A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Amar diz respeito a auto- sobrevivência através da alteridade. Zygmunt Bauman, Amor Líquido – Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos, p. 24 (Zahar) Kathia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Amar diz respeito a auto- sobrevivência através da alteridade. Zygmunt Bauman, Amor Líquido – Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos, p. 24 (Zahar) Kathia."— Transcrição da apresentação:

1 Amar diz respeito a auto- sobrevivência através da alteridade. Zygmunt Bauman, Amor Líquido – Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos, p. 24 (Zahar) Kathia Mota Barbosa Dias Curso de Gestão Arquetípica Empresarial - Psicologia Junguiana das Organizações

2 A Fragilidade dos Laços Humanos : - A urgência de viver um relacionamento plenamente satisfatório dos cidadãos pós- modernos. As dificuldades vividas por um casal refletem o estilo que uma comunidade mais ampla estabelece como padrão aceitável de relacionamento entre seus vizinhos, entre os que habitam um espaço comum. "Nenhuma união de corpos pode, por mais que se tente, escapar à moldura social e cortar todas as conexões com outras facetas da existência social. Bauman faz uma radiografia das agruras sofridas pelos homens e mulheres que têm que estabelecer suas parcerias no mundo globalizado. Mundo que ele identifica como líquido, em que as relações se estabelecem com extraordinária fluidez, que se movem e escorrem sem muitos obstáculos, marcadas pela ausência de peso, em constante e frenético movimento.

3 O apelo por fazer escolhas que possam num espaço muito curto de tempo serem trocadas por outras mais atualizadas e mais promissoras, não apenas orientam as decisões de compra num mercado abundante de produtos novos, mas também parecem comandar o ritmo da busca por parceiros cada vez mais satisfatórios. A ordem do dia nos motiva a entrar em novos relacionamentos sem fechar as portas para outros que possam eventualmente se insinuar com contornos mais atraentes, o que Bauman chama de casais semi-separados. Não dividir o mesmo espaço, estabelecer os momentos de convívio que preservem a sensação de liberdade, evitar o tédio e os conflitos da vida em comum podem se tornar opções que se configuram como uma saída que promete uma relação com um nível de comprometimento mais fácil de ser rompido. É como procurar um abrigo sem vontade de ocupá-lo por inteiro. A concentração no movimento da busca perde o foco do objeto desejado. Insatisfeitos, mas persistentes, homens e mulheres continuam perseguindo a chance de encontrar a parceria ideal, abrindo novos campos de interação. Crescem as redes de interatividade mundiais onde a intimidade pode sempre escapar do risco de um comprometimento, porque nada impede o desligar-se - para desconectar-se basta pressionar uma tecla. Num mundo instantâneo, é preciso estar sempre pronto para outra. Não há tempo para o adiamento, para postergar a satisfação do desejo, nem para o seu amadurecimento. É mais prudente uma sucessão de encontros excitantes com momentos doces e leves que não sejam contaminados pelo ardor da paixão, sempre disposta a enveredar por caminhos que aprisionam e ameaçam a prontidão de estar sempre disponível para novas aventuras. Bauman mostra que estamos todos mais propensos às relações descartáveis, a encenar episódios românticos variados, assim como os seriados de televisão e seus personagens com quem se identificam homens e mulheres do mundo inteiro.

4 Amar Eu quero amar, amar perdidamente,amar só por amar aqui, além, mais este, aquele, o outro e toda gente amar, amar, e não amar ninguém recordar, esquecer, indiferente prender ou desprender é mal, é bem quem disser que pode amar alguém durante a vida inteira é porque mente há uma primavera em cada vida é preciso cantá-la assim florida pois se Deus nos deu voz foi pra cantar e se um dia hei de ser pó, cinza e nada que seja minha noite uma alvorada que sáiba perder pra me encontrar. Florbela Espanca

5 Por não estarem distraídos Havia a levíssima embriaguez de andarem juntos, a alegria como quando se sente a garganta um pouco seca e se vê que, por admiração, se estava de boca entreaberta: eles respiravam de antemão o ar que estava à frente, e ter esta sede era a própria água deles. Andavam por ruas e ruas falando e rindo, falavam e riam para dar matéria peso à levíssima embriaguez que era a alegria da sede deles. Por causa de carros e pessoas, às vezes eles se tocavam, e ao toque - a sede é a graça, mas as águas são uma beleza de escuras - e ao toque brilhava o brilho da água deles, a boca ficando um pouco mais seca de admiração. Como eles admiravam estarem juntos! Até que tudo se transformou em não. Tudo se transformou em não quando eles quiseram essa mesma alegria deles. Então a grande dança dos erros. O cerimonial das palavras desacertadas. Ele procurava e não via, ela não via que ele não vira, ela que, estava ali, no entanto. No entanto ele que estava ali. Tudo errou, e havia a grande poeira das ruas, e quanto mais erravam, mais com aspereza queriam, sem um sorriso. Tudo só porque tinham prestado atenção, só porque não estavam bastante distraídos. Só porque, de súbito exigentes e duros, quiseram ter o que já tinham. Tudo porque quiseram dar um nome; porque quiseram ser, eles que eram. Foram então aprender que, não se estando distraído, o telefone não toca, e é preciso sair de casa para que a carta chegue, e quando o telefone finalmente toca, o deserto da espera já cortou os fios. Tudo, tudo por não estarem mais distraídos. Clarice Lispector


Carregar ppt "Amar diz respeito a auto- sobrevivência através da alteridade. Zygmunt Bauman, Amor Líquido – Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos, p. 24 (Zahar) Kathia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google