A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 1 PROGRAMAÇÃO MODULAR (com uso de subprogramas)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 1 PROGRAMAÇÃO MODULAR (com uso de subprogramas)"— Transcrição da apresentação:

1 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 1 PROGRAMAÇÃO MODULAR (com uso de subprogramas)

2 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 2 Principal Objetivo: Facilitar a solução de problemas complexos. A arte de programar consiste na arte de organizar e dominar a complexidade dos sistemas Dijkstra, 1972

3 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 3 Baseada na estratégia: Dividir para conquistar Divisão de um problema original em subproblemas (módulos) mais fáceis de resolver e transformáveis em trechos mais simples, com poucos comandos (subprogramas).

4 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 4 Subprogramas Trechos de código independentes, com estrutura semelhante àquela de programas, mas executados somente quando chamados por outro(s) trecho(s) de código. Devem executar UMA tarefa específica, muito bem identificada (conforme a programação estruturada). Ao ser ativado um subprograma, o fluxo de execução desloca-se do fluxo principal para o subprograma. Concluída a execução do subprograma, o fluxo de execução retorna ao ponto imediatamente após onde ocorreu a chamada do subprograma.

5 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 5 Vantagens do uso de subprogramas: Maior facilidade de depuração e teste, já que subprogramas podem ser testados separadamente. Possibilidade de reutilização de código. Estrutura lógica mais clara. Maior controle sobre a complexidade.

6 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 6 Implementados através de FUNÇÕES Subprogramas em Linguagem C

7 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 7 Funções são segmentos de programa que executam uma determinada tarefa específica. Funções (também chamadas de rotinas, ou sub- programas) são a essência da programação estruturada. Ex: sqrt(), strlen(), etc. O programador também pode escrever suas próprias funções, chamadas de funções de usuário, que tem uma estrutura muito semelhante a um programa. Funções

8 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 8 tipo_da_funcao nome_da_função (lista_de_parâmetros) { //declarações locais //comandos } tipo_da_funcao: o tipo de valor retornado pela função. Se não especificado, por falta a função é considerada como retornando um inteiro. nome_da_função: nome da função conforme as regras do C lista_de_parâmetros: tipo de cada parâmetro seguido de seu identificador, com vírgulas entre cada parâmetro. Mesmo se nenhum parâmetro for utilizado, os parênteses são obrigatórios. Os parâmetros da declaração da função são chamados de parâmetros formais. Forma geral da declaração de uma função

9 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 9 Ex.: soma_valores (int valor1, int valor2) // por falta é inteira void imprime_linhas(int num_lin) void apresenta_menu ( ) float conv_dolar_para_reais(float dolar); Exemplos de cabeçalhos de funções

10 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Funções void Void é um termo que indica ausência. Em linguagem C é um tipo de dados.

11 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v //Escrita de numeros inteiros #include main( ) { int i; system(color70) //apresentacao do cabecalho for (i=1;i<20;i++) printf("*"); printf("\n"); printf("Numeros entre 1 e 5\n"); for (i=1;i<20;i++) printf("*"); printf("\n"); //escrita dos numeros for (i=1;i<=5;i++) printf("%d\n",i); for (i=1;i<20;i++) printf("*"); printf("\n"); system("pause"); } Execução Programa escreveint versão 1: com linha de asteriscos produzida por trecho que se repete no código.

12 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v A repetição de trechos de código idênticos em um programa pode ser um procedimento fácil e rápido, mas facilmente tende a produzir erros. Tanto a manutenção quanto a alteração de programas com trechos repetidos tende a ser mais trabalhosa e sujeita a erros. Com frequência alterações de trechos iguais que se repetem não são realizadas em todas as ocorrências do trecho ou são realizadas de forma incompleta em alguma ocorrência, com resultados bastante danosos. A solução para esta questão são os subprogramas. A seguir uma versão do programa escreveint onde as linhas de asterisco são produzidas pela função apresente_linha.

