A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Colóquio ALABE 2009 A INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINÍCOLA Porto, 09/12/2009 Antero Martins Tel.: 21 365 3412/3190 Universidade Técnica.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Colóquio ALABE 2009 A INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINÍCOLA Porto, 09/12/2009 Antero Martins Tel.: 21 365 3412/3190 Universidade Técnica."— Transcrição da apresentação:

1 Colóquio ALABE 2009 A INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINÍCOLA Porto, 09/12/2009 Antero Martins Tel.: /3190 Universidade Técnica de Lisboa

2 PLANO • O interesse da variabilidade genética • Diversidade da videira – o rico pool genético oportuguês • A variabilidade a perder-se (erosão genética) • O que fazer para travar a erosão e valorizar a odiversidade • Como fazê-lo: os meios em preparação

3 INTERESSE da VARIABILIDADE • Qualidade e identidade do vinho • Fazer face à mudança • Imagem de ancestralidade e nobreza

4 Decanter, Nov. 2009

5

6 Tempo evolutivo Variabilidade silvestre Variabilidade intravarietal Variabilidade intervarietal

7 + 170 !

8 8 2,7 1,0 0,43 0,42 0,07

9 Variabilidade intervarietal CastaLocal/anosNº clones Rendimento (kg/planta) Alcool Acidez total (g/l) Antocian as (mg/l) AragonezReguengos ,282,86669,26 ArintoSesimbra2471,3912,675,59 JaenMangualde2061,5911,93,9788,8 Negra MoleLoulé401,8411,893,3898,52 Touriga Nac.V.N.Fozcoa1970,8812,293,57 VinhãoFamalicão406,4810,2211,051274,3

10 10 Variabilidade intravarietal

11 do rendimento 51 castas

12

13 ? ? ? 12 Vitis vinifera sylvestris

14

15

16

17

18

19 A variabilidade a perder-se

20 20 6 castas 80% das novas plantações (enxertos prontos) Aragonez Trincadeira Preta Castelão Touriga Nacional Alicant Bouschet Cabernet Sauvignon (Viticert, 2002)

21 21 Algumas causas da erosão genética -Progresso tecnológico e moda/globalização -Desequilíbrio selecção sanitária / sel. genética -Decisões político-administrativas -Empirismo da selecção convencional e ausência de estratégias de gestão da variabilidade -A própria selecção

22 O QUE FAZER ?

23 CASTAS fazer o estudo comparado de todas as castas em 2 ambientes distintos relativamente a aproximadamente 10 características básicas; esclarecer problemas de identidade de várias castas da actual lista oficial, confirmar o provável desaparecimento de algumas da cultura e a existência de várias outras (ordem das dezenas) até aqui ainda não reconhecidas,

24 • DENTRO DA CASTA • Prospectar e guardar clones num Pólo Experimental Central • Avaliar a variabilidade • Usar a variabilidade (=seleccionar)

25 AF/273; 2 - A/32; 3 - AN/210; 4 - AR/263; 5 - AR/247; 6 - AV/164; 7 - AZ - 219; 8 - AM/137; 9 - B/200; 10 - BI/240; 11 - BT/436; 12 - BR/194; 13 - BO/200; 14 - C/242; 15 - CC/50; 16 - CD/50; 17 - CR/239; 18 - DM/85; 19 - E/179; 20 - EG/148; 21 - ES/133; 22 - FP/235; 23 - FP/235; 24 - GV/143; 25 - J/200; 26 - J/206; 27 - JP/180; 28 - L1/132; 29 - L2/250; 30 - MV/27; 31 - MF/180; 32 - ML/19; 33 - MG/200; 34 - MS/187; 35 - MS/99; 36 - NM/193; 37 - PA/102; 38 - P/189; 39 - RB/127; 40 - OV/250; 41 - R/59; 42 - SN/40; 43 - PL/200; 44 - TB/190; 45 - TM/100; 46 - FR/61; 47 - RZ/245; 48 - RZ2/257; 49 - TC/168; 50 - TF/90; 51 - TF/110; 52 - T/69; 53 - T/49; 54 - T/52; 55 - T/197; 56 - TJ/237; 57 - TR/271; 58 - VN/211; 59 - VS/203; 60 - VT/232; 61 - AI/531; 62 - FE/175; 63 - FD/22; 64 - PM/120; 65 - GR/210; 66 - TB/238; 67 - CA/293; 68 - GD/; 69 – BR/194; 70 – E/179; 71 – JP/84; 72 – VT/163; 73 – AR/510; 74 – FC/220; 75 – P/ Conservação da variabilidade “on-farm” 75 POPs, > clones

26 26 Exemplo de uma POP

27 SEARA NOVA SERCIAL

28 28 Exemplo do Jaen Yield divided by the mean (kg/plant) Probability density Dão Bierzo

29 29 Exemplo do Aragonez, por regiõesTempranillo

30 VIDEIRAS SILVESTRES Prospecção de precisão das bacias do Sado, Odelouca, Guadiana Prospecção discreta para malha de cobertura total do país

31 SÍNTESE • Prospectar e Conservar a variabilidade • Avaliar a variabilidade • Utilizar a variabilidade (industria do vinho) • Criar imagem internacional, Portugal/Ibéria centro de origem da videira

32 COMO FAZER?

33 Associação Portuguesa para a Diversidade da Videira - PORVID

34 • Instituto Superior de Agronomia, • Instituto Nacional dos Recursos Biológicos, • Universidade de T. os Montes e Alto Douro, • Direcção Regional do Desenvolvimento Agrário, Açores, • Câmara Municipal de Palmela, • Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense, • Instituto do Vinho do Douro e Porto, • Associação dos Viticultores do Concelho de Palmela, • Associação Técnica dos Viticultores do Alentejo, • Sogrape Vinhos, SA • Real Companhia Velha, • José Maria da Fonseca Vinhos SA, • Symington Vinhos

35 Evolução da Associação

36 ASSOCIAÇÃO (sede do conhecimento e de decisão) Prospecção da variabilidade através de projectos Pólo Experimental Central para guarda, avaliação e utilização da variabilidade ASSOCIAÇÃO (sede do conhecimento e de decisão) Prospecção da variabilidade através de projectos Pólo Experimental Central para guarda, avaliação e utilização da variabilidade

37 Decanter, Nov. 2009

38 38 Exemplo de uma POP

39

40 PRÓXIMOS PROJECTOS: descrever


Carregar ppt "Colóquio ALABE 2009 A INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINÍCOLA Porto, 09/12/2009 Antero Martins Tel.: 21 365 3412/3190 Universidade Técnica."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google