A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 ARGÔNIO EM ENDOSCOPIA Projeto Diretrizes: SOBED.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 ARGÔNIO EM ENDOSCOPIA Projeto Diretrizes: SOBED."— Transcrição da apresentação:

1 1 ARGÔNIO EM ENDOSCOPIA Projeto Diretrizes: SOBED

2 2 Qual o princípio do coagulador de Argônio? Utiliza o gás argônio para distribuir energia térmica através de plasma (gás ionizado) em tecidos adjacentes ao probe, com penetração de 2 a 3 mm

3 3 Qual a vantagem sobre outros métodos térmicos? Levar a uma coagulação tanto linear quanto tangencial Baixa profundidade de penetração

4 4 Quais as recomendações de uso?

5 5

6 6 Quais os dados da literaturas em Barrett sem displasia? De 1998 até 2008 foram publicadas 20 séries de casos e 7 ensaios clínicos randomizados (ECR) sobre o uso do APC em pacientes com diagnóstico de Esôfago de Barrett sem displasia

7 7 Qual a taxa de erradicação em Barrett sem displasia? A erradicação completa do Esôfago de Barrett variou de 56 a 100% nas séries de casos (C) e 36 a 97% nos ensaios clínicos randomizados (B). Wani S et al. 2010

8 8 Qual a taxa de recorrência Recorrência de 43% (B). Bright et al. 2007

9 9 Houve progressão da doença? 01 para displasia de baixo grau no grupo do Argônio 02 tiveram estenose pós Argônio (dilatação)

10 10 Quanto tempo permaneceu estável? A mucosa neoescamosa permaneceu estável ao longo dos 5 anos de follow-up –Nenhum caso de displasia de alto

11 11 Quais os dados da literatura em Barrett com DBG Há dados de 3 séries de casos (num total de 35 pacientes) e 1 ensaio clínico randomizado que comparou Argônio (n=13) com Terapia Fotodinâmica (n=13). Wani ete al. 2007

12 12 Qual foi a taxa de erradicação? Na série de casos variou entre 57 a 100% (C) No ensaio randomizado ocorreu completa erradicação da displasia em 62% –Progressão para adenocarcinoma em 1 paciente. Não houve diferença estatística em relação ao grupo que realizou Terapia Fotodinâmica (B)

13 13 Quais os dados da literatura em Barrett com DAG? Não há ensaios randomizados até o presente Há 3 séries de casos publicados entre os anos de 2001 e 2003 com 48 pacientes e seguimento médio de aproximadamente 27 meses. O índice de erradicação completa foi de 86% –5 pacientes (+/- 10%) evoluiram para adenocarcinoma esofágico (C). Wani et al. 2007

14 14 O que concluir Argônio em Barrett? É tratamento efetivo para erradicar a metaplasia intestinal especializada em até 70% (C). Existem controvérsias sobre benefícios no esôfago de Barrett sem displasia Sharma. 2006

15 15 Qual o risco de câncer ou displasia de alto grau? Pacintes só sob vigilância endoscópica: –Incidência de câncer foi de 0,5% ao ano –Incidência combinada de displasia de alto grau e/ou câncer foi de 1,3% ao ano Sharma. 2006

16 16 Há riscos com o uso do Argônio? Dor Febre Sangramento Estenose Perfuração Persistência de epitélio metaplásico e/ou displásico Manner. 2006

17 17 Qual a vantagem no divertículo de Zenker? Ser usado para tratamento do divertículo e simultaneamente como método hemostático.

