A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Filo Arthropoda Subfilo Hexapoda Classe Insecta. Alimentação Estratégias alimentares: herbivoria, detritivoria, comensalismo e parasitismo. Insetos podem.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Filo Arthropoda Subfilo Hexapoda Classe Insecta. Alimentação Estratégias alimentares: herbivoria, detritivoria, comensalismo e parasitismo. Insetos podem."— Transcrição da apresentação:

1 Filo Arthropoda Subfilo Hexapoda Classe Insecta

2 Alimentação Estratégias alimentares: herbivoria, detritivoria, comensalismo e parasitismo. Insetos podem ser classificados como: mastigadores, sugadores e embebedores. Mastigadores (gafanhotos) apresentam as peças bucais menos modificadas. Insetos Mastigadores podem ser carnívoros, herbívoros ou detritívoros. Herbívoros: gafanhotos, grilos, formigas- cortadeiras (usam folhas para cultivar fungos)

3 Insetos Sugadores: peças bucais estão modificadas para o consumo de alimentos líquidos (seiva, néctar, sangue ou fluídos celulares); Insetos sugadores: – Mosquitos alimentação é iniciada com a perfuração da pele da vítima – modo de alimentação = sugador picador – Borboletas e mariposas se alimentam do néctar e não perfuram só sugam - sugadores

4 Insetos embebedoras: moscas peças bucais modificadas. Nutrientes fluídos são transportados, por ação da capilaridade ao longo de diminutos canais da superfície até a boca; Insetos escatofágicos – alimentam-se de fezes de animais – rolabosta e outros besouros – Colhem o estrume mordendo ou fatiando os pedaços e formam uma bola. Podem enterrar no solo e a fêmeas depositam seus ovos. As larvas obtêm o alimento para crescer. labelo

5 Insetos simbiontes: piolhos mordedores de células epiteliais e pulgas sugadores de sangue e fluídos teciduais; Insetos parasitas: podem ser intermitentes ou vetores; – Insetos parasitas de plantas: causam um crescimento anormal dos tecidos vegetais conhecido como galhas. Fungos e nematóides também podem produzir galhas.

6 Sistema digestivo Trato digestivo – longo e reto e pode ser dividido em estomodeu anterior, mesênteron mediano e proctodeu posterior.

7 Glândulas salivares: associadas a vários apêndices bucais. Secreções salivares: amaciam e lubrificam o alimento sólido; – Em algumas espécies: contêm enzimas que iniciam a digestão química; – Larvas de mariposa (lagartas) e larvas de abelhas e vespas: secretam seda usada na construção das células pupais.

8 Insetos que consomem alimentos sólidos: produzem uma membrana peritrófica no mesênteron (estômago) – lâmina de quitina que reveste, envolve ou reveste partículas de alimento que passam pelo intestino. Estomodeu formado : faringe, esôfago, papo e proventrículo.

9 FARINGE – muscular (insetos sugadores) forma uma bomba faringiana PAPO – armazenamento – refeições grandes PROVENTRÍCULO – regula passagem alimento para estômago com uma válvula (sugadores) ou como órgão moedor (moela nos mastigadores) ESTÔMAGO apresenta cecos gástricos – amplia a superfície de digestão e absorção PROCTODEU – composição das fezes e absorção nutrientes (cupins e baratas – digestão celulose realizada por enzimas produzidas por protozoários

10 Circulação CORAÇÃO tubular dorsal estreita-se na região anterior e origina AORTA ANTERIOR Aorta bombeia hemolinfa que penetra nas câmaras hemocelomáticas e flui para região posterior E no final sangue retorna ao seio pericárdico e ao coração através dos óstios laterais pareados Órgãos bombeadores acessórios ou órgãos pulsáteis ocorrem na base das asas ou pernas para auxiliar na circulação e manutenção da pressão sanguínea

11 Tipos hemócitos foram registrados no sangue dos insetos; Não atuam no transporte de oxigênio, mas alguns são importantes na cicatrização e coagulação; Nutrientes, hormônios e resíduos podem ser eficientemente transportados, exceto o oxigênio;

12 Troca Gasosa A dessecação é um dos principais perigos enfrentados pelos invertebrados terrestres. A superfície geral do corpo dos insetos é à prova dágua, os espiráculos não. As adaptações à vida terrestre sempre envolvem algum grau de comprometimento entre a perda dágua e troca de gases com a atmosfera.

