A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SAÚDE: ALGUMAS ABORDAGENS F Helena Ribeiro F Departamento de Saúde Ambiental F Faculdade de Saúde Pública da USP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SAÚDE: ALGUMAS ABORDAGENS F Helena Ribeiro F Departamento de Saúde Ambiental F Faculdade de Saúde Pública da USP."— Transcrição da apresentação:

1 1 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SAÚDE: ALGUMAS ABORDAGENS F Helena Ribeiro F Departamento de Saúde Ambiental F Faculdade de Saúde Pública da USP

2 2 Itens da apresentação F Discussão resumida de alguns efeitos de alterações do clima em áreas urbanas na saúde humana, através de referências da literatura F Alguns dados da cidade de São Paulo F Apresentação de resultados de 2 pesquisas em escalas diversas enfocando poluição térmica na cidade de São Paulo

3 3 Introdução F Urbanização e industrialização modificam as características da atmosfera F “Clima urbano é o sistema que abrange o clima de um dado espaço terrestre e sua urbanização” (Monteiro, 1976, p. 95) F Desde a década de 1950 muitos estudos sobre clima urbano foram realizados, sobretudo em países do primeiro Mundo, sob climas temperados

4 4 Introdução F Poucos estudos sobre alterações climáticas causadas pela urbanização em cidades tropicais e seus efeitos à saúde (Dunne, 1984; Oke, 1981; Weihe, 1986; Akbari, 1990; Jauregui, 1994).

5 5 Introdução Condições atmosféricas influenciam a saúde através de 3 fatores : 1. Troca de calor entre seres humanos e atmosfera 2. Radiações em ondas longas e curtas 3. Poluição do ar Portanto é difícil correlacionar um fator isolado com mudanças nas condições de saúde

6 6 Introdução F Efeitos potenciais à saúde podem variar de sintomas sub-clínicos, ou incômodos, a um aumento na taxa de mortalidade. F Pessoas saudáveis têm extraordinária capacidade de adaptação a condições atmosféricas extremas F Mas há alguns grupos de risco que possuem capacidade limitada de adaptação aos estresses do clima: idosos, mulheres grávidas, crianças, cardíacos, asmáticos, etc.

7 7 Poluição Térmica F Pode agravar doenças respiratórias e cardiovasculares F Causa desconforto e estresse fisiológico F Faixa de neutralidade de conforto térmico entre 17º e 31º C (Weihe, 1986, WHO, 1990)

8 8 Poluição térmica: Sintomas de desconforto e de riscos à saúde com temperaturas acima desta faixa: F -hipotensão F -hipertermia F -taquicardia F -insuficiência cardíaca F -inapetência F -desidratação F -letargia F -indolência F -irritabilidade F -diminuição da capacidade de aprendizagem F -memória prejudicada F -depressão F -alteração no padrão de doenças transmitidas por vetores

9 9 Poluição atmosférica: efeitos à saúde F Problemas oftálmicos F Doenças dermatológicas F Problemas gastro- intestinais F Problemas cardiovasculares F Doenças pulmonares F Alguns tipos de câncer F Efeitos sobre o sistema nervoso (CO) F Algumas doenças infecciosas

10 10 Cidade de São Paulo  18 milhões de habitantes (10% do país)  39 municípios  1051 km² de mancha urbana contínua  18% do PIB do país  + de 6 milhões de empregos  47 mil indústrias  5,5 milhões de veículos (21% da frota nacional)  Rede viária de 15,6 mil km

11 11 Cidade de São Paulo: ambiente fortemente propício à formação de ilha de calor Estudos realizados: Lombardo, 1995 Prefeitura do Município, 1993 Tarifa e Armani, 2001

12 12 Ribeiro (1996 e 2005) Nunes da Silva e Ribeiro (2006) Estudos buscando verificar efeitos à saúde humana da poluição térmica na cidade:

13 13 ILHA DE CALOR NA CIDADE DE SÃO PAULO: DINÂMICA E EFEITOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO (Ribeiro, 1996 ) Problema: alterações térmicas Metodologia • imagem de satélite • dados meteorológicos • dados de óbitos • dados de internações - SUS

14 14 Ribeiro, H. Heat island in São Paulo, Brazil: Effects on health - Critical Public Health, June, 2005; 15(2):

15 15

16 16

17 17

18 18 Comparação de dados diários de temperaturas máximas e mínimas com dados diários de mortalidade (Proaim) por doenças cardiovasculares e respiratórias nos distritos ao redor das 3 estações meteorológicas, segundo endereço de residência e idade (total e de maiores de 55 anos). Comparação com dados diários de temperatura com internações hospitalares por doenças cardiovasculares e respiratórias de toda cidade.