13 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Chamadas à função apresente_linha substituem trechos repetidos //escrita de numeros inteiros #include void apresente_linha(void); main( ) { int i; system("color 70"); //apresentacao do cabecalho apresente_linha( ); printf("Numeros entre 1 e 5\n"); apresente_linha( ); // Escrita dos numeros for (i=1;i<=5;i++) printf("%d\n",i); apresente_linha( ); system("pause"); } void apresente_linha (void) { int i; for (i=1;i<20;i++) printf("*"); printf("\n"); } Execução Programa escreveint versão 2: com uma função para apresentar linhas de asteriscos.

14 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Chamadas à função apresente_linha substituem trechos repetidos //escrita de numeros inteiros #include void apresente_linha(void); main( ) { int i; system("color 70"); //apresentacao do cabecalho apresente_linha( ); printf("Numeros entre 1 e 5\n"); apresente_ linha( ); // Escrita dos numeros for (i=1;i<=5;i++) printf("%d\n",i); apresente_linha( ); system("pause"); } void apresente_ linha (void) { int i; for (i=1;i<20;i++) printf("*"); printf("\n"); } Execução Declaração da função apresente_linha: escreve uma linha de asteriscos. Chamadas da função apresente_linha Protótipo da função apresente_linha

15 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v A função apresente_linha realiza sua tarefa sem receber nenhum valor do mundo externo à função, via parâmetros, e sem retornar nenhum valor no seu nome. Seu tipo é void e seus parâmetros são void. Cabeçalho da função apresente_linha void apresente_linha (void) Indica que a função não retorna valor no seu nome. Indica que a função não tem parâmetros.

16 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Execução de uma função A função é ativada e os itens locais à função são criados (os parâmetros por valor e os itens declarados internamente à função, como variáveis e constantes). Em tempo de execução, ao ser encontrada uma chamada de uma função, a execução é desviada para o trecho de código da função. A função é executada até que seu término seja atingido. Concluída a execução da função, todos os elementos locais à função que foram criados no momento de sua ativação são destruídos e a execução retorna ao fluxo principal, ao ponto imediatamente seguinte àquele onde ocorreu a chamada da função.

17 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v void apresente_ linha (void) { int i; for (i=1;i<20;i++) printf("*"); printf("\n"); } Variáveis locais Os parâmetros que aparecem no cabeçalho das funções e as variáveis e constantes declaradas internamente a funções são locais à função. Na função apresente_linha, o i é uma variável local a essa função.

18 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Variáveis e constantes locais: Importante: Recomenda-se fazer todas as declarações de uma função no seu início. As variáveis e constantes declaradas em uma função sãa ditas locais à função porque: –só podem ser referenciadas por comandos que estão dentro da função em que foram declaradas; –existem apenas enquanto a função em que foram declaradas está sendo executada. São criadas quando a função é ativada e são destruídas quando a função encerra.

19 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v int a =4, k=9;... execute x... execute x... Subprograma X Programa principal 4 a 9 k ak Vari á veis locais : uma fun ç ão (inclusive a main) tem acesso somente às vari á veis locais não altera valor de variáveis de outras fun ç ões int a, k... a = 0; // local k = 5; // local... main 05 Criação e destruição de variáveis locais a uma função:

20 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v int a =4, k=9;... execute x... execute x... Subprograma X Programa principal 4 a 9 k ak ATENÇÃO: Uma função (inclusive a main) tem acesso somente às suas variáveis locais. int a, k... a = 0; // local k = 5; // local... main 05 Criação e destruição de variáveis locais a uma função:

21 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v main( ) { int i; //apresentacao do cabecalho apresente_linha( ); printf("Numeros entre 1 e 5\n"); apresente_linha( ); //escrita dos numeros for (i=1;i<=5;i++) printf("%d\n",i); apresente_linha ( ); system("pause"); } void apresente_linha (void) { int i; for (i=1;i<20;i++) printf("*"); printf("\n"); } Função main Função apresente_linha Execução de main com chamadas à função apresente_linha IMPORTANTE: O i é local a apresente_linha. A cada nova execução de apresente_linha um novo i é criado e, ao final, destruído.

