A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INSTITUTO MELVIN JONES DE ESTUDOS LEONÍSTICOS 25º CICLO DE ESTUDOS MANUTENÇÃO DOS ASSOCIADOS CL Nielsen Freire da Silva Lions Clube Volta Redonda Dezessete.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INSTITUTO MELVIN JONES DE ESTUDOS LEONÍSTICOS 25º CICLO DE ESTUDOS MANUTENÇÃO DOS ASSOCIADOS CL Nielsen Freire da Silva Lions Clube Volta Redonda Dezessete."— Transcrição da apresentação:

1 INSTITUTO MELVIN JONES DE ESTUDOS LEONÍSTICOS 25º CICLO DE ESTUDOS MANUTENÇÃO DOS ASSOCIADOS CL Nielsen Freire da Silva Lions Clube Volta Redonda Dezessete de Julho Outubro de 2013 LIONS CLUBE VOLTA REDONDA DEZESSETE DE JULHO Distrito Múltiplo LC - Distrito LC-1 – Região I – Divisão I – 1 Clube nº 3140/ – Fundado em 22/09/1980 / Carta Constitutiva em 12/03/1981 CNPJ /

2 Conteúdo: Esforço dos dirigentes no sentido de recrutar e manter os sócios nos clubes; Indicadores de sócios : 2011 e 2013 Ligeira abordagem sobre a Estratégia Evolutiva Estável (EEE) comparando-a com a existência dos clubes Causas prováveis da evasão de sócios Reflexão e proposta de solução do problema CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

3 ESFORÇO PARA RECRUTAMENTO E RETENÇÃO DE SÓCIOS O desenvolvimento do quadro social tem sido uma preocupação constante dos dirigentes do Clubes LIONS. Ações dos Dirigentes Internacionais para motivar os Clubes a promoverem admissão de novos sócios Realização de Seminarios, Workshops, Palestras e Ciclo de Estudos para criar ambientes favoráveis para admissão de novos associados Os temas sempre versaram sobre: abertura de novos clubes,admissão de novos sócios, retenção de sócios. CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

4 Esforço para recrutamento e retenção de sócios Nos últimos dois anos, para não irmos muito longe no tempo, perdemos 282 clubes e sócios. Os quadros a seguir mostram esses indicadores, elaborados com base em informações publicadas na Revista LION de jul- ago de 2011 e jul-ago de 2013: CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

5 INDICADORES DO QUADRO SOCIAL DE LIONS UNIVERSO DE LIONS 30 DE JUNHO DE DE JUNHO DE 2013 Variação MUNDO PAÍSCLUBESASSOCIADOSASSOC/CLUBEPAÍSCLUBESASSOCIADOS ASSOC/CLUB E CLUBESASSOCIADOS REP CORÉIA REP CORÉIA ITÁLIA ITÁLIA TAIWAN TAIWAN INDIA INDIA ALEMANHA ALEMANHA JAPÃO JAPÃO EUA EUA BRASIL BRASIL CANADÁ CANADÁ FRANÇA FRANÇA total total CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

6 INDICADORES DO QUADRO SOCIAL DE LIONS UNIVERSO DE LIONS 30 DE JUNHO DE 2011UNIVERSO DE LIONS 30 DE JUNHO DE 2013Variação AMÉRICA DO SUL PAÍSCLUBESASSOCIADOSASSOC/CLUBEPAÍSCLUBESASSOCIADOSASSOC/CLUBECLUBESASSOCIADOS BRASIL BRASIL ARGENTINA ARGENTINA PERU PERU VENEZUELA VENEZUELA COLÔMBIA COLÔMBIA CHILE CHILE EQUADOR EQUADOR URUGUAI URUGUAI PARAGUAI PARAGUAI BOLÍVIA BOLÍVIA total total CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

7 INDICADORES DO QUADRO SOCIAL DE LIONS UNIVERSO DE LIONS 30 DE JUNHO DE 2011UNIVERSO DE LIONS 30 DE JUNHO DE 2013 Variação BRASIL DISTRITOCLUBESASSOCIADOSASSOC/CLUBEDISTRITOCLUBESASSOCIADOSASSOC/CLUBECLUBESASSOCIADOS BRASIL BRASIL LA LA LB LB LC LC LD LD DE JULHO DE JULHO CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

8 Caminhos para manutenção de sócios RecrutamentoSeleçãoGestão CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

9 Caminhos para manutenção de sócios MotivaçãoLiderançaServiço GESTÃO CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