19 19 Resultados: Comparação de dados de distribuição espacial da ilha de calor e de mortalidade indicou que há maior risco de morte por doenças cardiovasculares e respiratórias em área de maior intensidade da ilha de calor. Sé e Brás: 31 mortes/ habitantes (com maior risco para os idosos) Santana: 24 mortes/ habitantes Jabaquara: 21 mortes/ habitantes

20 20

21 21 Entretanto: a distribuição de mortes e de admissões hospitalares, ao longo do ano, e das temperaturas não mostraram uma correlação positiva entre altas temperaturas e agravos à saúde Calor sozinho não é fator etiológico significativo, pois menores números de mortes e internações ocorrem no verão Influência conjunta da poluição do ar e mudanças bruscas de temperatura?

22 22 Internações hospitalares de crianças de 1 a 5 anos no Distrito de Vila Andrade (n= 99) Broncopneumonia15,1 Asma5,05 Diarréia e gastroenterites origem infecciosas presumíveis4,04 Ascaridíase4,04 Pneumonia3,03 Hérnia inguinal3,03 Meningite viral2,02 I Diagnóstico Principal% Fonte: AIH – DATASUS 2001

23 23 Favelização no Município de São Paulo F

24 24 Internações Favela Paraisópolis Diagnóstico Principal % Broncopneumonia 30,15 Diarréia e gastroenterite infecciosa presumida 14,71 Bronquite aguda 13,24 Pneumonia 11,03 Outras doenças dos brônquios NCOP 8,09 Pneumonia lobar 5,88 Outras convulsões NE 5,88 Asma NE 3,68 Outros transtornos respiratórios específicos 3,68 Desconforto espiratório do recém-nascido 3,68 Fonte: DATASUS/CEPID/FAPESP/Centro de Estudos da Metrópole

25 25 Alterações no microclima em ambientes externos de favela e desconforto térmico ( Silva, FSP/USP, 2004; Silva, E.N.; Ribeiro, 2006 ) As diferenciações na micro-escala (ambientes intra-urbanos) criam condições mais ou menos favoráveis ao conforto térmico Favela Paraisópolis, S.P.: 4 ruas e vielas de largura diferente e um ponto fora dela em rua arborizada no bairro do Morumbi

26 26 Uso de miniabrigos aspirados e registradores digitais de temperatura e umidade Medição das temperaturas horárias do ar no período de 18 de fevereiro a 31 de julho de 2003 Análise das temperaturas horárias médias por estações do ano: verão, outono e inverno

27 27 Favela Paraisópolis – Posto A

28 28 Favela Paraisópolis – Posto C

29 29 Rua Silveira Sampaio – Posto H

30 30 Resultados: Uso e ocupação do solo e arruamento da favela consistiram em fatores diferenciadores das características térmicas da atmosfera.

31 31 Nos ambientes abertos da favela os contrastes térmicos foram mais acentuados, sobretudo nas estações mais frias (outono e inverno) : Maior aquecimento diurno e maior resfriamento noturno No ambiente mais fechado da favela houve atenuação das temperaturas mais altas e mais baixas em relação aos outros pontos da favela

32 32

33 33 Amplitudes Térmicas Diárias: Postos A, B, C, D – Favela Paraisópolis e no Posto H – Rua Silveira Sampaio, São Paulo, SP. Período de 19 de fevereiro a 31 de julho de 2003

34 34 No posto fora da favela as condições térmicas eram atenuadas Vegetação, distância entre as casas e amplidão da rua contribuíram para maior conforto térmico