22 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Funções de tipo void: São ativadas como se fossem comandos. Não ocorrem dentro de expressões. Correspondem aos procedimentos de outras linguagens (Pascal, etc.).

23 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Funções com tipo não void e com parâmetros

24 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v A seguir um programa que extrai a raiz quadrada de um número indeterminado de valores informados. Para extrair a raiz quadrada dos valores é usada a função pré-definida sqrt, da biblioteca math.h. sqrt: função pré-definida

25 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v //extrai a raiz quadrada de valores informados #include main ( ) { int seguir; double valor; do { printf("\nValor para extrair raiz: "); scanf("%lf", &valor); printf ("\nRaiz quadrada de %6.2lf = %6.2lf\n",valor, sqrt(valor)); printf("\nMais um valor, digite 1, para parar, digite 0: "); scanf("%d", &seguir); } while (seguir); system("pause"); } sqrt: função pré-definida (cont.)

26 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v A função sqrt é do tipo double, isso significa que quando ela é chamada, no lugar de sua chamada retorna um valor double. Para executar essa função é necessário fornecer um parâmetro, o valor para o qual se deseja que a raiz quadrada seja calculada. No exemplo, está armazenado na variável valor. sqrt: função pré-definida (cont.)

27 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v A seguir um programa que calcula o produto de um número indeterminado de pares de valores informados. Para calcular os produtos é usada a função definida pelo usuário calc_produto. calc_produto: função definida pelo usuário

28 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v //calcula produtos de pares de valores informados #include int calc_produto(int, int); main ( ) { int seguir; int oper1, oper2, produto; do { printf("\nOperando 1: "); scanf("%d", &oper1); printf("\nOperando 2: "); scanf("%d", &oper2); printf ("\nProduto = %d\n", calc_produto(oper1, oper2)); printf("\nPara continuar, digite 1, para parar, digite 0: "); scanf("%d", &seguir); } while (seguir); system("pause"); } int calc_produto(int valor1, int valor2) { return valor1 * valor2; } produto: função definida pelo usuário (cont.)

29 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v A função calc_produto é do tipo int, isso significa que quando ela é chamada, no lugar de sua chamada retorna um valor int. Para executar essa função é necessário fornecer dois parâmetros, os dois valores para cálculo do produto, oper1 e oper2. produto: função definida pelo usuário (cont.)

30 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v O comando return atribui valor a função. Ao ser executado, encerra a execução da função. Ao ser executado o return na função calc_produto, um valor é atribuído à função e ela encerra sua execução. No ponto onde ocorreu a chamada de calc_produto, um valor passa a estar disponível para processamento. Comando return(): retorno de valor e fim lógico da função

31 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Se uma fun ç ão é declarada com tipo diferente de void (int, char, float, etc.) significa que ela pretende explorar a possibilidade de retorno de um valor em seu nome, e então pode ser usada em expressões. Uma fun ç ão que retorna um valor em seu nome deve conter pelo menos uma ocorrência do comando return, uma vez que é pela execu ç ão de um comando return que um valor é atribu í do ao nome de uma fun ç ão. Comando return(): retorno de valor da função (cont.)

32 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Quando uma função encerra sua execução? Uma função encerra sua execução quando: o fim do seu código é atingido; ou um comando return é encontrado e executado.

33 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Vários comandos return podem existir em uma função? Sim, embora não seja recomendável. Segundo os princípios da programação estruturada seguidos na disciplina, cada função deve ter um único ponto de entrada e um único ponto de saída. Se vários returns existirem em uma função, tem-se múltiplos pontos de saída possíveis. Mas a função só conclui quando o primeiro return é ativado.