10 DÚVIDAS DO LEÃO Porque algumas organizações permanecem vivas por séculos? O que as distingue das outras que têm suas atividades encerradas em poucos anos ou que são adquiridas ou incorporadas e perdem a sua identidade inicial CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

11 Genética; Management Proponho uma reflexão unindo dois ramos do conhecimento humano: ABORDAGEM DA EEE – Estratégia Evolutiva Estável CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

12 ENTENDEMOS UMA ORGANIZAÇÃO Ser vivo; Nasceu, cresceu, passou pela adolescência, maturidade; Passou por diversas crises mais ou menos graves em cada uma destas fases; Deve estar submetida às regras da natureza, assim como outros seres vivos de todos os reinos. CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

13 Permanece a espécie que consegue combinar e passar para a geração seguinte os melhores genes, que interagindo entre si produzem uma espécie com mais habilidade para enfrentar e vencer seus predadores em uma proporção que garanta a continuidade ou perpetuidade da espécie. No reino animal, por exemplo, observamos que existe uma seleção natural através do processo evolutivo CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

14 Estratégia Evolutiva Estável A analogia com o management é evidente, organizações devem transmitir para a nova geração um conjunto de habilidades que as torna capazes de enfrentar e vencer seus problemas, suas dificuldades e até seus concorrentes. CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

15 Estratégia Evolutiva Estável Nas organizações com alta longevidade, seus líderes, souberam conscientemente ou não, transmitir para as gerações sucessoras estes genes que combinados formam uma EEE. CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

16 Estratégia Evolutiva Estável Entendemos que uma EEE vai além de missão e visão da organização, pois sabemos que ambas se transformam e se atualizam para sobreviver e vencer no novo macro ambiente. CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

17 Estratégia Evolutiva Estável Então quais são estas habilidades? Ou será que é algo mais do que simples habilidades? Como podemos trabalhar esse conceito nos LIONS Clubes? CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

18 REFLEXÃO PROPOSTA Para uma adequada gestão é necessário a elaboração de: Diagnóstico Situacional Plano de Ação Executiva CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

19 PLANO DE AÇÃO EXECUTIVA poderá mudar total ou parcialmente a filosofia de trabalho, bem como, as estratégias e táticas usadas seguindo os princípios da estratégia evolutiva estável. faz com que o clube seja gerido como uma empresa. Termina o gerenciamento diletante, que formava um Conselho Diretor com muitas comissões. CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

20 PLANO DE AÇÃO EXECUTIVA No PAE o clube tem a Diretoria formada pelo presidente, vices presidentes, secretários, tesoureiros, e um ou mais diretores, eleitos anualmente numa assembleia. CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

21 PLANO DE AÇÃO EXECUTIVA O planejamento, as estratégias e as táticas do clube serão propostas por Comissões Permanentes. Cada uma dessas comissões tem três membros, com mandato de três anos. A cada ano um destes membros é substituído. CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

22 PLANO DE AÇÃO EXECUTIVA Como estamos fazendo uma analogia entre um clube de LIONS com uma EMPRESA, nomearemos as comissões, e os departamentos correspondentes naquela empresa: – 1) Comissão de ADMINISTRAÇÃO – 2) Comissão de ADMISSÃO ou QUADRO SOCIAL – 3) Comissão de FINANÇAS – 4) Comissão de PROJETOS ou ATIVIDADES – 5) Comissão de RELAÇÕES PÚBLICAS CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

23 PLANO DE AÇÃO EXECUTIVA Os membros conhecerão mais sobre os objetivos das comissões de que participaram; O planejamento de todas as ações do clube será no mínimo para três anos; A elaboração do planejamento será feita com a participação de todos os sócios. Permite que as ações sejam abraçadas por todos, pois não é fruto de uma única pessoa como hoje, e sim, de um conjunto de associados. VANTAGENS IMEDIATAS CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

24 Para reter sócios novos e antigos é preciso que sintam Felicidade, Satisfação, Realização e Prazer nas atividades do clube. Além de estarem integrados e partícipes, no companheirismo e nos serviços. CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013

25 como disse Sócrates, só amamos aquilo que conhecemos. CL Nielsen Freire da Silva - outubro de 2013


Carregar ppt "INSTITUTO MELVIN JONES DE ESTUDOS LEONÍSTICOS 25º CICLO DE ESTUDOS MANUTENÇÃO DOS ASSOCIADOS CL Nielsen Freire da Silva Lions Clube Volta Redonda Dezessete."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google