18 18 Quais os números da literatura? Estudo retrospectivo com 41 pacientes Todos os pacientes responderam –Média de 3 sessões. Complicações –Febre em 17% –01 perfuração tratada conservadoramente Rabenstein. 2007

19 19 Qual o resultado a longo prazo? 34 de 41 foram seguidos –5 apresentaram recorrência do divertículo, sendo tratados com sucesso com nova sessão de Argônio. Rabenstein. 2007

20 20 Há estudos nível A ou B? Não há estudos randomizados comparando Argônio com Cirurgia O Argônio é uma opção viável (C) –Rabenstein (2007)

21 21 Já foi usado em varizes esofágicas? Na prevenção da recorrência de varizes esofágicas após sessões de ligadura elástica – Nakamura e col. 30 pacientes randomizados para ligadura e argônio e 30 pacientes apenas ligadura Recorrência: –Apenas ligadura elástica 74,2% –Ligadura + Argônio 49,6% –Eventos adversos não foram significativamente diferentes nos dois grupos (B).

22 22 Qual o resultado em úlceras sangrantes? Plasma de Argônio (20 pacientes) comparado com “heater probe” (21 pacientes) 40% tinham sangramento ativo e 60% tinham vaso visível na base da úlcera. Os dois grupos foram similares com respeito às variáveis prévias Cipoletta. 1998

23 23 Qual o resultado em úlceras sangrantes? Adrenalina + “heater probe” X Adrenalina + coagulação com Argônio. Avaliado recorrência de sangramento: –Não houve diferença significante Chau. 2003

24 24 Qual o resultado em úlceras sangrantes? Metanálise (Cochrante 2005) Argônio X Outras formas de coagulação ou escleroterapia Não houve diferença significante. Havanond. 2005

25 25 Quais os resultados na proctite actínica? Mais de 90% (melhora da hemoglobina e não recorrência do sangramento). Com 2 a 3 sessões em média (C). Postgate. 2007

26 26 Quais as complicações no uso em cólon? Esplosão colônica Outros: Dor em cólica Úlceras retais na linha pectínea –Recomendável bom preparo do cólon –Evitar o uso próximo da linha dentada. Bowel. 2003

27 27 Quais os resultados nos defeitos vasculares? Gastropatia congestiva antral 20 pacientes cirróticos (16 CHILD C e 4 CHILD B) Anemia crônica Várias sessões para erradicação completa Segmento de 7,7 meses Correção da anemia em 18 –Recidiva em 6 Fuccio e col (2009),

28 28 E na lesão de Dieulafoy? Série de casos: 23 pacientes –20 com sangramento ativo –Isoladamente em 20 –Com adrenalina em 03 Sangramento controlado em todos (C) Recorrência em 01 após 48 h Não houve óbitos Seguimento de 29 meses Iacopini e col (2007)

29 29 Que cuidados ter nas lesões vasculares? Risco de pneumoperitônio nas malformações artério-venosas (+ em cólon) –Usar no centro da malformação Pulsar em ambientes sem água Aspirar continuamente o gás residual Cohen

30 30 O que diz a literatura em casos de CA precoce? 40 pacientes sem condições de mucosectomia ou cirurgia –Intra-mucosos sem recidiva –Recorrência em 4 (sub-mucosos) –01 perfuração com óbito –02 sessões em média Seguimento de 52 meses Kitamura e col (2006)

31 31 Pode ser usado pós mucosectomia? Para complementar a mucosectomia Ou, como tratamento isolado –Idosos sem condições clínicas para mucosectomia ou cirurgia (C) Murakami (2004)

32 32 O que se conclui do uso em Ca precoce? São publicações de séries retrospectivas O benefício real não pode ser avaliado

33 33 E nos tumores avançados? 83 pacientes com tumores esofágicos ou de cárdia avançados sem condições cirúrgicas. Recanalização, permitindo retomar via oral em 84% dos pacientes. –(54%) com apenas 1 sessão. Sangramento difuso por tumores –Não muito efetivo (D) Cohen Heindorff. 1998

34 34 E após peacemeal ou sangramento pós polipectomias? 18 pacientes com pólipos gástricos e 29 com pólipos colônicos Ausência de pólipos remanescentes –90% dos pólipos gástricos –96% dos pólipos colônicos Neneman. 2006

35 35 Fim


Carregar ppt "1 ARGÔNIO EM ENDOSCOPIA Projeto Diretrizes: SOBED."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google