrução completa vs. os anteriores que são executadas após alterações em cada linha Sintaxe: create [or replace] trigger {before | after | instead of} begin end; Para ser usado quando as condições são para testar globalmente e não linha a linha.

14 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.14Database System Concepts Uso de triggers Podem usar-se para implementar assertions, fazendo raise_application_error quando as condições não se verificam. Não usar triggers: Quando as restrições podem ser impostas doutra forma!! Os triggers são mais difíceis de manter e são menos eficientes. Quando se querem manter sumários Para tal usem-se views e se eficiência for importante usem-se materialized views Os triggers permitem uma grande generalidade na imposição de restrições e, também por isso mesmo, devem ser usados com grande cuidado.

15 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.15Database System ConceptsSegurança Segurança – ao contrário das restrições de integridade, que pretendiam proteger a base de dados contra estragos acidentais, a segurança preocupa-se com proteger a base de dados de estragos propositados. A nível do sistema operativo A nível da rede A nível físico A nível humano A nível da base de dados Mecanismos de autenticação e autorização para permitir acessos selectivos de (certos) utilizadores a (certas) partes dos dados

16 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.16Database System ConceptsAutorizações Diferentes formas de autorização, em dados da bases de dados: Autorização de leitura – permite ler, mas não modificar dados. Autorização de inserção – permite inserir novos tuplos, mas não modificar tuplos existentes. Autorização de modificação – permite modificar tuplos, mas não apagá-los. Autorização de remoção – permite apagar tuplos

17 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.17Database System Concepts Autorizações (Cont.) Diferentes formas de autorização, para alterar esquemas: Autorização de index – permite criar e apagar ficheiros de index. Autorização de resources – permite criar novas relações. Autorização de alteração – permite criar e apagar atributos duma relação. Autorização de drop – permite apagar relações.

18 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.18Database System Concepts Autorizações e Views Pode-se dar autorização a utilizadores sobre uma view, sem se lhe dar autorização sobre as tabelas que a definem Isto permite não só melhorar a segurança dos dados, como também tornar mais simples o seu uso Uma combinação de segurança a nível de tabelas, com segurança a nível de views, pode ser usada para limitar o acesso de um utilizador apenas aos dados de que ele necessita.

19 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.19Database System Concepts Autorizações e Views A criação de uma view não requere autorização resources pois, de facto, nenhuma nova tabela é criada Quem cria uma view, fica exactamente com os mesmo privilégios sobre esta que tinha sobre as tabelas. E.g. o criador duma view cust_loan sobre as tabelas borrower e loan, que só tenha autorização de leitura sobre estas tabelas, só fica com autorização de leitura sobre as view que criou

20 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.20Database System Concepts Atribuição de Privilégios A passagem de privilégios de um utilizador para outro pode ser representado por um grafo de autorizações. Os nós do grafo são utilizadores. A raiz é o administrador da base de dados. Considere o grafo abaixo, para e.g. escrita numa relação. Um arco U i U j indica que o utilizador U i atribuiu ao utilizador U j privilégio de escrita sobre essa relação.. U1U1 U4U4 U2U2 U5U5 U3U3 DBA

21 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.21Database System Concepts Grafo de atribuição de privilégios Requisito: Todos os arcos têm que fazer parte de algum caminho com origem no administrador. Se o administrados retira o privilégio a U 1 : Deve ser retirado privilégio a U 4 (pois U 1 já não tem autorização) Não deve ser retirado a U 5 (pois U 5 tem autorização vinda de U 2 ) Devem ser prevenidos ciclos: Administrador dá privilégios a U 7 U7 dá privilégios a U 8 U8 dá privilégios a U 7 DBA retira privilégios de U 7 Deve retirar autorização de U 7 para U 8 e de U 8 para U 7 (pois já não há caminho do administrador nem para U 7 nem para U 8 ).

22 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.22Database System Concepts Especificações de Segurança em SQL O comando grant é usado para atribuir privilégios grant on to é: Um user-id public, o que atribui o privilégios a todos os utilizadores Um perfil (role) – veremos à frente A atribuição de privilégios sobre uma view não se propaga às relações nela usadas. Quem atribui o privilégio tem que o ter (ou ser o administrador da base de dados).

23 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.23Database System Concepts Privilégios em SQL select: permite acesso de leitura sobre a relação ou view Exemplo: dar a U 1, U 2, e U 3 autorização de leitura na relação branch: grant select on branch to U 1, U 2, U 3 insert: permite inserir tuplos update: permite usar o comando update do SQL delete: permite apagar tuplos. references: permite a declaração de chaves externas. all privileges: forma sumário de atribuir todos os privilégios.

24 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.24Database System Concepts Privilégio de atribuir privilégios with grant option: autoriza um utilizador a passar um privilégio a outros utilizadores. Exemplo: grant select on branch to U 1 with grant option dá a U 1 o privilégio select sobre a relação branch e autoriza U 1 a passar esse privilégio a qualquer outro utilizador

25 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.25Database System Concepts Perfis Um perfil permite atribuir, de apenas uma vez, privilégios iguais para uma classe de utilizadores Pode ser atribuídos e retirados privilégios a perfis de utilizadores, da mesma forma que a utilizadores isolados. Podem-se associar perfis a utilizadores, ou mesmo a outros perfis Exemplo: create role caixa create role gerente grant select on branch to caixa grant update (balance) on account to caixa grant all privileges on account to gerente grant caixa to gerente grant caixa to maria, scott grant gerente to ana

26 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.26Database System Concepts Retirar de privilégios em SQL O comando revoke serve para retirar privilégios. revoke on from [restrict|cascade] Exemplo: revoke select on branch from U 1, U 2, U 3 cascade Se se colocar cascade o retirar de privilégios de um utilizador também o pode retirar a outros, conforme descrito pelo grafo. Se se usar restrict só é retirado privilégio a esse utilizador revoke select on branch from U 1 restrict Com restrict, o comando revoke falha (dá erro) se esse utilizador já passou o privilégio a outros.

27 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.27Database System Concepts Retirar de privilégios em SQL (Cont.) pode ser all. Nesse caso são retirados todos os privilégios que foram atribuídos pelo utilizador que deu o comando. Se incluir public todos os utilizadores perdem esse privilégio, a não ser que lhe tenha sido atribuído explicitamente. Se o mesmo privilégio for atribuído duas vezes por utilizadores diferentes, então quem o tem pode ficar com ele mesmo depois dum revoke (cf. grafo). Todos os privilégios que dependem do privilégio retirado, são também retirados.

28 ©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.28Database System Concepts Limitação a autorizações em SQL SQL não permite autorizações a nível de tuplo E.g. não se pode restringir de forma a que um aluno só possa ver as suas notas. Neste caso, a tarefa de autorização cai sobre as aplicações (o que é indesejável, mas o SQL aqui não ajuda). Ou então definir view e dar autorizações apenas a essas views


Carregar ppt "©Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)6.2.1Database System Concepts Capítulo 6: Integridade e Segurança Restrições ao Domínio Integridade Referencial."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google