34 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Funções em C As funções devem ser declaradas de modo a serem o mais independentes possível do mundo externo a elas. Nos códigos das funções devem ser usados sempre que possível tão somente os parâmetros declarados no cabeçalho da função (se existirem) e os demais itens locais à função. Em grande medida em C a preocupação com a independência das funções é facilitada pelo fato dos parâmetros de chamada e dos parâmetros da declaração da função ocuparem espaços de memória distintos e só existir a chamada passagem de parâmetro por valor entre eles. Passagem de parâmetro por valor: os parâmetros de chamada e os parâmetros formais (da declaração da função) só se conectam no momento da chamada da função e então o que há é apenas a transferência de valores entre os parâmetros respectivos.

35 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v A seguir duas versões de um programa que recebe um valor e através de uma função soma dez a este valor. Como a passagem de parâmetros para as funções em C é por valor, e o valor alterado não é mostrado no interior da função, a alteração do valor é perdida. Observar nas duas versões do programa a seguir que como os mundos da função e o mundo externo a ela são mundos distintos, não faz diferença usar nomes iguais (valor e valor) ou diferentes (valor e num) nos parâmetros correspondentes usados na main e na função. Exemplo de passagem de parâmetro por valor

36 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v #include void soma_dez_a_valor(int); main ( ) { int valor; system("color 71"); printf("\nValor inteiro: "); scanf("%d", &valor); printf("\nNa Main: valor antes da chamada da funcao: %d\n", valor); soma_dez_a_valor(valor); printf("\nNa Main: valor apos chamada da funcao: %d\n", valor); system("pause"); } void soma_dez_a_valor(int valor) { valor = valor + 10; printf("\nNa Funcao: valor dentro da funcao: %d\n", valor); } Exemplo de passagem de parâmetro por valor (cont.)

37 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v #include void soma_dez_a_valor(int); main ( ) { int valor; system("color 71"); printf("\nValor inteiro: "); scanf("%d", &valor); printf("\nNa Main: valor antes da chamada da funcao: %d\n", valor); soma_dez_a_valor(valor); printf("\nNa Main: valor apos chamada da funcao: %d\n", valor); system("pause"); } void soma_dez_a_valor(int num) { num = num + 10; printf("\nNa Funcao: valor dentro da funcao: %d\n", num); } Exemplo de passagem de parâmetro por valor (cont.)

38 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Exemplo de passagem de parâmetro por valor (cont.)

39 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Reforçando: Os nomes das variáveis declaradas no cabeçalho de uma função são independentes dos nomes das variáveis usadas para chamar a mesma função. PARÂMETROS As declarações de uma função são locais a essa função. Os parâmetros declarados no cabeçalho de uma função existem somente dentro da função onde estão declarados.

40 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v PASSAGEM DE PARÂMETROS Ao ser ativada a função calc_produto, valor1 e valor2 são criadas. calc_produto(oper1, oper2); int calc_produto(int valor1, int valor2) Chamada na função main: Atenção: valor1 e valor2 existem na função calc_produto. oper1 e oper2 existem na função main. E os valores existentes nesse momento em oper1 e oper2 são transferidos para valor1 e valor2. A conexão entre oper1 e valor1 e oper2 e valor2 só existe no momento que a função é ativada. Fora o momento da ativação as funções calc_produto e main são mundos independentes. Quaisquer modificações de valor1 e valor2 que aconteçam a partir da chamada de calc_produto só são conhecidas e percebidas dentro da função calc_produto.

41 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v A declaração da função. A chamada da função. Dependendo do caso, o protótipo da função. O quê é necessário para usar-se uma função em Linguagem C?

42 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Protótipo: as funções têm que ser declaradas antes de serem usadas. Para deixar a função main em destaque, é melhor declarar as funções definidas pelo usuário após a main. Então, para funções, o sistema aceita que primeiro só se indique o tipo, nome da função e tipos dos parâmetros, se houver, ou seja, o protótipo da função, e depois em algum ponto do código adiante, se declare a função de forma completa. Chamada da função: no ponto onde se deseja que a função seja executada, deve ser escrito o nome da função seguido de um par de parênteses, tendo no interior o nome dos parâmetros, se houver. Declaração da função: cabeçalho e corpo da função, com o código que produz o(s) resultado(s) esperado(s). Se for função com tipo diferente de void, deve ter pelo menos um return, para atribuir valor à função.

