A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Alunos: Isaac £ Wagner Campo Grande, 26 de Maio de 2008. E.E. Adventor Divino de Almeida A.D.A Profª. Sandra Série: 2° ano A E.M Turno: Vespertino.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Alunos: Isaac £ Wagner Campo Grande, 26 de Maio de 2008. E.E. Adventor Divino de Almeida A.D.A Profª. Sandra Série: 2° ano A E.M Turno: Vespertino."— Transcrição da apresentação:

1 Alunos: Isaac £ Wagner Campo Grande, 26 de Maio de E.E. Adventor Divino de Almeida A.D.A Profª. Sandra Série: 2° ano A E.M Turno: Vespertino

2

3 As pteridófitas são um grupo de vegetais vasculares divididos em raiz, caule e folhas. Foram provavelmente o primeiro grupo vegetal vascularizado. Suas características permitiram-lhes atingir maiores dimensões do que qualquer outra planta terrestre existente até então, transformando-as nas primeiras plantas a abandonar por completo o meio aquático. Entretanto, ainda necessitam de água para a reprodução. Incluem samambaias, cavalinhas, entre outras (a Ginkgo biloba não se inclui mais no filo, mas é uma criptógama vascular). Na classificação científica tradicional, considera-se Pteridophyta ou Pterophyta uma divisão do Reino Plantae, composta por plantas vasculares que não produzem sementes. O seu ciclo de vida possui duas fases alternantes: a fase gametofítica (gametófito) e a fase esporofítica (esporófito). Nas pteridófitas, o esporófito é a fase dominante, de maior porte, ao contrário do que acontece nos restantes grupos de plantas verdes (as briófitas ou musgos). Embora as pteridófitas se reproduzam assexuadamente por fragmentação, apresentam um ciclo haplonte-diplonte. No período da reprodução, os soros tornam-se pardos e, no interior dos esporângios, são criados esporos por meiose. As pteridófitas são classificadas em: Pterophyta, que corresponde às pterófitas, e Lycophyta, que corresponde às licófitas ou licopodíneas

4 O gametófito é a fase de vida transitória, e normalmente não é enxergado a olho nu. Em muitas espécies, é preciso que haja uma relação simbiótica entre o gametófito e espécies de fungo do solo para que o primeiro consiga sobreviver. O gametófito produz estruturas "sexuais" que irão dar origem a gametas "masculinos" (anterozóides) e "femininos" (oosferas). Para que haja a fecundação é precisa a presença de água. Do zigoto formado pela fusão dos gametas cresce então um esporófito com o número total de cromossomos (2n). Samambaias e avencas são pteridófitas bem conhecidas e muito utilizadas como plantas ornamentais. Porém esta definição geral inclui também vários outros grupos de plantas que atualmente são considerados em várias divisões, uma vez que se descobriu que o anterior táxon era polifilético. O esporófito produz esporos, que são dispersados pelo vento. Os esporos possuem metade do número cromossômico (n) do esporófito (2n), e, ao cairem no solo em condições favoráveis de nutrientes e água, germinam dando origem ao protalo. O protalo é um indivíduo geralmente insignificante e de vida curta que produz gametas para dar origem a uma nova planta.

5 Imagens Samambaia, provavelmente Dicksonia antarctica

6

7

8 Fontes: idofitas.htm idofitas.htm


Carregar ppt "Alunos: Isaac £ Wagner Campo Grande, 26 de Maio de 2008. E.E. Adventor Divino de Almeida A.D.A Profª. Sandra Série: 2° ano A E.M Turno: Vespertino."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google