35 35 Faixa de conforto térmico: 18º e 24º C (WHO/EURO) Sem riscos à saúde de pessoas saudáveis, com vestimenta, temperatura de radiação, isolamento, vento e estado psicológico adequados

36 36 Em 50% das horas observadas em Paraisópolis, as temperaturas estiveram dentro da faixa de conforto Na favela. as freqüências de temperaturas fora do limite mínimo foram mais altas que as fora do limite máximo O posto fora da favela apresentou maior freqüência de temperaturas abaixo de 18º C que 2 pontos da favela e menor freqüência de temperaturas acima de 24º C que os 4 da favela

37 37 Conclusões do estudo: 1.A favela constitui um ambiente que aguça os extremos térmicos, com maiores amplitudes térmicas diárias que espaço adjacente arborizado; 2.Taxa de internação 6,3% mais alta que no município (419/ versus 394/100000) 3. Há diferenças atmosféricas em seus micro-espaços; 4. Condições de moradia são agravantes: construções precárias, mal ventiladas, sem isolamento térmico, constituindo piores condições micro-climáticas 4. Urbanização com espaços e vegetação atenua temperaturas mais altas e mais baixas Problema de saúde pública?

38 38 Referências: Akbari, H.; Rosenfeld, A.H.; Taha, H. "Summer Heat Islands, Urban Trees, and White Surfaces". ASHRAE (American Society for Heating, Refrigerating and Air Conditioning Engineers) Meeting. Atlanta, Georgia, January, Dunne, T. "Urban hidrology in the Tropics: Problems, Solutions, Data Collection and Analysis". Technical Conference on Urban Climatology and its Applications with Special Regard to Tropical Areas. W.M.O., México, Jabardo, José M- Conforto Termino. Comunicação Técnica n Instituto de Pesquisas Tecnológicas. S. Paulo, l984. Jauregui, Ernesto. "Los Climas Urbanos Tropicales: Revision y Evaluacion". La Climatologia Urbana y sus Applicationes con Especial Referencia a las Regiones Tropicales- Doc.de La Conferencia Tecnica. Organizacion Meteorologica Mundial n.652. México,nov. l984. p.22 a 37 Jauregui, Ernesto."Overview of Papers on Urban Climate in Tropical/Subtropical Areas l98l/l99l". Report of the Technical Conference on Tropical Urban Climates, 28 March- 2 April, l993. Dhaka, Bangladesh. WCASP30- WHO/TD n.647. World Meteorological Organization, l994 p.377a 390

39 39 Jendritzky, G. "Human Health and Atmospheric Environment". Report from the Meeting of Experts on climate, Tourism and Human Health. Cuba, l995. WCASP 33. World Meteorological Organization /TD n.682. Geneva. May l995. Lombardo, M. Ilha de Calor nas Metrópoles. Hucitec, 244p., MONTEIRO CAF. Teoria e Clima Urbano. São Paulo: IGEOG/USP; Série Teses e Monografias no. 25 (tese de livre-docência). Prefeitura do Município de São Paulo. Diagnóstico Cartográfico Ambiental. Gráfica Municipal, Ribeiro Sobral, H. Heat Island in São Paulo, Brazil. Critical Public Health, 15 (2): June Saldiva, P H & Col. Air pollution and mortality in elderly people: a time-series study in S. Paulo, Brazil. Archives of Environmental Health, 50, , Silva, E N. Alterações da Temperatura em ambientes externos de favela e desconforto térmico. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Saúde Pública da USP, 2004.

40 40 Tarifa e Azevedo. Os Climas na Cidade de São Paulo. Geousp 4, Weihe, W H. Life expectancy in tropical climates and urbanization. Urban climatology and its applications with special regard to tropical areas. In Report on the Technical Conference, México TD 652. WMO: Geneva, World Health Organization & United Nations Environment Programme. Indoor Environment: Health Aspects of Air Quality, Thermal Environment, Light and Noise. WHO/EHE/RUD/90.2. Geneva, 1990


Carregar ppt "1 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SAÚDE: ALGUMAS ABORDAGENS F Helena Ribeiro F Departamento de Saúde Ambiental F Faculdade de Saúde Pública da USP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google