43 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v //calcula produtos de pares de valores informados #include int calc_produto(int, int); main ( ) { int seguir; int oper1, oper2, produto; do { printf("\nOperando 1: "); scanf("%d", &oper1); printf("\nOperando 2: "); scanf("%d", &oper2); printf ("\nProduto = %d\n", calc_produto(oper1, oper2)); printf("\nMais um valor, digite 1, para parar, digite 0: "); scanf("%d", &seguir); } while (seguir); system("pause"); } int calc_produto(int valor1, int valor2) { return valor1 * valor2; } Protótipo Declaração da função Chamada da função

44 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v tipo_da_funcao nome_da_função (lista de tipos dos parâmetros); tipo_da_funcao: o tipo de valor retornado pela função. nome_da_função: nome da função conforme as regras do C. lista de tipos dos parâmetros: tipo de cada parâmetro, separados entre si por vírgulas. Forma geral de declaração de um protótipo:

45 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Cuidados no uso de funções com parâmetros Em funções com parâmetros, cuidar que o número e o tipo dos parâmetros sejam coincidentes no protótipo (se usado), na declaração e na chamada. Em C, os parâmetros independentemente de seus nomes são emparelhados na declaração e chamada por ordem de declaração, da esquerda para a direita. Ex.: calc_produto(oper1, oper2) int calc_produto(int, int); int calc_produto(int valor1, int valor2)

46 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Em C, é possível chamar uma função de dentro de outra função, mas não é possível declarar uma função dentro de outra função! Aninhamento de funções é possível?

47 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Exercício Escreva o código de uma função que calcule o fatorial de um número informado como parâmetro Escreva um programa que use esta função

48 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v #include int fatorial(int); //prototipo da funcao fatorial main(){ int N; printf ("Informe o numero: "); scanf("%d",&N); printf("fatorial: %d\n",fatorial(N)); system("pause"); } // declaracao da funcao fatorial int fatorial(int n){ int I,fat=1; for (I=1;I<=n;I++) fat=fat*I; return(fat); }

49 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Problema na função fatorial definida: é do tipo inteiro, o que limita muito a sua aplicabilidade, pois o maior número do tipo inteiro é relativamente pequeno. Solução: definir a função como do tipo double #include double fatorial(int); main(){ int N; printf ("Informe o numero: "); scanf("%d",&N); printf("fatorial: %lf\n",fatorial(N)); system("pause"); } // declaracao da funcao fatorial double fatorial(int n){ int I; double fat=1.0; for (I=1;I<=n;I++) fat=fat*I; return(fat); }

50 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Exercício Escreva o código de uma função que calcule a média aritmética de dois valores informados como parâmetros Escreva um programa que use esta função

51 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v #include float media(float, float); main(){ float v1,v2,m; printf ("Informe os numeros: "); scanf("%f %f",&v1,&v2); m=media(v1,v2); printf("a media dos numeros e': %.4f\n",m); system("pause"); } // declaracao da funcao media float media(float n1, float n2){ return((n1+n2)/2); }

52 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v Exercício Escreva o código de uma função que conte quantas ocorrências de um determinado caractere existem em um string. Ela recebe como entrada 2 parâmetros: - um string de caracteres e - o caractere a ser pesquisado. Escreva um programa que use esta função

53 Prof a. Maria Aparecida C. Livi v #include int contaChar(char[],char); main(){ char texto[100],c; printf ("\n Informe uma string: "); gets (texto); printf ("\nInforme o caractere a ser contado: \n"); scanf("%c",&c); printf("o caractere %c aparece %d vezes no texto\n",c,contaChar(texto,c)); system("pause"); } int contaChar(char s[], char ch) { int i,cont=0; for (i=0;i


Carregar ppt "Prof a. Maria Aparecida C. Livi v. 5 1 PROGRAMAÇÃO MODULAR (com uso de subprogramas)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google