13 Troca Gasosa alguns hexapoda através difusão direta – superfície corpórea; Maioria por Sistema Traqueal – Traquéias são invaginações tubulares da parede do corpo que se abrem através de poros denominados espiráculos. Revestimento é trocado com a muda.

14 Traquéias se originam em um espiráculo e formam uma rede ramificada que penetra na parede do corpo; Alguns insetos parece que o ar é tomado para dentro do pelos espiráculos torácicos e liberado pelos espiráculos abdominais criando um sistema de fluxo continuo.

15 Insetos aquáticos – espiráculos não-funcionais e os gases difundem-se através da parede do corpo diretamente para as traquéias; Algumas espécies insetos aquáticos retêm espiráculos funcionais e: Seguram uma bolha de ar sobre cada abertura e através da bolha que oxigênio circundante difunde- se; Bolhas são mantidas no lugar através de ceras secretadas e de malhas de cerdas.

16 Excreção Sistema excretor é um local de potencial perda dágua, uma vez que os excretas nitrogenados ocorrem em um estado dissolvido. Problema foi solucionado com os TÚBULOS DE MALPIGHI – são projeções não-ramificadas do trato digestivo e suas extremidades distais terminando em fundo cego dentro da hemocele.

17 Osmorregulação Na ausência de pressão sanguínea suficiente para filtração os hexápodes usam pressão osmótica. Íons como potássio são transportados pelo epitélio dos túbulos de Malpighi desde o sangue até a luz dos túbulos. Gradiente osmótico mantido por esse mecanismo de transporte de íons possibilita que água e solutos se desloquem da cavidade do corpo até os túbulos e daí até interior trato digestivo Água e outros materiais são reabsorvidos pelo sangue através das paredes do protocdeu e resto vai para trato digestivo Urato potássio veio túbulos Malpighi foi precipitado na forma de cristais de ácido úrico que serão eliminados junto com as fezes

18 Sistema Nervoso Segue o plano básico dos artrópodes. Os dois ramos do cordão nervoso ventral, e os gânglios segmentares, estão fundidos. Dípteros – também os 3 gânglios torácicos estão fundidos; Insetos ápteros - tem maior número gânglios abdominais independentes. Fibras gigantes foram registras em ordens de insetos.

19 Cérebro possuem 3 regiões: protocérebro, deutocérebro e tritocérebro.

20 Insetos possuem um gânglio hipocerebral – localizado entre o gânglio cerebral e o estomodeu. Associados com esse gânglio existem 2 pares de corpos glandulares denominados corpora cardiaca e corpora allata. Esses dois trabalham em conjunto com as glândulas protorácicas e células neurossecretoras. Complexo com um todo é um centro endócrino principal que regula o crescimento, metamorfose e outras funções.

21 Órgãos do Sentido Ocelos simples nos estágios de larva, ninfa e freqüentemente em adultos. Olhos compostos – formado por muitas unidades fotorreceptoras denominadas omatídeos; Omatídeos – cada um é suprido pelo nervo óptico que se liga ao nervo principal e tem seu próprio campo visual através de uma faceta quadrada ou hexagonal de cutícula sobre a superfície do olho

22 Cerdas sensoriais reconhecidas coletivamente por sensilas concentradas pernas, antenas e peças bucais. Proprioceptores internos – estruturas estendem-se através das articulações e monitoram o movimento e posição de várias partes do corpo Fonorreceptores – essas estruturas podem ser cerdas simples, do corpo ou dos apêndices ou estruturas complexas denominadas órgãos timpânicos Órgãos timpânicos – se desenvolvem da fusão de partes de uma dilatação traqueal e de parte do corpo formando uma membrana timpânica

23 Comunicação através de som de luz ( vaga- lumes) – meio de comunicação para acasalamento; Outras ordens possuem estruturas produtoras de som (especifico para cada espécie): – Drosophila - Vibração das asas ou do abdômen, – Cigarras – região ventral tórax do macho possui 2 placas (opérculos) que cobrem sistema de membranas vibratórias e câmaras. Membranas vibra através de músculos especiais e as câmaras ampliam o som. Som deixa o corpo através dos espiráculos.

