A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Às vezes penso o quanto somos efêmeros, o quanto somos viajantes de nós mesmos, o quanto somos passageiros. Só posso re-olhar o mundo nosso como uma.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Às vezes penso o quanto somos efêmeros, o quanto somos viajantes de nós mesmos, o quanto somos passageiros. Só posso re-olhar o mundo nosso como uma."— Transcrição da apresentação:

1

2

3 Às vezes penso o quanto somos efêmeros, o quanto somos viajantes de nós mesmos, o quanto somos passageiros. Só posso re-olhar o mundo nosso como uma grande viajem, seja de trem, ônibus, automóvel conversível, calhambeque conservado a formol ou na sola do pé, em caminhada esotérica.

4 Marcha de retirantes, caminho de iluminados, estradas de sonhadores, ao longo de rios, ao ultrapassar os morros, ao voar sobre montanhas, cada um de nós se sente o mago da vida de idas e vindas, capaz de estar aqui e ali, indo em frente, sensação magnânima que nos faz vencer os medos de parar, qualquer dia, em lugar incerto e não sabido, como as pedras que não rolam mais?

5 Todos nós identificamos um grande medo: viajarmos dentro de nós mesmos. Somos, então, forçados a nos reconhecer como dependentes dos controladores dos nossos destinos, dos condutores, dos motoristas, dos comissários, dos maquinistas, dos mestres da navegação dos mares infinitos e, até, dos deuses astronautas que infestam os sonhos de universo explorável.

6 Pensamentos reflexivos em milhares de cabeças acostumadas à correria de vôos condutores da vida moderna. Ao nos vermos caminhando no barro ou esperando a carona na distância dos sertões, tentando chegar a uma cidade grande, para arranjar emprego,...

7 ... andar de coletivo, metrô ou trem, quem sabe um dia, subir naquele bicho prateado e conseguir voar, sem precisar esperar tanto que a vida flua, que o mundo seja vencido, que não se tenha mais tempo para parar e esperar, na entupida estação rodoviária.

8 Dá vontade de cantarolar com a Maria Rita a letra da canção de Milton Nascimento e Fernando Brandt, que diz assim: Chegar e partir são só dois lados da mesma viagem, o trem que chega é o mesmo trem da partida, a plataforma dessa estação é a vida desse meu lugar.

9 Créditos: Texto: Aparecida Torneros – Viajantes de nós mesmos Imagens: Internet Música: Ennio Morricone – Piano Solo Formatação: Beth Norling Beth NorlingBeth Norling GRUPO SINTONIA ELEVADA Clique aqui para visitar nosso site Clique aqui para visitar nosso site Clique aqui para receber novas mensagens gratuitamente Clique aqui para receber novas mensagens gratuitamente


Carregar ppt "Às vezes penso o quanto somos efêmeros, o quanto somos viajantes de nós mesmos, o quanto somos passageiros. Só posso re-olhar o mundo nosso como uma."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google