24 Sistema Reprodutor - Fêmea Vagina se abre no VIII segmento abdominal; Espermateca armazena espermatozóides; Fertilização ocorre quando óvulos passam pela vagina e os espermatozóides são liberados da espermateca; Glândulas acessórias – diversas funções incluindo secreção para fixar ovos no substrato.

25 Genitália externa fêmeas quando presentes – VIII ou IX segmento abdominal; Apêndices modificados formam ovipositor; Ovos eliminados pelos gonóporos passam pela luz ovipositor; Ovipositor modificado para inserir ovos no solo, grudá- los na superfície, perfurar madeira e depositar ovos.

26 Em alguns Hymenoptera (vespas, abelhas e formigas): – Ovipositor se transforma em um FERRÃO equipado com glândulas de veneno não usado para oviposição; – Apenas as fêmeas possuem ferrão. – Os ovos não passam pelo ovipositor; Em algumas ordens não existe ovipositor verdadeiro, mas os segmentos posteriores formam um dispositivo flexível usado na oviposição, quando não estão em uso é recolhido dentro do segmento

27 Sistema Reprodutor - Macho Testículos – ducto espermático – vesícula seminal (armazena os espermatozóides); Glândulas acessórias – secretam fluído seminal que empacotam espermatozóides - espermatóforo

28 Alguns machos apresentam o clásper no último segmento e forma bem variável; Estruturas genitálias externas podem ser retraídas dentro corpo quando não estão em uso.

29 Fecundação Insetos reprodutivamente maduros = imagos. Comportamento de corte diversificado e bastante elaborado: Cada espécie tem seus próprios métodos de reconhecimento específico; Corte consisti em: – Uma atração química ou visual envolvendo feromônios, seguida série de exibições, estimulação tátil, cantos, pulsos luminosos, ou rituais que podem durar horas

30 Cópula maioria insetos baseia-se em cópula e inseminação direta ; Cópula freqüentemente ocorre durante o voo (enxame mais efetivo para encontro parceiros); Insetos primitivos ápteros e libélulas – transferência espermatozóide é indireta; Machos podem depositar seus espermatozóides em regiões de seu corpo ou deixá-lo sobre o solo para serem recolhidos pela fêmea.

31 Percevejo-de-cama - machos utilizam pênis dilatado para perfurar região especial da parede do corpo da fêmea e depositam espermatozóides direto em um órgão interno (órgão de Berlese) e depois migram para os ovários. Espermatozóides podem estar suspensos em uma secreção produzida pelas glândulas acessórias – secreção endurece em torno da massa de espermatozóides e forma o espermatóforo.

32 Ovos protegidos por membrana espessa (córion) produzida dentro ovário; Fertilização ocorre quando ovos passam pelo oviduto para serem depositados. Glândulas acessórias contribuem com adesivos e secreções que endurecem os zigotos.

33

34 Ninfa = asas funcionais e estruturas sexuais ausentes.

35 Larva borboleta = lagartas; larvas moscas e besouros = coró

36 Partenogênese (parthénos= virgem; génesis= nascimento) - forma alternativa de reprodução - abelhas, vespas e formigas. Partenogênese meiótica Ovo haplóide é formado por meiose podendo ou não ser ativado pela influência de um macho; Óvulo haplóide inicia seu desenvolvimento espontaneamente, não sendo necessários machos para estimular a ativação de um ovo. A condição diplóide é restaurada pela duplicação cromossômica.

37 Abelhas: rainha é fecundada por um ou mais zangões em um único momento da sua vida – voo nupcial; Rainha ao pôr ovos PODE fertilizá-los ou NÃO. Se os espermatozóides são liberados quando a rainha põe óvulos, ocorre fecundação e os ovos se desenvolvem em fêmeas (rainhas ou operárias). Se não forem fecundados, os óvulos se desenvolvem partenogenicamente em machos (zangões). Ovos fertilizados – fêmeas DIPLÓIDES (rainhas ou operárias); ovos não-fertilizados machos HAPLÓIDES (zangões);


Carregar ppt "Filo Arthropoda Subfilo Hexapoda Classe Insecta. Alimentação Estratégias alimentares: herbivoria, detritivoria, comensalismo e parasitismo. Insetos podem."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google